Ministro nega irregularidades na Operação Mão-de-Obra

O Ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, negou hoje qualquer irregularidade em ação da Polícia Federal no caso das investigações no Senado da Operação Mão-de-Obra. ''Quero ressaltar o grande êxito da operação, que terminou brilhantemente'', disse.

A afirmação do Ministro vai contra a do Ministério Público Federal, que ontem disse que a operação foi fracassada devido ao aviso antecipado, por parte da PF, da realização de um mandado de busca e apreensão no Senado. O MP também cobrou explicações da polícia.

Márcio Thomaz Bastos criticou o ato e disse que o assunto tem que ser discutido de uma maneira ''fraterna e não pela televisão e pela mídia''. ''Isso tem que ser discutido entre as entidades que se incubem de combater o crime no Brasil. Quero lembrar que estão todos do mesmo lado - MP e PF combatem o crime. O nosso inimigo é o crime, não é uma instituição nem a outra'', afirmou o ministro, tentando minimizar o clima de rivalidade entre os dois órgãos.

Bastos também fez questão de lembrar que não recebeu nenhum pedido formal de explicações sobre o episódio, mas que quando receber, fornecerá os subsídios necessários. A Operação Mão-de-Obra deflagra fraude em licitações no Senado. Ao realizar o mandado, a Polícia Federal avisou ao presidente da casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), que por sua vez teria avisado ao Diretor Geral, Agaciel Maia - um dos principais investigados no caso. As informações são do Portal Terra.

Publicado em: 14/09/2006