Padilha é inocente, o governo é ingênuo

 No fim de 2010, o atual ministro da Saúde, Alexandre Padilha, foi acusado de assinar uma certidão que atestava que uma ONG fantasman funcionava regularmente. Munida desse documento, a tal instituição fajuta arrancou R$ 3 milhões do Ministério do Turismo. Em dezembro, o Ministério Público Federal pediu à Justiça para arquivar o inquérito. Motivo: a assinatura de Padilha foi falsificada de forma tão grosseira – foi simplesmente escaneada – que seria difícil montar uma ação penal. Sobram duas lições do episódio: 1) Padilha é inocente; 2) é mole tapear o governo.(Época - Marcelo Rocha)

Publicado em: 23/01/2012