Ipojuca

12/10


2017

Gilmar manda desbloquear bens de Gabrielli

Só que o Tribunal de Contas da União determinou o bloqueio de bens de José Sérgio Gabrielli em outro processo

José Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras (Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados)

Época – Coluna Expresso

Por Mateus Coutinho

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes determinou, na quarta-feira (11), o desbloqueio de bens do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli. A decisão anulou efeitos de um acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) do ano passado, por meio do qual foi decretado o bloqueio dos bens de Gabrielli por suspeita de envolvimento no prejuízo causado à Petrobras a partir da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. A decisão de Gilmar foi tomada um ano após o próprio ministro negar um pedido liminar de Gabrielli para desbloquear R$ 10 mil mensais.

Ontem, no entanto, o TCU determinou, em outro processo de tomada de contas, o bloqueio de bens de Gabrielli, da ex-presidente
 Dilma Rousseff e do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

A defesa de Gabrielli diz que recorrerá da decisão.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Gravatá

Confira os últimos posts

23/07


2018

Jarbas recebe homenagem do Caxangá Ágape

O Caxangá Ágape, a maior confraria do Brasil, por meio do seu presidente executivo, Braga Sá, conselheiros e toda sua diretoria, convidam a família agapeana e o público geral para o próximo almoço-reunião de 2018, quando será concedido o Prêmio Expressão Pernambuco ao ex-governador e deputado federal, Jarbas Vasconcelos, pela passagem dos seus 47 anos de vida pública.

Na oportunidade, o vice-governador, Raul Henry, fará a saudação do histórico de Jarbas e o prefeito de Toritama, Edilson Tavares, receberá o título de cidadão agapeano.

O evento acontece na próxima quarta-feira, ao meio-dia, no Spettus Derby. O valor da adesão é de R$ 85,00.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Jarbas morreu politicamente, se Juntar com Lula, Humberto Bosta e Paulo Câmara Lenta é um fim melancólico mais previsível!


Cabo

23/07


2018

A charge do dia


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

O início está próximo e o Inácio está Guardado.


ArcoVerde

23/07


2018

The Gaulle: a seita vermelha é muito séria

MONTANHAS DA AL-JAQUEIRA – O cientista político The Gaulle aflorou no recinto e revelou ao Profeta Adalbertovsky: a seita do guru vermelho é uma entidade muito séria. “Eis a pérola vermelha emprenhada pela mundiça do cordão encarnado: presidiário pode ser candidato a presidente da República. The Gaulle, tu acredita nessa pérola? Depende da fórmula do círculo quadrado. A terra é um quadrilátero. As nuvens, a lua cheia e as montanhas do céu são quadradas. O ovo da serpente vermelha é quadrado. O sol nasce quadrado nas grades do horizonte.

“O que fazer? Virar o Código Penal pelo avesso e transformar a seita vermelha em tribunal. Os devotos terão direito a libertar o guru da seita e botar os agentes da lei na cadeia. O presidiário se proclamou juiz de si mesmo, se comparou a Jesus Cristo e Tiradentes e só aceita ser julgado no Dia do Juízo Final, ou do contrário a mundiça vermelha irá decretar o apocalipse no Brazil.

“Pense na alma mais sedutora da história do Brazil! Diante daquela voz de bode rouco, as mulheres do grelo duro desmaiam de emoção, alucinadas, fascinadas. Os marmanjos do sexo frágil fazem cirurgia de mudança de gênero para entrar na onda politicamente correta. As donzelas ficam apaixonadas e querem casar com ele ou se amigar, para terem direito a visitas íntimas.

“Ser presidiário e ser candidato, eis a questão. Hay que fazer um omelete sem quebrar o ovário da serpente. Zeus do céu, afasta do Brazil este omelete peçonhento! Melhor é o sol da estrela vermelha nascer quadrado”. O sermão do Profeta Adalbertovsky, um bicho quadradão, está publicado no Menu Opinião.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

É o Profeta iluminando o País com sua sabedoria. Só falta o judiciário deixar um presidiário ser candidato para acabar de vez com a credibilidade do Brasil.



23/07


2018

Josué, de herdeiro de José Alencar a vice cobiçado

Filho do vice-presidente de Lula se filiou ao PR com a benção do petista e é apontado como possível vice de Alckmin

Bruno Góes -O Globo

Filho de José Alencar (1931-2011), vice-presidente de Luiz Inácio Lula da Silva, o empresário Josué Gomes é dado como nome certo para vice de GeraldoAlckmin (PSDB). Sempre teve, no entanto, uma estreita relação com um adversário histórico dos tucanos: o PT. A própria filiação ao PR, em abril deste ano, foi sacramentada após articulação de Lula. Antes de ser preso, o ex-presidente sonhava reeditar a chapa que o elegeu em 2002, desta vez trocando José por Josué.

Sucessor do pai na presidência da Coteminas, até o início de 2018 Josué estava no MDB. Como uma aliança com o partido de Michel Temer seria impossível para Lula, trocou de legenda — mas o plano não seguiu como esperado. Após a prisão do petista, Valdemar Costa Neto, dono do PR, ponderou que seria loucura escorar-se num candidato que seria impedido pela justiça de disputar o pleito. Para Valdemar, acima de tudo, vale o pragmatismo.

Na última segunda-feira, em conversa entre Josué e Valdemar, o empresário colocou-se à disposição para ser vice de quem o centrão (DEM, PP, PR, PRB e SD) indicasse. Quinta-feira, com o desfecho da novela, coube a Josué dizer, em nota, que recebia “com responsabilidade” a indicação para ser vice de Alckmin.

Essa não será sua estreia na arena política. Em 2014, foi derrotado por Antonio Anastasia (PSDB) em eleição para o Senado em Minas Gerais. Mas não fez feio: teve 3,6 milhões de eleitores, equivalente a 20% dos votos válidos. Mineiro, Josué vive em São Paulo, onde gerencia um império da indústria têxtil, com fábricas no Brasil, Argentina, Estados Unidos e Canadá.

PESQUISA DESENCORAJOU CANDIDATURA

A experiência de quatro anos atrás fez com que o PR pensasse até mesmo em lançá-lo como cabeça de chapa. Após sugestão do presidente do Democratas, ACM Neto, o PR contratou uma pesquisa qualitativa para testar a viabilidade eleitoral de Josué como candidato ao Planalto. O levantamento foi feito em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

O resultado, ao qual O GLOBO teve acesso, foi decepcionante. Como não se trata de um levantamento quantitativo, o estudo é focado na análise de pontos positivos e negativos, segundo a visão de eleitores entrevistados. Com os dados coletados, chegou-se à conclusão de que “não foi possível avaliar a imagem do pré-candidato”, dado “o total desconhecimento, tanto do nome quanto da fisionomia” de Josué.

Após a apresentação, pelo pesquisador, de biografia e vídeo, foram retiradas apenas algumas conclusões. Como pontos positivos, o “apelo por ser novo” e “o potencial de focar na pauta de geração de empregos e renda”. Pelo lado negativo, em Belo Horizonte e em São Paulo, houve rejeição pela aproximação de Josué com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT).

No meio político, entretanto, é difícil alguém criticar Josué pela proximidade com o PT. Mesmo o dono da Riachuelo, Flávio Rocha, ex-presidenciável do PRB que foi apoiado pelo Movimento Brasil Livre (MBL), elogia o colega:

— É meu amigo. Um grande comunicador, bastante falante, mineiro em não revelar tudo o que diz. Mas fluente em verbalizar tudo, embora não revele o essencial. É o jeito dele.

De fato, Josué comporta-se “mineiramente” para transitar entre as mais variadas correntes políticas. Em maio, quando foi à Câmara conhecer a bancada de seu novo partido, foi perseguido por repórteres que tentaram arrancar-lhe algum indicativo de que fosse candidato. Não descartou nenhuma candidatura, mas terminou dizendo: “Vocês são muito insistentes e eu sou muito mineiro.”

Após essa visita, o nome de Josué começou a circular como um possível candidato. Ele passou a ser recebido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e a dialogar com parlamentares. Também começou a fazer rodadas de conversas com empresários em São Paulo.

Apesar da identificação com suas origens, enquanto o quadro ainda estava desorganizado para o centrão — o PR quase declarou apoio a Jair Bolsonaro (PSL) —, Josué rejeitou candidatar-se ao governo de Minas. O motivo foi o seu recente processo de “paulistização”.

Em reunião com dirigentes do PR, segundo um dos presentes, Josué declarou:

— Rapaz, as pessoas lá (em Minas Gerais) são muito bairristas e eu já estou morando em São Paulo há muito tempo. Não vai dar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Lucidio de Figueiredo Galvão Júnior

EM POLÍTICA NO BRASIL NADA SE CRIA, TUDO SE COPIA, É SER MUITO POBRE DE ESPÍRITO E GANANCIA DE PODER !!


Prefeitura de camaragibe

23/07


2018

Alckmin cede e já defende ‘contribuição sindical’

Josias de Souza

Ao encostar seu projeto político no centrão, Geraldo Alckmin não obteve apenas o direito de ocupar o latifúndio do grupo no horário eleitoral. Conquistou também o privilégio de escolher seu próprio caminho para a desmoralização. Neste domingo, o presidenciável tucano comprometeu-se em apoiar a criação de uma “contribuição sindical negocial”, eufemismo para a volta da mordida que carreava um dia de suor dos trabalhadores para as arcas sindicais.

O apoio de Alckmin à mamata desfez um mal-estar entre o candidato e o deputado Paulinho da Força. Cacique do Solidariedade, um dos partidos do centrão, Paulinho ameaçara bandear-se para o lado de Ciro Gomes (PDT). Chantageado, Alckmin abaixou o bico. Virou pó uma nota veiculada no seu Twitter na quinta-feira. Nela, lia-se que o candidato tucano não apoiaria nenhum plano para “trazer de volta a contribuição sindical.”

Paulinho foi ao encontro de Alckmin acompanhado de companheiros da Força Sindical. Registrou o resultado da conversa no Facebook: “…Detalhamos a nossa proposta relativa à contribuição para negociação coletiva. Propusemos que ela seja aprovada em assembleias de trabalhadores com pelo menos 20% da categoria, e descontada de todos os beneficiados pelo acordo.” (leia o post de Paulinho no rodapé)

O truque da contribuição aprovada em assembleias de fancaria já vem sendo utilizado por vários sindicatos desde que a reforma trabalhista extinguiu a taxa sindical compulsória. O que Paulinho deseja é legalizar a recriação da mamata, inibindo as contestações judiciais.

Se o deputado e seus companheiros prevalecerem, assembleias de 20% (quem vai auditar a lista de presença?) avalizarão a tunga de um dia de labuta de 100% dos trabalhadores com carteira assinada, mesmo os não filiados a nenhum sindicato. Em 2017, esse butim somou algo como R$ 3 bilhões. “Fico feliz em dizer que esta proposta foi aceita”, escreveu Paulinho após conversar com Alckmin.

Ficou entendido que, para manter a aliança com o centrão (PR, PP, DEM, Solidariedade e PRB), Alckmin pode ser a favor de tudo e contra qualquer outra coisa. No ano passado, o candidato estimulara a bancada tucana no Congresso a aprovar a reforma trabalhista que deu cabo do imposto sindical. Agora, sob chantagem, o mesmo Alckmin promete ajudar na recriação do óbolo sindical.

Alckmin talvez não tenha se dado conta, mas coerência política é como virgindade. Perdeu, perdida está. Não tem segundo turno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Lucidio de Figueiredo Galvão Júnior

E AINDA QUER SER REFORMISTA ??? EM OUTUBRO É 000 !!!

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

A coitado. Agora é que acabou de vez sua candidatura.


Asfaltos

23/07


2018

PSDB ameaça romper acordo com PTB em Pernambuco

Coluna do Estadão – Andreza Matais

A aliança de Geraldo Alckmin com o Centrão precisa de ajustes nos Estados. No Mato Grosso, o governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB) aliou-se ao PSL, por isso abrirá seu palanque também para Jair Bolsonaro. Já o PR, que vai indicar Josué Gomes como vice do presidenciável tucano, fechou com o PT do Mato Grosso. Em Pernambuco, os tucanos começam a avaliar romper o acordo com Armando Monteiro (PTB) para lançar o deputado Bruno Araújo ao governo.

O motivo: O petebista declarou apoio ao presidenciável do PT. Nacionalmente, o PTB foi o primeiro partido a apoiar Alckmin.

Bruno Araújo seria o candidato ao Senado na chapa de Armando Monteiro. Foi rifado justamente por ter dado o voto 342, que definiu o impeachment da petista Dilma Rousseff.

Nesta semana, o PSDB de Pernambuco vai procurar Geraldo Alckmin para uma definição sobre o impasse.

O argumento: será difícil explicar ao eleitor a composição com um aliado de Lula, além de o presidenciável ficar sem palanque no sétimo colégio eleitoral do País.

Tem mais. O candidato do PT ao Planalto já conta com três palanques em Pernambuco. Além de Monteiro, o governador Paulo Câmara (PSB) e Marília Arraes (PT).

Os tucanos querem os votos dos 40% que se declaram anti-petistas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Duas almas sebosas.

lino perrelli

É incrível a insistência de se dar consistência politica a Marília Arraes...


bm4 Marketing 3

23/07


2018

PT e Alckmin: debate sem combate à corrupção

PT e Alckmin podem duelar, mas sem debater combate à corrupção

Leandro Colon – Folha de S.Paulo

O padrinho do nome petista está na cadeia, e os fiadores do nome tucano são velhos conhecidos da Lava Jato

Os protagonistas das duas principais convenções presidenciais realizadas até agora são opostos ideologicamente e compartilham o sentimento de isolamento partidário e de perspectiva de competitividade.

Esnobado pelo centrão, Ciro Gomes modulou de última hora seu discurso na sexta (20), buscando um clima de paquera com setores da esquerda indefinida, sobretudo o PSB.

Rejeitado pelo PR, Bolsonaro nada apresentou de novo no evento do PSL no Rio que o lançou oficialmente ao Planalto. Saiu de lá sem um vice formalizado e ainda sonhando em conseguir mais alguns segundos de TV para ir além do “meu nome é Jair”.

Em um exercício arriscado de futurologia política, faz sentido apostar que a dupla Ciro Bolsonaro terá muita dificuldade em se manter competitiva até o dia 7 de outubro. 

Sim, o imponderável sempre é capaz de balançar eleições. Foi assim em 2006, quando estourou o escândalo dos aloprados na véspera da reeleição de Lula. Em 2010, a campanha de Dilma Rousseff (PT) foi acusada de ter montado um bunker para espionar a turma de José Serra e de ter ligação com a violação de sigilos da filha do então candidato tucano.

Há quase quatro anos, o desastre aéreo que matou Eduardo Camposbagunçou por algumas semanas o cenário daquela eleição presidencial.

Os episódios acima preencheram manchetes, mas não alteraram o curso do resultado final. Lula, apesar dos aloprados, foi reeleito. Dilma, mesmo com a ação ilegal atribuída a correligionários, levou a melhor sobre o PSDB há oito anos (e em 2014).

Teimando com a perigosa mania de adivinhar a política, faz também sentido apostar que 2018 vai repetir a disputa PSDB x PT —no caso, Alckmin contra o candidato de Lula (Fernando Haddad ou Jaques Wagner). 

A única certeza é que nenhum lado terá a ousadia de levantar o debate de combate à corrupção. O padrinho do nome petista está na cadeia, condenado em segunda instância, e os fiadores do nome tucano são velhos conhecidos dos escaninhos de inquéritos da Lava Jato.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Duas Almas Sebosas.

marcos

Vamos debater MUITO sobre a Corrupção, o povo Brasileiro não pode esquecer os roubos do PT e do PSDB, dois partidos de Bandidos, Corruptos e Ladrões. Vamos passar o Brasil à Limpo!



23/07


2018

Marun se explica por chamar Ciro de débil mental

Estadão Conteúdo

Após ter chamado o candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, de “débil mental” em um grupo de WhatsApp, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, divulgou nota na noite deste domingo, 22, afirmando que não teria usado a expressão se soubesse que ela viria a público. Segundo o ministro, a mensagem a parlamentares do MDB e ao pré-candidato do partido, Henrique Meirelles, tratava de posições pessoais que ele deseja discutir com o partido.

 “Admito que se soubesse que as mesmas se tornariam públicas não teria utilizado o termo ‘débil mental’ em relação ao Sr. Ciro Gomes, por reconhecer que, independentemente de minhas posições pessoais, um candidato a presidente da República deve ser publicamente tratado com o maior respeito”, afirmou Marun.

A nota de Marun não comenta outros trechos polêmicos da mensagem. Entre outras propostas, o ministro de Michel Temer defendeu uma forma de “leniência” ao caixa dois praticado em eleições passadas e a fixação de mandato para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Marun sugeriu a criação de uma corte constitucional para “dirimir conflitos” entre o STF e a Constituição, um conselho superior para controle externo das polícias e ainda avançou sobre a área social, ao recomendar o fim da gratuidade total aos pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Duas almas sebosas.



23/07


2018

Sem a vice de Bolsonaro

Dirigentes do PSL, partido de Jair Bolsonaro, têm dito que são muito grandes as chances de a advogada Janaína Paschoal não assumir a vaga de vice do presidenciável. Nas conversas, ela indicou que questões familiares a impedem de ficar com o posto.

O apoio dela a Bolsonaro, porém, é visto como um ativo importante. Integrantes da sigla dizem que Janaína espelha uma direita mais elitizada e que poderia ajudar a modular o discurso do capitão reformado com suas ideias.(Folha Painel)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/07


2018

Não desistem: ainda à caça de Joaquim Barbosa

Os emissários do PSB já começaram a sondar Joaquim Barbosa, ex-presidente do STF, sobre a hipótese de ele aceitar se recolocar na disputa presidencial.

Um grupo ligado ao partido o convidou para jantar no sábado (21). A cúpula da sigla passou o domingo (22) à espera de relatos.

Se Barbosa rejeitar a ideia, o que a direção do PSB considera o mais provável, a tendência é a de que os diretórios de Pernambuco, sob o governador Paulo Câmara, e o de São Paulo, de Márcio França, se unam para garantir que a sigla fique neutra. (Folha Painel)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/07


2018

PT espera fechar primeira aliança nacional com o Pros

A direção do PT começa esta semana com a expectativa de fechar a primeira aliança nacional. As conversas com o Pros estão em estágio adiantado e a ideia da cúpula petista é consolidar o acordo nos próximos dias. O Pros apoiou Dilma Rousseff em 2014 e reivindica, desta vez, suporte para ampliar sua bancada na Câmara, hoje com 11 deputados. O acerto traria certo alívio à legenda do ex-presidente Lula. Aliados mais tradicionais, como o PC do B, ainda têm dúvidas sobre uma composição.

Após as reuniões deste fim de semana, dirigentes do PC do B dizem que ganha força na legenda a tese de que é preciso aguardar até o último dia, 15 de agosto, data de registro das candidaturas, para tomar um rumo definitivo.

O plano seria confirmar a candidatura de Manuela d’Ávila à Presidência na convenção, dia 1º de agosto, mas seguir com as negociações com PT e PDT até o limite. Neste domingo, os comunistas fizeram novo apelo à unidade da esquerda. Um acordo que unisse PT, PDT, PSB e PC do B é quase impossível.(Daniela Lima – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

O PT tem que apoiar Boulos ou Manuelas.



23/07


2018

Ministro de Temer chama Ciro de débil mental

Em mensagem enviada a Meirelles e deputados, Carlos Marun diz que governo ajudou Alckmin ao prejudicar pedetista

Bruno Góes – O Globo

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, admitiu neste domingo que o governo do presidente Michel Temer interferiu junto ao centrão (DEM, PP, PRB, PR e SD) para que o grupo rejeitasse a aliança com o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. Em mensagem enviada ao pré-candidato do MDB, Henrique Meirelles, e deputados da bancada do partido na Câmara, Marun se refere ao presidenciável pedetista como "o débil mental do Ciro Gomes".

No texto, obtido pelo GLOBO, cuja autoria foi confirmada pelo ministro, Marun elogia a candidatura própria do MDB e lista uma série de prioridades para a campanha de Meirelles. O ministro afirma que, ao prejudicar Ciro, o governo ajudou indiretamente a pré-candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), mas que o tucano não merece o apoio do MDB, já que posicionou-se a favor da apreciação de denúncias contra o presidente Michel Temer.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/07


2018

As vivandeiras querem Bolsonaro

Elio Gaspari - O Globo

Um pedaço do andar de cima que desfila na tropa de Jair Bolsonaro não quer escolher um presidente da República. Quer um golpe parecido com o de 1964, aquele que colocou cinco generais na Presidência da República. Em 1984, quando a ditadura agonizava, quase todas as vivandeiras que aplaudiram as extravagâncias do poder militar aderiram à campanha de Tancredo Neves e varreram para os quartéis o entulho do regime.

A plateia que ouviu Bolsonaro na Confederação Nacional da Indústria durante uma hora viu que estava diante de um candidato compreensivelmente nervoso e incompreensivelmente desconexo. Vago ao expor sua plataforma econômica, o candidato citou o evangelista João — “conhecereis a verdade e ela vos guiará” — e, em seguida, guiou a audiência para a questão ambiental de Roraima. Adiante, informou: “Estamos entregando a mina de nióbio ao chinês.” Referia-se à mina da Anglo American de Catalão (GO). (Em fevereiro, em Hamamatsu, Bolsonaro prometeu trabalhar em parceria com japoneses para a exploração do nióbio brasileiro.)

Reforma trabalhista? “É remendo novo em calça velha”. Não se pode saber o que isso significa, mas a plateia não reagiu.

Num breve momento o candidato deu uma pista. Mencionando que ele temeu um eventual crescimento da esquerda, disse: “Aí acabou qualquer esperança de mudarmos o Brasil pelas vias democráticas, que tem que ser.”

Desde 1985 o Brasil está numa via democrática e Bolsonaro, com seus sete mandatos, é uma prova disso. O candidato de hoje não repete o deputado que há dez anos, diante de uma manifestação hostil, disse que o “grande erro” da ditadura “foi torturar e não matar”. O Brasil deve ao marechal Castelo Branco a exposição das “vivandeiras alvoroçadas” que, desde 1930, rondam quartéis. Elas ainda estão por aí.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Os repórteres ficaram horrorizados com festa de Jair Bolsonaro. .......... ///////// ....... Leandro Narloch fez um ótimo relato na Folha de S. Paulo: “Como jovens jornalistas são próximos da nova esquerda, é natural que antipatizem com Bolsonaro e recebam tratamento recíproco. A tensão ficou evidente na convenção. O público, em êxtase, empunhava bandeiras, tocava tambores e buzinas, aplaudia, louvava os falantes e gritava contra a imprensa: ‘Globo lixo! Imprensa comunista!’. Já nas cadeiras reservadas aos jornalistas, o clima era de velório. À minha direita, um repórter de TV mostrava seu descontentamento assistindo a Fórmula 1 pelo celular. À esquerda, uma jornalista fazia ‘não’ com a cabeça a cada vez que um dos falantes criticava a legalização do aborto. ‘Isso me aterroriza demais’, disse. Outra colega, sentada no chão, com cara de ressaca, segurava a cabeça como se pensasse: ‘o que é que fiz da minha vida pra ter de ouvir essas coisas num domingo de manhã?’. O pior é que talvez seja exatamente isso que os eleitores de Bolsonaro procurem. Querem alguém que leve mais virilidade à política, irrite o jovem reportariado e que não se preocupe com a repercussão de seu discurso no programa da Fátima Bernardes. ‘Como eu, Bolsonaro fala por impulso, sem ligar para o que a imprensa vai dizer’, diz Roriz, o ex-eleitor de Lula que hoje leva a imagem de Bolsonaro na perna.”

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Gaspari o aproveitador. Quando da Ditadura, vivia a bajular os militares. Depois, com a canalha petista no poder, também aderiu. Basta o Bolsonaro ganhar para ele querer se encostar. Não adianta, o Bolsonaro será igual ao Trump com a imprensa toda contra e foi eleito.



23/07


2018

Leitor: cabe-lhe a honra de pagar a conta

Carlos Brickmann

O caro leitor talvez não saiba, mas é empresário, sócio de múltiplas empresas. Os governos que elegeu – Federal, estaduais, municipais – têm, juntos, 118.288 CNPJs – Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas, algo, para empresas, próximo àquilo que o CPF é para as pessoas físicas.

Vejamos um CNPJ, buscado ao acaso (é o nº 74.170 da lista): pertence à Cabana do Jaime, dirigida por Jaílton Ferreira de Jesus. Situação ativa: está funcionando (a última verificação é de 10 de julho de 2017), e é órgão público do Poder Executivo Federal desde, pelo menos, 2006. Tem capital social de R$ 0,00 (zero reais), está localizada na avenida Otávio Mangabeira, praia de Piatã, em Salvador, Bahia – uma beleza de lugar.  Tem telefone fixo (71), e os primeiros números são 328... Tem e-mail.

Na verdade, o caro leitor não é empresário, talvez nem seja formalmente sócio de uma empresa desse tipo. Mas cabe-lhe a honra de pagar a conta. E não imagine que a coisa se limita a uma barraca de praia. Há também uma associação dos pescadores, uma associação de produtores rurais, um restaurante – não há dúvida, existe gente que tem sorte na vida. Porque controlar quase 120 mil empresas como essas deve ser muito difícil.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/07


2018

Bolsonaro é fenômeno com calcanhares de vidro

Josias de Souza

O que é um fenômeno? Um deputado de ultradireita não é um fenômeno. O endeusamento de Donald Trump não é um fenômeno. Pesquisa eleitoral não é um fenômeno. Fenômerno é um apologista de Trump liderar as pesquisas presidenciais no Brasil recitando teses de ultradireita. Com a aclamação de sua candidatura pelo raquítico PSL, neste domingo, Jair Bolsonaro consolida-se como grande surpresa da temporada eleitoral de 2018. Mas o fenômeno, indica o Datafolha, tem calcanhares de vidro que dificultam sua caminhada até o Palácio do Planalto.

Com Lula fora da raia, Bolsonaro lidera o páreo presidencial com 19%, informa a sondagem mais recente do Datafolha, divulgada em junho. Entretanto, um terço do eleitorado desenvolveu uma ojeriza pelo fenômeno —32% dos entrevistados disseram que jamais votariam no capitão. Bolsonaro tem dificuldades para crescer. Mais: nas projeções de segundo turno, sua liderança derrete.

Se não estivesse inelegível, Lula (49%) surraria Bolsonaro (32%) num hipotético segundo round. Marina Silva (42%) colocaria dez pontos de vantagem sobre o fenômeno (32%). Ciro Gomes (36%) subiria ao ringue estatisticamente empatado com a novidade (34%). Até Geraldo Alckmin (33%) emparelharia suas luvas com as de Bolsonaro (33%), num empate matemático.

Numa eleição imprevisível, em que 33% dos eleitores chegam à beira da urna sem ter escolhido um candidato, tudo pode acontecer. Mas a liderança de Bolsonaro tem, por ora, a solidez de um pote de gelatina. Sem alianças, o candidato terá algo como sete segundos para vender o seu peixe no horário eleitoral. Mal dá para pronunciar o nome.

Bolsonaro alardeia que vencerá a eleição no primeiro turno, fazendo suas barricadas na internet. Em política, impossível não é senão uma palavra que contém o possível.  Mas Valdemar Costa Neto, um PhD em poder, preferiu tomar distância. Ao farejar o risco de Bolsonaro dar com os burros n’água, o dono do PR decidiu apostar num burro mais seco. Entregou o tempo de propaganda do seu partido para o tucano Geraldo Alckmin, estimulando as outras legendas do chamado centrão a fazer o mesmo.

O fenômeno arrancou a extrema-direita do esconderijo entoando raciocínios que transformaram o candidato numa espécie de porta-voz do desalento. Bolsonaro captou no ar o sentimento do armário. Há quatro meses, ao filiar-se ao PSL, declarou que seu modelo é Donald Trump, “um exemplo para nós seguirmos.”

Leia o artigo na íntegra clicando ao lado: Bolsonaro é fenômeno com calcanhares de vidro - Política - Política


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

As análises desses jornalistas são hilárias. Querer levantar o Picolé de Chuchu que não tem nem 6% das pesquisas compradas, não dá. O Costa Neto teve medo de não reeleger uma bancada mínima para tentar chantagear o próximo presidente e, nas conversas com o Bolsonaro, não encontrou espaço para mandar numa parte do governo. A imprensa estar num dilema, falar mal do Bolsonaro aumenta seu destaque e será obrigada a publicar o direito de resposta. Não falar, as redes sociais divulgarão com mais sucesso a plataforma do Bolsonaro.


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores