Dois candidatos com patrimônio elevado em Pernambuco

Houldine Nascimento, da equipe do blog

Em Pernambuco, as declarações de bens de dois candidatos de cidades distintas despertam atenção. Uma delas é do prefeito de São José do Belmonte, no Sertão Central. A cidade, famosa pela Pedra do Reino, imortalizada em texto pelo saudoso escritor paraibano Ariano Suassuna, é administrada pelo empresário Romonilson Mariano (PSB).

Na campanha anterior, ele já possuía um patrimônio vultoso, quando saiu vencedor das urnas: em 2016, totalizava R$ 2.001.199,19. Este ano, quando tenta a reeleição, Romonilson acumula R$ 12.392.605,42, conforme dados disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entre os bens declarados, está um apartamento de R$ 700 mil em Boa Viagem, no Recife. Em um comparativo, sua fortuna aumentou mais de R$ 10 milhões em apenas quatro anos. A quantia é bem maior do que a apresentada pelos prefeituráveis da capital pernambucana. O postulante do PSL, Carlos Andrade Lima, foi o que declarou ter maior patrimônio entre os que disputam a eleição majoritária recifense (R$ 4.929.766,49).

A população belmontense também reclama do gestor por aglomerações provocadas durante a pré-campanha, como em um ato realizado no último dia 10 de agosto, e na convenção que homologou sua candidatura, em 16 de setembro, na Escola Técnica Estadual Pedro Leão Leal.

Já em Surubim, no Agreste Setentrional, o vereador Josivaldo José, conhecido no município como Dr. Vavá (Republicanos) por ser advogado, está no terceiro mandato e tenta a reeleição. Ao TSE, declarou ter R$ 3.557.300 em bens, a maior parte em imóveis e terrenos.

Publicado em: 27/09/2020