Brasil vê decisão da Bolívia com "cuidado", diz ministra

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, disse nesta quinta-feira que o governo brasileiro olha ''com muito cuidado'' a decisão da Bolívia, de tomar as refinarias de empresas estrangeiras instaladas no País, como as da Petrobras. Segundo a ministra, o governo está preocupado.

Dilma informou que o presidente Lula solicitou ao ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau e ao assessor de Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, que entrem em contato com o governo boliviano. ''O que aconteceu é grave'', afirmou a ministra. Segundo ela, o governo considera que a decisão da Bolívia não está dentro dos acertos feitos anteriormente.

De acordo com a ministra, a questão anterior foi de nacionalização do petróleo e derivados. Agora está envolvendo bens da Petrobras. ''Há uma determinação do presidente Lula para que Rondeau e Marco Aurélio falem com o governo boliviano para saber qual é a posição. Achamos que o decreto não está adequado com as tratativas que vinham sendo feitas. Não posso dizer que houve uma quebra de confiança, mas o decreto não está adequado'', disse a ministra.

Segundo ela, o governo brasileiro precisa saber se a decisão foi uma posição do governo boliviano ou do ministério de Hidrocarbonetos. A posição da Bolívia não se coaduna com a posição anterior, não tem coerência com posições assumidas anteriormente. Queremos é saber qual a posição do governo boliviano'', afirmou Dilma. Segundo a ministra, o governo brasileiro deve ter até o final da tarde uma posição objetiva sobre a questão. Com informações da Agência Estado.

Publicado em: 14/09/2006