Tarso Genro diz que oposição é golpista

O ministro de Relações Institucionais, Tarso Genro, voltou hoje a chamar a oposição de "golpista" ao tentar politizar a decisão do TCU (Tribunal de Contas da União) de investigar o governo sobre a confecção de cartilhas que foram distribuídas pelo PT.

"O que nós não podemos é admitir que um ato rotineiro do TCU seja usado de maneira eleitoreira ou rebaixada, de maneira golpista como estão fazendo alguns líderes da oposição", criticou o ministro.

Genro disse que a oposição está tentando "desconstruir" a soberania popular ao se aproveitar do episódio contra o governo. "O inaceitável é a tentativa de instrumentalização política do tribunal. É utilizada de maneira rebaixada por conveniência eleitoreira", enfatizou.

Segundo o ministro, o governo vai colaborar com as investigações do TCU. Tarso Genro afirmou que, desde a primeira auditoria realizada pelo tribunal, a Secretaria de Comunicação do Governo se mobilizou para corrigir possíveis irregularidades na elaboração das cartilhas. "A Secom tomou medidas antes das investigações preliminares", disse.

Genro afirmou que o trabalho do TCU deve ser respeitado pela competência técnica do órgão. "É um ato normal [do TCU]. No último ano do governo Fernando Henrique Cardoso, foram 902 tomadas de contas especiais pelo tribunal", disse.

Nesta quarta-feira, o TCU aprovou relatório que denuncia irregularidades na execução e destinação de cartilhas feitas a pedido do governo. O relatório diz que o governo não conseguiu comprovar R$ 11,7 milhões de gastos feitos pela Secom com a produção de cartilhas. O relatório diz, ainda, que há indícios de superfaturamento na confecção do material e de serviços não-prestados. O PT confirmou o recebimento de 929.940 cartilhas, que tinham propaganda do governo federal. Com informações da Folha Online.

Publicado em: 14/09/2006