FMO janeiro 2020

18/01


2020

Coluna deste sabadão na Folha

Danilo não une nem Pernambuco

Se o deputado Danilo Cabral não consegue nem o apoio fechado da bancada do PSB, formada por cinco parlanentares, como se atreve a bater chapa com Alexandre Molon (RJ) pela liderança do partido na Câmara?

Falando, ontem, no Frente a Frente, o deputado Gonzaga Patriota, o decano da bancada, disse que seu voto é de Molon por já ter assumido compromisso pela sua indicação. Não quis duvidar da disposição de Danilo em enfrentar Molon, mas afirmou que não seria salutar uma disputa neste momento.

Segundo apurei, a escolha do deputado carioca se deu de forma consensual e já havia sido objeto de acordo logo após a eleição, também sem disputa, do próprio Tadeu.

Se tudo se deu assim, as razões de Danilo botar a cara são de natureza essencialmente pessoal, podendo correr o risco de sofrer uma derrota acachapante. Já curtido pelo tempo, Danilo tende a desistir, porque sabe que é uma aventura.

ARRUMANDO A CASA - Se houver reforma no secretariado, existe indicativos de que Felipe Carreras assuma Infraestrutura no lugar de Fernandha Batista, esta deslocada para presidência da Compesa, enquanto Rodrigo Novaes, de Turismo, ficaria onde está para atender ao secretário especial Antônio Figueira. Se isso ocorrer, Milton Coelho, primeiro suplente, assumiria mandato federal.

SE A MODA PEGA... - Em Pombos, o Ministério Público exige que o prefeito Manoel Marcos Ferreira (PSB) preste contas da destinação dos R$ 1, 121 milhão que entraram nos cofres do municípios decorrentes da cessão onerosa do pré-sal. O pedido foi feito pelo promotor de justiça José da Costa Soares. “Qualquer omissão se configura ato de improbidade administrativa”, alerta o promotor.

CONVITE – O Podemos, do deputado federal Ricardo Teobaldo, ronda a delegada Patrícia Domingos para que se filie à legenda com o propósito de concorrer a Prefeitura do Recife. Responsável pelos processos que levaram 49 politicos ao xadrez, por atos de corrupção, Patrícia não sabe ainda se entra na disputa nem muito menos avançou na direção da sigla que faça a sua cabeça.

TERNURADO – Dez dias após incentivar a candidatura de Raul Henry à Prefeitura do Recife, numa entrevista à Folha, o senador Jarbas Vasconcelos (MDB) recebeu, ontem, no Debate, seu escritório político, a visita do prefeito Geraldo Júlio (PSB), que costura, por 24 horas, a unidade da Frente Popular em apoio a João Campos.

ANIMADO – Com data de posse na presidência do Tribunal de Justiça de Pernambuco para o próximo dia 3, o desembargador Fernando Cerqueira fez questão de entregar, ontem, em mãos, o convite ao novo presidente do Tribunal de Contas, Dirceu Rodolfo. Bom camarada, Cerqueira está com tesão de noivo.

VOLTA E OBRAS – A prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), já voltou ao batente depois de uma semana refrescando a cuca no Exterior com a família. Candidata à reeleição, seu grande desafio é cumprir o calendário de inauguração das obras em fase de conclusão até junho, prazo permitido por lei.

Perguntar não ofende: Quando Geraldo Júlio vai deixar de entregar creches e inaugurar uma obra estruturadora no Recife?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Pega o beco marluxo Carluxo.. KKKK

marcos

Beca as alemãs mortadela. kkk

Fernandes

Muitos judeus brasileiros elegeram o desgoverno nazista do Bozo. Parece que alguns, agora, se arrependeram.

Fernandes

Pega o beco marluxa. KKKKK

marcos

Beca o Beco, marluxa. .................... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


IPTU Cabo

Confira as últimas colunas

17/02


2020

Coluna da segunda-feira

Os bastidores da escolha de Câmara

Ao longo das inúmeras entrevistas que fiz para a série “O míssil chamado Tonca”, levantei também informações, já do meu conhecimento, sobre os bastidores da escolha do candidato a governador escolhido por Eduardo Campos, em 2014. Paulo Câmara, reeleito em 2018, nunca esteve na linha de raciocínio do ex-governador, morto em acidente aéreo em agosto do mesmo ano.

Para Eduardo escolher um nome que parecesse competitivo, capaz de atrapalhar os planos de a oposição chegar ao poder com o então senador Armando Monteiro Neto (PTB), favorito nas pesquisas, ocorreu uma série de desencontros envolvendo dois personagens – a poderosa viúva Renata Campos e o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, sob os olhares atentos do ex-governador, já com a campanha presidencial dele nas ruas.

Notícias colhidas à época e reconfirmadas agora apontam que Renata, juntamente com a filha Maria Eduarda, defendiam com unhas e dentes o nome de Tadeu Alencar para governador. Relevante salientar que Tadeu vem a ser sogro da única filha de Eduardo. Ele chegou, inclusive, a ser escolhido e anunciado internamente na família por Eduardo, em dezembro de 2013, mas conspirações palacianas, tendo Geraldo Júlio como principal articulador, derrubaram Tadeu.

Na verdade, Eduardo era muito sagaz e sabia que Geraldo atuava na tentativa de “fazer” ele próprio o candidato. Geraldo agiu pelas costas de Eduardo e de Renata, sempre com o cuidado extremo de não provocar a ira deles. Os relatos dão conta que Eduardo ficou abalado com a destruição do nome de Tadeu, junto com outras manobras muito pesadas praticadas por Geraldo. A morte da candidatura de Tadeu foi, exatamente, no dia do nascimento de Miguel, ponta de rama de Eduardo, no Hospital Santa Joana.

Vendo que Eduardo descobriu a jogada e não aceitava que abandonasse a Prefeitura, então Geraldo partiu com tudo para ter um nome escolhido que fizesse uma aliança carnal tendo ele, Geraldo, como parceiro dominante. Considerando que já estava fora do jogo, ele propôs a Eduardo para ele, Geraldo, ficar coordenando os nomes alternativos com levantamento, através de pesquisas para sondar qual o melhor perfil. Eduardo, sabidamente, concordou, mas ficou cabreiro.

CARTAS DA MESA - Vendo que havia perdido na primeira rodada, com a morte da candidatura de Tadeu, Renata passou a apostar todas as cartas no nome do seu primo-irmão Maurício Rands, que também recebeu a acolhida de Eduardo. Esse nome era tão ruim para Geraldo quanto Tadeu. Isso porque ambos são da família de Renata, gozavam da profunda admiração de Eduardo, além de serem considerados “ninjas” intelectuais e articuladores políticos. Assim, Geraldo Júlio jogou tudo e muito mais do que podia para destruir o nome de Maurício, internamente, sem aparecer, através do PSB.

SURGIMENTO DE CÂMARA - Dessa forma, dentre todas as alternativas, a que se mostrou melhor, até por eliminação, foi a de Paulo Câmara, também seu colega de trabalho no Tribunal de Contas e sempre considerado por Geraldo como uma pessoa insegura e fraca, ideal para selarem um pacto de sempre atuarem juntos, sob o controle e o domínio efetivos de Geraldo. Com medo, porque achava que não ia dar conta do recado, Paulo, fiel à sua profunda insegurança e indecisão, chegou a recusar a candidatura, mas, sob forte pressão de Geraldo, terminou sendo praticamente forçado a aceitar, no mais completo contragosto.

O PARENTESCO - De maneira bem pragmática, Geraldo focou também num parente de Eduardo, pois Paulo é casado com uma prima de Eduardo. Até o último momento, Eduardo ainda queria Maurício, mas não conseguiu conter o levante secretamente montado por Geraldo no próprio partido. Assim, Eduardo terminou por aceitar Paulo Câmara, apesar de não acreditar na sua viabilidade. Ele não via em Paulo nenhuma condição de ser governador, por ter uma personalidade extremamente precária, faltando-lhe o mínimo de fibra para liderar. Ressalte-se que Eduardo gostava muito de Paulo, sim, mas exatamente por ser uma pessoa tímida, arredia, com a máxima qualidade da obediência cega.

O DESABAFO – Mais adiante, um pouco antes da sua morte, Eduardo desabafou a diversas pessoas que andava angustiado, pois ia perder a eleição com Paulo Câmara. O candidato, segundo ele, não sabia nem olhar para as pessoas, cumprimentava com a mão mole, desligado, não criava conexões humanas nem vibrava com nada. Eduardo lamentava que houvesse feito a escolha errada e disse, mais de uma vez que, em retrospecto, o melhor nome histórico do partido teria sido o de Danilo Cabral, mas o mesmo havia sido completamente detonado por Geraldo Júlio junto a Eduardo, sob a acusação de ser uma pessoa individualista, desleal e inconfiável.

GERALDO, O DESTRUIDOR - Vem daí, portanto, a aliança carnal entre Paulo e Geraldo, pois foi o prefeito e mais ninguém que realmente “bancou” o nome de Paulo. Além de Tadeu, Maurício e Danilo, outros nomes foram cogitados por Eduardo, como Fernando Bezerra Coelho e João Lyra, mas Geraldo destruiu todos como cinzas atiradas ao ar. Geraldo não queria em nenhuma hipótese um concorrente para tomar o seu espaço de ser o número um de Eduardo.

PROMESA A LYRA - De fato, Eduardo chegou a dizer a Fernando Lyra, em pleno leito hospitalar no Instituto do Coração da USP, em São Paulo, na frente de testemunhas, que o candidato a governador pelo PSB seria o então vice-governador João Lyra Neto. Isso chegou logo a Geraldo, que entrou no mais completo pânico, partindo para destruir o rival com manobras cirúrgicas, afastando crescentemente Eduardo de João Lyra. Estamos falando ainda do início de 2013, portanto um ano antes da decisão formal.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/02


2020

Coluna do sabadão

Lóssio passa a borracha no passado

A política é uma usina de surpresas e de interesses próprios, acima das causas coletivas. Com raras exceções, os políticos só costumam olhar apenas do umbigo para baixo. Em Petrolina, o ex-prefeito Júlio Lóssio (PSD) apareceu, ontem, feliz da vida, exibindo um sorriso Colgate numa foto ao lado do governador Paulo Câmara e de dois adversários históricos no PSB, o deputado federal Gonzaga Patriota e o deputado estadual Lucas Ramos.

Qual a simbologia política da imagem? As eleições municipais serão em outubro, as oposições em Petrolina estão divididas e Lóssio, principal liderança oposicionista, saiu da toca para dar um aviso: se for para derrotar o prefeito Miguel Coelho (MDB), que vai à reeleição com amplo favoritismo, será capaz de tudo, inclusive passar uma borracha nas divergências do passado com adversários, buscando uma candidatura consensual com combustão política e eleitoral.

Teoricamente, Lóssio seria o candidato mais competitivo, mas enfrenta dificuldades pelo isolamento político e um problema de natureza pessoal: seus bens, compreendendo todo patrimônio construído ao longo da vida, estão penhorados pela justiça. Diante disso, o que se diz é que poderá deixar as indiferenças de lado com o PSB, apoiando o pré-candidato socialista Lucas Ramos, filho do conselheiro do TCU, Ranilson Ramos.

Ao passar o dia ontem em Petrolina, o governador deu uma demonstração, também, de que o município, maior colégio eleitoral do Sertão, é prioridade. Ali, a campanha municipal tende a ser estadualizada e até nacionalizada, porque o que estará em jogo é a disputa do Palácio com as forças que integram o grupo do líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho. Uma briga que promete capítulos emocionantes.

Miguel, quadro para 2022 – No confronto com o grupo de FBC em Petrolina, o PSB quer unir todas as forças de oposição, capitaneadas por Júlio Lóssio, para impedir a reeleição de Miguel Coelho, quadro que o pai vem preparando para um projeto majoritário no Estado. Um dos gestores mais populares de Pernambuco, alavancado por transformar a capital do São Francisco no maior canteiro de obras do Estado, Miguel, se reeleito, tem chances de disputar o Palácio das Princesas pelo bloco de oposição. Com isso, FBC adiaria, mais uma vez, o velho projeto de um dia governar o seu Estado.

Odacy isolado – Ainda em se tratando de Petrolina, o que se diz por lá é que batendo o martelo no apoio à candidatura de Lucas Ramos, Lóssio indicaria Andréia, sua esposa, para fechar a chapa do socialista como vice. O acordo isolaria, consequentemente, o pré-candidato do PT, Odacy Amorim, ex-prefeito, também forte candidato do bloco oposicionista. Amorim, aliás, aceitou posar, também, na foto de ontem com o governador, Lóssio, Lucas e Patriota. Aos mais próximos, o petista diz que será candidato de todo jeito, mesmo que Lóssio e Lucas venham a se entender num palanque único.

Surubim dividida – A prefeita de Surubim, Ana Célia (PSB), diz que não toma tranquilizantes para dormir, porque está com a consciência em paz pela obra administrativa que vem tocando. “Trabalho tanto que quando chego em casa, já tarde da noite, boto a cabeça no travesseiro e apago”, relata. Célia, ao contrário do que foi noticiado ontem neste espaço, tende a tirar proveito de duas candidaturas no campo oposicionista, no caso Túlio Vieira e Flávio Nóbrega. Como lá não tem segundo turno, a divisão da oposição pode facilitar o seu projeto de reeleição.

Quarteto militar – Com as novas mudanças na Esplanada dos Ministérios, sobrou algum “superministro” na gestão Bolsonaro? Pelo jeito, não, nem o presidente, a esta altura do campeonato, teria interesse em fortalecer algum auxiliar em detrimento dos demais. Entre os ministros, que brigam na surdina, como fica agora o Bolsa Família sob o comando de Onyx Lorenzoni? Depois de um processo de fritura, Onyx sai da Casa Civil e sua vaga passa a ser ocupada por Braga Netto, general que agora forma com outros ministros um quarteto militar no Planalto.

CURTAS

TOMOU DORIL – O deputado paraibano Wilson Santiago (PTB), que teve o mandato restabelecido pelo Plenário da Câmara Federal na semana passada, após ser afastado por decisão do ministro Celso de Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da Operação Pés de Barro, não foi visto em nenhuma sessão ordinária ou extraordinária ao longo da semana no Congresso. Segundo levantamento feito pelo Portal MaisPB, Santiago só esteve presente no Plenário no último dia 6. Nesta sessão, a Casa iria votar propostas que tratam sobre a autorização de serviços aéreos entre o Governo Brasileiro e Governos de outros países.

NO ENFRENTAMENTO – A Procuradoria Geral do Estado (PGE) protocolou, ontem, na 5ª Vara da Fazenda Pública da Comarca do Recife, requerimento solicitando o julgamento imediato e simultâneo de duas ações que pedem a dissolução definitiva da personalidade jurídica das chamadas “torcidas organizadas” em todo o Estado. As ações têm como réus a Torcida Jovem, a Fanáutico e a Inferno Coral, e objetivam, em definitivo, a proibição do acesso, permanência ou reuniões das “torcidas organizadas” dentro e fora dos estádios.

QUEM TEM RAZÃO? – O deputado Fernando Rodolfo (PL) não gostou da nota de ontem nesta coluna contestando a sua versão de que perdeu o programa de TV no SBT em Caruaru por pressão do governador Paulo Câmara. “A ordem veio de cima, no comunicado pelo qual perdi o emprego”, disse. Já a TV-Jornal, em nota, informou que afastou o então âncora por ter a certeza de que estava sendo assediado por um partido para disputar um mandato na Câmara dos Deputados.

Perguntar não ofende: Só a benção do Papa será capaz de apagar todos os pecados das maldades que Lula fez com o Brasil?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Ô mortadela, responde aí, tu achas que Lula não roubou?

marcos

Advogados da Rapariga de Lula já pensam entrar com processo para resgatar parte dos U$D 249 Milhões de Dólares Americanos que Lula o carniça tem no banco do Vaticano.

marcos

Desculpem, rouba até pano de pereba!

marcos

O que é o que é, um velhinho corrupto, mentiroso, safado, falta um dedo e rouba até pano de perceba?

marcos

Pesquisas e comendada pela revista Veja divulgada neste domingo mostra que satisfação da população com o presidente Bolsonaro pula de 44% para 50%. Chupa idiota útil, e não é Fake, basta acessar a Veja.


acolher

14/02


2020

Coluna da sexta-feira

Governo de viés preconceituoso

Um Governo que faz escárnio do povo não pode ser levado a sério. Escárnio especialmente com os nordestinos, já chamados pelo presidente de cabeça chata e paraíbas. O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi contaminado pelo besouro da malignidade do chefe. Um dia após chamar os servidores públicos federais de parasitas, atacou, com viés preconceituoso, as nobres trabalhadoras domésticas.

Forçado a comentar a alta do dólar, o ministro disse que no passado, com o dólar em baixa, até as domésticas viajavam ao Exterior. E daí, ministro, doméstica não é gente? Que preconceito mais deplorável e inaceitável! Ao invés de agredir à classe trabalhadora doméstica do País, Guedes deveria agir com o poder que detém para dar mais dignidade no trabalho a quem tanto rala para ganhar o pão.

Das mais de 6 milhões de domésticas que batem ponto nos diversos lares brasileiros, pouco mais de 4 milhões ainda trabalham sem carteira assinada, sem direito a férias remuneradas nem 13º salário. Isso é uma vergonha para um País com tamanha desigualdade social, onde impera a lei do mais forte, dos vendilhões do dinheiro fácil.

Um presidente nem muito menos um ministro da estatura de Guedes, que cuida de política econômica, o coração de um governo, pode se dar ao luxo de sair por aí maltratando trabalhadores que acordam cedo e dormem tarde em busca de um lugar ao sol, sofrendo tenazmente para sustentar suas famílias.

Aos servidores públicos federais, Guedes pediu desculpas, mas não estendeu a mesma mão do perdão às domésticas, feridas com muita razão. Elas querem, na verdade, arrancar o fígado dele. Com uma taxa de crescimento pífio, juros ainda na estratosfera, a economia brasileira precisa de um comandante capaz e respeitoso, não um que achincalha e debocha dos que dão o sangue e suam para ver o País prosperar.

Transnordestina nos trilhos – A ferrovia Transnordestina, conforme antecipei, ontem, no jornal O Poder, será retomada pelo presidente Bolsonaro. Segundo o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), a ideia é entregar o projeto à empresa Valec, a mesma estatal que botou a Ferrovia Norte Sul nos trilhos depois de uma longa paralisação. Para conclusão dos trechos entre os Estados de Pernambuco e Ceará, o custo está orçado em R$ 7 bilhões. No Ceará, as obras não pararam, vale a ressalva, mas em Pernambuco há muito tempo os canteiros estão à mosca.

Alvo de protesto – O deputado Fernando Rodolfo (PL), que emplacou, ontem, o diretor do INSS em Caruaru, Jefferson de Menezes, está provocando a ira de um segmento eleitoral insatisfeito com a sua atuação parlamentar em Brasília. Amanhã, será alvo de um protesto por parte de uma troça carnavalesca. Foi da capital do forró que a candidatura federal de Rodolfo ganhou asas, depois de insinuar que havia sido afastado de um programa de televisão que ancorava por pressão do Governo do Estado, o que, na prática, não se configurou realidade.

Dinheirama – Certa vez, perguntei ao governador Paulo Câmara, em meio a um café no Palácio, qual Estado nordestino estava tendo maior fluidez de recursos federais. Ele disse que as queixas dos colegas nordestinos eram generalizadas em relação a má vontade do presidente Bolsonaro, mas não foi isso o que constatei na passagem pela Bahia nem pelo Ceará. Ambos os governadores, mesmo sendo do PT, não fizeram nenhum tipo de reclamação nessa direção. Mas comparando com os Estados, quem de fato está vendo a cor do dinheiro de Bolsonaro sem precisar recorrer a óculos de grau é Petrolina, administrada pelo jovem Miguel Coelho, filho do líder FBC. Ali, a dinheirama jorra.

Sem posse agendada – Nomeado desde a última terça-feira superintendente do Incra em Pernambuco, o suplente de deputado federal Kaio Maniçoba (SD) segue na próxima terça-feira para Brasília sem saber ainda a data da posse. Kaio é filho da ex-prefeita de Floresta Rorró Maniçoba, pré-candidata à prefeita pelo PSB, apontada como imbatível, segundo todas as pesquisas de intenção de voto já publicadas.

CURTAS

VOLTA À PRISÃO – Relatora da Operação Calvário no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a ministra Laurita Vaz colocou na pauta da próxima terça-feira (18), na Sexta Turma da Corte, o julgamento do recurso do Ministério Público Federal que pede a volta do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) à prisão, informa de João Pessoa, em primeira mão, o jornalista Heron Cid. Ontem, o MPF emitiu novo parecer ao STJ contra a soltura de Coutinho. De acordo com as investigações do Ministério Público da Paraíba, a organização criminosa chefiada pelo político desviou pelo menos R$ 134 milhões da Saúde e Educação, via Organizações Sociais (OS).

O ESTRATEGISTA – Marqueteiro do ex-governador Eduardo Campos por dez anos, o publicitário Edson Barbosa, o Edinho, está, desde ontem, em Pernambuco, convocado para traçar estratégias da campanha de diversos candidatos, entre elas a do jornalista Fernando Veloso, em Goiana, município com potencial econômico, sede da montadora Jeep e de outros grandes investimentos. Dono da Link Propaganda, Edinho também deve ser contratado por uma das candidaturas em potencial no Recife. Ele sabe o que diz e entende desse jogo mais do que ninguém.

EM SURUBIM – A prefeita de Surubim, Ana Célia (PSB), só dorme agora sob o efeito tranquilizante do Lexotan depois de saber que o ex-prefeito Túlio Vieira, ex-PT e agora no Podemos, se entendeu com o presidente da Câmara, Fabrício Brito, e pode formar uma chapa competitiva, tendo na vice o empresário Fernandinho Brito (PTB). As negociações andam de vento em popa e vão acelerar uma definição por parte do ex-prefeito e pré-candidato Flávio Nóbrega, ainda no PSB, que não sabe o que quer da vida.

Perguntar não ofende: Qual será o próximo ministro a rodar a baiana no instável e extravagante Governo Bolsonaro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Lula o carniça é o ex presidente mais Ladrão que o Brasil já teve. Fala que é mentira idiota útil.

Fernandes

Jair Bolsonaro registra uma avaliação negativa em declínio em 35,5% (ruim e péssimo) e a avaliação positiva (ótimo e bom) ascendente em 32,7%, aponta o agregador do portal jurídico Jota, modelo estatístico de fusão de pesquisas.

Fernandes

Alexandre Frota: matadores de Marielle um morava no condomínio do Bolsonaro e o outro só frequentava O capitão morto estava hospedado no sítio do vereador do PSL mas o vereador não sabia. São tantas coincidências que nem Manoel Carlos autor da (Globo) pensaria nesse roteiro.

Fernandes

Frota: há coincidências demais na morte de miliciano ligado aos Bolsonaros.

Fernandes

marluxa. Não reprima seus sentimentos. Peide feliz! Aceita dói menos.



13/02


2020

Coluna da quinta-feira

Na prática, o articulador será FBC

Se já era ruim, com a escolha de um general da reserva, Walter Braga, para conduzir as negociações com o Congresso, a articulação política do Governo Bolsonaro tende a piorar. Ministro fardado pode até entender de gestão, mas passa longe do seu domínio a arte da política, especialmente a de engolir sapos.

Onyx Lorenzoni, agora ex-ministro da Casa Civil e responsável pela pasta de Cidades no futuro, num remanejamento que expurgou Osmar Terra, não era uma Brastemp no jogo político com o Congresso. Eram corriqueiras as reclamações do seu mau humor, da sua apatia e até indisposição para azeitar a relação do Executivo com o Legislativo.

Chegava a tratar aliados como se fossem adversários. É remanescente de uma safra de políticos que não têm pavio, ou seja, pior do que aqueles que têm o pavio curto. Por isso mesmo, chegou a ser odiado por deputados do baixo clero, que saiam do seu gabinete sem um mínimo de encaminhamento atendido plenamente ou até mesmo parcialmente.

Com saudade da caserna, ambiente que faz a sua felicidade, Bolsonaro deletou todos os ministros civis dos gabinetes com assento no Palácio do Planalto. Deve ter conquistado a felicidade ao olhar ao seu redor, a partir de agora, em momentos difíceis para decidir, e só encontrar auxiliares exibindo farda.

Como o jogo para ser vencido no Governo frente ao Congresso é político, Bolsonaro tende a ter, na prática, um ministro informal da articulação política andando entre o Salão Verde da Câmara e o Azul do Senado, o senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho (MDB), já consagrado líder do Governo no Senado.

Ninguém entende mais do que FBC desse xadrez maquiavélico da política e do poder e é a ele que o presidente tenderá a recorrer muito mais, a partir de agora, para destravar os penduricalhos do seu Governo em tramitação no Congresso, para não continuar refém dos presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

Indefinição na SUDENE – O empresário caruaruense Douglas Cintra regressou, ontem, de Brasília, depois de dois dias em articulações política, sem saber de fato se vai mesmo continuar à frente da Sudene. Os indicativos colaboram muito mais no campo otimista, mas soa estranho o silêncio do Governo, especialmente do novo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, a quem a instituição está vinculada. O que se sabe e continua valendo ainda é que setores do PSDB paraibano querem abocanhar a Sudene do controle de Pernambuco.

Nenhum sinal – Na última terça-feira, tão logo foi empossado no Ministério do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho foi paparicado por empresários da construção civil num jantar em Brasília, recheado de parlamentares do Nordeste. Em nenhum momento, entretanto, tratou de Sudene nem deu sinais de que está decidido a dar o desfecho sobre a situação desconfortável vivida por Douglas Cintra. Marinho é do Rio Grande do Norte e pretende fazer o primeiro encontro com governadores nordestinos em Natal, capital potiguar.

Audiência – Inicialmente padrinho da indicação de Douglas Cintra para a Sudene, o deputado Fernando Rodolfo (PL) esteve no jantar em homenagem ao novo ministro do Desenvolvimento Regional e a ele pediu audiência para tratar de Sudene, dentre outros assuntos. Ele não teve o poder de fogo de bancar Cintra sozinho. Não fossem a pressão e as articulações do líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, a nomeação de Cintra não teria sido feita pelo ex-ministro Gustavo Canuto.

Guerra florestana – Rival político em Floresta do novo superintendente do Incra, Kaio Maniçoba, o secretário de Turismo, Rodrigo Novaes, está apostando que o governador Paulo Câmara não subirá mais no palanque da pré-candidata do PSB no município, a ex-prefeita Rorró Maniçoba, depois do alinhamento do seu grupo ao Governo Bolsonaro. Nas eleições municipais, segundo ele deixou vazar, aliados do presidente da República em Pernambuco serão tratados como inimigos na forma da lei.

CURTAS

NEPOTISMO EM GOIANA – Homem forte na gestão do prefeito de Goiana, Osvaldo Rabelo Filho (MDB), o secretário de Governo, Eduardo Batista, é adepto da política paternalista e de apadrinhamento familiar sob o olhar complacente do gestor. Dentre todos os auxiliares é o que mais conseguiu fazer a cabeça de Osvaldinho, como o prefeito é mais conhecido, de que a prática do nepotismo não é má-conselheira. Nomeou a filha Rebeca secretária de Saúde, o cunhado Daniel Alves, na Secretaria de Serviços Públicos, e o genro na empresa Litucera, que cuida da limpeza urbana.

RIFADO – Ainda sobre Goiana, o vice-prefeito Eduardo Honório Carneiro (MDB) não tem mais unhas para roer depois de ser informado que o prefeito Osvaldinho, que está doente e afastado das funções, já teria escolhido o jornalista Fernando Veloso para ser o candidato do grupo à sua sucessão. De fato, Veloso, ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco, ex-colunista político do DP e da Folha, já está de malas e cuias de volta à terra natal, tendo deixado para trás o sonho de virar próspero produtor de uva e manga em terras do São Francisco, em Juazeiro (BA).

MORO ATENDE – Em despacho, ontem, para a delegacia regional de Pernambuco, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, determinou urgência para atender ao pedido do presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, de proteção de vida não apenas para ele, mas também para a família. Tonca requereu o direito de ser protegido alegando que passou a receber mensagens estranhas após prestar depoimento ao Ministério Público Federal sobre irregularidades envolvendo gestões do PSB em Pernambuco.

Perguntar não ofende: Quem está por trás, afinal, da puxada de tapete que querem dar em Douglas Cintra na Sudene?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Lula agradece Guedes por confirmar que o seu governo era tão bom que até empregada doméstica ia na Disney.

Fernandes

Pois é. Isso é dor de cotovelo. Lula é reverenciado no mundo como um grande líder, e ai os direitopatas morrem de inveja.

marcos

Lula o carniça Alcoólatra que faz piadas com o nome de Deus

Fernandes

Devoção a Deus é estratégia perversa de Bolsonaro.

Fernandes

Então eles mantém o dólar alto para a empregada doméstica não poder viajar pra Disney? Pensei que fosse INCOMPETÊNCIA. KKKK


Cúpula Hemisférica

12/02


2020

Coluna desta quarta-feira

O Nordeste, enfim, no Ministério

O Nordeste não foi generoso com Bolsonaro nas urnas, nem no primeiro nem no segundo turnos. Perdeu para Fernando Haddad, no confronto final, mesmo por uma diferença pequena em alguns Estados. Ao longo do acirramento final da disputa não soube captar o sentimento do eleitorado nordestino de que seria o instrumento para tirar o PT do poder, pondo fim à roubalheira generalizada.

Bolsonaro não encontrou ressonância sequer na principal bandeira que assumiu com os menos favorecidos: o pagamento do 13º salário do programa Bolsa-Família, promessa cumprida. Mesmo não valorizado pelos nordestinos, o presidente não teria o direito de expurgar a Região do seu Ministério. No primeiro ano, não se viu uma alma nordestina despachando na Esplanada dos Ministérios.

Ontem, um nordestino do Rio Grande do Norte, especializado em sistema previdenciário, assumiu a pasta de Desenvolvimento Regional: o ex-deputado federal Rogério Marinho. Competente, articulado e respeitado, deu um show na discussão da reforma da Previdência, sendo o principal protagonista que falava em nome do Governo.

Não sei, na verdade, se ele entende de políticas regionais, mas se sua atuação na nova pasta se der na mesma direção em que atuou na Previdência, o Nordeste estará em boas mãos. Como é influente com o rei, pode canalizar um novo direcionamento aos Estados nordestinos que, historicamente, vivem de pires nas mãos em Brasília.

O Nordeste não é terreno fértil do ponto de vista político para o Governo Bolsonaro, porque todos os governadores, sem exceção, foram eleitos no campo de oposição, entre os quais dois dos mais influentes, Bahia e Ceará, empunhando a estrela do PT. Bolsonaro já deu alguns sinais de que não discrimina. Numa entrevista ao blog, o governador do Ceará, Camilo Santana, que é do PT, defendeu o fim da política do ódio por parte de colegas da Região, afirmando que não tinha do que reclamar do tratamento dispensado pelo presidente ao seu Estado.

Destino de Cintra – Por falar em Nordeste, o Governo ainda não bateu o martelo sobre a continuidade do empresário Douglas Cintra na Sudene. Marcada inicialmente para ontem, a reunião do núcleo duro da articulação política de Bolsonaro ficou para hoje. O motivo do adiamento foi a posse de Rogério Marinho, atraindo uma penca de deputados nordestinos, especialmente do Rio Grande do Norte, por onde ele se elegeu deputado federal. “Marinho é a esperança de que o Nordeste possa ser olhado agora de forma mais destacada”, disse um parlamentar paraibano.

O fim – A série neste blog sobre os bastidores explosivos envolvendo a briga na família do ex-governador Eduardo Campos tem um ponto final, hoje, com a terceira e última postagem. Foi pautada a partir do depoimento do presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, ao Ministério Público Federal como testemunha de um processo em caráter sigiloso aberto pelo PSB. Trouxemos revelações com base em depoimentos de uma penca de políticos e gestores que já provaram do cafezinho quente no Palácio do Campo das Princesas.

Os excluídos – O presidente Bolsonaro assinou, ontem, em cerimônia no Palácio do Planalto, decreto para transferir o Conselho Nacional da Amazônia Legal do Ministério do Ambiente para a Vice-presidência. De acordo com o texto do decreto, divulgado pela Secretaria de Comunicação Social, o conselho será integrado pelo vice-presidente Hamilton Mourão e por 14 ministros do governo federal. A composição anterior do conselho, estipulada em um decreto de 1995, incluía os governadores da Amazônia Legal. No decreto assinado por Bolsonaro, os governadores não integram o conselho.

E a SUDENE? – Se Bolsonaro age assim com o Norte, degolando governadores, o que pode vir a fazer em relação ao Conselho da Sudene? Esta foi a pergunta mais ouvida, ontem, em Brasília, depois que o presidente degolou os governadores do Conselho Nacional da Amazônia Legal, do Ministério do Meio Ambiente. A Sudene, vale a ressalva, só volta a ganhar vitalidade de vez se os governadores nordestinos se engajarem efetivamente às novas propostas e políticas apresentadas pelo superintendente Douglas Cintra.

CURTAS

TENTANDO AMENIZAR – O vice-presidente Hamilton Mourão tentou controlar os governadores da região da Amazônia, ontem, após a decisão do Governo de excluir todos do Conselho Nacional da Amazônia Legal. Afirmou que, mesmo sem compor o Conselho, os governadores serão consultados para estabelecer as prioridades para a região. “O Conselho tem a função de integrar e coordenar as políticas em nível federal. Os governadores serão consultados para que estabeleçam suas prioridades”, declarou. A fala do vice-presidente, entretanto, não foi levada a sério pelos governadores, que se sentiram apunhalados.

RETROCESSO – Capitais e municípios localizados na região metropolitana terão até dois de agosto de 2021 para incorporar mudanças na gestão dos resíduos sólidos, os chamados lixões. Já os que possuem população com mais de 100 mil habitantes, entre 50 e 100 mil e menos de 50 mil, terão até o dia dois de agosto dos anos de 2022, 2023 e 2024, respectivamente, para fazê-lo. Para o gerente de Estudos e Auditorias Temáticas do TCE, Alfredo Montezuma, a nova Lei representa um retrocesso. “Desestimula os gestores a adotar medidas socioambientais e acomoda aqueles que vêm resistindo e protelando a aderir às determinações da PNRS”, diz.

EM GOIANA – Embora doente, com dificuldades de locomoção, o prefeito de Goiana, Osvaldo Rabelo Filho, o Osvaldinho (MDB), está fazendo um leque de obras no município que pode viabilizar o candidato a prefeito do seu grupo, no caso o jornalista Fernando Veloso. Há muito morando em Juazeiro (BA), Veloso já se transferiu de mala e cuia para sua terra, que nunca abandonou, diga-se de passagem. O que se diz por lá é que Osvaldinho não poderia ter escolhido nome melhor.

Perguntar não ofende: O Conselho Deliberativo da Sudene pode ser o próximo a ter governadores degolados?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Só pra avisar aos católicos fascistas, que Lula está lá em Roma com o papa Francisco. Se não gostarem, vão abraçar o Edir Macedo.

Fernandes

Adriano, o miliciano, tem dossiê guardado

Fernandes

Se o chefe do Escritório do Crime foi morto, há um chefe acima dele. A jurista Liana Cirne Lins diz que o miliciano Adriano da Nóbrega foi alvo de uma execução numa queima de arquivo. Ela diz ainda que alguém acima dele determinou sua morte, já que ele, Adriano, era o chefe do grupo Escritório do Crime no Rio de Janeiro e, portanto, a figura maior entre os milicianos do grupo no estado.

Fernandes

Silas Malafaia expõe racha com a família Bolsonaro e faz críticas pesadas.

Fernandes

Salve o BRUSQUE!


Prefeitura de Serra Talhada

11/02


2020

Coluna da terça-feira

A série da briga dos Campos

A série trazendo os bastidores da briga na família do ex-governador Eduardo Campos, que comecei a postar, ontem, na largada do jornal O Poder, o primeiro do País em plataforma para distribuição pelo WhatsApp, terá continuidade hoje e amanhã, no horário das 19h30. O que relato é fruto de uma longa e minuciosa apuração com personagens que conviveram ou ainda mantém laços com os Campos.

A pauta surgiu inspirada no depoimento do presidente da Fundação Joaquim Nabuco, advogado Antônio Campos, mais conhecido como Tonca, ao Ministério Público Federal, sexta-feira passada. Em nenhum momento, ele, que é irmão de Eduardo, o único, abriu o jogo quanto ao conteúdo do seu depoimento, preferindo se limitar à nota oficial que emitiu tão logo saiu do prédio do MP Federal, no Recife.

Ressalto que apesar das negativas de Tonca, que se curvou à lei, por se tratar de um processo que corre em segredo de justiça, não desisti de levar o assunto adiante, até porque se trata da pauta mais explosiva no campo da política em Pernambuco, envolvendo de um lado a poderosa Renata Campos, viúva de Eduardo, e de outro, o próprio Tonca.

Na verdade, conforme apurei, já sabendo de há muito tempo, desde quando comecei a conhecer os bastidores do Governo Eduardo Campos, Tonca e Renata nunca se entenderam. As divergências foram se acentuando principalmente após a morte de Eduardo. O insumo da briga era o poder. Renata nunca quis o cunhado próximo ao marido, que adorava o irmão, que nunca o faltou.

São três capítulos, ontem, hoje e amanhã. Trata-se de um conflito familiar que vai temperar as eleições municipais, principalmente no Recife, onde estará em jogo o futuro dos Campos, na aposta da eleição do filho de Eduardo, o deputado federal João Campos, campeão de votos para a Câmara dos Deputados, em 2018, com mais de 460 mil votos.

Equipe top do poder – Sobre o jornal O Poder, é distribuído para assinantes via WhatsApp, de segunda à sexta-feira, no horário das 19 horas. Traz não apenas notícias bombásticas na política, mas também na economia, área que entregamos ao jornalista Antônio Magalhães, o Tonico, que já escreve neste blog, sempre às quintas-feiras, abordando assuntos os mais variados, sempre numa ótica crítica e combativa. Também faz parte da equipe o jornalista Ângelo Castelo Branco, experiente, ex-JB, ex-DP, com passagem também na área governamental, tendo sido secretário estadual de Imprensa, autor do livro Marco Maciel: um artífice do entendimento.

Queima de arquivo 2 – Um homem que fazia a segurança do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, morto em ação policial na cidade de Esplanada, na Bahia, foi quem indicou aos policiais o sítio onde estava o ex-capitão do Bope, apontado como chefe do Escritório do Crime. Adriano foi morto em um confronto com policiais militares domingo passado em um sítio na zona rural de Esplanada, a cerca de 168 km de Salvador. O sítio pertence a um vereador do PSL na Bahia, que em nota afirmou não conhecer Adriano.

Polêmica do ICMS – O deputado Alberto Feitosa sugere que o governador Paulo Câmara lidere e proponha uma discussão mais aprofundada com o Governo Federal sobre o projeto do ICMS cobrado sobre o combustível. “Precisamos ter Pernambuco como protagonista e liderança de algo tão importante e impactante na vida dos pernambucanos. Não podemos apenas criticar por criticar o Governo Federal. O que temos visto são as coisas acontecendo em outros estados e nada acontecer em Pernambuco. É preciso discutir esse assunto, pois a população quer uma resposta. Foi ouvido isso do presidente, e nada foi dito pelo Governo de Pernambuco.”, afirmou.

Pregando unidade – De João Campos, ontem, na Rádio Folha, pregando a unidade. “Tenho identificado que o momento que o Brasil vive é muito desafiador e todas as forças progressistas e de centro esquerda deveriam estar muito mais preocupadas com essa onda conservadora que tem crescido e o desmonte de diversas áreas. Isso é nossa grande preocupação. Se a gente não tiver essa compreensão dentro de nosso campo, poderá ser mais difícil em 2022. Porém, cada partido tem sua autonomia e a gente tem que respeitar, por mais que muitas vezes não concorde, com a decisão de outros partidos”.

CURTAS

CRIME ESTRANHO – O secretário executivo de eventos de Tamandaré, Ailton Boafirma, de 46 anos, foi encontrado morto na casa do irmão dele, naquela cidade, na manhã de ontem. Ailton levou um tiro na cabeça, de acordo com o secretário municipal de meio ambiente, Manoel Pedrosa. “Ele foi encontrado deitado no sofá. Ainda não temos muita informação. Era uma pessoa muito conhecida na cidade. Agora queremos saber o motivo e quem foram os responsáveis”, disse.

RIFADO – Em Floresta, o prefeito Ricardo Ferraz foi abandonado, literalmente, pelos seus aliados. Além de proibir a presença do gestor num evento na cidade, no último fim de semana, o deputado Fabrício Ferraz anunciou que está à procura de outro candidato para apoiar e citou alguns nomes, como Beto Puça, Chico Ferraz, Favinho Ferraz, Sérgio Jardim e Tadeu Laranjeira. A divisão só beneficia a ex-prefeita Rorró Maniçoba, pré-candidata do PSB, considerada imbatível, segundo todas as pesquisas já feitas no município.

MAIS UM – A Procuradoria Geral da República (PGR) denunciou, ontem, o senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI) ao Supremo Tribunal Federal (STF). Pede ao STF que torne Ciro Nogueira réu pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido repasses da construtora Odebrecht. Desde que as investigações começaram, o senador nega irregularidades. O advogado de Ciro Nogueira, Antonio Carlos de Almeida Castro, divulgou nota na qual afirmou estranhar a denúncia, “pois a base do inquérito é unicamente as delações premiadas da Odebrecht”.

Perguntar não ofende: Ao pregar a unidade, João Campos mandou o recado para quem?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Guedes contraria Bolsonaro e diz que reduzir impostos de combustíveis é ideia de médio e longo prazo Após Jair Bolsonaro provocar os governadores ao afirmar que zeraria tributos federais sobre os produtos caso os governos estaduais fizessem o mesmo com o ICMS, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse ao governadores terça-feira (11) que a ideia é um plano de médio a longo prazo e que depende de reformas. Bolsonaro é um falastrão.

Fernandes

Paulo Guedes desabafa e diz que toda hora tem uma bomba no governo

marcos

Lula diz que se eleito presidente vai implantar o Comunismo no Brasil. Xô Satanás

Fernandes

Por decisão da Casa Branca... EUA, o Brasil perde o status de país em desenvolvimento e restringe benefícios comerciais. Tai idiotas úteis. KKKK

Fernandes

Paulo Guedes diz que nem estados nem União podem abrir mão de receita Declaração do ministro da Economia foi resposta do Planalto a governadores após a provocação do presidente Bolsonaro, que desafiou os chefes de Executivo a baixar o ICMS em seus estados. Guedes se reuniu com grupo de governadores em Brasília. Segundo relato dos governadores à imprensa, houve um mal-entendido, já que não haveria forma de zerar impostos.


Prefeitura de Limoeiro

10/02


2020

Coluna da segunda-feira

Prefeito de Fortaleza é o melhor do País

O G-1, portal de informação do Grupo Globo, fez um levantamento recente sobre promessas cumpridas pelos prefeitos de capitais e Roberto Cláudio (PDT), de Fortaleza, onde passei uma semana vendo experiências de gestão, foi apontado em primeiro lugar. A capital cearense exibe para o País o troféu de ser a única sem nenhuma promessa pendente. O pedetista , no final do seu segundo mandato, já entregou seis das 18 promessas de campanha e cumpriu parcialmente as outras 12 que fez.

O lanterninha é o prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB). Das 55 promessas feitas na campanha de 2016, somente 11( 20% do total) foram cumpridas integralmente. Outras 11 foram atendidas parcialmente e 33 (60%) ainda estão pendentes. Dividem o “pódium da inoperância” com o piauiense, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), com 54,6% das promessas não cumpridas e o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), com 50% das promessas pendentes.

Nacionalmente, os gestores que assumiram há três anos cumpriram apenas 39% das promessas feitas na campanha de 2016. Das 1.040 propostas contabilizadas, 406 foram cumpridas integralmente, o que representa 39% do total. As parcialmente cumpridas somam 254, ou 25%, e as que não foram cumpridas sequer parcialmente são 378, o que corresponde a 36%.

O levantamento leva em conta as propostas formalizadas pelos então candidatos junto à Justiça Eleitoral. As promessas são divididas em três grupos: as cumpridas integralmente, as realizadas parcialmente e as não realizadas. Entre as capitais, duas ficaram de fora, Goiânia (GO) e João Pessoa (PB).

No caso do Recife, o prefeito Geraldo Júlio (PSB ) fez 33 promessas, mas só cumpriu integralmente seis e 16 em parte, enquanto deixou de cumprir 11, estando entre os últimos avaliados nesse levantamento. Há uma diferença muito grande no fazer entre Fortaleza e Recife. Enquanto Geraldo há oito anos patina para reativar o Geraldão, Roberto Cláudio elencou 700 obras, avaliadas em R$ 1,5 bilhões, com data para iniciar e acabar, com um detalhe: todo o dinheiro em caixa.

“Não corremos nenhum risco financeiro de alguma obra atrasar ou não ser finalizada por falta de recurso. Todas elas têm seu recurso garantido via parceria com o Governo do Estado, Federal, mas, principalmente, através de novos financiamentos internacionais, nacionais, que já foram efetivados”, diz o prefeito cearense.

Oxalá Recife fosse assim, a população estaria, hoje, com outra feição e não vendo equipamentos de grande utilidade social, como o ginásio de esportes Geraldão e o Teatro do Parque com obras devagar quase parando, há dez anos. Em Fortaleza, o prefeito só anuncia e licita a obra quando o dinheiro já está no caixa, porque estabelece o prazo para a entrega sem risco de faltar recurso.

É por isso que Roberto Cláudio é, disparado, o melhor do Pais!

MELHOR DO QUE GERALDO - Já o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), onde também estive, se situa numa posição mais confortável do que Geraldo Júlio. Cumpriu 41% das promessas feitas durante a campanha de 2016. Segundo o mesmo levantamento, o democrata concluiu 28 das 68 promessas  até o terceiro ano do segundo mandato. De acordo com a análise, Neto também cumpriu, em parte, 16 das 68 promessas, o equivalente a 24%. E 24 (o que corresponde a 35%) ainda não foram concluídas. O mandato do prefeito baiano, também já em seu segundo mandato, encerra no dia 31 de dezembro deste ano.

SESSÃO TERNURA – Os paparicos socialistas ao presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, na última sexta-feira, no Recife, foram exagerados. Além de receber o pedetista para um café da manhã no Palácio das Princesas, o governador Paulo Câmara foi ao lançamento do livro dele na livraria Jaqueira do Paço, abraçado ao prefeito Geraldo Júlio. As longas sessões de ternuram têm um só objetivo: fritar junto ao comando nacional do PDT a pré-candidatura de Túlio Gadelha no Recife, praticamente oficializada por Lupi no ato no qual o deputado assumiu a presidência do diretório municipal.

TEOBALDO ENGOLIDO – O presidente estadual do Podemos, Ricardo Teobaldo, não é menino nem nasceu ontem na política. Sabe que o propósito da direção nacional da legenda é entregar o comando do partido no Recife à delegada Patrícia Domingos. “O perfil de Teobaldo desfoca de longe do da delegada, pontilhado pelo combate à corrupção e um discurso centrado no fim da velha política”, diz um aliado do senador Álvaro Dias, líder do Podemos no Senado, hoje um dos maiores entusiastas do projeto Patrícia Domingos.

O SILÊNCIO DE JARBAS – O senador Jarbas Vasconcelos (MDB) voltou à rotina dos almoços às sextas-feiras no restaurante Leite, point da fauna política do Estado, mas sempre acompanhado de fiéis escudeiros, como Paulo Sérgio Macedo e Fernando Dueire, seu suplente no Senado. Antes protagonista da cena nacional, Jarbas anda muito calado, distanciado das questões do País e de Pernambuco, particularmente. Um bom sinal, entretanto, é que já voltou a degustar bons vinhos chilenos, mas mesmo assim não se anima para tratar de politica. Os mais próximos dizem que está esperando a arrumação do quadro sucessório no Recife para entrar em cena.

QUEIMA DE ARQUIVO? – A executiva nacional do Psol desconfia das circunstâncias em que Adriano da Nóbrega, miliciano ligado ao senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente da República, apareceu morto, ontem, no interior da Bahia. “O PSOL exige esclarecimentos e solicitará uma audiência com a Secretaria de Segurança Pública daquele Estado para obter maiores informações, uma vez que Adriano da Nóbrega era peça chave para revelar os mandantes do assassinato de Marielle e Anderson. Avaliaremos medidas que envolvam autoridades nacionais. Seguimos exigindo respostas e transparência para pôr fim à impunidade”, diz nota do partido.

JOGO SUJO – O superintendente da Sudene, Douglas Cintra, tem o respaldo da bancada federal da base de Bolsonaro na Câmara dos Deputados para continuar implementando políticas de fortalecimento do Nordeste à frente da instituição. Mas houve quem usou de má-fé querendo queimar Cintra com o presidente por este ter militado com o PT numa fase da sua trajetória política. O fato verdadeiro, porém, é que o arrojado empresário caruaruense votou em Bolsonaro e trabalhou pela eleição do presidente em jornadas eleitorais em sua Caruaru e no Agreste em geral.

SERIA INJUSTIÇA – Degolar Douglas Cintra por mera politicagem seria um pecado imperdoável do presidente. Afinal, nenhum superintendente da Sudene fez mais do que ele em menos de dois meses no cargo. Até então esvaziada, a instituição com ele no comando ganhou força e respeito. Já trouxe vários ministros a Pernambuco no pouco tempo na função e seu trabalho tem uma única finalidade: fortalecer a imagem do presidente e do Governo Federal na região, com programas voltados para os mais necessitados e desamparados.

Perguntar não ofende: Qual é a bomba, final, que este colunista trará, hoje, na edição zero do jornal O Poder, o primeiro no País em plataforma do Whatsapp?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Jornal Nacional faz matéria denunciando ligação de seu Jair e Flávio Bolsonaro com miliciano morto na Bahia.

Fernandes

Bolsonaro está furioso com a repercussão da morte de Adriano da Nóbrega. O motivo? O noticiário sobre a ligação entre Flávio e o miliciano.

Fernandes

Se Moro não esclarecer morte de Adriano, vínculos com clã Bolsonaro, Queiroz, milícias e Marielle, terá se transformado em cúmplice. O ex-ministro Ciro Gomes cobrou do ministro da Justiça, Sérgio Moro, investigação rigorosa sobre a suspeita da morte do ex-PM e miliciano Adriano Nóbrega, ligado ao senador Flávio Bolsonaro, ter sido uma queima de arquivo.

Fernandes

EUA retiram Brasil do rol de nações em desenvolvimento e cortam benefícios. O governo de Donald Trump publicou nesta segunda-feira (10) uma norma que retira o Brasil da lista de nações consideradas em desenvolvimento e que dava ao país determinados privilégios comerciais. Reinaldo Azevedo Colunista do UOL 10/02/2020 20h15

Fernandes

O silêncio dos enlutados... Misto de medo e covardia! Bolsonaro ficou furioso com reportagens que mostram conexões entre o criminoso e o filho Flávio.


Banner de Arcoverde

08/02


2020

Coluna do sabadão

Eleição vira confronto de delegadas

A sucessão do prefeito Geraldo Júlio no Recife caminha para virar, literalmente, caso de polícia. Saem de cena os políticos tradicionais dando lugar aos xerifes que, antigamente, só se viam em filmes de faroeste e que faziam, diga-se de passagem, muito sucesso, com um detalhe: no caso do Recife, são xerifas, vestem saias.

A primeira em cena é a postulante Patrícia Domingos, do Podemos, que vem de uma história de combate aos políticos corruptos, tendo colocado no xadrez 49 gestores, entre políticos e técnicos. Pelo fato de ter saído como vítima com o fechamento abrupto da delegacia que comandada, justamente na hora em que pegaria medalhões, Patrícia se colocou na vitrine do noticiário político.

Pode ser a grande surpresa da eleição por ser mulher, jovem, bonita, carismática e um discurso fluente, além de corajosa. Patrícia é a candidata também do discurso antipolítico, combatente da velha política que tanto Bolsonaro falou na campanha, mas que na prática é prática pregada em deserto, sem ressonância.

A confirmação de Patrícia pelo Podemos, legenda pela qual chegou passando por cima do presidente estadual, Ricardo Teobaldo, costurando em Brasília por intermédio da presidente nacional, Renata Abreu, deixou o PSB em polvorosa. Tanto que a arma que estão tentando rechear de munição é fazer a cabeça da delegada Gleide Ângelo, fenômeno eleitoral em 2018, na composição da chapa como vice de João.

A estratégia está corretíssima, só tem um problemão: Gleide também é do PSB, partido que encabeça a aliança governista com João Campos. Chapa puro sangue numa frente partidária agigantada como a do PSB vira um inferno para ser administrada. Faltando ainda cinco meses para as convenções, partidos como o MDB já assumem a condição de detentores da vaga de vice. Imagine se o PT resolver queimar Marília e exigir a vice?

Levantando a ficha – A delegada Gleide Ângelo foi generosa com o PSB, antes de entrar na política, em casos policiais até agora não esclarecidos de políticos e gestores com DNA socialista e isso vai vir à tona ao longo da campanha. Há informações também que seu desligamento da Caixa Econômica Federal tem boi na linha. Ambos os casos já estão sendo levantados pela oposição. A delegada socialista é um daqueles fenômenos eleitorais que acontecem a cada mil anos e ninguém sabe explicar.

Só quer Recife – Ainda em relação à delegada socialista, que encheu um saco de 420 mil votos para ter assento à Assembleia Legislativa nas eleições passadas, o que diz a rádio-corredor do Palácio Capibaribe, sede da Prefeitura do Recife, é que já teria dado murro na mesa quando colocaram seu nome para disputar a Prefeitura de Jaboatão com a única intenção de derrotar o grupo Ferreira. “Por que não o Recife?” Assim, teria regido diante de interlocutores que ficaram mudos, engasgados, sem saber o que dizer.

Acordo tácito – Lançado candidato a prefeito do Recife pelo PDT durante a passagem na capital do presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, o deputado Túlio Gadelha tem um acordo fechado com Marília Arraes: se esta se viabilizar candidata pelo PT, terá o seu apoio, podendo até ser o vice. Do contrário, a petista levaria seu grupo dissidente à manutenção da aliança com o PSB para reforçar o palanque de Gadelha. Fala-se ainda que eleita Marília prefeita com Gadelha na vice, dois anos depois a petista seria candidata natural ao Palácio das Princesas, passando a caneta azul do Recife para o namorado de Fátima Bernardes.

Wolney líder – No café da manhã que o governador Paulo Câmara ofereceu, ontem, ao presidente do PDT, Carlos Lupi, foi informado que o deputado Wolney Queiroz assume a liderança do partido na Câmara. O processo está bem adiantado. O PDT tem uma bancada de 30 parlamentares na Casa e o atual líder André Figueiredo (CE) quer ser sucedido por Wolney. No café, em nenhum momento, Lupi disse que a candidatura de Túlio Gadelha no Recife seria irreversível.

CURTAS

CANO DE FERRO – Três procuradores federais tomaram o depoimento do presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, ontem, no Ministério Público Federal, durante três horas num processo que corre em segredo de justiça. Quem chegou a ver, a exemplo do advogado criminalista Weryd Simões, diz que foi nitroglicerina pura. “Não ficará pedra sobre pedra”, escreveu nas redes sociais. O teor do depoimento, entretanto, é um grande mistério, mas Tonca, como é mais conhecido, teria recorrido à expressão: “Dei de cano de ferro”.

VÁ ENTENDER! – A delegada Patrícia Domingos diz que, em nenhum momento, sugeriu que o presidente estadual do Podemos, Ricardo Teobaldo, que votou contra o afastamento do deputado Wilson Santiago (PB), envolvido no escândalo que levou o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, à prisão, seja corrupto. “Afirmei que todo partido tem alguém respondendo a processo, não disse que são culpados e que foram condenados. Não acusei ninguém de corrupção, nem usei essa palavra”, afirmou. Para um partido que aceitou um símbolo da anticorrupção, o voto do presidente estadual salvando um acusado de corrupção é incompreensível.

PALANQUE ÚNICO – Com relação à informação divulgada nesta coluna, sobre a possibilidade de estar em palanque diferente do pai Silvio Costa na eleição do Recife, o deputado Silvio Costa Filho garante que não existe nenhuma possibilidade de estarem em lados opostos. Com relação ao processo eleitoral, o Republicanos, segundo ele, vai iniciar uma discussão interna e definirá, nos próximos meses, qual candidato apoiará. “Nosso apoio será baseado em uma nova agenda programática para a cidade”, afirmou.

Perguntar não ofende: João Campos tem certeza de que o deputado paraibano Wilson Santiago, a quem ajudou a salvar a pele no pedido de afastamento do STF, não é corrupto ou seu voto se encaixou ao corporativismo da Casa?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Moro e Bolsonaro e marluxa se calam diante da execução do miliciano Adriano. Não estava na lista de Procurados do ex-juiz, mas era o personagem principal do faroeste. Hipócritas!!!

marcos

No aniversário dos 40 anos do PT, Lula o carniça diz não acreditar em Deus. Filho da Puta!

marcos

Derrotada, esquerda vê risco adicional à democracia A síndrome de Levitsky Gustavo Maultasch Pelo teor das referências que se fazem a ele, até ontem eu achava que Steven Levitsky era o nome de uma síndrome cognitiva descoberta por um doutor Levitsky, e não o nome de um cientista político. A sintomatologia da síndrome seria a seguinte: quando a esquerda vence, a democracia vai bem; já quando ela perde... Aí a democracia padece, vai mal, está morrendo. Essa síndrome apresenta como comorbidade aquele comportamento já conhecido em nossa esquerda: concorda comigo? Você é bom camarada e está convidado para o próximo chope no Leblon; o bar dá desconto para quem sinalizar virtude! Discorda de mim? Você é fascista. (Mas veja bem, eu não digo que você é fascista porque estou defendendo o meu esquerdismo não; o que é isso. Eu digo que você é fascista porque sou um sereníssimo hermeneuta dos desígnios de nossa República e, de posse dessa capacidade sobre-humana, afirmo categoricamente que você é fascista; nada pessoal, é só um juízo técnico). Como a esquerda brasileira passou anos elogiando Fidel, Che, Mao, Lenin, Chávez, Maduro, Morales, dentre outros companheiros; como passou décadas mitificando Paulo Freire, mesmo com sua tolerância a assassinatos em nome da \"biofilia\" da revolução; como chegou a comprar votos do Legislativo no escândalo do mensalão, em franco ataque à democracia; e como a principal chapa da esquerda, nas últimas eleições, tinha como candidato o autor de \"Em defesa do socialismo\" e como candidata a vice uma comunista que se recusa a condenar os incomensuráveis genocídios dos socialistas; enfim, por tudo isso, eu ingenuamente acreditava que a esquerda brasileira tinha amor sincero e desinibido por todas as ditaduras. Essa não é a galera descolada que fala em amor livre? Então, pensei que eles amassem todos os autoritários. Mas quão apressada a minha conclusão, e quão enganado eu estava; e aproveito para fazer o mea cuba, ou melhor, o mea-culpa, e compartilhar com vocês o que aprendi: na realidade, vejam só, a esquerda não ama ditaduras; ela ama apenas, notem bem!, aquelas ditaduras que são de esquerda. E não é aquele amor platônico, melancólico e distante não; é aquele amor luxurioso, nos lençóis suados da paixão recente. Quando descobri isso, meu mundo desabou feito o PIB da Dilma: seria mesmo um caso de - constrange-me até dizer - hipocrisia, incoerência, desfaçatez? Será que a esquerda tolera uma ditadura, tolera uma torturazinha, desde que ela seja de esquerda? Se a ditadura é de direita, condenamos; se é de esquerda, defendemos; isso finalmente eu entendi. Mas e a democracia? E aqui vem a novidade trazida pela síndrome de Levitsky, que segundo minha pesquisa tem sido transmitida pelo mosquito da zika, ou talvez seja mesmo o velho e conhecido, embora jamais extinto, mosquito da trotsky. A novidade é que, agora, a esquerda não condena apenas a ditadura de direita não; ela condena também, vejam só!, a democracia em que o povo elege livremente a direita. É bem verdade que democracias são como um preso em Curitiba: demandam atenção e vigilância diárias. Democracias funcionais têm equilíbrio institucional delicado mesmo, e a todo momento há riscos intrínsecos ao sistema político; contem comigo para a diligência constante e a briga por seu fortalecimento. O problema é decretar risco adicional porque a esquerda perdeu, e com isso começar a denunciar a nova conjuntura política como \"morte da democracia\", como se o atual mal-estar do progressista fosse causado por uma sensibilidade apurada de sommelier às vicissitudes da democracia, e não por um mero ressentimento de derrotado, em humilhação narcísica porque percebeu que o povo não o vê com a grandeza e o senso de autoimportância que ele enxerga ao espelho. E tudo isso fingindo não saber que um dos maiores riscos à democracia brasileira é, precisamente, toda essa narrativa de \"morte\" da democracia; mais do que diagnóstico, a síndrome de Levitsky é efeito placebo, profecia autorrealizável, daqueles que preferem bagunçar o jogo a aceitar que, simples e livremente, foram vencidos.

marcos

Lula o carniça paga mico Em evento do PT ao lado de Mujica, que discursa contra quem enriquece na vida pública....... Neste sábado, durante evento em comemoração aos 40 anos do PT no Rio de Janeiro, o ex-presidente do Uruguai, Juan Mujica, conhecido pela defesa de que políticos tenham uma vida austera, voltou a criticar, ao lado de Lula, aqueles que enriquecem na vida pública. \"Política é uma paixão, um compromisso, e políticos têm que aprender a viver como vive a maioria do povo, não como uma minoria privilegiada\", apontou o uruguaio, cujo partido, a Frente Ampla, deixa o poder no fim deste mês após 15 anos de presidência. O velho guerrilheiro tupamaro nunca se espantou com o cachê cobrado pelo “palestrante” Lula enquanto exerceu o ofício de camelô de empreiteira, extinto pela Lava Jato: R$ 400 mil por uma hora de discurseira. Lula multiplicou por quase vinte vezes o seu patrimônio desde a última vez que disputou a Presidência, em 2006. À época, o petista tinha bens equivalentes a um cidadão de classe média: R$ 839 mil. Hoje, Lula é um bilionário. Mas o ex-presidente Lula é um dos homens mais ricos do Brasil!

marcos

PT, DEM e PSDB um só coração! Mortadelas, Frufru e Coxinhas juntas pela corrupção no Brasil!



07/02


2020

Coluna da sexta-feira

Recife já assistiu a quatro debandadas

Quatro personagens do processo eleitoral no Recife, que lá atrás assumiram alguma posição protagonista, já são desprezíveis, cartas fora de baralho: Silvio Costa Filho, que se colocou como pré-candidato sob a bandeira do Republicanos, está de volta ao ninho socialista em apoio à postulação de João Campos. Erro primário, mas acha que está certo, com chances de lucrar, politicamente, no futuro.

Raul Henry, que só obedece a Jarbas Vasconcelos, ouvidos lacrados para qualquer observação em contrário, mesmo que possa soar como uma sinfonia de Beethoven, não consegue dar seu grito de independência. Nem mesmo os estímulos do líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, que fez de tudo para viabilizar sua candidatura, o convenceram. Vai continuar abraçado a João Campos, de quem pode ser até vice.

Pela ordem, o terceiro é André de Paula, presidente estadual do PSD. Por mais que tenham minguado seu minifúndio no primeiro e segundo escalão do Estado, insiste em não absorver a adrenalina da rebeldia, para um voo no campo de enfrentamento a estrutura de poder. Jura que não fechou ainda com João, mas até as paredes da Câmara dos Deputados estão gagá de saber que não fala a verdade.

Por fim, André Ferreira (PL), na dependência apenas da decisão do PSB de lançar ou não a candidatura da delegada Gleide Ângelo à prefeita de Jaboatão, gerida pelo seu irmão Anderson Ferreira. Se a campeã de votos para a Assembleia Legislativa não entrar no jogo, o que eliminaria qualquer possibilidade de reeleição do prefeito, André será capaz de fazer um pacto silencioso com o PSB, saindo de cena no Recife com sua pré-candidatura.

Diante da debandada desses quatro quadros até então atores importantes da sucessão de Geraldo Júlio, só restará a oposição construir a unidade em torno de Mendonça Filho (DEM), Daniel Coelho (Cidadania) ou Patrícia Domingos (Podemos). Marília Arraes, que tem 90% de chances de sair candidata pelo PT, não se inclui na oposição. Os líderes oposicionistas a julgam sublegenda do poder, pelo fato de disputar o mesmo eleitorado de João e ser da mesma família Arraes.

Sonhando acordado – Rifado pelo PSB, o deputado Felipe Carreras disse ao Frente a Frente, programa que apresento pela Rede Nordeste de Rádio, que ainda sonha em ganhar no partido a preferência na disputa pela Prefeitura do Recife. “Permaneço no páreo, até porque o prefeito Geraldo Júlio ainda não bateu o martelo pela candidatura de João”, diz ele. É bom Carreras acordar para o grande sonho de verão que está tendo de olhos abertos. Afinal, a candidatura de João é irreversível. Trata-se de uma imposição da mãe Renata Campos, que ninguém ousa enfrentar.

Falta coragem – Também falando no Frente a Frente, o deputado André de Paula negou que tenha fechado com a candidatura de João Campos. Distanciado há muito do cafezinho quente do Palácio das Princesas, De Paula amadureceu a ideia de romper com o Governo nas férias de 15 dias que passou nos Estados Unidos. Mas as promessas de poder que chegam por intermédio de João estão sendo muito mais fortes e eficazes para o líder do PSD permanecer onde está, na base de Paulo Câmara, mesmo sem cargos e vendo o secretário de Turismo, Rodrigo Novaes, governar apenas para os seus na pasta de Turismo.

Entusiasmado – Nenhuma liderança nacional do Podemos revela tamanha empolgação e deslumbramento com a candidatura de Patrícia Domingos quanto o líder da legenda no Senado, Álvaro Dias (PR). Está tão entusiasmado que considera o projeto da delegada imbatível. “Ela encarna as bandeiras que as redes sociais querem de um candidato a prefeito de uma capital tão importante e estratégica como o Recife”, disse Dias, em entrevista no Salão Azul do Senado na noite da última quarta-feira ao confirmar o ingresso da delegada no Podemos.

Abandona fácil – Alijado das negociações que culminaram no ingresso da delegada Patrícia Domingos no Podemos, o presidente estadual da legenda, Ricardo Teobaldo, chegou a admitir, numa conversa com este blogueiro, que se não tiver de fato o controle do processo no Recife não terá nenhum problema em largar a legenda, até porque, segundo ele, nada tem a perder, nem seu mandato corre qualquer risco. Quem, na prática, colocou Patrícia no partido foi a presidente Renata Abreu respaldada pelo líder no Senado, Álvaro Dias. Teobaldo foi apenas comunicado.

CURTAS

COTA AMEAÇADA – Dos 2.185 candidatos aprovados por meio de cotas raciais na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), menos da metade, 49,8%, teve a matrícula confirmada na primeira entrada do ano letivo de 2020. A lista, divulgada na última quinta-feira, diz respeito aos classificados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), nos três campi do Estado. No total, 1.089 candidatos foram aprovados pela Comissão de Heteroidentificação, que valida a autodeclaração de preto, pardo ou indígena escolhida pelos cotistas no momento da seleção. Ao todo, 364 deles foram reprovados, o que representa 16% dos aprovados no Sisu.

DESCONHECIMENTO – Na mexida que promove na sua equipe, com o remanejamento de Rogério Marinho, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho para o Ministério do Desenvolvimento Regional, o presidente Bolsonaro comete mais um grande equívoco. Marinho é craque, especialista em Previdência, deu um show no processo de articulação e votação da reforma previdenciária no Congresso, mas de políticas regionais pouco ou quase nada sabe. Embora seja potiguar, Rogério está há muito tempo afastado da região e sem, portanto, elo e sintonia com os problemas mais graves do Nordeste.

SEM CONVITE – Em Floresta, o deputado Fabrizio Ferraz, então aliado do prefeito Ricardo Ferraz, está criando dificuldades para seu grupo apoiar a reeleição do gestor. Ele está programando um evento de peso amanhã na cidade, mas, estranhamente, deixou o prefeito a ver navios, sem convite. O que se diz é que Fabrício chegou à conclusão de que embarcar na reeleição do prefeito, pelo alto nível de rejeição da sua candidatura, se traduziria, de fato, numa tremenda fria.

Perguntar não ofende: Por que Bolsonaro joga de forma tão desleal com aliados que dão contribuição para melhorar o desempenho do seu Governo?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Moro orientou Deltan a ficar com 30% de delação; juristas veem fato grave. Em conversas divulgadas pelo site The Intercept Brasil\", o ex-juiz e ministro da Justiça, Sergio Moro, orientou o coordenador da Lava Jato Deltan Dallagnol a ficar com 30% da delação da empreiteira Odebrecht.

marcos

Lula ordenou Renato Duque, Cervero e Paulo Roberto Costa a ficar com 70% da propina da petrobras para ele e o PT.

Fernandes

General João Carlos Jesus Corrêa demitido do Incra diz que governo está cheio de organizações criminosas. E agora?

marcos

Quando Lulinha será preso?

marcos

Agora que Lula o carniça é Ladrão todo mundo sabe.



06/02


2020

Coluna da quinta-feira

A sucessão já está à mesa

A sucessão do prefeito Geraldo Júlio no Recife começa a tomar uma feição mais clara. Ontem, em Brasília, a delegada Patrícia Domingos, que fez mistério sobre seu destino partidário, ingressou no Podemos, num ato com visibilidade dada pela mídia nacional, no Salão Azul do Senado, à frente à presidente da legenda, Renata Abreu, o líder no Senado, Álvaro Dias (PR), e o presidente estadual Ricardo Teobaldo, deputado federal.

Patrícia foi anunciada como candidata à prefeita por Renata e Álvaro, enquanto Teobaldo afirmou que ela estava chegando como reforço ao bloco de oposição, passando a impressão de que a delegada não será postulante de um voo solo, devendo seu nome entrar numa negociação como alternativa de unidade das oposições, que já têm os pré-candidatos Mendonça Filho (DEM) e Daniel Coelho (Cidadania) colocados no jogo.

Os três devem ter uma rodada de negociações para encontrar o consenso. Daniel e Mendonça já estão falando a mesma linguagem, o que significa que um pode abrir para o outro, com base em critérios os mais díspares, que passam por quem alargar e agregar mais e também por pesquisas. Eles esperam que seja essa a postura que Patrícia possa se apresentar, promessa feita por Ricardo Teobaldo, que entende que, dividida, a oposição se fragiliza e fica impotente para enfrentar o pré-candidato do PSB, João Campos.

O discurso de Teobaldo não bate com o de Álvaro nem com o de Renata, nem tampouco com o da própria delegada. Eles falam na candidatura de Patrícia com tamanho entusiasmo que custa a acreditar que lá na frente o nome dela seja retirado do páreo em nome de um suposto entendimento das oposições.

Controle de Teobaldo – O que apurei em Brasília, ontem, é que a delegada Patrícia Domingos não chegou ao Podemos pelas mãos de Teobaldo. Seu primeiro contato foi direto com a presidente nacional, Renata Abreu, que, por sua vez, informou a Teobaldo o interesse dela em se filiar. Na fala com Teobaldo, que tem o controle e a supremacia do partido em Pernambuco, ficou definido, também, que o processo do Recife não fugirá das mãos dele, que tem, portanto, o compromisso com o DEM e o Cidadania de construir a unidade.

Moro de saia – Nas suas falas, Álvaro e Renata já anteciparam até a plataforma da campanha de Patrícia. Disseram que ela chega como legítima representante da operação Lava Jato. Só faltaram dizer que ela seria a Sérgio Moro de saia. “Teremos uma candidata que vai combater os desmandos e a corrupção no Recife. Patrícia já vinha fazendo isso como delegada e foi impedida pelo arbítrio e a ditadura do Governo de Pernambuco”, disse o líder do Podemos no Senado. Já a presidente Renata Abreu afirmou que Patrícia era símbolo do combate aos desmandos e que por isso teria encontrado o partido ideal como guarida.

PSD com João – Enquanto Patrícia ingressava no Podemos no Salão Azul do Senado, do outro lado da cidade, no restaurante Rubaiyat, no Setor de Clubes Sul, na Avenida das Nações, em Brasília, o presidente estadual do PSD, André de Paula, batia o martelo em apoio ao candidato do PSB a prefeito do Recife, João Campos, num almoço com o próprio postulante. André e João não podem nem negar, porque por uma dessas coincidências da vida este blogueiro almoçava no mesmo local com o deputado Daniel Coelho, pré-candidato do Cidadania a prefeito do Recife.

Moeda do apoio – André de Paula estava prestes a romper com a estrutura de governo do PSB no Recife e no Estado. Resta saber se o acordo fechado com João Campos no almoço de ontem passa pela degola de Rodrigo Novaes da pasta de Turismo. O que se diz nos bastidores de Brasília, entre o salão verde da Câmara e o azul do Senado, é que Novaes seria remanejado para outra pasta, Felipe Carreras assumiria o Turismo e André indicaria um aliado para uma outra pasta. O nome mais cotado do grupo de André é o ex-presidente do Detran, Charles Ribeiro.

CURTAS

LÁ E LÔ – Ainda em Brasília, o deputado Sílvio Costa Filho não confirmava nem negava que estava a caminho de apoiar o candidato do PSB, João Campos. Mas dentro do bloco da oposição já é dado como carta fora do baralho, aliado incondicional do filho de Eduardo Campos, a quem serviu no primeiro mandato como secretário de Turismo. Já o pai Silvio Costa, sem mandato, poderia tomar outro destino, desta feita em apoio à candidatura de Marília Arraes, que deve ser confirmada pelo PT em abril.

SUDENE – Bastou o empresário Douglas Cintra se firmar como gestor inovador e articulado na Sudene para atrair urubus rondando a sede da instituição em busca do seu cargo. A boataria que correu solta ontem em Brasília se confirmou. Chegaram a envolver na puxada de tapete o nome do senador Fernando Bezerra Coelho, líder do Governo no Senado. Mas foi o próprio Bezerra que deu respaldo a Cintra, nome indicado pelo deputado Fernando Rodolfo, do PR, sob o consenso geral da bancada governista de Pernambuco na Câmara. Quem abdicou para si o cargo foi o ex-senador paraibano Cássio Cunha Lima, do PSDB, que já foi presidente da SUDENE.

O DESABAFO – No Frente a Frente de ontem, diretamente de Brasília, o deputado Gonzaga Patriota (PSB), um dos decanos do Congresso, fez um desabafo aos que tentaram insinuar que tinha abandonado o irmão Ercílio Freire, assassinado em Petrolina, na última segunda-feira. Nas redes sociais, acharam estranho um irmão de deputado ser motorista de aplicativo. “Nunca empreguei parentes e Ercílio tinha independência, não precisava de cargos em governo ou no meu gabinete”, afirmou.

Perguntar não ofende: Quem une a oposição: Mendonça, Daniel ou Patrícia?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

General João Carlos Jesus Corrêa demitido do Incra diz que governo está cheio de organizações criminosas. E agora?

Fernandes

Justiça rejeita denúncia contra Glenn Greenwald em caso dos hackers. Jornalista de verdade.

Fernandes

Governo retira R$ 1 trilhão do povo para entregar aos bancos

Fernandes

Lula é digno. Incomoda porque é honesto, correto e pensa em todos, marluxa aceita dói menos.

Fernandes

Tudo verdade marluxa. Aceita dói menos. Kkkkkkkkk



05/02


2020

Coluna da quarta-feira

O pior trânsito do Brasil

Na contramão de cidades que investem em mobilidade urbana, como Salvador e Fortaleza, Recife continua colecionando troféus da ineficiência. Não bastasse ser uma das líderes em violência, ganhou projeção nacional por ter um dos piores trânsitos do mundo. Na verdade, foi eleita, mais uma vez, a que tem o pior trânsito do Brasil e um dos 15 piores do mundo, de acordo com o ranking anual Traffic Index, elaborado pela empresa de mobilidade Tomtom. O relatório avaliou 416 cidades em 57 países, com classificação tomando como base o congestionamento urbano em todo o mundo.

Incontestável e referência mundial, o estudo analisa o trânsito das cidades de acordo com o tempo médio adicionado a uma viagem e também inclui informações sobre quanto tempo os motoristas desperdiçam nos engarrafamentos. Os dados são extraídos de mais de 600 milhões de informações de motoristas que utilizam o sistema de navegação da empresa holandesa. A cidade de Bangalore, na Índia, ocupa a posição de “pior trânsito” do mundo, seguida por Manila (Filipinas), Bogotá (Colômbia), Mumbai (Índia), Pune (Índia), Moscou (Rússia) e Lima (Peru).

Recife é a primeira cidade brasileira a aparecer na lista, na 15ª colocação. Outras oitos cidades brasileiras também estão no ranking. Depois da capital pernambucana aparecem o Rio de Janeiro, na 20ª posição, São Paulo, na 24ª, Salvador, na 28ª, Fortaleza, na 50ª, Belo Horizonte, na 60ª, Porto Alegre, na 62ª e, por fim, Curitiba, na149ª. A última citada é Brasília, na 270ª posição. Recife, pasmem, está mais travada do que São Paulo, o perímetro urbano brasileiro que parecia imbatível em não se chegar a lugar algum.

Nada acontece por acaso. Recife está nessa posição desconfortável graças à falta de uma política arrojada de governo. O que fez sua excelência Geraldo Júlio em oito anos, além da Via Mangue, que, aliás, já encontrou bem avançada? Desconheço qualquer intervenção. Enquanto isso, Salvador abre dois corredores de trânsito, cada um de 13 km com quatro faixas, incluindo acostamentos e ciclovias. E olha que a capital baiana é como o Rio, cheia de morros, o que não impediu que fossem abertas as saídas com túneis.

Fortaleza, por sua vez, mais plana, abriu 400 km de ciclovias e faixas exclusivas para ônibus, reduzindo, drasticamente, o tempo do usuário de transporte público até ao local de trabalho. Quando se quer, se faz. Quando não se faz, quem paga o pato é a população, que fica com os nervos à flor da pele, perdendo tempo precioso no trânsito numa das piores cidades do mundo em mobilidade urbana.

Risco de degola – A Câmara dos Deputados deve decidir, hoje, sobre o afastamento do deputado Wilson Santiago (PTB-PB), denunciado por corrupção pela Procuradoria-Geral da República (PGR). A medida foi determinada pelo ministro Celso de Mello, do STF, em dezembro. Wilson é um dos alvos da operação Pés de Barro da Polícia Federal, que investiga suspeitas de superfaturamento em obras no interior da Paraíba. De acordo com a Polícia Federal, são investigados os crimes de peculato, lavagem de dinheiro, fraude licitatória e formação de organização criminosa. O afastamento depende de votação no plenário da Casa.

No Podemos – Pré-candidata à prefeita do Recife, a delegada Patrícia Domingos, deve bater o martelo, hoje, sobre sua filiação ao Podemos. Tem encontro agendado com o senador Álvaro Dias e a presidente nacional da legenda, Renata Abreu, além do presidente da legenda em Pernambuco, Ricardo Teobaldo. Desde ontem, ela circula no Congresso ciceroneada por Teobaldo e própria Renata, com quem já esteve, tendo recebido mimos e estímulos para entrar na disputa pela Prefeitura recifense. Patrícia avançou no caminho do Podemos, mas ainda está em dúvida se a legenda seria a mais viável para ser eleita.

Bem-vinda – Na entrevista que concedeu, ontem, ao Frente a Frente, o ex-senador Armando Monteiro Neto (PTB) confirmou que recebeu a delegada Patrícia Domingos para uma conversa sobre a sucessão municipal do Recife, saindo do encontro com a impressão de que está decidida a entrar mesmo na disputa. “Inteligente e preparada, Patrícia se vier a se integrar ao bloco de oposição, será muito bem aceita”, disse Armando, que tem dedicado boa parte da sua agenda política para construir a unidade das oposições.

Geraldo e Geraldão – Na mesma entrevista, Armando bateu no prefeito Geraldo Júlio com picardia e humor refinado. Disse, por exemplo, que em gestão pública Geraldo não consegue sequer virar Geraldão, numa alusão ao maior ginásio de esportes do Recife, há mais de oito anos sendo restaurado e ainda sem data para conclusão de obras. O líder trabalhista citou, também, o fechamento do Teatro do Parque, símbolo da cultura recifense, cuja restauração não se inclui entre as prioridades do prefeito.

CURTAS

DINHEIRO PELO RALO – Em 2017, ainda no seu primeiro mandato, o governador Paulo Câmara (PSB) desperdiçou R$ 120 milhões em recursos federais, alocados pela bancada federal, através das chamadas emendas de bancada. Tudo pela incompetência de equipe de planejamento, que não soube dar o direcionamento técnico para amarrar o valor em barragens. Na época, a Casa Civil da União ainda tentou dar um jeito, mas o estrago técnico era incorrigível. O dinheiro se destinava a duas barragens de contenção que ainda não saíram do papel, justamente por ter faltado essa dinheirama na hora certa.

SAI OU NÃO? – Tão logo chegou, ontem, a Brasília, para a retomada dos trabalhos legislativos do Congresso, o deputado Raul Henry (MDB) foi se aconselhar com o senador Jarbas Vasconcelos e trocar figurinhas sobre o cenário eleitoral que se vislumbra com vistas à sucessão de Geraldo Júlio, no Recife. Henry é pré-candidato a prefeito e tem sido estimulado de modo especial pelo líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, que enxerga nele o nome mais competitivo para desarticular a base governista. Até abril, Henry tem que decidir se entra ou não no páreo.

A DOR DA PERDA – De volta ao Congresso, hoje, depois de participar dos funerais do seu irmão Ercílio Freire, em Petrolina, assassinado a tiros na última segunda-feira, o deputado Gonzaga Patriota (PSB) retoma a luta pela regularização do transporte alternativo nos grandes centros urbanos, matéria de sua autoria em tramitação na Câmara dos Deputados. Patriota está profundamente abalado com a perda do irmão. “Era um exemplo de vida, trabalhador, dedicado aos filhos, um grande amigo e parceiro leal”, afirmou.

Perguntar não ofende: A Câmara afasta, hoje, o deputado Wilson Santiago (PTB-PB), envolvido na operação Pés de Barro, da Polícia Federal?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Corte na Selic sinaliza descrença do BC em reação mais forte da economia. A reação da atividade econômica, no Brasil, continua não inspirando confiança, muito mais depois da instalação do surto de coronavírus na China, cujo desdobramento pelo mundo continua incerto.

Fernandes

Presidente da OAB diz que quem apoia Bolsonaro tem desvio de caráter.

Fernandes

Fenafisco sai em defesa de governadores e chama Bolsonaro de covarde e mentiroso.

Fernandes

Agora tá explicado: Rita Lee diz que teve caso com Bolsonaro e que ele não era muito chegado na coisa. Por isso ele só anda com o Hélio Negão a tiracolo.

Fernandes

Bolsonaro mandou matar Marielle Franco. Domingos Frasão mora em camaragibe, é?



04/02


2020

Coluna da terça-feira

Pacto virou letra morta

O Pacto pela Vida é página virada pelo avesso em Pernambuco. Só existe de fato na propaganda do Governo. A violência campeia em todas as regiões do Estado, provocando horror e aflição, mas só chega com mais evidência ao conhecimento do público quando a vítima (ou vítimas) tem ramificação na classe média ou alguma ligação política, como foi o assassinato do motorista de aplicativo Ercílio Freire, 52 anos, irmão do deputado federal Gonzaga Patriota, ontem, em Petrolina.

Na mesma manhã de ontem, mais três vidas foram ceifadas pela violência na própria Petrolina, hoje uma das cidades com maior ocorrência de homicídios do Estado. Só que ninguém tomou conhecimento. A maioria dos crimes, aliás, fica no anonimato, porque quem perde o estágio terrestre, infelizmente, não tem apadrinhados nem costas quentes. “Petrolina virou um horror, centro do crime e da bandidagem”, diz um radialista de projeção no berço de Ana das Carrancas.

Segundo ele, pode ser que, a partir de agora, com o assassinato de alguém com parentesco político o Governo desperte para aumentar a segurança no munícipio, dando mais condições de trabalho às polícias Militar e Civil, que trabalham harmonicamente. Irmão apenas por parte de pai do deputado Gonzaga Patriota, Ercílio era da paz, aparentemente sem inimigos na cidade, mas entrou para bombar as estatísticas do crime em Petrolina.

O Governo parece ter perdido de vez a guerra contra o crime organizado no Estado. Os homicídios têm crescido em todas as regiões, seja na Mata, no Agreste e no Sertão. A bandidagem mão escolhe as vítimas. Caruaru assistiu, recentemente, a morte de um filho jovem de um ex-vereador, com apenas 28 anos, num restaurante localizado em torno do corredor da BR-104.

Já na semana passada, em Gameleira, Mata Sul do Estado, tombou morto o vereador José Ednaldo Marinho (PRB), de 45 anos. O crime aconteceu à luz do dia, no centro da cidade. Casos assim rebobinam o noticiário, incham as estatísticas oficiais e vão mostrando, na prática, que o Estado está impotente, perdendo a batalha contra o crime organizado, voltando a liderar o ranking entre os mais violentos do País.

Chocado e abalado – O deputado Gonzaga Patriota (PSB) estava em Brasília, ontem, se preparando para a sessão oficial de reabertura do Congresso quando foi informado do assassinato do seu irmão Ercílio Freire, por parte de pai. Abalado, se manifestou por intermédio de uma nota oficial na qual disse que tinha perdido não apenas um irmão, mas um grande amigo e confidente. Imediatamente, cuidou de arranjar uma vaga em avião com conexão no Rio de Janeiro, para chegar a Petrolina em tempo de participar dos funerais.

O segundo – Ercílio Freire é o segundo irmão que Gonzaga Patriota perde para o mundo do crime. Acilon, irmão legítimo de pai e mãe, também foi assassinado há 15 anos, em Sertânia, cravado de balas. Na época, a polícia desvendou o crime. O assassinato de ontem, porém, pode entrar nas estatísticas dos passionais, caminho da investigação que a polícia de Petrolina enveredou depois de descartar roubo. Na hora em que foi atingido por tiros, Ercilio, que tinha uma gráfica e estava se virando também como motorista de aplicativo em Petrolina, visitava um parente no bairro Mandacaru, zona norte da capital do Vale do São Francisco.

Jogou a toalha – O ex-senador Armando Monteiro Neto, principal liderança do PTB no Estado, costura a unidade das oposições em silêncio. Foi visto, ontem, num restaurante da Zona Sul do Recife, numa conversa prolongada com o grupo Ferreira – os irmãos Anderson, prefeito de Jaboatão, e André, deputado federal. No mesmo dia, o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos), extremamente ligado a Armando, liberou uma nota à Imprensa comunicando que não será candidato a prefeito do Recife. O ex-senador apostava no nome de Silvinho, como o deputado é mais conhecido, como alternativa com ingredientes para unir a oposição.

Tábata silencia – Com entrevista confirmada ao meu blog para hoje, em Brasília, a deputada Tábata Amaral (PDT-SP), namorada do deputado João Campos, pré-candidato a prefeito do Recife pelo PSB, mandou cancelar, ontem, através de mensagem enviada pela sua assessoria. “Não há como a deputada falar sobre a política de Pernambuco. Qualquer coisa que ela venha a dizer terá impacto na eleição e também nas principais famílias envolvidas”, diz o texto encaminhado, numa referência à briga que os Arraes trava no Estado, acentuada depois da agressão de João ao tio Antônio Campos, na Comissão de Educação da Câmara, e pela entrevista da ministra Ana Arraes, ao meu blog.

CURTAS

SEM PECADO – A Polícia Federal deve entregar, nos próximos dias, o relatório final sobre o inquérito eleitoral que investiga o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). A PF já concluiu que não há indícios de que o parlamentar tenha cometido os crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. O inquérito apura as negociações de imóveis feitas pelo filho mais velho do presidente da República e também a declaração de bens do atual senador na eleição de 2018. As conclusões são diferentes das de outro inquérito realizado pelo Ministério Público do Rio, que apura a prática de “rachadinha” no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa.

MANDA-CHUVA – Pelo tom da fala do deputado Augusto Coutinho, líder do Solidariedade na Câmara dos Deputados, ontem, no start da recauchutagem da Avenida Presidente Kennedy, em Olinda, ficou patente que ele canta de galo na Prefeitura, teoricamente, gerida pelo prefeito Lupércio (SD). No mundo da política em Olinda, a bola gira em torno do nariz de Guga, como é conhecido. Até nas negociações para o SD apoiar João Campos no Recife, o entendimento passa pelo apoio do PSB à reeleição de Lupércio. A vice-governadora Luciana Santos e o deputado Renildo Calheiros, ambos do PCdoB, querem que o Palácio e o PSB se curvem à candidatura de João Paulo, deputado estadual e ex-prefeito do Recife.

KAIO NO INCRA – Só depende agora da canetada do presidente Bolsonaro para o ex-deputado federal Kaio Maniçoba virar superintendente do Incra em Pernambuco. A bancada federal já encaminhou a indicação dele, com o respaldo de todos os governistas, mas, há dois meses, está em banho-maria. Filho da ex-prefeita de Floresta, Rorró Maniçoba, que lidera todas as pesquisas no município para voltar ao poder municipal, Kaio não se reelegeu federal por uma peinha de votos e o Governo, da mesma forma que agiu com Milton Coelho, não se interessou em convocar deputados com mandato em Brasília para o secretariado e com isso abrigar os dois suplentes na bancada.

Perguntar não ofende: Governadores, Congresso e Governo afinam a viola na reforma tributária, prioritária na pauta do semestre?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O Queiroz de Lindbergh Bolsonaro sabe quem mandou matar Marielle.

marcos

O Queiroz de Lindbergh Farias sabe quem mandou matar Marielle.

Fernandes

Mas afinal quem mandou matar Marielle Franco?

Fernandes

Quando o coronavírus chegar aqui, muita gente vai dizer. Precisamos de mais médicos. Sabe o que vou dizer? Vai pra Cuba!

Fernandes

A direita, quando perde uma eleição, tenta destruir o país. Quando ganha consegue.



03/02


2020

Coluna da segunda-feira

No Ceará, não tem disso não!

O que revi agora na incursão de uma semana ao Ceará lembra muito a famosa canção de Luiz Gonzaga, o eterno Rei do Baião, que, aliás, também se considerava cearense e que rapidamente chegou aos ouvidos da Nação brasileira, inclusive não nordestinos, que diz assim: “No Ceará, não tem disso não!”

Não tem disso, vale a ressalva, de forçar a barra para colocar gente no Governo só porque é parente ou um joguete da família dominante. Pode ser da família sim, e por que não? Mas desde que se prepare, tenha experiência e depois conquiste os espaços pelo talento, como é o caso, por exemplo, do prefeito de Sobral, Ivo Gomes.

Este primeiro fez mestrado em Direito na Universidade de Harvard, voltou para Sobral no cargo de chefe de gabinete na Prefeitura, depois secretário municipal da Educação para então disputar uma vaga de deputado estadual e em seguida de prefeito de Sobral, sua cidade natal. Alguém pode contestar afirmando que ele é irmão dos ex-governadores Ciro e Cid Gomes, acusados de montar uma oligarquia.

Mas não é bem assim: lá tem que se preparar, começar debaixo e, se tiver de fato mérito e bagagem, pode atingir as alturas até onde suas asas tiverem alcance. A verdade é que a experiência do Ceará é fundamentalmente baseada no mérito, fase que começou com o hoje senador Tasso Jereissati, na época o governador que fez a transição da política do coronelismo, fortemente arraigada em terra de Iracema dos lábios do mel.

Tasso instalou uma gestão empresarial, modernizou o Estado, que só era conhecido pelos seus coronéis do atraso, como César Cals, um dos mais afamados. Abriu espaços para Ciro e tantos outros talentos, como Lúcio Alcântara e Beni Veras. Depois, Ciro iniciou um novo ciclo, tendo seu irmão Cid assumido como principal líder estadual.

O atual governador Camilo Santana foi escolhido em acordo com o PT, sendo um quadro originário do Sertão do Cariri. Camilo teve que trabalhar duro, amargar duas derrotas seguidas para prefeito da sua cidade natal, acumular experiência como superintendente do Ibama, secretário de estado por quatro anos, deputado estadual e só depois governador.

O mesmo acontece na Prefeitura de Fortaleza. O atual prefeito Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra se formou em Medicina pela Universidade Federal do Ceará, fez mestrado e doutorado nos Estados Unidos, eleito em seguida duas vezes deputado estadual e escolhido, por unanimidade presidente da Assembleia Legislativa, para só depois ser eleito e reeleito prefeito da capital cearense.

Trocando em miúdos e versejando no bom dialeto cearense: no Estado, além de mérito, tem que ter capacidade comprovada e liderança política para virar governador ou prefeito da capital. Percebi isso muito claro quando, na entrevista que fiz com o governador, quis forçar a barra para ele revelar, em primeira mão, quem seria o candidato do grupo Ferreira a prefeito de Fortaleza.

Ele deu exatamente a resposta que se adequa ao padrão cearense de se escolher candidatos majoritários: “O projeto não pode ser pessoal, tem que ser do Estado”. Perceberam? Vou repetir tem que ser do Estado, em outras palavras, um projeto coletivo e não pessoal, nada além disso. Muito diferente de Pernambuco, onde as razões familiares, através dos seus próprios membros ou de vassalos subcontratados, estão acima de qualquer outro critério. É o caso de Paulo Câmara, membro da família Campos através de casamento, e ainda mais grave, de João Andrade Lima Campos, filho de Eduardo.

O primeiro foi uma imposição direta de Eduardo, que decidiu colocar alguém sob o seu jugo absoluto, talvez até por não ter qualquer tipo de aptidão para liderar. Agora, a viúva Renata Campos quer impor seu próprio filho, jovenzinho, sem preparo, e com a mais precária experiência de vida em geral e de gestão pública ainda menos.

Verdade que Pernambuco prosperou, e muito, com Eduardo, mas depois dele tem sido uma calamidade, com raras exceções. A atual cena pernambucana é mais que lamentável. Foi uma “herança maldita” de Eduardo, que, involuntariamente, deixou um governador fraco e um prefeito mero reflexo do poder direto da viúva Renata Andrade Lima Campos, a verdadeira chefona de Pernambuco, que dá ordens para empregar seus familiares, de forma absurda.

Essa é uma das razões da marca do atraso pernambucano e da realidade do Ceará, anos à luz na frente, hoje líder nacional em investimentos públicos, acima de Estados poderosos e ricos, como São Paulo e Minas Gerais.

Até quando Pernambuco e Recife vão ficar nessa condenação ao atraso?

Campeão em investimentos – As mudanças no Ceará não se dão apenas na forma política, mas sobretudo em gestão. Na saída do Palácio da Abolição, na última sexta-feira, onde o entrevistei, o governador Camilo Santana (PT) disse que fechou 2019 como o Estado número um em investimento público no País e que caminha para repetir a façanha em 2020. Não se trata de chute, são estudos nacionais da Fundação Getúlio Vargas apontando que o nível de investimento público representou 13,1% das despesas primárias no Ceará. Na prática, foram mais de R$ 1,4 bilhão em relação a 2018.

Bateu mais ricos – Com base em outro dado, o levantamento disponibilizado pela Secretaria do Tesouro Nacional (Sincofi/STN), o Ceará cumpriu todas as metas estabelecidas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), com aumento da Receita Corrente Líquida em 7,9%. Em 2018, o Estado também foi o segundo do País em investimentos absolutos, atrás somente de São Paulo. Quatro Estados ainda não apresentaram todos os seus relatórios referentes ao período. Quanto à vice-liderança do Ceará em volume absoluto de investimentos, Santana ressaltou que o Estado ficou atrás somente de São Paulo, “que tem uma economia muito maior do que a nossa”, e também informou que o Ceará, pela primeira vez na história, ultrapassou Estados mais ricos, como Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Outro parâmetro – O que pesou para o Ceará assumir essa liderança? “Eficiência da gestão fiscal do Governo nos últimos anos, com controle e acompanhamento rigoroso de todos os gastos públicos”, diz o governador, para adiantar: “Temos um grupo de secretários responsável por monitorar e acompanhar semanalmente, com muito rigor, os gastos do Estado. Isso nos permitiu ultrapassar o indicador de 2017, chegando a 15,20% da Receita Corrente Líquida estadual. É importante também destacar o resultado em números absolutos, apesar de que nem todos os Estados apresentaram os seus dados, mas o Ceará chegou a mais de R$ 3 bilhões em investimentos no ano de 2019”, explicou.

Saúde e educação – O Ceará continua investindo mais, ano a ano, em Educação e Saúde. Os gastos nas áreas prioritárias atingiram, respectivamente, 27,33% e 15,40% da RCL. O mínimo previsto na Constituição Federal é de 25% para Educação e 12% para a Saúde. “Isso significa que, numa conta rápida, para cada 1% que eu elevo desse gasto obrigatório, são R$ 174 milhões a mais de investimentos em duas áreas importantíssimas para a população cearense. O Estado investiu quase R$ 1 bilhão a mais em Educação e Saúde em 2018, além do que era obrigatório do Estado investir”, afirmou o governador.

CURTAS

OS PILARES – O crescimento da economia cearense, numa média de 2,37% no ano passado, superando a média nacional, se dá, basicamente, a partir de três pilares: investimento público, privado doméstico e capital estrangeiro. No caso do Brasil, que está com desequilíbrio fiscal muito grande, os investimentos públicos estão sendo cortados ou inibidos. Como o Ceará tem um bom equilíbrio fiscal, diferentemente de muitos Estados, esse componente é fundamental para atrair investimentos públicos e privados. Com isso, o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado aparece sempre com uma taxa superior à do PIB nacional.

EXEMPLO DE TERESINA – Não é Fortaleza, Salvador nem tampouco Recife que lidera o maior investimento em saúde pública na Região. É a pequena Teresina, capital do Piauí. Segundo levantamento do Conselho Federal de Medicina, Teresina também é a terceira nacional nesse ranking, de gasto com a saúde de cada habitante durante todo o ano de 2019. O valor aplicado na capital do Piauí chegou a R$ 590,71 por munícipe, ficando atrás apenas de Campo Grande, líder no ranking com R$ 686,56 em gastos per capita, e São Paulo – que ficou com R$ 656,91. Quando o ranking engloba apenas as capitais da região Nordeste, Teresina lidera no levantamento do CFM. Em segundo aparecem São Luís (R$431,19) e Natal (R$ 362,99). Fortaleza ganha, entretanto, para Recife e Salvador.

MAIORES E MENORES – Entre os mais altos valores per capita investidos em saúde pública estão os das duas menores cidades do País. Com apenas 839 habitantes, Borá (SP) lidera o ranking municipal, tendo aplicado R$ 2.971,92 para cada um dos 812 munícipes. Em segundo lugar, aparece Serra da Saudade (MG), cujas despesas em ações e serviços de saúde alcançaram R$ 2.764,19 por pessoa. Na outra ponta, entre os que tiveram menor desempenho na aplicação de recursos estão três cidades de médio e grande porte, todas situadas no Estado do Pará: Cametá (R$ 67,54), Bragança (R$ 71,21) e Ananindeua (R$ 76,83).

Perguntar não ofende: Quem será, afinal, o candidato de Bolsonaro a prefeito do Recife?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Mas afinal quem mandou matar Marielle Franco?

marcos

Eu quero vingar o golpe, Dilma Jumenta presidenta.

marcos

Lula o maior Ladrão do Brasil de todos os tempos. Fonte, justiça Federal.

Fernandes

Para membros do TCU, as falhas recorrentes colocam em risco a transparência do governo e serão monitoradas com fiscalizações futuras. KKKK

Fernandes

Credibilidade em Xeque: Governo Bolsonaro comete série de erros na divulgação de dados. Falhas na apuração da balança comercial, nos resultados do Enem e até em dados cobrados pelo TCU colocam em risco a transparência do governo. Os fake numbers - termo cunhado pelo colunista do Estado Pedro Fernando Nery em uma coluna sobre dados de desigualdade social - já comprometem a confiança nos dados oficiais do governo. Divulgar informações incorretas prejudica a reputação, gera desconfianças, compromete as análises das políticas públicas e econômicas e afeta o cotidiano dos brasileiros.



01/02


2020

Coluna do sabadão

O recado de Camilo à política do ódio

Na longa entrevista que me concedeu, ontem, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), deu uma lição de maturidade e discernimento político. Em nenhum momento, foi para a linha de confronto com o presidente Bolsonaro, embora filiado ao PT, principal partido de oposição. Sereno, adepto da cultura política da paz, vestido sempre de branco, modismo do ex-governador Eduardo Campos (PSB), Camilo diz que não se pode fazer política com o fígado e que o ódio é uma vertente má-conselheira.

“O que falta ao Governo Federal é abrir mais diálogo com os setores. Porém, creio que vamos amadurecer e tirar essa questão do ódio que existe na política e dar oportunidade para que as ideias sejam respeitadas e possamos construir consensos”, pregou, para acrescentar, em tom de conciliação: “Eu sempre defendo que a relação de governantes seja de diálogo. Divergências, nós temos. Não votei nele (Bolsonaro), questiono algumas posições do seu Governo, mas tudo precisa ser feito de forma respeitosa e na defesa dos interesses da população para que seja atendida primeiramente”.

E ainda completou: “Quando é eleição, você pode expor suas posições, mas o momento agora é de governar, de pensar no crescimento do Brasil. Aqui, por exemplo, o presidente da FIEC (Federação das Indústrias do Estado do Ceará) votou no Bolsonaro e eu tenho uma grande relação com ele. Então, respeitar as diferenças é construir o melhor caminho”. As ponderações do governador chegam na hora certa, porque o que se assiste em Pernambuco é justamente o contrário: um governador que briga e confronta.

E confrontar a União é sinônimo de burrice, de intolerância. Só quem sai perdendo com isso é a população. Reza aquele velho ditado, para ser mais preciso, de que a corda só arrebenta no lado mais fraco. Brigando e confrontando no grito, o Estado só tende a levar desvantagem. Por isso, os recursos federais têm escasseados tanto em Pernambuco, enquanto a Bahia e o Ceará são vistos a olho nu traduzidos nos verdadeiros canteiros de obras.

Derrota na terra Natal – Na mesma entrevista, chamou a atenção a simplicidade do governador. Vindo da sua Barbalha, onde tentou por duas vezes ser prefeito e não conseguiu, Camilo se revelou gestor por excelência como auxiliar do ex-governador Cid Gomes, tendo sido escolhido candidato do grupo Ferreira no final do prazo que envolveu uma ampla negociação com os partidos da base de Cid, irmão do ex-ministro Ciro Gomes, que disputou, mais uma vez, a Presidência da República, na eleição passada.

Postura diferente – Eudoro Santana, ex-parlamentar, ex-diretor-geral do Dnocs e ex-preso político, pai do governador Camilo Santana teve uma postura mais radical na campanha presidencial no Ceará. Chegou a gravar um vídeo em suas redes sociais pedindo votos para o candidato a presidente da República pelo PT, Fernando Haddad, deixando claro que não era petista nem tinha filiação partidária. Ganhou manchetes na época porque disse que Bolsonaro era um homem perigoso, uma ameaça à democracia.

Amor de filho – No dia dos pais, o governador Camilo Santana revelou no seu facebook o carinho pelo pai, sua inspiração política. “Costumo dizer que meu pai Eudoro é um jovem de 82 anos, tamanha sua disposição para viver e sonhar. Exemplo de força, coragem e retidão, ele tem sido minha maior inspiração como homem público e como pai. Nesta lembrança, na nossa casa no Cariri, eu tinha uns 11 anos, de camiseta exibindo os músculos (rsrs), ao lado do meu irmão Tiago, e papai com uns 43 anos. Em todo esse tempo ele tem estado assim, sempre do meu lado”. Te amo muito, papai! E te agradeço por tudo... Feliz dia para você e para todos os pais do nosso Ceará! Que Deus abençoe a cada um e suas famílias neste dia e sempre”.

O sanfoneiro – Aliado de primeira hora do presidente Bolsonaro, o pernambucano-alagoano Gilson Neto, presidente da Embratur, fez uma convocação tocando sanfona aos interessados para o ato de apoio à regularização do partido Aliança pelo Brasil, hoje, no Centro de Convenções, através de assinaturas presentes e online. “Vamos fazer o maior ato pela consolidação daquele que será o maior partido do País”, pregou, aprumando a sanfona num vídeo postado em suas redes sociais.

CURTAS

PAÍS DE LOUCOS – Em vídeo enviado à diretora do filme Democracia em Vertigem, Petra Costa, o cantor Chico Buarque afirmou que o Brasil, atualmente, é “um país governado por loucos”. Na mensagem, parabeniza a cineasta, que “soube captar, no calor da hora, com sensibilidade, com senso de oportunidade, os bastidores da cena política”. O filme foi indicado ao Oscar de 2020 na categoria Melhor Documentário. Chico destacou o período “principalmente a partir de 2014, quando os derrotados não aceitaram o resultado das urnas e, com apoio da classe política, da grande mídia, e pelo menos a complacência da Justiça, começaram a tramar contra o governo de Dilma Rousseff”.

PERNAMBUCO ATENTO – Medidas de proteção foram adotadas nos portos do Recife e de Suape, no Litoral Sul de Pernambuco, e no Aeroporto Internacional Gilberto Freyre/Guararapes, na Zona Sul da capital, por causa da crise global do coronavírus. Os terminais informaram que estão seguindo as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre higiene de trabalhadores e uso de equipamentos de proteção, como máscaras.

SEM CONFIRMAÇÕES – Por falar em coronavírus, o Ministério da Saúde informou, ontem, que o Brasil tem 12 casos suspeitos, mas nenhum confirmado. Cinco Estados estão com pacientes em investigação médica: Ceará (1), Paraná (1), Rio Grande do Sul (2), Santa Catarina (1) e São Paulo (7). O balanço que considerava os dados de até 12h de ontem incluiu um caso em Minas Gerais, Estado que apareceu na lista do Ministério. Com ele, o total de casos chegava a 13. Entretanto, durante a apresentação, o secretário-executivo da pasta anunciou que após a inclusão do caso na lista foi recebida a confirmação de que o paciente deu negativo para coronavírus.

Perguntar não ofende: Está certo o governador do Ceará em não levar o Estado que administra para o confronto com a União?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Coronavírus é para os fracos; no Brasil chegou o Bolsovírus que afeta o raciocínio e no ápice da demência faz a pessoa gritar mito, mito para qualquer idiota.

marcos

Porra Anemia, tu fica postando merda e com erro de português aí todo mundo sabe que é Fake Mortadela.

marcos

O que é egundo mortadela?

Fernandes

Coronavírus é para os fracos; no Brasil chegou o Bolsovírus que afeta o raciocínio e no ápice da demência faz a pessoa gritar mito, mito para qualquer idiota.

Fernandes

Tática Bolsonaro: Quando não souber como responder, xingue os jornalistas.



31/01


2020

Coluna da sexta-feira

Reação da economia melhora o NE

Não é versão de troncoso afirmar que a economia reage, apesar dos altos e baixos no Governo gerados pelo desequilíbrio mental do presidente Bolsonaro. Há setores que começam a gerar empregos e renda, entre eles a construção civil. No Nordeste, o número de novos empreendimentos aumentou 25,5% no apagar das luzes de 2019. Foram registradas 257.697 aberturas, segundo o Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian.

O acumulado de janeiro a dezembro mostrou a abertura de 2,9 milhões de empresas, com alta de 23,3% no ano. O volume de novos negócios foi maior, entretanto, na Região Norte, com aumento de 36,3%. Em seguida aparecem o Nordeste (27,3%), o Centro-Oeste (26,3%), o Sul (24,8%) e o Sudeste (24,2%). Entre os estados, o que apresentou a maior variação foi o Amapá, com 73,2%, seguido pelo Amazonas (59,9%) e Roraima (51,8%).

O Espírito Santo aparece em último, com alta de 15,1%. As sociedades limitadas foram as que mais cresceram, com alta de 50,9% - 22.622 em 2019 ante 15 mil no penúltimo mês do ano anterior. As empresas individuais apresentaram aumento de 7,4%, com 12.833 novos negócios no mês analisado e os demais portes registraram 15.498 aberturas no período. Os sinais de recuperação da atividade econômica ajudaram, inclusive, a frear a perda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo a última pesquisa Datafolha, a taxa de ótimo ou bom à sua administração oscilou 5% para mais. A taxa de reprovação, que tinha crescido de 30% para 38% em agosto desde a posse de Bolsonaro, agora recuou para 36%. Ainda segundo o levantamento, 43% acham que a economia vai melhorar nos próximos meses, contra 40% que pensavam assim na pesquisa anterior.

Mais shows e festas – A reação da economia se reflete também no segmento festivo do Nordeste. Conversando em Fortaleza com o cantor Waldonys, hoje o mais demandado na região, com uma média de cinco apresentações por semana, ele confessou que cresceu muito, nos últimos três meses, o número de contratação para shows não apenas dele, mas em geral. “Sinto isso com os mais variados artistas amigos”, disse, adiantando ser reflexo da política econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem considera um dos melhores da equipe de Bolsonaro.

Vai e vem – O presidente Bolsonaro recuou, ontem, pela segunda vez, da degola de Vicente Santini, o número 2 da Casa Civil. Ele já havia anunciado a exoneração do cargo de secretário-executivo da Casa Civil. O presidente não gostou de ele ter usado um voo da Força Aérea Brasileira para viajar à Índia. No mesmo dia, Santini foi nomeado para outro cargo na Casa Civil. Ele seria assessor especial da Secretaria Especial de Relacionamento Externo da Casa Civil. Santini recebia um salário bruto de R$ 17.327,65 mensais. No novo cargo, de categoria DAS 102.6, a remuneração prevista seria de R$ 16.944,90 (R$ 382,75 a menos).

Mau exemplo – As igrejas no Brasil deixaram de recolher R$ 420 milhões só com as taxas de INSS de seus funcionários, segundo a lista dos devedores da União disponibilizada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. No topo do ranking aparece a Igreja Internacional da Graça de Deus, do pastor Romildo Ribeiro Soares, com cerca de três mil templos espalhados em onze países. É bom lembrar que as igrejas em geral são isentas de uma série de impostos no Brasil.

Na liderança – O deputado Felipe Carreras, em maus lençóis no PSB desde que sofreu uma cassação “branca” do seu mandato por um ano, em razão do voto favorável à reforma da Previdência, comemorou, ontem, pesquisa da Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil, apontando Recife como a capital do Nordeste que teve a maior movimentação em 2019, com 8.638,608 passageiros, superando Salvador, que registrou 7.351,020 e Fortaleza, com 7.087.627. Carreras atribuiu o crescimento ao seu trabalho na pasta de Turismo. “Quando assumimos, Pernambuco perdia por cerca de 1 milhão de passageiros para a Bahia”, afirmou, em suas redes sociais.

CURTAS

SISTEMA TRAVADO – O Governo fez o maior balacubaco para comemorar o sistema de digitalização e modernização na emissão da carteira de identidade, mas o programinha deve ter dado algum pau ou travado na conexão direta com o Interior. Em São José do Egito, no Sertão do Pajeú, por exemplo, desde setembro não chegam por lá as carteiras já emitidas. Quando ainda funcionava nos moldes anteriores, sem acompanhar os avanços digitais, as carteiras eram entregues com maior rapidez a quem requeria. 

EM IPOJUCA – A direção do PROS em Pernambuco, sob a liderança do ex-deputado João Fernando Coutinho, tem investido em novos quadros de peso para estimular candidaturas a prefeito na Região Metropolitana e Interior. Até Ipojuca, a galinha dos ovos de ouro, cobiçada por qualquer gestor público pela sua baita arrecadação, o partido terá candidato próprio. O ungido é o advogado e biomédico Gledson Pimentel, recentemente empossado na presidência do diretório municipal da legenda.

PREFEITO REPROVA – O prefeito Geraldo Júlio reprovou a postura do secretário de Segurança, Murilo Cavalcanti, que expôs e provocou vexame à gestão municipal ao defender a legalização de drogas pesadas, como cocaína, em vídeo viralizado nas redes sociais. Em nome do segmento evangélico, representado por um eleitorado crescente na capital, o deputado Pastor Cleiton (PP), da base governista, postou na web um vídeo condenando a pisada de bola do auxiliar do prefeito. Murilo é a favor também do comércio legal do crack e da maconha.

Perguntar não ofende: Dá para se orgulhar de manter no primeiro escalão municipal do Recife um defensor da legalização de drogas pesadas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Agora tá explicado: Rita Lee diz que teve caso com Bolsonaro e que ele não era muito chegado na coisa. Por isso ele só anda com o Hélio Negão a tiracolo.

marcos

Leo Pinheiro em complemento de delação coloca mais um metro de pau no cu de Lula.

Fernandes

Agora tá explicado: Rita Lee diz que teve caso com Bolsonaro e que ele não era muito chegado na coisa. Por isso ele só anda com o Hélio Negão a tiracolo.

marcos

Boa noite queridas mortadelas, e aí vamos lançar Dilma Jumenta para presidenta só pra vingar o golpe.

Fernandes

Toda vez que o bicho pega ele vai para hospital”, ironiza Frota sobre Bolsonaro.