PF pede ajuda ao Coaf para identificar dinheiro do dossiê

Depois de ser acusada de lentidão nas investigações sobre a origem do dinheiro que seria usado na compra do dossiê contra candidatos tucanos, a Polícia Federal decidiu reagir. O delegado da PF Luiz Flávio Zampronha, coordenador da Divisão de Combate a Crimes Financeiros, foi hoje ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) cobrar informações sobre a origem dos recursos, segundo informa a repórter do Blog do Magno, Ana Silveira.

Como o Coaf é informado pelos bancos sobre saques acima de R$ 100 mil realizados em instituições bancárias, a PF acredita que poderá identificar onde a origem dos recursos com base nas informações do Conselho. No total, foram apreendidos R$ 1,7 milhões nas mãos de Gedimar Passos e Valdebran Padilha -- petistas acusados da compra do dossiê. Pouco mais de R$ 1 milhão eram notas em reais, e o restante, eram dólares.

A Polícia Federal promete recorrer ao FBI, nos Estados Unidos, para identificar como os dólares entraram no Brasil. Quanto as reais, a PF acredita que o dinheiro foi sacado em agências do Bradesco, BankBoston e Banco Safra.

Publicado em: 25/09/2006