Versão Agreste Meridional

21/04


2017

STF: julgar até ladrão de galinhas

Acusa-se o Supremo de lentidão - mas o fato é que lhe deram muitas atribuições sem reforçar sua estrutura. O tribunal que deveria julgar só temas constitucionais chega a cuidar de ladrões de galinhas. E o foro privilegiado agravou a situação: hoje, há 500 processos contra autoridades Para julgá-los, onze ministros. Agora, com a delação da Odebrecht, surgem mais 74 processos. A OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, sugeriu a convocação de juízes instrutores para auxiliar os ministros. A medida é autorizada pelo regimento interno do Supremo.

A ministra Carmen Lúcia, presidente do STF, decidiu convocar um "grupo de reforço especializado" para dar agilidade aos processos de quem está relacionado à Operação Lava Jato. A assessoria de imprensa do STF diz que a decisão não tem nada a ver com o pedido da OAB. Coincidência.  (Carlos Brickmann)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do São Francisco

Confira os últimos posts

22/09


2017

Com DEM insatisfeito, Temer terá que negociar salvação

O preço acaba de ficar mais alto

Radar –Veja - Por Pedro Carvalho

A insatisfação do DEM às vésperas da votação da denúncia deve sangrar os bolsos do governo.

Michel Temer já sabe que terá que renegociar sua salvação com a bancada.

E o preço ficou mais alto: Rodrigo Maia reclamou da “facada nas costas” que o Planalto deu no partido ao filiar o senador Fernando Bezerra Coelho, que já estava praticamente fechado com o DEM.

Eles não contavam com o “chapéu” dado pelo presidente nacional do PMDB Romero Jucá.

O “troco” anunciado pelo deputado Efraim Filho, líder da bancada na Câmara, virá em prestações nada suaves.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Mata Sul

22/09


2017

Câmara recebe 2ª denúncia contra Temer

Jovem Pan com Agência Brasil

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, enviou na noite desta quinta-feira (21) à Câmara dos Deputados a segunda denúncia apresentada pelo então procurador-geral da República (PGR) Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer.

A formalidade foi feita para cumprir a decisão da Corte, que autorizou o envio por 10 votos a 1 em julgamento concluído nesta tarde. A entrega coube ao diretor-geral do STF, Eduardo Toledo, que levou o documento à Secretaria-Geral da Mesa da Câmara.

No julgamento, os ministros seguiram entendimento do relator do caso, ministro Edson Fachin, no sentido de que cabe ao Supremo encaminhar a denúncia sobre o presidente diretamente à Câmara dos Deputados, sem fazer nenhum juízo sobre as acusações antes da deliberação da Casa sobre o prosseguimento do processo no Judiciário.

O entendimento do Supremo contraria pedido feito pela defesa de Temer, que pretendia suspender o envio da denúncia para esperar o término do procedimento investigatório, iniciado pela PGR, para apurar ilegalidades no acordo de delação da J&F, além da avaliação de que as acusações se referem a um período em que o presidente não estava no cargo, fato que poderia suspender o processo.

Tramitação

Com a chegada da denúncia, a Câmara dos Deputados deve fazer uma votação para decidir sobre a autorização prévia para prosseguimento do processo na Suprema Corte.

O Supremo não poderá analisar a questão antes do parecer da Câmara. De acordo com a Constituição, a denúncia apresentada contra Temer somente poderá ser analisada após a aceitação de 342 deputados, o equivalente a dois terços do número de parlamentares que compõem a Casa.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do Pajeú

22/09


2017

Toma lá: Temer barra emendas e enfurece parlamentares

Josias de Souza

O governo barrou um lote de verbas orçamentárias que já havia destinado a obras de interesse dos parlamentares. Os deputados fazem as contas. Alguns contabilizaram perdas de algo como R$ 10 milhões. Interpretaram a meia-volta como uma manobra para forçá-los a retornar ao Planalto com o pires na mão às vésperas da votação da segunda denúncia da Procuradoria contra Michel Temer.

É como se os operadores de Temer se inspirassem numa passagem de Brás Cubas, capítulo 36. O livro relata que Brás Cubas entra em casa e descalça as botas. Deita-se aliviado, com os pés em estado de bem-aventurança. O personagem conclui que as botas apertadas são uma das maiores dádivas da vida. Mortificando os pés, desmortifica-os depois, propiciando ao infeliz a felicidade suprema do descalçar.

Ao frear a liberação das emendas, o governo proporciona aos deputados o desconforto de uma bota apertada. Mas ensina aos infelizes que basta refazer o pedido e renovar seus compromissos com o futuro de Temer para usufruir do alívio da restituição das verbas.

Alguns aliados do presidente não gostaram do truque. Para derrubar a segunda denúncia, querem verbas novas, não uma renegociação de emendas antigas. Tem gente ameaçando mudar de lado, só para impor aos calos de Temer o desconforto de uma bota apertada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2017

Lula: É preciso atenção às manifestações dos militares

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou de preocupantes as declarações de generais sobre a hipótese de intervenção militar no Brasil. Reunido nesta quinta-feira (21) com dirigentes petistas, Lula disse é preciso ficar atento às manifestações dos militares. No dia 15, o general Antonio Hamilton Mourão defendeu intervenção militar como resposta à crise. O comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, decidiu não repreender Mourão.

Segundo a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), Lula afirmou que "a sociedade civil tem que tomar as rédeas do processo e garantir a democracia". Ainda segundo Gleisi, o ex-presidente afirmou que as Forças Armadas exercem papel constitucional e que confia nelas.

Em sua fala, Lula reafirmou que só um presidente eleito será capaz de debelar a crise. Ao avaliar o cenário político, ele disse que o PT voltará ao poder, mas herdará o país em piores condições do que recebeu de FHC em 2003.

O ex-presidente cobrou ainda que os petistas concorram à Câmara de Deputados. Segundo ele, os melhores nomes do partido têm de se lançar na disputa. "Não dá para fugir da luta", afirmou.  (Folhapress - Catia Seabra)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

fenelivro 2017

22/09


2017

Foi pouco, mas poderia ser pior

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo

Após meses de idas e vindas, a reforma política deve ser reduzida a uma pequena lista de remendos. A notícia parece ruim, mas poderia ser bem pior. Algumas propostas derrotadas na Câmara agravariam as distorções do sistema atual.

A principal ameaça na mesa era o distritão. O modelo transformaria a eleição dos deputados numa disputa majoritária, seguindo a lógica de todos contra todos. Seria o fim da fidelidade partidária e a consagração dos candidatos ricos e famosos.

A ideia conquistou adeptos porque prometia facilitar a reeleição dos atuais deputados. No entanto, ficou difícil defender um modelo que não é adotado em nenhuma democracia avançada e que elevaria ainda mais o custo das campanhas.

Depois de enterrar o distritão, os deputados aprovaram uma proposta mais discreta: a proibição das coligações proporcionais e a adoção de uma cláusula de desempenho.

O fim das coligações é um avanço. Com elas, o eleitor vota num candidato liberal e ajuda a eleger um comunista, ou vice-versa. O exemplo é concreto. Em 2014, a mega-aliança montada por Eduardo Campos em Pernambuco uniu DEM e PC do B no mesmo balaio.

A cláusula de desempenho promete reduzir a farra das legendas de aluguel. A sigla que não alcançar um percentual mínimo de votos deixará de receber recursos públicos e de ter acesso à propaganda de rádio e TV.

Nos dois casos, o texto foi desossado no plenário. Os deputados adiaram o fim das coligações para 2020 e encolheram a cláusula para míseros 1,5%. Mesmo assim, o que foi aprovado é melhor do que nada. Se as regras já valessem na última eleição, a Câmara teria dez partidos a menos.

Nas próximas semanas, o Congresso decidirá o que fazer com o financiamento das campanhas. O líder do governo no Senado quer emplacar um fundão de R$ 3,5 bilhões com dinheiro do contribuinte. Se a ideia for derrotada, o eleitor poderá comemorar mais uma vitória. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Flamac - 1

22/09


2017

Maia começa revide: catequiza peemedebista para o DEM

Blog Poder 360

O presidente da CCJ da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), foi convidado para concorrer ao governo de Minas Gerais em 2018 pelo DEM. Quem fez a proposta foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na semana passada. Pacheco ainda não respondeu, mas sinalizou positivamente.

Parte inferior do formulário

O presidente da CCJ é filiado ao PMDB desde 2009. O convite pode ser visto como mais 1 episódio da disputa por nomes envolvendo as duas siglas.

Na 4ª feira (20.set) Rodrigo Maia reclamou de uma “facada nas costas” desferida pelo PMDB. Culpou os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral) pela transferência do senador Fernando Bezerra e do ministro Fernando Coelho Filho do PSB para o PMDB. Eles negociavam com o DEM.

Segundo o presidente da Câmara, Michel Temer teria lhe dito que o PMDB não teria interesse em congressistas dissidentes do PSB, mas que o partido teria agido de “outra forma” posteriormente.

O líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), disse que a conduta peemedebista iria ter “troco”. O partido “tem tratado o DEM como adversário”, afirmou.

Além do DEM, Rodrigo Pacheco já foi sondado por siglas como o PSDB. As negociações, no entanto, não avançaram.

A ida de Pacheco para o DEM faria parte do plano do partido de aumentar sua abrangência nacional. Atualmente, a sigla não tem nenhum governador eleito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner - Hapvida

22/09


2017

Presidência: não fiiiado, Bolsonaro lançado pelo PEN

O deputado Jair Bolsonaro ainda não confirmou sua filiação, mas será apresentado como candidato à Presidência pelo PEN, na próxima terça (26), durante propaganda partidária.

A sigla exibirá pela primeira vez sua nova alcunha: Patriota.

“Motivado pela chegada de Jair Bolsonaro renovamos nosso compromisso e mudamos nosso nome de PEN para Patriota. Brasil acima de todos. É isso o que vai sustentar o nosso futuro!”, dirá o presidente da legenda, Adilson Barroso.  (Painel - Folha)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

22/09


2017

Para enfrentar denúncia Temer tenta acalmar Maia

Presidente deve ter encontros com deputados da CCJ da Câmara

Kennedy Alencar

O presidente Michel Temer chegou dos Estados Unidos de madrugada e já teve uma série de reuniões a fim de fazer um roteiro para a denúncia que será analisada pela Câmara dos Deputados. O objetivo é votá-la o mais rapidamente possível.

O problema imediato é acalmar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, contrariado com o assédio do PMDB a políticos que negociavam filiação ao DEM. Temer deverá conversar pessoalmente com Maia.

O presidente deve atender a pedidos pontuais de cargos e verbas do PP, mas sem tirar ministério do PSDB. Temer busca aumentar o apoio entre tucanos. Ele também terá audiências com integrantes da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Por último, o Palácio do Planalto divulgou nota para rebater acusações do delator Lúcio Funaro, afirmando que comprou imóveis de modo legal e que o doleiro estaria mentindo, como já fez no passado, de acordo com a própria Procuradoria Geral da República.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

22/09


2017

Aécio vem à tona nas redes e leva surra de internautas

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) resolveu twittar sobre a mudanças nas regras eleitorais para 2018 e tomou uma surra dos internautas na rede social. Segundo as mais recentes pesquisas eleitorais, Aécio é o político mais rejeitado do Brasil: 70% dos eleitores dizem que não votariam no tucano de jeito nenhum.

Com as mudanças, a vontade dos eleitores prevalecerá, pondo fim a legendas de aluguel e à eleição de parlamentares sem voto.

Após o tweet sobre o fim das coligações partidárias, Aécio recebeu uma saraivada de críticas: "A vontade dos eleitores era vc está preso. Corrupto de marca maior como vc tem a cara de pau de falar em vontade de eleitores", escreveu um dos usuários. Um outro respondeu ao tucano que "minha vontade era de ve.lo respondendo seu processo com um minimo de dignidade e honradez".

"A vontade do povo é que políticos do seu nível sumam da vida política", escreveu um terceiro. Segundo sondagens eleitorais, Aécio não conseguiria sequer se reeleger senador pelo estado de Minas Gerais: ele está atrás da ex-presidenta Dilma Rousseff em pesquisa para o Senado, numa mostra do descontentamento popular com o golpe. (Minas 247)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


22/09


2017

Uma boa notícia em vez do Distritão

Blog do Kennedy

De novo, o Congresso fracassou ao tentar aprovar uma reforma política ampla. As mudanças votadas não podem ser chamadas de reforma política, mas de reforma eleitoral tímida. Ainda falta um turno de votação na Câmara e mais dois no Senado para confirmar as alterações.

Foram suavizadas a cláusula de barreira, regra para diminuir o número de partidos, e também o fim das coligações proporcionais, norma para evitar que uma legenda pegue carona na votação de outra. A Câmara votou o fim das coligações a partir de 2020. O Senado poderá confirmar ou antecipar para 2018 (esta hipótese é menos provável).

No fundo, essas pequenas mudanças são uma boa notícia diante do desastre que seria a aprovação do distritão. Havia risco de piorar o que já está ruim. Mas isso não aconteceu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 2

22/09


2017

Corrupção vira atração turística em Brasília

Josias de Souza

O placar foi esmagador. Por 10 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal enviou à Câmara a segunda denúncia da Procuradoria contra Temer. O presidente é acusado agora de compor uma organização criminosa e de obstruir a tentativa da Justiça de desbaratar essa quadrilha. Em qualquer outro pedaço do planeta, um caso assim paralisaria um país. No Brasil, isso não significa nada. Todos sabem que esse processo, natimorto, será abortado na Câmara.

A Constituição foi sábia ao condicionar um processo penal contra o presidente da República ao aval da Câmara. A ideia básica é injetar povo no processo. E quem representa o povo no Congresso, em tese, é a Câmara. No nosso sistema legislativo bicameral, o Senado representa os Estados da federação. O diabo é que o sistema faliu. A maioria dos deputados, com códigos de barras na lapela, representam o próprio bolso, não os eleitores.

A corrupção pode ganhar um novo proveito em Brasília: virou atração turística, como os monumentos de Niemeyer. Temer falou em Nova York que é culpado por associação. Disse o presidente: “Você encontra pessoas que tiram fotos com você, convivem com você, e aí praticam um ilícito qualquer. E você também vira delituoso.” Faz sentido.

Temer faz pose na companhia de ministros denunciados junto com ele como se posasse ao lado da cratera do Vesúvio, onde o perigo é apenas presumido. O problema é se os amigos presos do presidente, como Geddel Vieira Lima, resolverem entrar em erupção.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

21/09


2017

Críticas o governo: Temer chama Maia para conversar

Blog de Andreia Sadi

Para tentar contornar o mal-estar com Rodrigo Maia, o presidente Michel Temer procurou nesta quinta-feira o presidente da Câmara para um conversa.

Temer, no entanto, não conseguiu localizar Maia. Assessores do presidente afirmaram ao Blog que o presidente tentou falar por telefone com Maia quando o deputado estava voando do Rio de Janeiro para São Paulo.

Maia foi a um jantar com os prefeitos de São Paulo, João Doria, e de Salvador, ACM Neto 

Temer quer evitar que as críticas de Maia aos ministros palacianos e ao PMDB tome proporções que possam contaminar o ambiente para a votação da segunda denúncia na Câmara.

Rodrigo Maia disse que os aliados do governo não podem "ficar levando facada nas costas" do PMDB e de ministros com gabinete no Palácio do Planalto.

Questionado sobre o gesto de Temer, Maia disse a aliados que ainda não havia checado seus recados porque estava em reunião.

O presidente da Câmara só retorna a Brasília nesta sexta. A ideia de Temer é chamá-lo para uma conversa no Palácio do Jaburu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

bm4 Marketing 6

21/09


2017

Temer: propina também em hidrelétrica, diz Funaro

Lúcio Bolonha Funaro, operador financeiro do PMDB, afirmou em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR) que Michel Temer recebeu propina das empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez em uma obra da Hidrelétrica Santo Antônio. Além de Temer, teriam recebido propina os ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, ambos presos por condenações em desdob

Cunha contou a Funaro que a propina foi acertada pelos executivos Benedicto Júnior, da Odebrecht, e Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez. "Os valores foram recebidos por Eduardo Cunha e, posteriormente, foi repartido entre com Henrique Eduardo Alves, Arlindo Chinaglia e para Michel Temer", diz Funaro em depoimento prestado em 24 de agosto de 2017 e anexado à denúncia oferecida por Rodrigo Janot contra Temer por organização criminosa e obstrução de Justiça. Parte do pagamento foi feito em dinheiro e outra parte, em doação de campanha, disse Funaro em seu depoimento.

Em suas delações, os executivos Henrique Valladares, Augusto Roque Dias Fernandes Filho, José de Carvalho Filho e Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o "BJ", todos da Odebrecht, disseram aos investigadores que um grupo de quatro parlamentares recebeu cerca de R$ 50 milhões em propina para ajudar a empreiteira baiana e a Andrade Gutierrez na licitação de Santo Antônio.

Cunha teria embolsado R$ 20 milhões em propina. Os delatores citam ainda o senador Romero Jucá, R$ 10 milhões, e o ex-assessor de Michel Temer, Sandro Mabel (PMDB-GO), que teria amealhado R$ 10 milhões. Todos os repasses, segundo os delatores, teriam sido divididos entre os centros de custo da Odebrecht e da Andrade Gutierrez.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/09


2017

Ataque de Maia a Temer tem apoio do líder do DEM

O Globo - Cristiane Jungblut

Na véspera da chegada à Câmara da segunda denúncia da PGR contra o presidente Michel Temer, o líder do DEM na Câmara, deputado Efraim Filho (PB), engrossou as críticas feitas pelo colega de partido e presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), contra o PMDB e até mesmo contra o próprio Temer. Efraim, que na primeira denúncia muitas vezes adotou um discurso crítico ao governo, disse que são "mesquinhas" as atitudes do PMDB para atravessar as negociações do DEM com políticos descontentes de outros partidos, em especial do PSB.

O presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), conseguiu "roubar" do DEM a filiação do senador Fernando Bezerra (PE), que deixou o PSB e foi para o PMDB, desistindo de entrar no DEM. Entre os aliados do presidente Temer e interlocutores do Palácio do Planalto, há preocupação de como essa rebeldia afetará a tramitação da segunda denúncia contra Temer.

Interlocutores do Planalto disseram que Maia avançou o sinal ao criticar diretamente o presidente Temer, quando deveria se limitar a atacar Jucá, que é o comandante do partido. Ontem, voltou o discurso de que estão tratando aliados como adversários e avisou que a "revolta" dentro do DEM pode virar uma "rebelião".

Nos bastidores, porém, alguns aliados brincam que o presidente da Câmara voltou a ser "mordido pela mosca azul" e alertam que ainda terão que lidar com o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG),  Líder do DEM, Efraim disse que o PMDB não está ajudando a agregar a base aliada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/09


2017

Gilmar e Janot pegam mesmo voo para Europa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estado de S.Paulo – Andreza Matais e Marcelo de Moraes

Adversários ferrenhos, o ministro Gilmar Mendes e o ex-procurador-geral Rodrigo Janot embarcaram hoje no mesmo voo da TAP. O ministro, que também é presidente do TSE, está a caminho da Alemanha para acompanhar a eleição presidencial. Por pouco os dois não sentaram lado a lado. A poltrona de Gilmar fica atrás  da ocupada por Janot.

Os dois não se cumprimentaram na fila de embarque. O fato não passou desapercebido por vários passageiros, que não disfarçaram a surpresa com a cena inusitada.

Na sua primeira semana de folga, Janot decidiu descansar na Europa. Segundo interlocutores ele está indo para a Itália. Tanto ele quanto Mendes se encontrarão novamente no aeroporto de Portugal para fazer suas devidas conexões.

O encontro dos dois no avião ocorre um dia depois de Mendes ter defendido, durante sessão no STF, que Rodrigo Janot deveria ter pedido a própria prisão diante do malogro das investigações do caso JBS. O ministro, que foi procurador da República nos anos 1980, seguiu. “Eu sou da turma de 84. Certamete já ouvimos falar de procuradores preguiçosos, de procuradores violentos, alcoólatras, mas não de procuradores ladrões. É disso que se cuida aqui, corruptos num processo de investigação. Essa pecha a Procuradoria não merecia ao fazer investigação criminal.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores