Prefeito de Carpina é vítima de injúria racial

O prefeito de Carpina, Manuel Botafogo (PDT), foi às redes sociais, hoje, para protestar contra comentários racistas que sofreu em uma publicação no Facebook, ontem. O gestor afirma que uma professora da rede municipal o associou a um macaco, caracterizando crime de injúria racial.

Em vídeo, Botafogo se pronunciou sobre o caso. “Neste dia 30, sofri um crime: racismo, pela professora Luciana Andrade Lima, que trabalha no Eliane Carneiro. [Ela é] uma aliada do senhor Joaquim Lapa e me chamou de ‘macaco’. Eu vou tomar todas as providências cabíveis dentro da Justiça. Todo mundo sabe que isso é crime inafiançável”, desabafou.

“A senhora estudou, não é nenhuma analfabeta. Tenho orgulho dessa minha cor e tenho respeito por todos os brancos. A senhora desacatou uma autoridade, [feriu] o direito do idoso e cometeu o crime de racismo. Que qualidade de educadora é a senhora?”, prosseguiu o prefeito.

Diante da ofensa, Manuel Botafogo foi à Delegacia de Polícia de Carpina, onde fez uma representação criminal contra a professora Luciana Andrade Lima. Há pouco, por meio de conta no Facebook, a suspeita se pronunciou sobre o ato.

“Jamais viria de mim a atitude de cometer um ato racista em consciência e com intenção. Mas, errei por ter me expressado de forma incoerente sim, sou humana e não nego minhas ações. Nem quando acerto e nem quando erro. Agora, revisando o ato e tendo o esclarecido perante a lei, vejo que cometi um erro que me passou despercebido e cobro de mim mesma mais atenção perante a internet”, escreveu.

“Estou bem, estou em paz, estou na minha casa e com a minha família, que me ama e com isso me alertou pelo que fiz, pela forma que me expressei com a minha indignação que sinto como educadora que luta pelos seus direitos. Em nenhum momento tive a intenção de ofender alguém. Sigamos em frente”, concluiu.

Publicado em: 30/09/2020