Dossiê: PF pressiona Coaf pela origem do dinheiro

A Polícia Federal enviou hoje um ofício ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e ao Banco Central pedindo para agilizar a liberação do sigilo das agências bancárias em foi sacado o dinheiro que seria utilizado para a compra de um dossiê incriminando os tucanos. Os petistas Valdebran Padilha e Gedimar Passos foram presos no último dia 15 com R$ 1,7 milhão em um hotel em São Paulo, que seria dado em troca do dossiê.

De acordo com a Polícia Federal de Cuiabá, o Coaf prometeu dar uma resposta sobre as investigações ainda hoje. Uma entrevista coletiva está marcada para esta segunda-feira, em Brasília. Ainda segundo a PF, a origem do dinheiro deve ser elucidada até o final da semana. O inquérito, no entanto, só deve ser concluído após as eleições.

A PF aguarda autorização do delegado Diógenes Curado Filho para iniciar a investigação sobre o empresário Abel Pereira, citado nos depoimentos, e Oswaldo Bargas, ex-secretário do Ministério do Trabalho, que fará parte de um outro inquérito. As informações são do portal Terra.

A PF ainda está analisando a fita de vídeo do circuito interno do Hotel Ibis, de São Paulo, onde Valdebran e Gedimar foram presos. Os agentes querem verificar se encontram alguém conhecido que esteja entrando no hotel para entregar o dinheiro.

A Polícia Federal reforçou ainda que existe a possibilidade de ouvir novamente Valdebran. Caso ele mantenha a versão apresentada nos depoimentos anteriores, pode ser avaliada uma acareação com o empresário Luiz Antonio Vedoin, sócio da empresa Planam, considerado o chefe do esquema da máfia das ambulâncias. De acordo com a PF, os depoimentos dos dois são contraditórios.

Publicado em: 25/09/2006