Versão Agreste Setentrional

02/01


2017

Ex-prefeita de Floresta deixa mais de R$ 9 mi em caixa

Durante a cerimônia de posse do executivo e legislativo, realizada ontem, no município de Floresta, a ex-prefeita Rorró Maniçoba, em seu discurso, além de fazer uma prestação de contas de todas as ações desenvolvidas nos seus oito anos de gestão, deixou registrado o montante de recursos que fica disponível para esta nova administração.

No total, ficam disponíveis para atual administração municipal, mais de R$ 9 milhões para serem utilizados em infraestrutura, educação e saúde. Recursos capitados por Rorró Maniçoba, mas que só foram liberados neste fim de mandato.

“É preciso investir mais, não há dúvidas sobre isso. Mas, certamente, com todo esse dinheiro garantido, é possível, desde já, fazer uma boa administração”, ressaltou Rorró Maniçoba.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do Araripe

Confira os últimos posts

06/01


2008

Rota do Cangaço ganha roteiro integrado

Em Serra Talhada, o museu de Lampião e o berço do cangaço. Em São José do Belmonte, a tão cantada Pedra do Reino do romance de Ariano Suassuna. Em Triunfo, não sem motivo chamada de oásis no sertão, um dos climas mais amenos de Pernambuco. Meca dos poetas violeiros, São José do Egito é tida como terra de uma veia cultural excepcional.

Já em Afogados da Ingazeira, as remanescências dos quilombos falam dos tempos de escravidão tão arraigados na nossa cultura, como também são os engenhos de açúcar em Santa Cruz da Baixa Verde. Tesouros que deixam de ser individuais e passam a unir as seis cidades do Sertão do Pajeú na recém-criada Rota do Cangaço, uma iniciativa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae, apoiada pelos municípios e encampada pelo governo do estado.

A idéia vai além de simplesmente congregar as atrações ao longo dos 217 quilômetros do roteiro. Antes de ações publicitárias e divulgação do novo destino, o objetivo é qualificar todo o aparato turístico da região. Acomodação, gastronomia – com ênfase na culinária à base de carne de bode - e artesanato são os alvos das ações do Sebrae. O projeto engloba 140 empreendimentos turísticos e prestadores de serviços - 30 hotéis e pousadas, 64 bares e restaurantes, 05 engenhos, uma agência receptiva, 15 guias, 25 empreendedores culturas e artistas e 150 artesãos.

De acordo com o que pretende o projeto, a cidade de Serra Talhada, que já dispõe de um aeroporto, funcionaria como porta de entrada da Rota do Cangaço. A intenção, segundo o gerente da unidade de negócios do Sebrae do município, Pedro Lira, é inicialmente prolongar a estada dos turistas que visitam as cidades com fins pedagógicos e culturais. “A região já tem um fluxo turístico espontâneo. São grupos que vão conhecer o Museu do Cangaço de Serra Talhada ou curtir o clima de Triunfo”, explica.

A longo prazo, porém, a expectativa é atrair visitantes de outros estados e países e até brigar com os atrativos do litoral. “Nesse ponto saímos ganhando porque contamos com o diferencial histórico. Temos muito o que mostrar”, aponta Lira. Ele projeta que em cerca de dois anos a Rota do Cangaço esteja consolidada no turismo de Pernambuco.

Para alcançar esse resultado, empreendedores e poder público têm unido forças. Na repartição de tarefas, o Sebrae entra com o trabalho de base – qualificação, orientação e consultoria – enquanto o governo assume as obras de infra-estrutura, a exemplo da melhoria de acessos e da construção de uma estrada ligando o aeroporto de Serra Talhada (foto) – que já tem estrutura para receber aeronaves de grande porte - ao centro do município. “Uma das propostas, que já teve sinalização positiva, é oferecer uma escala em Serra Talhada nos vôos que sequem do Recife até Petrolina”, adiante Lira. Empreendedores, por sua vez, se comprometeriam em investir nos estabelecimentos.

As previsões de resultados são otimistas. Com o estabelecimento da Rota do Cangaço, pretende-se aumentar a taxa de ocupação dos meios de hospedagem em 20%, (10% até dezembro de 2008 e 20% até dezembro de 2009) e ampliar para 4 dias a permanência média dos turistas nas localidades atendidas pelo projeto. (Pernambuco.com)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Boa sacada essa do Sebrae. O Sertão tem muito para se ver e curtir, Parabéns pela iniciativa.


Versão Mata Sul

06/01


2008

Collins passa Paulo Rubem e lidera em Jaboatão

O deputado Pastor Collins, candidato do PSC a prefeito de Jaboatão dos Guararapes, passou o pedetista Paulo Rubem Santiago e lidera a enquete do blog com 40.10% dos votos. Rubem agora é o segundo, com 32.69%. Vamos votar, gente! O resultado final só sai amanhã.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

gilson basilio de souza

Na eleição iremos ver em quem realmente o povo vota. Essas pesquisas podem ser manipuladas mas não as urnas.

fernando damiao

correção SORFRIDA

fernando damiao

Eu já sabia disso deste o coneço que tu és o melhor para minha cidade tão sorvrida,pena que não estaremos juntos no mesmo palanque, governe para o povo e não para meia duzia de babão.......

Bruno de Lima

RECADO PARA NEWTON CARNEIRO: O resultado deste blog dando vitória ao Pr. Cleiton é o termômetro do que vamos ter nas eleições para prefeito de Jaboatão. Caro Carneiro, pare de mentir aos pobres desta cidade, dando-lhes pasto seco.

maria gabriela pereira sanhaço

Pr ao chegar da escoloa dominical e acessar a net pude ver o quando deus é fiel na sua vida, pois conhendo o senhor como conhecemo sabemos que o senhor não precisa pagar niguem para votar estamos vendo o seu trabalho em pernambuco e sabemos que vc vai fazer o melhor por jaboatão.


Versão Sertão do Pajeú

06/01


2008

Rio Formoso: candidata do PR dispara na enquete

Já em Rio Formoso, a liderança continua com a candidata do PR, Isabel Cristina, que disparou e atingiu a casa dos 73% dos votos, enquanto o Doutor Edvaldo, do PT, aparece em segundo, com 22.31%. Vamos votar, gente! O resultado só sai amanhã.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura do Ipojuca

06/01


2008

"PSDB não negocia mais com este governo", diz Virgílio

 Em seu nascedouro, o “pacote de ano-novo” anunciado pela equipe econômica do governo no primeiro dia útil de 2008, na última quarta-feira (2), completa apenas quatro dias de vida hoje (6), mas já provoca discussões dos mais diversos tons e matizes. Considerado pelos oposicionistas uma retaliação devido à perda dos R$ 40 bilhões anuais arrecadados anualmente por meio da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o também chamado plano compensatório tem tudo para fazer deste ano – de eleições municipais, é bom lembrar – um dos mais difíceis do segundo mandato do presidente Lula.

Tudo indica que, nos 362 dias restantes de 2008 (estamos em ano bissexto), a animosidade política seja acirrada entre governo e oposição. “O PSDB não negociará mais com este governo”, anunciou o líder do partido no Senado, Arthur Virgílio (AM), um dos principais críticos da política econômica da era Lula.

O tucano reclama que o Planalto traiu o acordo firmado em meados de dezembro do ano passado, que propiciou a votação – e conseqüente aprovação – da Desvinculação das Receitas da União (DRU) em segundo turno no Senado. O governo já havia perdido a batalha pela manutenção da CPMF, mas, com a prorrogação da DRU até 2011, poderia aplicar livremente 20% dos recursos vinculados ao Orçamento da União. Em contrapartida, comprometeu-se a: não reeditar a CPMF; não aumentar a carga tributária para compensar a perda do tributo; promover a redução dos gastos com a máquina pública; ampliar o debate sobre a regulamentação da Emenda 29, a chamada “emenda da saúde”, em tramitação no Senado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Sérgio J. Cadena Bandeira de Melo

TIVESSE A OPOSIÇÃO CONFIADO NA CARTA; AQUELA QUE O JUCÁ LEU ANTES DA VOTAÇÃO, A DO inácio, PROMETENDO TODA CPMF IR PARA A SAÚDE E DEPOIS; CANTARIA PEGAMOS OS BESTAS.QUEM QUISER QUE CONFIE.



06/01


2008

Sinopse de hoje dos principais jornais brasileiros

JORNAL DO BRASIL

 - Boicote ao IPTU

- Na Fonte da Saudade, moradores contrataram advogado e entrarão na Justiça contra a prefeitura na quinta-feira. Argumentam que o município está aplicando mal o imposto. Outras associações também já discutem o boicote. No Leblon, a decisão será tomada esta semana. O pai de João Hélio, o menino arrastado por bandidos em janeiro passado, apóia o boicote, assim como a mãe de Gabriela Prado. "É um meio de pressionar as autoridades", diz Cleyde Prado. (págs. 1 e A15)

- Rico no Brasil é aquele que faz parte de uma família com renda média mensal de R$ 3.875, segundo parâmetro adotado pelo IBGE. Assim, 10% da população brasileira integram esse universo, enquanto 40% vivem com até R$ 758,25. Duas famílias, apresentadas como endinheiradas, contam como vivem. Mas, para a corretora Merril Lynch, ricos de fato são os que têm mais de US$ 1 milhão em investimentos - 0,06% dos brasileiros. (pág. 1 e Economia, págs. E4 e E5)

- Cinco dos sete deputados acusados de participarem do esquema do mensalão, reeleitos em 2006, viram suas emendas orçamentárias liberadas no apagar de 2007. O governo foi generoso com o grupo. Empenhou nada menos que R$ 11 milhões para os seus redutos. Os privilegiados: Pedro Henry (PP-MT), João Paulo Cunha (PT-SP), José Mentor (PT-SP), Vadão Gomes (PP-SP) e Sandro Mabel (PR-GO). Já Paulo Rocha (PT-PA) e Valdemir Costa Neto (PR-SP) ficaram de fora das benesses. (pág. 1 e País, pág. A4)

FOLHA DE SÃO PAULO

- Emprego formal avança onde qualificação é menor

- Por trás dos recordes de geração de emprego formal no governo Lula, o trabalho com carteira assinada cresce em ocupações de baixa escolaridade e salários menores, segundo ranking de ocupações feito pelo Ministério do Trabalho a pedido da Folha. Dados de 2003 a 2006 mostram que a ocupação que mais rendeu empregos foi a de vendedor do comércio varejista (315 mil vagas). Depois vêm trabalhadores de linhas de produção (307 mil empregos) e auxiliar de escritório (287 mil postos). (págs. 1 e B1)

- A Argentina manteve bases em São Paulo e no Rio, com militares, que visavam "detectar pessoas ligadas à ''subversão'' e controlá-las", informa Rubens Valente. A revelação está em processo que culminou na condenação de oito pessoas na Argentina. As bases funcionaram na Operação Condor, acordo de 1975 entre ditaduras da América do Sul. A prioridade era monitorar ações do grupo guerrilheiro Montoneros. (págs. 1 e A6)

- As Farc admitiram em nota que o menino achado na capital da Colômbia é Emmanuel, filho da refém Clara Rojas. A guerrilha prometera libertar os dois e a ex-parlamentar Consuelo Gonzáles no fim de dezembro. (págs. 1 e E10)

O ESTADO DE SÃO PAULO

- Planalto espera que pacote do IOF reduza o consumo

- Um dos objetivos do governo com o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é reduzir o consumo, informa Ribamar Oliveira. Além de garantir a recuperação de receitas perdidas com o fim da CPMF, o pacote de taxações recém-anunciado servirá, na visão do Ministério da Fazenda, para frear as operações de financiamento de pessoas físicas. O crédito fácil vinha estimulando a demanda dos consumidores, o que despertava no Banco Central o temor de pressões inflacionárias. O ano de 2007 foi o melhor para o crédito em pelo menos uma década. Em dezembro, o total acumulado de operações de financiamento no País ficou perto de R$ 1 trilhão. (págs. 1, B1, B3 a B5)

- Três meganegócios devem agitar o setor elétrico brasileiro no primeiro semestre do ano e movimentar mais de R$ 35 bilhões. Estão em jogo a concessão da usina Jirau, no Rio Madeira, e a venda da Cesp (terceira maior produtora de eletricidade do País) e da Brasiliana (dona da Eletropaulo). (págs. 1 e B10)

- Em comunicado na Internet, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) acusaram o presidente colombiano, Álvaro Uribe, de seqüestrar em Bogotá o menino Emmanuel para sabotar a entrega de reféns. A guerrilha admitiu que o menino, sob proteção de um órgão estatal, é Emmanuel, filho de Clara Rojas, uma das reféns. (págs. 1 e A19)

O GLOBO

- Bandidos armados roubam um carro a cada 12 minutos no Rio

- Embora há três anos as estatísticas de roubos e furtos de carros venham caindo no estado, a freqüência desse tipo de crime ainda é alarmante: a cada 12 minutos um veículo foi levado no ano passado por bandidos armados. Para a polícia, o uso até de fuzis nos assaltos confirma o envolvimento do tráfico em 80% dos casos. Os carros roubados são usados em bondes e outras ações criminosas. No dia seguinte ao assalto a Paulinho da Viola no Itanhangá, outro motorista foi rendido - sob mira de fuzis - no mesmo local. (págs. 1 e 15)

- Economistas dizem que o pacote do governo que dobrou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e encareceu o crédito deve ajudar o Banco Central a evitar alta excessiva da inflação. Com isso, abre-se espaço para os juros voltarem a cair antes do previsto pelo mercado. (págs. 1, 27 e 28)

- Apesar de condenados por irregularidades nas eleições de 2004, cerca de 160 prefeitos estão livres para concorrer este ano, devido a brechas na lei. Entre eles, há 19 que foram afastados do cargo pelo TSE. (págs. 1 e 3)

- As Farc reconhecem que não têm em seu poder o menino Emmanuel, filho da refém Clara Rojas. Segundo a guerrilha, ele foi "seqüestrado" por Uribe. (págs. 1 e 40)

GAZETA MERCANTIL

- Pacote deve arrecadar mais que R$ 10 bilhões

- O aumento da tributação sobre o sistema financeiro, parte das medidas do governo para compensar a perda de receita com o fim da CPMF, deve gerar arrecadação anual muito superior aos R$ 10 bilhões estimados pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Segundo especialistas, apenas a elevação da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido(CSLL) das instituições financeiras, de 9% para 15% - mesmo considerando que o lucro do setor em 2008 se mantenha nos níveis de 2007 -, trará receita adicional superior a R$ 3,1 bilhões, superando a projeção de R$ 2 bilhões de Mantega."Só a receita adicional sobre os lucros de Bradesco e Itaú terá cerca de R$ 400 milhões cada",disse João Augusto Frota Salles, economista da consultoria Lopes Filho.

O setor financeiro criticou as medidas. "É o caminho politicamente mais fácil, mas não é o caminho tecnicamente mais correto", afirmou o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Fabio Barbosa. O vice-presidente da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABCC), Renato Oliva, avisou que o aumento de custos dos bancos será repassado aos clientes. O setor produtivo também reagiu às medidas. Para o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, foi um "presente" desnecessário e infeliz. Embora critique o "pacote", o presidente da CNI, Armando Monteiro Neto, vê aspectos positivos, como o descarte da recriação da CPMF.

Por enquanto, o Palácio do Planalto anunciou apenas que irá cancelar novos concursos públicos para cortar seus custos.Mesmo assim, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, não descartou o reajuste a servidores ainda este ano. Os partidos de oposição anunciaram que pretendem obstruir no Congresso as discussões sobre o Orçamento da União para este ano, em especial se o corte de gastos federais incluir emendas de parlamentares. (págs. 1, A4, A6 e B1)

- Janeiro é o mês em que as empresas devem começar a fazer o chamado planejamento tributário de 2008. O prazo para decidir qual regime tributário adotar vence no dia 29 de fevereiro. Especialistas alertam que antes de fazer a opção é necessário realizar simulações para descobrir qual o mais vantajoso: lucro real, presumido ou Supersimples. Para empresas com faturamento superior a R$ 48 milhões por ano, no entanto, é obrigatório optar pelo lucro real. Nesses casos, é preciso um planejamento tributário mais sofisticado. Uma opção é a permuta de participação societária, a transferência dos ativos de uma empresa para outra evitando o ganho de capital. (págs. 1 e A7)

- O grande interesse demonstrado por pequenos investidores nas Ofertas Públicas Iniciais (IPO, na sigla em inglês) pelas operações de transformação de Bovespa e BM&F em empresas listadas no pregão já provoca um debate no mercado de capitais. A discussão é sobre um possível aumento da fatia das ofertas dedicada ao varejo. No caso das duas bolsas, esses investidores ficaram com aproximadamente 10% dos papéis. Na opinião do superintendente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec),Edison Garcia, possíveis alterações em futuros IPO acontecerão caso o apetite do varejo permaneça. (págs. 1 e B3)

- O preço mais alto do leite, que subiu 40%, a produção maior e o movimento de aquisições de indústrias fizeram o segmento liderar os ganhos na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) entre as empresas do agronegócio no ano passado. Em contrapartida, usinas sucroalcooleiras e frigoríficos registraram as maiores quedas, segundo dados da Economatica.

Segundo Denílson Duarte, analista do Banco Máxima, a compra da Eleva pela Perdigão foi o principal fator para o aumento da rentabilidade da empresa, aliado à expansão da economia, que levou investidores a comprar ações de indústrias do segmento. No caso das usinas sucroalcooleiras,queda nas exportações e operações da Cosan fora do País determinaram o desempenho.

Para os frigoríficos, a compra da Swift pelo JBS/Friboi, que para analistas foi por um valor muito alto, e a matéria-prima mais cara explicam os resultados. (págs. 1 e C3)

- Petróleo superando a barreira de US$ 100 por barril - o que ocorreu ontem pelo segundo dia seguido no pregão de Nova York - não é um cenário de preço sustentável. Essa é a opinião de analistas consultados por este jornal. Eles apostam numa cotação média para 2008 de US$ 75. "Com o fim do inverno no Hemisfério Norte, em março, o preço começará a voltar para patamares mais realistas", diz Vladimir Pinto, do Unibanco. Segundo ele, o valor atual reflete o inverno rigoroso nos EUA, que aumenta a demanda por óleo para calefação, e o registro de conflitos geopolíticos.

Em 2007, o valor médio do WTI, negociado em Nova York, ficou em US$ 72,32, enquanto a cotação do Brent, vendido em Londres, atingiu US$ 72,71. Gilberto Pereira de Souza, da BES Securities, também prevê recuos mais significativos nos preços nos próximos meses. (págs. 1 e A5)

- A Braskem, maior petroquímica do país, quer aumentar a participação da ferrovia em sua matriz de transporte.Com projeto com a América Latina Logística (ALL), a empresa estuda usar o trem na rota Triunfo (RS)/Paulínia (SP). O objetivo é elevar em torno de 35% o volume total de cargas transportadas por trilhos neste ano, passando de 7,5 mil toneladas mensais para 10 mil toneladas de resinas termoplásticas por mês.

"Vamos usar vagões especiais, mas a intenção não é comprar e sim alugar os equipamentos", disse a este jornal a diretora de suprimentos e logística da Braskem, Isabel Figueiredo. Págs. 1 e C2)

- Bolívia não cumprirá acordo, diz Carlos Villegas. (págs. 1 e C2)

- Subsídio maior pode elevar as contratações de seguro rural em 2008. (págs. 1 e C3)

- Fluxo cambial cresceu 134% em 2007. (págs. 1 e B1)

- As reservas internacionais do Brasil alcançaram na última quarta-feira o valor recorde de US$ 181,378 bilhões e quase dobraram em um ano, segundo dados do Banco Central divulgados ontem. (págs. 1 e A4)

- A Petrobras vendeu a participação de 40% na Argentina Petroquímica de Cuyo para os sócios, o grupo argentino Admire Trading Company e para o Grupo Investidor Petroquímica, por US$ 32 milhões. (págs. 1 e A5)

CORREIO BRAZILIENSE

- Suspeito de ter febre amarela morre em Goiás

- Internado em Goiânia desde o último dia 2, João Batista Gonçalves, 31 anos, morreu ontem de falência múltipla dos órgãos. Laudo vai confirmar se trabalhador rural estava contaminado pela doença, como suspeitam as autoridades. Há duas semanas, foram encontrados, em Goiás e no Distrito Federal, macacos mortos contaminados pela febre. No DF, 200 mil pessoas já foram vacinadas, muito próximo da meta de 240 mil, equivalente a 10% da população. Ontem, o Ministério de Saúde solicitou que todos os governos estaduais enviem doses da vacina para Goiás, onde o objetivo é imunizar 15% dos moradores. (págs. 1, 27 e 28)

- Em 2007, o governo federal gastou R$ 75 milhões, mais do que o dobro do valor de 2006, com o pagamento de faturas. Os maiores responsáveis pelo aumento dos custos foram o Ministério do Planejamento, que usou sozinho R$ 34 milhões, e a Presidência da República. (págs. 1 e 4)

- Com Lula, ação contra informalidade cresce 76%. (págs. 1 e 19)

- Guerrilha admite que o menino internado há dois anos em orfanato é Emmanuel, filho de uma política seqüestrada com um guerrilheiro. Grupo havia dito que libertaria o garoto, a mãe e uma ex-congressista no final do ano passado, mas criança já não estava mais em seu poder. (págs. 1 e 18)

VALOR ECONÔMICO

- Empresa privada volta a investir em saneamento

- Além do impulso do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o ponto crucial para a mudança de cenário foi a entrada em vigor da legislação que regulamentou o setor, em fevereiro de 2007. Por conta dos prazos apertados da lei e das exigências para o acesso aos recursos federais, as prefeituras e as estatais estaduais tiveram de correr para renegociar contratos precários ou que estavam para vencer. A Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp) assinou no fim de ano a centésima renovação e celebrou um convênio com a capital que representa o início de um contrato até hoje inexistente de prestação de serviços.

Além do impulso do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o ponto crucial para a mudança de cenário foi a entrada em vigor da legislação que regulamentou o setor, em fevereiro de 2007. Por conta dos prazos apertados da lei e das exigências para o acesso aos recursos federais, as prefeituras e as estatais estaduais tiveram de correr para renegociar contratos precários ou que estavam para vencer. A Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp) assinou no fim de ano a centésima renovação e celebrou um convênio com a capital que representa o início de um contrato até hoje inexistente de prestação de serviços.

Só por parte da Caixa Econômica Federal (CEF) foram contratados R$ 3,2 bilhões no ano passado, valor que pode subir para R$ 4,8 bilhões em 2008 graças à ampliação do limite de endividamento autorizado pelo PAC.

A Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais (Aesbe) acredita que até 2010 será fechado o ciclo de renovações de contratos de saneamento. A concorrência com o setor privado ainda está longe de ser um problema para as estatais, consolidadas no mercado há 30 anos e com 95% das operações no setor.

Investidores privados assumiram os serviços nas cidades paulistas de Rio Claro, Itú, Mirassol e Palestina; nas fluminenses Rio das Ostras, Resende e na Região dos Lagos e ainda em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. "A ampliação ainda é pequena, mas já é um começo, e temos expectativa de que em dez anos o setor privado possa representar 30% do mercado", diz Yves Besse, diretor da Associação Brasileira das Concessionárias de Serviços Públicos (Abcon).

Em Rio das Ostras e Rio Claro, as prefeituras adotaram Parcerias Público-Privadas (PPPs) no saneamento, sistema que é uma das apostas para a ampliação da presença privada no setor. (págs. 1 e B3)

- O governo anunciou que irá preservar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que prevê investimento de R$ 18 bilhões em 2008, e o Bolsa Família, com dotação de R$ 10,5 bilhões, dos cortes que serão feitos no Orçamento. Segundo o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, serão prejudicadas as emendas parlamentares, os investimentos propostos pelo governo fora do PAC e despesas de custeio. Enquanto o Orçamento não for aprovado, o governo gastará mensalmente o duodécimo da proposta enviada ao Congresso, mas encontrou uma brecha para tocar investimentos - a rubrica "restos a pagar", que não entra no cálculo do duodécimo. Nessa rubrica, o governo incluiu R$ 41 bilhões, o maior montante de "restos a pagar" da história, segundo o ministro.

O governo também acenou ontem com a possibilidade de não cumprir acordos feitos no Congresso para prorrogar a Desvinculação das Receitas da União (DRU), como, por exemplo, a exclusão dos recursos da Educação do valor a ser desvinculado. Especialistas em contas públicas receberam com cautela as medidas do minipacote fiscal anunciado pelo governo. Apesar da falta de detalhamento dos cortes, que impede uma avaliação mais precisa, a expectativa de vários analistas é de que parte dos investimentos programados para este ano não escape das restrições. (págs. 1 e A7)

- Richard Lark, o diretor de relações com investidores da Gol Linhas Aéreas, teve dois termos de compromissos rejeitados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Com eles pretendia pôr fim a processo administrativo sobre a falta de esclarecimentos da Gol na compra da Varig. Ontem, Lark teve que mais uma vez prestar esclarecimentos sobre o suposto fechamento de capital da Gol. A empresa voltou à cena com essa possibilidade de saída da bolsa e uma compra de ações feita pelos controladores, a família Constantino. Suas ações tiveram a maior queda do Ibovespa: 5,19%. (págs. 1 e B2)

- Municípios dão incentivo a empresas e ampliam fatia no bolo do ICMS. (págs. 1 e A4)

- A Petrobras já fechou contrato para sua primeira Importação de Gás Natural Liquefeito (GNL). O volume é suficiente para suprir toda a demanda termelétrica da estatal. (págs. 1 e B6)

- Adição de biodiesel ao óleo diesel, em vigor desde o dia 1º, enfrenta dificuldades pontuais em cerca de 7% do mercado. Excesso de capacidade instalada reduz preços do produto. (págs. 1 e B12)

- A Brasil Telecom (BrT) costura uma proposta de reestruturação de sua cadeia societária que poderá levar à pulverização do controle da empresa. O movimento, se bem-sucedido, poderá dar aos controladores da operadora munição para pleitear a liderança de um processo de consolidação com a Oi (ex-Telemar).

O primeiro passo deve ser o enxugamento da estrutura societária - acima da operadora, único ativo que gera receita, há uma cadeia de holdings. Os controladores passariam a ter participação direta na operadora. O segundo prevê a troca de ações preferenciais por ordinárias. O último estágio é a oferta secundária de ações com pulverização do controle - o que dará ao Citigroup a possibilidade de sair da companhia. (págs. 1 e B7)

- O fluxo cambial foi recorde no ano passado, somando US$ 87,454 bilhões, com alta de 134% sobre o resultado de 2006. O câmbio comercial registrou saldo positivo de US$ 76,746 bilhões. (págs. 1 e C1)

- Receio de inflação com a alta do petróleo, desvalorização do dólar e preocupações com uma crise econômica nos EUA levam o euro ao segundo recorde consecutivo.(págs. 1 e C1)

- Medidas fiscais para compensar o fim da CPMF foram bem recebidas pelo mercado futuro de juros da BM&F. As taxas recuaram tanto nos contratos curtos quanto nos mais longos. (págs. 1 e C2)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Flamac - 1

06/01


2008

Ditadura argentina montou bases no Brasil

 O depoimento do carcereiro Néstor Norberto Cendon, prestado em 1984, revela que a Argentina manteve bases durante a Operação Condor em São Paulo e no Rio de Janeiro compostas por membros de suas corporações cujo objetivo era “detectar pessoas vinculadas à ‘subversão’, controlá-las e manterem-se informados sobre todos os seus movimentos”. As informações são da “Folha de S. Paulo”.

As revelações constam de um processo judicial aberto a pedido do Ministério Público argentino que culminou, em 18 de dezembro, na condenação de sete militares e um policial, incluindo o general Cristino Nicolaides, de 83 anos, ex-comandante do Exército e membro da quarta junta militar que governou o país em 1982 e 1983. Nicolaides foi condenado a cinco anos de reclusão e cumpre prisão domiciliar em Córdoba.

De acordo com a sentença, Cendon relatou que as bases dos argentinos no Brasil tinham como prioridade os montoneros, maior grupo guerrilheiro argentino, que em 1978 iniciou a “segunda contra ofensiva”, plano que previa o retorno à Argentina dos guerrilheiros que viviam no exterior para um fracassado embate final com a ditadura.

Pelo menos cerca de 20 montoneros morreram em 1980 e quatro foram presos no Brasil e, entregues à Argentina, desapareceram. Dois se mataram ao serem abordados por uma lancha policial quando tentavam cruzar o Rio Paraná.

Em seu relato, Cedon afirmou que a operação tinha o nome de “Morcego” e que as bases do Brasil eram ocupadas por quatro oficiais e dois civis ligados à inteligência do Exército.(Informações do portal IG)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner - Hapvida

06/01


2008

Como se nada tivesse acontecido, mensaleiro ainda atua

 Protagonistas do famigerado esquema de corrupção, cinco dos sete deputados mensaleiros que se reelegeram em 2006 ganharam ano passado um vultoso presente de Natal. Viram suas emendas orçamentárias liberadas no apagar das luzes do Palácio do Planalto em dezembro. O governo foi generoso com o grupo, que tem dois réus no processo do Supremo Tribunal Federal. Empenhou nada menos que R$ 11 milhões para o quinteto (veja arte), para obras e convênios em seus redutos. Os privilegiados são Pedro Henry (PP-MT), João Paulo Cunha (PT-SP), José Mentor (PT-SP), Vadão Gomes (PP-SP) e Sandro Mabel (PR-GO). Paulo Rocha (PT-PA) e Valdemar Costa Neto (PR-SP) ficaram de fora das benesses.

Outro grupo de mensaleiros, meia dúzia de ex-deputados que foram expurgados nas eleições de 2006, mesmo longe do poder levou nada menos que R$ 14 milhões em emendas que entraram nos restos a pagar do governo para o exercício de 2007. Ao longo do ano passado - com a maior parte das emendas autorizadas em dezembro - o governo liberou R$ 25 milhões para 11 políticos ligados ao esquema do mensalão, apurou o JB sobre levantamento feito pela assessoria do Democratas. Seis desses políticos (veja quadro) respondem a processo na Justiça Federal por causa do mensalão. Mas terão em seus redutos as verbas pedidas, num contrapeso político que renderá votos. (Informações do JB Online)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Sérgio J. Cadena Bandeira de Melo

QUANDO FALAM NESTE ASSUNTO PARA PESSOAS QUE TEM CONSENSO NÃO DESEJA PARA SE E AOS PERNAMBUCANOS TAMANHA ATRASO VAI SER UMA CATÁSTROFE, JÁ NÃO BASTA O SOFRIMENTO NAS ENFERMARIAS DOS HOSPITAIS

EDSON COSTA DE SIQUEIRA

Lamentavelmente, talvez a putrefação ilimitada, seja a maior marca do governo petista. Interessante é que, o presidente, além de presumir o terceiro mandato, sonha ser governador ou senador.


ArcoVerde

06/01


2008

Dirceu: o ''''seu safado'''' na cara foi o que mais doeu

Coluna de Thomas Traumann - Época

 O ótimo perfil que a repórter Daniela Pinheiro fez do ex-deputado José Dirceu na revista Piauí (ainda não está no site. O blogueiro Marcelo Soares  fez uma providencial copilação) é notável, entre várias outras coisas, por uma denúncia, uma inconfidência e a descrição de um contrangimento:
A denúncia – “Dirceu disse que a construção da sede do PT de Porto Alegre ‘foi feita só com dinheiro de caixa dois. Era com mala de dinheiro’. ‘Esse pessoal (das correntes de esquerda do PT) é assim. Chegava para o Delúbio e falava: ‘Delúbio, preciso de 1 milhão’. Como é que alguém vai arrumar esse dinheiro assim, de uma hora para outra?’, disse, referindo-se ao ex-tesoureiro do partido sob a acusação de ter montado o esquema irregular de financiamento de campanha. ‘Aí, quando não recebiam o dinheiro, diziam que estavam sendo preteridos porque eram de uma outra corrente, de uma outra ala, que a direção era autoritária. O pobre do Delúbio tinha que ir aos empresários conseguir doações. Aí, estoura o mensalão e esse pessoal vem dizer que o Delúbio era o homem da mala. O que não dizem é que a mala era para eles”.

2-A inconfidência – “(Dirceu) recordou de uma reportagem na qual Lulinha (Fábio Lula da Silva, filho do presidente) inventara frases suas e contava que estivera em reuniões das quais nunca participou. Dirceu se queixou e a resposta foi surpreendente: “ele se virou para mim e falou: “mas isso não tem problema’. (Ao que Dirceu conclui): “Para o Lulinha não importa a verdade”. (…) Dirceu disse ter procurado o presidente Lula, que respondeu: “Você vai ficar enchendo o meu saco por causa do Lulinha?”.

3-O constrangimento – “Com o rosto quase colado ao de Dirceu (numa churrascaria em São Paulo), o desconhecido gritou: ‘seu safado, safado, SA-FA-DO’. O sorriso do ex-ministro se desmanchou e sua expressão facial murchou. Ele não demonstrou surpresa, raiva, medo, constrangimento ou qualquer outra emoção. Ficou olhando fixo para frente, impassível, enquanto os berros continuavam e eram ouvidos nas mesas vizinhas (…) Dias depois, ele disse que há uma lógica matemática na probabilidade dos insultos. Sua impressão é de que 40% das pessoas acham que é inocente e 20% não tem opinião formada. Outros 30% não gostam dele, mas não o hostilizam. Dez por cento vão sempre ‘fazer aquilo’, se referindo às agressões verbais”.



Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

06/01


2008

Dirceu e o PT, arquipélago cheio de ilhas em conflito

Blog de Luis Nassif

 A revista Piauí já tinha recriado o estilo de algumas matérias da extinta “Realidade”, de acompanhar o entrevistado por longas viagens. Lembro-me, até hoje, de um perfil do Antonio Delfim Netto preparado pelo Hamiltinho de Almeida, um dos grandes repórteres dos anos 70 e 80.

Trata-se de um recurso eficaz porque, no dia a dia, o entrevistado se despe das formalidades. O contato diuturno com o entrevistador cria uma espécie de cumplicidade e um desejo irrefreável de impressioná-lo. É assim, através dos pequenos detalhes, das pequenas inconfidências, que o perfil da pessoa é revelado.  Principalmente quando o entrevistador é um grande jornalista e o entrevistado tem um grande ego. Fernando Henrique Cardoso foi alvo de um excelente perfil feito pelo João Moreira Salles. E, agora, José Dirceu é alvo de uma excelente reportagem de Daniela Pinheiro. Ambos, na revista Piauí.

Esse é o problema maior do Dirceu: ele foi alvo de uma reportagem tecnicamente bem feita, não aquelas truculências anti-jornalísticas da “Veja”. No almoço com José Viegas, por exemplo, a repórter informa que o embaixador pediu “off” para a conversa informal. E o “off” foi respeitado.

Mais: Dirceu permitiu que a reportagem fosse com Dirceu, consultor empresarial. Qual a razão? Tentar desfazer a imagem de lobista? Ela ficou reforçada. Vender melhor sua imagem de consultor? Evidentemente. Dirceu revelou até o preço da sua consultoria para empresários nacionais e estrangeiros, assim como parte de sua carteira de clientes.

Mais que isso, a reportagem é excepcional por mostrar, ainda que superficialmente (nem poderia ser de outra maneira) a nova rede de relações político-empresariais entre antigos militantes latino-americanos dos anos 70 e os novos grupos empresariais. Não se trata mais de empresas de limpeza municipais, ou empresas de ônibus, mas da nova elite empresarial que surgiu a partir dos bancos de investimentos e do processo de privatização do período anterior (tanto no Brasil quanto nesses países). Não é coincidência o fato, revelado pela reportagem, de que Dirceu reúne-se semanalmente com Antonio Palocci – outro que criou uma rede relevante de relações com esses grupos.

Antonio Britto aposentou-se da política quando, nas eleições estaduais gaúchas, o adversário explorou a consultoria que deu a Daniel Dantas.

Dirceu não chega a revelar toda sua carteira de clientes. Mas, ao se expor a um jornalismo sério, da maneira como se expôs, Dirceu quis dar um impulso à sua nova carreira, de consultor; e abrir mão de qualquer veleidade de cargo eletivo. E mostrando porque o PT não é um partido: é um arquipélago de ilhas em conflito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Projeto Escola no Cinema

06/01


2008

DEM quer o Bolsa Família como sua bandeira de campanha

Coluna Folha Painel - Folha de S.Paulo

 O DEM, quem diria, vai realizar um seminário para compreender melhor o fenômeno do Bolsa Família e encontrar uma maneira de incluí-lo em sua plataforma eleitoral. Será em março, em Recife.
O evento não poderia ocorrer em local mais adequado. Em pesquisa encomendada pelo PSDB, parceiro de oposição dos "demos", 44% dos entrevistados em Pernambuco declaram ter em sua casa alguém que recebe o principal programa social de Lula. No sertão, o número sobe para 54%. De acordo com o levantamento, 44% no Estado natal de Lula consideram o governo bom, e 25%, ótimo. Em pergunta espontânea sobre 2010, 58% manifestam a intenção de votar no presidente -que, pela atual legislação, não poderá concorrer. Segundo colocado, o tucano José Serra obtém 4%.

Páreo. Na pergunta estimulada, sem a presença de Lula na cartela, Serra registra 41%, Ciro Gomes (PSB), 16%, Aécio Neves (PSDB), 3%, e Dilma Rousseff (PT), 2%.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 5

05/01


2008

Grenoble: quadrilha e ciranda quase pernambucanas

 Se eu não visse nem dançasse podia até achar que era conversa fiada. Mas, a rabeca de mestre Salustiano, a quadrilha do nosso São João, a ciranda da Ilha de Itamaracá e até os ritmos armoriais do mestre Ariano Saussuna estavam todos juntos no bailão do Encontro de Educação Cidadã e Solidariedade (RÉCit) em Grenoble, na encosta dos Alpes Franceses. Depois de trabalhar intensamente, dias a fio, todos merecem um pouco de folia. No caso desse pernambucano, nunca pensava em ver folia mais parecida com a de Pernambuco por aqui.

 

Dancei forró ao estilo pé-de-serra, entrei na roda da ciranda francesa numa cadência quase igual. A diferença nos dois casos, a diferença estava nos instrumentos: a sanfona estava na ciranda, a rabeca vinha no forró O danado é que nos dois casos, o grupo Romançal e o movimento Armorial eram as primeiras associações que me vinham à mente. O mundo é mesmo muito pequeno, por isso, como sempre digo, melhor é fazer o bem, porque onde se esconder neste mundo não há.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

05/01


2008

Na França: os blogs e a Revolução Moderna

 O Blog do Magno e o blog do Programa Poder mereceram destaque ao longo deste sábado na oficina Associações e Mídia: Entre a Desconfiança e a Confiança, uma das mais concorridas neste segundo dia de realização da terceira Edição da Encontro de Educação Cidadã e Solidariedade (RÉCit) em Grenoble, aos pés dos Alpes franceses.

 

Depois de avaliar que a solidariedade e a organização social e o fortalecimento da consciência política cidadã, o encontro de Grenoble se voltou para buscar a saídas que garantam perspectivas melhores para o futuro da Mãe Terra e da humidade que nela habita. Dentre estes instrumentos, a Comunicação mereceu destaque e, nela, a mídia que mais pode contribuir para o fortalecimento da consciência foi a Internet e, nesta, os blogs foram eleitos os campeões de boas possibilidades para difundir uma nova proposta de mundo, com base na construção social solidária.

 

Nossa participação, além de apresentar esses dois instrumentos de trabalho em Pernambuco foi na defesa de aplicação de ações em rede: usando sempre que possível, além da Internet, o rádio - preferência nacional brasileira – e as televisões que, confirmaoo o que se diz por aí: tem em nosso Brasil uma força que não tem similar em lugar nenhum do mundo na formação do pensamento do nosso povo.

 

Também fizemos questão de dizer – na condição de jornalista profissional e de coordenador do Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário – que não adianta preparar uma boa mídia ou uma poderosa rede sem preparar bem a “notícia”, neste caso, preparar a sociedade, os grupos sociais para de forma organizada cobrarem direitos às autoridades que têm a obrigação de garantir o bem-estar do cidadão.

 

Contamos ao longo de todo o dia com a solidária presença de tradutores voluntários, sem os quais não conseguiríamos nos comunicar Destaque para a atenção e a rapidez na interlocução da Christine e Joel Rochat, casal de franco-suíços que vivem hoje em São Paulo, mas participam do RÉCit em tempo integral. Em cada canto, encontramos gente que se não fala português faz a ponte da comunicação via espanhol e boa vontade. Assim foi com a Mariane Raynard professora do Crolles Grenoble France, que leciona inglês.

 

Os facilitadores da oficina trabalharam de forma exemplar: a professora e pedadoga parisiense Anne Trillot e o jornalista François Longerinas. Milhares de quilômetros de casa, numa dificuldade de compreensão de outra lingua que não dominamos, mas clara a impressão de que estamos no mesmo barco e pensamos parecido: A solidariedade e a educação para a organização cidadã não é delírio de meia dúzia de malucos. Talvez seja a única forma de evitar o caos no Planeta Terra, a úlima chance de resgatar a Humidade de fim. Anselmo Monteiro, do Instituto Universal de Mestres IUFM de Grenoble, França.  


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bm4 Marketing 7

05/01


2008

Projeto obriga plano a cobrir receitas de ambulatórios

 Tramita na Câmara o Projeto de Lei 756/07, da deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), que prevê o ressarcimento, pelos planos de saúde, das despesas com medicamentos prescritos por médicos durante atendimento ambulatorial. O projeto beneficia tanto o titular como o dependente do plano de saúde.

Segundo a Agência Câmara, o ressarcimento das despesas realizadas com a compra de medicamentos prescritos pelo médico durante atendimento ambulatorial, além de proporcionar ao paciente o acesso imediato aos medicamentos para o início e continuidade do tratamento adequado, diminuirá os custos do plano privado de assistência à saúde com o segurado, pois propiciará a diminuição dos casos de internação.

"Dessa forma, entendemos ser imprescindível que as operadoras de planos ou seguros de saúde absorvam este procedimento para, inclusive, reduzir seus custos futuros, através da redução dos casos de internação", afirma a deputada.

A proposta foi apensada ao PL 4076/01. Os dois projetos serão analisados pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, seguem para votação no plenário da Casa. (Do site Última Instância)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

paulo roberto dos santos

Os Planos já não cobrem todos os casos de internação e/ou consultas, quanto mais receitas ambulatoriais. Esse projeto só vai fazer com que os planos sejam reajustados de maneira exorbitante. Xô Projeto!



05/01


2008

Riquezas brasileiras: grande reserva de níquel no Pará

 A mineradora Anglo-American Plc anunciou ter encontrado uma nova reserva de níquel altamente promissora no Brasil, que seria maior do que a do projeto de ferro-níquel de Barro Alto.Walter De Simoni, presidente da Anglo American no Brasil, disse à Reuters que o projeto Jacaré, no sul do Pará, parece ser uma reserva "world-class".

"Sem dúvida, ela é maior do que Barro Alto", disse Simoni em entrevista por telefone.Segundo ele, a expectativa é de que o teor de níquel seja alto.A primeira avaliação da reserva deverá ser finalizada no final de março ou início de abril, disse o executivo.Após essa avaliação, será feito um estudo preliminar de viabilidade em 2009, que deverá durar até 12 meses.

"A expectativa é ter o estudo de viabilidade pronto em 2010 para ser submetido ao conselho da Anglo American, logo depois de Barro Alto entrar em  operação."  Jacaré, uma concessão da Anglo, fica a 150 quilômetros da reserva de Onça Puma, operada pela Vale.(Informações da Agência Reuters)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/01


2008

Quando a cabeça não pensa, ou quem fala o quer...

 Seis dias. Esse foi o tempo de convivência entre uma repórter e sua fonte que resultou numa publicação que promete esquentar ainda mais o “verão político” deste incipiente 2008 – já devidamente aquecido com o pacote compensatório da equipe econômica de Lula, anunciado na última quarta-feira (2). Trata-se da entrevista concedida pelo ex-presidente do PT e ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, à repórter Daniela Pinheiro, da revista Piauí. O material, que ocupa 12 páginas da revista, foi publicado na edição desta semana. E pode dar uma forte dor de cabeça no ex-cacique petista. 

Na entrevista, Dirceu desandou a acusar e disparou sua “metralhadora giratória” contra figuras públicas diversas, inclusive do próprio PT. A presidente do Psol, Heloísa Helena; o ex-governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro de Lula Olívio Dutra; o filho do presidente Lula, o “Lulinha”; e até o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foram atingidos pelos disparos verbais de Dirceu. Mas, como aconteceu no episódio do mensalão, Lula continua ileso. Ou seja, não recebeu uma acusação sequer de seu velho companheiro de luta.

Além dessa questão, outra intrigou não só a repórter Daniela Pinheiro – que acompanhou José Dirceu numa viagem a três países, durante os já mencionados seis dias –, mas causa estranheza a quem, de alguma forma, acompanha o mundo político nacional: qual seria o verdadeiro motivo do súbito surto de acusações a figuras tão díspares? Seria mais um elenco de declarações meramente precipitadas? Um mecanismo com o objetivo de saciar interesses (ainda) desconhecidos? Continuar em evidência no cenário político?

O fato é que algumas declarações podem trazer problemas a Dirceu. Heloísa Helena, que não costuma deixar nada passar em brancas nuvens, já anunciou que processará seu acusador. Motivo: Dirceu disse que, por motivos “impublicáveis”, a então senadora por Alagoas teria votado contra a cassação de Luiz Estevão, primeiro senador cassado na história da República. A ex-senadora, a julgar pela nota divulgada pelo Psol (leia íntegra abaixo), será responsável por mais um processo aberto contra Dirceu na Justiça.

O ex-ministro deve ter esquecido de que da boa relação com Hugo Chávez dependem alguns negócios de seu interesse, uma vez que faz as vezes de “consultor” na América Latina – com clientes como magnata mexicano Carlos Slim, o homem mais rico do mundo atualmente. Ao mandatário-mor da Venezuela, idólatra do líder revolucionário Simon Bolívar, restou a singela classificação: “louco”, disse Dirceu na entrevista.

Quanto a Lulinha, filho do presidente Lula, Dirceu praticamente o chamou de mentiroso ao dizer que ele “não se importa com a verdade”. Diante da repercussão negativa da (s) declaração (ões), Dirceu alegou que se referia a outra pessoa – embora seja comum ele dispensar tal tratamento a Lulinha, como garantem alguns de seus companheiros. Resultado: fica ainda mais "queimado" com seu companheiro-mor, tendo-lhe atacado o próprio filho.

Ressaca

O arrependimento de Dirceu em relação à polêmica entrevista ficou patente depois de ele ter pedido desculpas públicas, ontem (4), aos petistas do Rio Grande do Sul e ao ex-governador do estado Olívio Dutra. Segundo Dirceu contou à revista, o PT-RS teria usado dinheiro de caixa dois para construir a sede do partido na capital Porto Alegre. Quanto a Olívio, acusou-o de reclamar excessivamente do (extinto) Campo Majoritário do PT, então comandado por Dirceu, dizendo que o ex-governador se beneficiava da corrente quando o PT-RS foi acusado de praticar caixa dois.

Resultado: em entrevista transmitida ontem (4) de manhã pela rádio Gaúcha, pediu desculpas aos “companheiros” gaúchos, e disse que telefonou para Olívio Dutra para explicar o mal-entendido. “Quero pedir desculpas aos petistas do Rio Grande do Sul pelo transtornou que eu causei”, disse Dirceu à rádio.

Resta saber se os militantes gaúchos e Olívio Dutra – além dos outros alvos de Dirceu na entrevista mais polêmica do verão até agora – aceitarão os pedidos de desculpa, na hipótese de que estes venham a ser estendidos aos demais. Impedido de se candidatar a cargo eletivo até 2015 (a Câmara cassou, em 30 de novembro de 2005, seu mandato de deputado federal, imputando-lhe a pena de oito anos de “gancho” político, que começaram a ser contabilizados em 1º de fevereiro do ano passado), Dirceu pode ter seu já combalido prestígio político ainda mais prejudicado. Caso isso aconteça, ele não deve se abater. Resta-lhe o bilionário negócio da “consultoria” sul-americana...             

Leia a íntegra da nota do Psol:

"A entrevista de José Dirceu à revista Piauí é a última expressão do grau de desespero que atinge o ex-todo poderoso porta-voz bajulador do lulismo, hoje abandonado na vala comum dos cúmplices inconvenientes.Sua manifestação contra a presidente nacional do PSOL, a ex-senadora e professora universitária Heloisa Helena, é típica dos renegados que abandonam as posições de progressistas de esquerda, sobre as quais construíram suas vidas políticas, para se transformarem em lobistas do grande capital, nacional e internacional, junto a parceiros que ainda consegue manter na máquina governamental.O PSOL não vai responder no mesmo tom desqualificado da citada entrevista. Não vai reativar suspeitas sobre o comportamento do "guerrilheiro" que nunca fez guerrilha, e que se notabilizou por ter sido o único membro de sua organização, entre todos os que retornaram da clandestinidade, a sobreviver à repressão da ditadura que nos assolou durante duas décadas.Prefere admitir que esteja diante de um caluniador conseqüente, hoje prestador de serviço aos que vivem da exploração do povo brasileiro, ostentando vida de quem recebe polpudas recompensas por tarefas certamente pouco dignas. Ou então, e na melhor das hipóteses, que está diante de um desvairado, em surto psicótico. Que, como tal, merece cuidados terapêuticos urgentes."

(Reportagem do Congresso em Foco)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Saulo Alves

Essa tal de HH deveria procurar um Homem, tentou com o Luiz Estevão e mesmo votando contra sua cassação não conseguiu. hahahahahah

josé arnaldo amaral

E pensar que HH e seus puristas psolianos construiram o lulismo...E usaram e abusaram das burras delubianas em suas campanhas eleitorais... Quanta hipocrisia ! Essa tchurma se merece...

Sérgio J. Cadena Bandeira de Melo

UM HOMEM DE CARÁTER NÃO DEVE SE INTROMETER EM CASOS PESSOAS ,SUPOSTA MENTE SEJA; QUAL FOR O RELACIONAMENTO.

Fabio Leite Macedo

Heloísa tinha uma paixão recolhida por Luiz Estevão, todos lá sabem disto.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores