ArcoVerde

05/11


2018

A Casa Civil de Bolsonaro

Pasta é bem maior que biografia de Onyx Lorenzoni. Deputado terá de surpreender no cargo

Leandro Colon - Folha de S.Paulo

O governo Bolsonaro começa a atuar oficialmente nesta segunda-feira (5) em Brasília com a nomeação do deputado Onyx Lorenzoni como ministro extraordinário para coordenar o processo de transição.

Filiado ao DEM do RS, o futuro chefe da Casa Civil é figura conhecida no Congresso há mais de uma década. Ganhou visibilidade inicial em 2005, logo no primeiro mandato, quando dividiu com os então deputados ACM Neto e Eduardo Paes o palanque da gritaria oposicionista da CPI dos Correios, que investigou o mensalão no governo Lula.

 “O que diferencia as pessoas é se elas são corruptas ou não são corruptas, se são éticas ou não são éticas. Se têm padrões morais sérios ou se não têm padrões morais”, disse Onyx em sessão daquela comissão.

Doze anos depois, ele admitiu ter recebido R$ 100 mil em caixa dois da JBS na campanha de 2014 (a empresa, em delação, mencionou R$ 200 mil).

Mesmo tendo liderado a bancada do partido por um período, Onyx nunca foi um personagem do primeiro escalão de comando do DEM. Alijado do pelotão de frente, construiu o próprio caminho na Câmara.

Foi até aqui um parlamentar secundário no campo de decisões do Congresso, embora sua atuação não tenha sido desprezível. Relatou, por exemplo, o projeto de medidas anticorrupção aprovado pela Câmara em 2016.

Protagonizou um embate com Renan Calheiros (PMDB-AL) sobre a proposta, parada no Senado. “Parece nome de chuveiro, mas não é nome de chuveiro”, provocou o senador alagoano ao falar do deputado.

Como futuro ministro de Bolsonaro, Onyx anunciou o corte de 25 mil cargos de confiança no primeiro dia de gestão. Voltou atrás quando revelou-se que existem 23 mil no total.

O chefe da Casa Civil costuma ser o todo poderoso de um governo ao lado de quem comanda a economia. Onyx já foi desautorizado por Paulo Guedes ao dar pitaco na área. E não tem a estatura de Sergio Moro, o superministro da Justiça. Assumirá uma pasta bem maior que a própria biografia. Terá de surpreender.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Não esquecer a JBS, e a propina recebida.


Asfaltos

Confira os últimos posts



13/11


2018

Caixa suspende parte do Minha Casa, Minha Vida

A Caixa Econômica Federal, em comunicado, informou que suspendeu a contratação de novas unidades do programa Minha Casa Minha Vida na faixa 1,5, que enquadra famílias com renda mensal de até R$ 2,6 mil. O motivo da suspenção foi a falta de recursos.

O banco informou ainda que o orçamento para esta modalidade foi esgotado e o programa será retomado nesta faixa a partir do início de 2019. O orçamento do Minha Casa, Minha Vida para 2018 é de R$ 57,4 bilhões. Até o momento, a Caixa informou que foram contratadas cerca de 4,7 milhões de unidades habitacionais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

Bolsonaro tenta amenizar declarações sobre TSE

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, tentou se desculpar indiretamente, em visita que fez, hoje, ao Tribunal Superior Eleitoral. Ao se despedir da presidente do TSE, ministra Roda Weber, ele tentou amenizar declarações que fez durante as eleições. “Pode contar com a gente. No calor dos acontecimentos, às vezes a gente se excede”, afirmou.

Durante a campanha, Bolsonaro se levantou suspeitas sobre a segurança e a confiabilidade das urnas eletrônicas. De imediato, após a afirmação, a ministra Roda Weber rebateu, recebendo o apoio dos demais ministros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Eleitores do Bozo aceitarão ficar sem; FGTS, PIS, PASEP e 13ª salário? NA REFORMA DE GUEDES ?

Fernandes

Militares, já temem o fracasso de Bolsonaro, e começaram a questionar se fizeram a coisa certa ao apoia-lo. chupa essa besteirinha.

Fernandes

Tem dois tipos que apoia as medidas desse governo, os psicopatas e os idiotas

Fernandes

Adorei o Moro declarar que o caixa dois do Onix Lorenzoni é um erro do passado. Todo crime é um erro da passado.

Fernandes

O Brasil deixou de ser uma Democracia para virar uma Idiocracia. Seremos governados por idiotas. Idiotas eleitos por idiotas...



13/11


2018

Deputada denuncia dívida da SES com Altino Ventura

Na Assembleia Legislativa de Pernambuco, durante a Reunião Plenária de ontem, a deputada estadual Socorro Pimentel (PTB) ocupou a Tribuna para denunciar dívida do Governo do Estado com a Fundação Altino Ventura. De acordo com a parlamentar, a FAV anunciou recentemente o fechamento da unidade que funciona no município de Arcoverde, no Sertão do Moxotó, por falta de recursos financeiros. “Há exatos 13 meses, a Secretaria Estadual de Saúde não repassa para a FAV os recursos previstos pelo Planejamento Orçamentário Anual, aprovado pelo Estado, para os municípios de Arcoverde e Salgueiro. O débito Já chega ao total de R$ 4,6 milhões. Como todos sabem, a Fundação Altino Ventura é uma entidade sem fins lucrativos que vem atuando como uma rede complementar SUS em Pernambuco e em 32 anos já superou a marca de 13 milhões de beneficiados”, disse.

Socorro Pimentel pediu ainda que Governo tome providências e regularize a situação junto à Fundação. “A FAV é um verdadeiro patrimônio do povo pernambucano. Não podemos nos omitir diante de acontecimentos tão graves. O que acontece na Fundação Altino Ventura é um verdadeiro escândalo. Não vamos permitir que esse desmantelo siga desenfreado”, finalizou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

Pernambucano pode assumir MEC

O diretor de articulação do Instituto Ayrton Senna, Mozart Neves Ramos, pode assumir o Ministério da Educação do governo de Jair Bolsonaro. Outros nomes também estão na lista de cotados. A informação foi passada pelo futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, há pouco. O titular da pasta da educação sairá até o dia 20 deste mês.  Mozart Ramos é engenheiro químico e já foi reitor da Universidade Federal de Pernambuco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

"Ministro das Relações Exteriores pode ser gay"

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou há pouco a jornalistas que o nome do ministro das Relações Exteriores pode ser um homossexual. "O nome da pasta das Relações Exteriores pode ser gay e pode ser anunciado até amanhã", afirmou. Sobre o nome do deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para a pasta da saúde, Bolsonaro disse que o nome está cotado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Militares, já temem o fracasso de Bolsonaro, e começaram a questionar se fizeram a coisa certa ao apoia-lo. chupa essa besteirinha.

Fernandes

Adorei o Moro declarar que o caixa dois do Onix Lorenzoni é um erro do passado. Todo crime é um erro da passado.

Fernandes

O Brasil deixou de ser uma Democracia para virar uma Idiocracia. Seremos governados por idiotas. Idiotas eleitos por idiotas...

Fernandes

Se eu torço para o Bolsonaro afundar?? Sim, todos os dias, todas as horas, todos os minutos, todos os segundos....

Fernandes

Gente morrendo nas filas dos hospitais e governo vai gastar R$ 2,8 milhões para comprar 12 carros blindados para Bolsonaro e Mourão



13/11


2018

Ex-prefeito é morto pelo pai por engano

O ex-prefeito da cidade de Baraúna, no Curimataú da Paraíba, foi morto pelo pai após ser confundido com um assaltante ontem. Segundo a Polícia Civil, Alyson Azevedo tinha 37 anos e foi à casa do pai, Adilson Azevedo, também ex-prefeito da cidade, depois de ser chamado por vizinhos, porque uma fumaça estava saindo da casa dele e ninguém conseguia acordá-lo.

Alyson correu até a casa do pai e tentou arrombar a porta. Momento em que o pai atirou de dentro da casa contra o filho, achando que se tratava de um assalto. Alyson Azevedo foi baleado no peito, chegou a ser levado para o Hospital de Picuí, mas não resistiu. A fumaça que saía da casa era de uma panela que estava no fogão. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

Toffoli emite nota e elogia indicação de ex-assessor

“É com muita alegria que vejo o anúncio do nome do General Fernando Azevedo e Silva para Ministro de Estado da Defesa. Certamente sua larga experiência contribuirá para o fortalecimento da atuação das Forças Armadas, da segurança e da defesa no Brasil. Seu perfil técnico, sua dedicação ao serviço público e sua visão republicana são aspectos fundamentais para a nova missão na Administração Pública Federal. 

 O compromisso do General Fernando Azevedo e Silva com o País pode ser identificado na larga experiência durante os 45 anos de serviços dedicados à carreira militar e também nos três Poderes da República. Hoje pela manhã, fui consultado pelo Presidente eleito Jair Bolsonaro sobre a indicação de Fernando Azevedo e Silva e prontamente disse que seria uma excelente escolha. No período em que está no Supremo Tribunal Federal, o General conquistou a todos, Ministros e servidores, e está sendo um grande colaborador nos temas envolvendo políticas de segurança. Desejo sucesso ao General Fernando na sua nova missão”, finaliza a nota do ministro Dias Toffoli.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bm4 Marketing 2

13/11


2018

Deputado cotado para a Saúde é investigado

Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), cotado para o Ministério da Saúde, do governo Bolsonaro, é investigado em um inquérito de tráfico de influência e de fraude à Lei de Licitações. A suspeita  envolve o Consórcio Telemídia & Technology e da empresa Alert Serviços de Licenciamento de Sistemas de Informática para a Saúde quando o deputado era secretário de Saúde. A suposta troca de favores pessoais ocorreu para a campanha eleitoral de 2010.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

Ex-procurador recebeu R$ 7,2 mi em propina

Em quatro anos, o ex-procurador de Justiça do Rio de Janeiro Cláudio Lopes, recebeu R$ 7,2 milhões em propinas, de acordo com investigações do Ministério Público. O ex-procurador foi preso na quinta por determinação do Tribunal de Justiça do RJ.

Segundo as investigações, os pagamentos de propina a Cláudio Lopes teriam começado ainda durante a campanha para o Ministério Público Estadual, com um aporte de R$ 300 mil. Em nota, a defesa nega. O depoimento de Carlos Miranda, responsável por fazer repasses de propina à quadrilha de Sérgio Cabral, o pedido para dar dinheiro a Cláudio Lopes foi do ex-secretário de Governo do RJ, Wilson Carlos, que atendeu pedido do então governador Cabral.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

89,4% rejeitam aumento do STF

Segundo o Instituto Paraná, divulgada pelo Antagonista, 89,4% dos brasileiros consideraram injusto o aumento salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

A pesquisa mostra também que, para 91,1% dos entrevistados, os senadores deveriam ter esperado que Jair Bolsonaro assumisse o cargo para votar sobre o aumento, diz a revista Veja.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

General Azevedo será o ministro da Defesa

Jair Bolsonaro, anunciou há pouco, por meio das redes sociais, o nome do general de Exército Fernando Azevedo e Silva para o cargo de ministro da Defesa.  Azevedo foi chefe do Estado Maior do Exército e comandante da Brigada Paraquedista antes de ir para a reserva.

O futuro ministro da Defesa estava desde setembro como assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Dias Toffoli, sob indicação do Comandante do Exército, o general Eduardo Villas Bôas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

Mourão versus Villas Boas: quartéis não politizados

Mourão discorda de comandante do Exército e diz que não há risco de politização nos quartéis

Villas Bôas disse que sempre é possível que interesses pessoais venham a penetrar no ambiente militar

Mônica Bergamo - Folha de S.Paulo

O general Hamilton Mourão, vice-presidente eleito na chapa de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), descarta qualquer risco de politização dos quartéis durante o novo governo —a hipótese é admitida pelo atual comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas.

 

Em entrevista à Folha, Villas Bôas disse que sempre é possível que “interesses pessoais venham a penetrar” no ambiente militar, o que seria um “risco sério”. “Não concordo”, diz Mourão. “As Forças Armadas vão continuar como sempre estiveram”.

As declarações de Villas Bôas incomodaram o STF (Supremo Tribunal Federal). O general disse que o Exército passou por um momento delicado quando a corte votou (e rejeitou) o habeas corpus que evitaria a prisão de Lula.

Na época, o general fez declarações contra a “impunidade”. Agora, diz que sua preocupação era com a “estabilidade” e afirma: “É melhor prevenir do que remediar”. As frases foram entendidas como uma insinuação de que o Exército poderia ter feito algum tipo de intervenção se Lula ficasse solto.

Alguns magistrados trocaram mensagens entre si lembrando a manifestação do decano do tribunal, Celso de Mello, no julgamento do habeas corpus, em que repeliu o pronunciamento do general.

Sem citar Villas Bôas, ele então disse que, em situações graves, “costumam insinuar-se” pronunciamentos “que parecem prenunciar a retomada, de todo inadmissível, de práticas estranhas (e lesivas) à ortodoxia constitucional, típicas de um pretorianismo que cumpre repelir”.

Mello disse ainda que as declarações lembravam a de Floriano Peixoto, no século 19: “Se os juízes concederem habeas corpus aos políticos, eu não sei quem amanhã lhes dará o habeas corpus de que, por sua vez, necessitarão”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Chora não mortadela

Fernandes

Por que Bolsonaro se aposentou do Exército com atestado de insanidade mental, aos 33 anos, e agora pode assumir a presidência do Brasil? Ele ficou curado? Ou o atestado era falso?



13/11


2018

Deputados da bancada da bala quase se agridem

Alberto Fraga (DEM) e Laerte Bessa (PR) quase se agridem por divergência em relação futuro governo do DF

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

Dois deputados do Distrito Federal bateram boca e quase se agrediram fisicamente durante a sessão plenária da Câmara dos Deputados desta segunda-feira, 12. Alberto Fraga (DEM) criticou a possibilidade de o governador eleito Ibaneis Rocha(MDB) extinguir a Casa Militar. Laerte Bessa (PR) rebateu o colega ao afirmar que ele não tinha moral para falar sobre a questão, chamando-o também de ladrão.

“Se ele insistir com essa ideia maluca, de jumento, ele pode preparar cadeia para todos os oficiais, porque ninguém vai para as ruas, ninguém vai trabalhar. Isso vai mergulhar o Distrito Federal em um caos”, disse Fraga, que é coordenador da chamada bancada da Bala.

O deputado Alberto Fraga, do DEM, empurra o deputado Laerte Bessa (de barba), do MDB, dentro do plenário da Câmara Foto: Dida Sampaio/Estadão

Bessa, que também integra o grupo e já foi aliado de Fraga, foi à tribuna para defender Ibaneis. O deputado será o chefe do Gabinete da Segurança Institucional (GSI) do próximo governo. “Eu queria dizer para esse coronel deputado que ele não tem moral nenhuma para falar de quem quer que seja. Sabe por quê? Porque foi condenado recentemente por corrupção. [...]Estou falando que você é ladrão porque já foi condenado”, afirmou Bessa.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Anotei mortadela.

Fernandes

Podem anotar o Brasil irá viver á maior DESGRAÇA de todos os tempos, fome, desemprego, violência!



13/11


2018

DEM se credencia para terceiro ministério de Bolsonaro

Governo eleito tem mais dois potenciais ministros

O governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, ganhou mais dois potenciais ministros. Depois de o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ter sinalizado a escolha do advogado Gustavo Bebianno, ex-presidente do PSL, para a Secretaria-Geral da Presidência, o próprio presidente eleito revelou estar analisando a indicação do deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para a pasta da Saúde.Parte superior do formulário

Se confirmado, Mandetta será o terceiro ministro do DEM e comandará um orçamento estimado em R$ 128 bilhões para 2019. Além de Onyx, considerado o “capitão do time” de Bolsonaro, o presidente eleito anunciou na semana passada a escolha da deputada Tereza Cristina (DEM-MS).

Amigo de Onyx, Mandetta, 53 anos, é médico ortopedista, e tornou-se um dos cotados depois de receber apoio de figuras importantes como o governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado. Na segunda-feira, ao falar da possível escolha, já discutida com o superministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente eleito disse que umas das prioridades do novo comandante da Saúde será “economizar dinheiro”.  (O Globo - Amanda Almeida, Daniel Gullino, Eduardo Bresciani, Mateus Coutinho e Luciano Ferreira)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/11


2018

Bolsonaro segue nesta semana número de ministérios

Ainda segundo Onyx Lorenzoni, o presidente eleito pretende avançar nesta semana na definição do número de ministérios e nos nomes dos futuros ministros.

G1

Além de Onyx, outros cinco ministros já foram anunciados:


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Pergunta que não quer calar, Quando Dilma Jumenta será presa?

Fernandes

Por que Bolsonaro se aposentou do Exército com atestado de insanidade mental, aos 33 anos, e agora pode assumir a presidência do Brasil? Ele ficou curado? Ou o atestado era falso?