Faculdade de Medicina de Olinda 2

12/08


2018

Tucano quer eleitor que debandou para Bolsonaro

PSDB traça ofensiva para reaver eleitorado que migrou para Bolsonaro

Daniela Lima – Painel – Folha de S.Paulo

Entre o rochedo e o mar - Aliados de Geraldo Alckmin, o candidato do PSDB à Presidência, começaram a traçar estratégias para, mesmo antes do início da propaganda eleitoral, tentar retomar eleitorado que já foi dele e hoje simpatiza com Jair Bolsonaro (PSL). A ofensiva deve começar no terreno menos acidentado: o interior de São Paulo, reduto de Alckmin há anos. Reconquistar a região, de perfil conservador e muito ligada ao agronegócio, é visto como o primeiro passo para fortalecer o tucano nas pesquisas.

A equipe de Alckmin também está disposta a explorar ao máximo a interface da vice do tucano, Ana Amélia (PP-RS), com os ruralistas. Ela vai representar a chapa em eventos aos quais ele não possa comparecer, especialmente no Centro-Oeste e no Sul.

Amélia começou a fazer gravações para os programas do tucano na sexta (10). Na entrevista que seria usada no horário eleitoral do rádio, chorou ao falar da infância difícil e da responsabilidade que sente em “representar as mulheres”. A coordenação da campanha ainda não sabe se vai levar o trecho ao ar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Ricardo Pessoa da UTC, afirma que deu R$ 3.000.000,00 Três Milhões de Reais desviados da Petrobras para Fernando Haddad. O Cara é perigoso!

Quentura

ECONOMIST DIZ QUE BOLSONARO É AMEAÇA À DEMOCRACIA. Reportagem da revista britânica The Economist sobre as eleições no Brasil aponta o candidato do PSL à presidência, Jair Bolsonaro, como um risco à democracia.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Daniela Lima, aprendiz de \"jornalista\". Estar mais para militante petralha. Não adianta Daniela, é bom JAIR se acostumando.

Quentura

ECONOMIST DIZ QUE BOLSONARO É AMEAÇA À DEMOCRACIA. Reportagem da revista britânica The Economist sobre as eleições no Brasil aponta o candidato do PSL à presidência, Jair Bolsonaro, como um risco à democracia.

Quentura

Bolsonaro é uma excrescência do golpe. Ele é o repositório temporário do ódio . Apenas isso. Bolsonaro não quer ganhar pois sabe que não tem condições de governar e nem vai ter. Pior: vai ter sua vida toda exposta e duvido que não tenha rabo preso, Ele apenas surfa na onda dos interessados em eliminar o PT do mundo. E se diverte dizendo asneiras e fazendo papel de palhaço, pois seus eleitores são assim: asnos e palhaços. Bolsonaro vai perder. Nem em São Paulo ele consegue superar o PT como pretende ganhar no resto do Brasil? O melhor de tudo isso é que ele vai perder o cargo de deputado e vai ficar na geladeira até pelo menos 2020 quando tentará a prefeitura do Rio de Janeiro e vai perder de novo.


Detran

Confira os últimos posts



21/10


2019

Justiça manda Planalto e Ibama adotarem medidas em PE

Óleo nas praias

Justiça determina que governo federal e Ibama adotem medidas sobre óleo em praias de PE, sob pena de multa. Liminar foi concedida neste domingo (20) e dá 24 horas para que as medidas comecem a ser implementadas.

Do G1 - PE

 

A decisão, assinada pelo juiz substituto Augusto Cesar de Carvalho Leal, obriga o governo a implementar barreiras de proteção com equipamentos adequados, além do monitoramento nos ecossistemas mais sensíveis da costa pernambucana, como manguezais, áreas de estuário e recifes de coral. O descumprimento pode acarretar em multa diária de R$ 50 mil.

A liminar foi concedida após uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) e diz respeito apenas a Pernambuco. Com a liminar, a União e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) devem cumprir as determinações em 24 horas, por causa da "grande probabilidade de agravar, de modo intenso, a já catastrófica extensão dos notórios danos socioambientais", de acordo com a decisão.

Na liminar, a Justiça obriga a União a fornecer equipamentos de proteção individual (EPIs), inclusive para voluntários, além de recipiente adequado para armazenamento do óleo recolhido, e a implementar o monitoramento contínuo ao longo de "toda a extensão da plataforma continental marítima sob risco, para localização das manchas de óleo no mar".

Ao Ibama, a Justiça determina que monitore e fiscalize a implementação das medidas pela União, garantindo contenção, recolhimento e adequada destinação do material poluente, e que se manifeste tecnicamente, em 24 horas, sobre as providências a serem adotadas sobre o atendimento, resgate e reabilitação dos animais afetados.

Confira a íntegra aqui: Justiça determina que governo federal e Ibama adotem ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

13° Bolsa Familia

20/10


2019

Brasil depende de medidas internas para driblar crise

Brasil depende de medidas internas para driblar desaceleração global. Juros baixos, reformas e estímulos podem manter crescimento em 2020.

Agência Brasil  - Por Wlton Maximo

 

A desaceleração da economia global em 2019 e em 2020 imporá desafios a todos os países. O Brasil, no entanto, pode minimizar os efeitos da retração se prosseguir com medidas internas. Segundo economistas, o país precisa executar ações que vão da continuidade das reformas estruturais a medidas de estímulo da demanda, para que a recuperação econômica não seja afetada.

Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu, de 3,2% para 3%, a previsão de crescimento da economia mundial em 2019. O fundo também revisou para baixo a estimativa de 2020: de 3,5% para 3,4%. Desde 2017, quando a economia global cresceu 3,8%, o mundo vem passando por uma desaceleração.

Para o Brasil, o FMI ajustou a previsão de crescimento econômico em 2019 de 0,8% para 0,9%. No início do ano, a estimativa estava em 2,5%. Para 2020, o cenário para a economia brasileira deve ser melhor, mas o organismo internacional reduziu a projeção de crescimento de 2,4% para 2%.
A desaceleração da economia global em 2019 e em 2020 imporá desafios a todos os países. O Brasil, no entanto, pode minimizar os efeitos da retração se prosseguir com medidas internas. Segundo economistas, o país precisa executar ações que vão da continuidade das reformas estruturais a medidas de estímulo da demanda, para que a recuperação econômica não seja afetada.

Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu, de 3,2% para 3%, a previsão de crescimento da economia mundial em 2019. O fundo também revisou para baixo a estimativa de 2020: de 3,5% para 3,4%. Desde 2017, quando a economia global cresceu 3,8%, o mundo vem passando por uma desaceleração.

Para o Brasil, o FMI ajustou a previsão de crescimento econômico em 2019 de 0,8% para 0,9%. No início do ano, a estimativa estava em 2,5%. Para 2020, o cenário para a economia brasileira deve ser melhor, mas o organismo internacional reduziu a projeção de crescimento de 2,4% para 2%.

Confira a matéria completa aqui: Brasil depende de medidas internas para driblar ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

20/10


2019

Crise do PSL: submerge Flávio Bolsonaro

Zero Um só atuou nos bastidores

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Época - Por Guilherme Amado

 

Flávio Bolsonaro foi mais do que nunca Flávio Bolsonaro nas últimas duas semanas em que o PSL pegou fogo: ao contrário de Carlos e Eduardo, o Zero Um só atuou nos bastidores.

No bolsonarismo, quem não grita paga um preço.

Mas Flávio continua dizendo a interlocutores que a contaminação de setores do governo pelo radicalismo de Carlos traz mais prejuízos do que conquistas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/10


2019

A versão oficial para a debandada

Caro Magno,

Em respeito aos seus leitores venho aqui responder o que foi colocado em matéria no blog e depois em nota na coluna sobre a minha ausência no último dia de programação de visita as usinas em Angra dos Reis. 

Toda agenda prevista de visitação técnica nas usinas foi cumprida por nós. A agenda restante seria a visita a um padre e um hospital, entretanto, nós havíamos marcado reuniões no Rio de Janeiro sobre a instalação da usina com ambientalistas e especialistas que participaram da implantação do equipamento em Angra dos Reis e que possuem um posicionamento contrário as nucleares.

Além de participarmos do principal evento de sustentabilidade realizado no Brasil o “Virada Sustentável” realizado no Rio de Janeiro esse fim de semana.

Honrado em participar como debatedor, discorremos sobre o tema das usinas, alternativas de produção energética e da tragédia que acomete nosso litoral atingido pelo vazamento de óleo. Um orgulho para mim poder ser a voz dos pernambucanos em um evento tão importante como este.

Uma das pessoas com quem conversei foi o ex-conselheiro Estadual de Meio Ambiente Sérgio Ricardo, que nos historiou toda discussão e paralizações continuadas das usinas nucleares, nos mostrando que o plano de fuga é considerado falho entre diversos outros pontos. Nosso intuito foi conseguir o máximo de informação possível para enriquecer o debate na Audiência Pública que será realizada nesta segunda-feira na Assembleia Legislativa de Pernambuco, onde nós tornaremos pública tudo o que foi conversado em Angra dos Reis e no Rio de Janeiro.

Wanderson Florêncio – deputado estadual pelo PSC


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

20/10


2019

Gastos com cartão são os maiores dos últimos anos

Gatos com cartão corporativo da presidência são os maiores dos últimos anos.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Globo - Coluna de Lauro Jardim 
Por Gabriel Mascarenhas

 

O arrocho fiscal de Jair Bolsonaro vai da porta do gabinete dele para fora. Os gastos com os cartões corporativos da presidência são os maiores desde 2014.

Entre fevereiro e setembro deste ano — a fatura de janeiro não é contabilizada por se referir a 2018 — a Secretaria de Administração do Palácio do Planalto, responsável pelas despesas para Bolsonaro, desembolsou R$ 4,6 milhões com seus cartões.

O valor é 24% maior do que os R$ 3,7 milhões consumidos no mesmo período do ano passado; 55% a mais do que os R$ 2,9 milhões de 2017; 62% acima dos R$ 2,8 milhões de 2016 e 26% superior aos R$ 3,6 milhões de 2015. Protegidas pelo selo da segurança nacional, as compras para o capitão são sigilosas.  


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

20/10


2019

Presidente do PSL negocia fusão com PP

Presidente do PSL, Luciano Bivar, negocia com Ciro Nogueira

O presidente do PSL, Luciano Bivar Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Época - Por Guilherme Almeida

 

As conversas de fusão do DEM com o PSL estão perdendo força, e Luciano Bivar sentou à mesa com outro cacique da direita: Ciro Nogueira, o poderoso chefão do PP.

Os dois estão negociando uma eventual fusão entre o PP e o PSL.

Nogueira ofereceu a Bivar o domínio total da Fundação Milton Campos e o comando do diretório de Pernambuco, além de assento na Executiva nacional do PP a deputados que migrassem com ele do PSL para a nova sigla nascida da fusão.

Bivar ainda não topou porque teme perder poder demasiadamente.

Entretanto, a tese da fusão como solução para a crise é bem vista por Bivar.

Os deputados hoje no PSL e que não queiram continuar na nova sigla não perderiam o mandato, mas teriam que deixar para trás o dinheiro do fundo partidário e o tempo de TV a que tem direito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


20/10


2019

Grupos do setor de saúde fazem parte do Novo Mercado

Marcus Vinicius Dias: Pelo novo mercado… da assistência

 

Da Isto É - Por jornal O DIA

Grandes empresas do setor de saúde, incluindo laboratórios de exames complementares e, sobretudo, grupos ligados à assistência em saúde complementar, fazem parte do Novo Mercado
 
Na década passada foi lançado no Ibovespa o Novo Mercado, uma espécie de selo de alta qualidade de governança corporativa exigida para empresários que queiram se submeter à abertura de capital de suas empresas. O Novo Mercado hoje se tornou símbolo de transparência e boa governança, e padrão-ouro para a negociação de ações de empresas. Guiadas pelo Novo Mercado, de modo espontâneo, as empresas adotaram boas práticas de governança corporativa para além daquelas exigidas pela legislação vigente.

Essa adesão a regras societárias que protegem e ampliam os direitos dos acionistas, e uma franca transparência na publicidade das políticas e planos empresariais, associam-se a uma rigorosa e robusta estrutura de fiscalização e controle. Resultado: uma maior gama de informações possibilita que o (futuro) acionista avalie de modo mais completo a saúde financeira do ativo. Com comparações e análises mais sólidas, o investidor pode decidir permanecer, ampliar ou zerar sua posição acionária na empresa.

Grandes empresas do setor de saúde, incluindo laboratórios de exames complementares e, sobretudo, grupos ligados à assistência em saúde complementar, fazem parte do Novo Mercado. Atendendo ao alto grau de exigência de governança e transparência, elas divulgam de modo periódico e costumeiro todos os dados relevantes para o acionista.

Imagine o leitor se as informações assistenciais dessas empresas fossem divulgadas com o mesmo apuro com que as informações financeiras são divulgadas aos investidores. O usuário do plano ou do seguro-saúde teria acesso periódico aos níveis de infecção hospitalar a que estão expostos os clientes desta empresa. Teria acesso às taxas de mortalidade para determinado binômio tratamento/doença; e às taxas de reinternação por uma mesma patologia num dado período. A iniciativa seria o equivalente a uma auditoria assistencial e permitiria uma melhor análise do desfecho dos eventos médicos que essas empresas se propõem a tratar.

O usuário é como o investidor: apenas deseja fazer um bom negócio. Em termos assistenciais, o melhor negócio pode ser traduzido como o melhor resultado médico possível por unidade monetária gasta. O usuário merece o seu dividendo – o retorno ao estado anterior a uma doença, por exemplo, pagando para isso o menor preço possível. A transparência assistencial das empresas criará de fato um mercado de saúde baseada em valor, em que o usuário opte em contratar àquela que mais entrega saúde como desfecho.

Comparar dados contábeis, planos de investimento e previsões de fluxo de caixa, permite ao investidor optar pela compra do ativo A, e não B. Ter acesso, de modo transparente, aos indicadores assistenciais de desfecho e qualidade, permitirá ao usuário ter um real subsídio para escolher entre o plano A ou B, e julgar se de fato sua mensalidade está no preço. O que está em jogo, afinal, é a melhor maneira possível de investir em um importantíssimo ativo real: a saúde.

Marcus Vinicius Dias é cirurgião ortopedista do Ministério da Saúde e mestre em Economia pelo IBMEC