Coluna da quarta-feira

Cenário confuso no Recife

A sucessão do prefeito Geraldo Júlio (PSB) no Recife está zerada, conforme levantamento do Instituto Opinião abaixo, que voltou a fazer pesquisa para este blog com exclusividade depois de uma paralisação por causa da pandemia do coronavírus. Parceiro do blog já na quinta eleição, Joaquim Braga, dono da Opinião, com sede em Campina Grande, se ausentou porque sua empresa não trabalha com pesquisa por telefone.

Diante desta situação, recorri ao Instituto Potencial, da Bahia, que fez pesquisas por telefone no Recife, Jaboatão e Olinda, em cima deste vácuo deixado pela parceira paraibana. Mas desde que voltou a fazer pesquisas presenciais, o Instituto Opinião, que nos deu uma margem histórica de 99% de acertos ao longo dos últimos 14 anos, renovou nossa aliança e passamos a publicar apenas levantamentos sob a sua responsabilidade.

Neste primeiro cenário traçado, algumas constatações óbvias: os percentuais de intenção de voto são muito baixos entre os candidatos. Marília Arraes (PT), que aparece à frente, não tem 20%, o que, diga-se de passagem, é muito ínfimo. Com as duas máquinas, a do Governo do Estado e a da Prefeitura do Recife, moendo em seu favor, João Campos, por sua vez, não chega a 15%.

Nos cenários de segundo turno, Marília, embora apareça na frente de todos, não tem ainda a segurança de que emplaca a eleição, que vai depender de muitos fatores, entre eles o X da questão PT, partido desgastado pelos escândalos de corrupção na era Lula e Dilma e que, no Recife, não está no palanque dela, mas agarrado aos cargos nos governos Câmara e Geraldo. Uma vergonha, para não dizer um comportamento escandaloso e imoral.

Já João Campos, embora tenha o maior exército de partidos aliados pedindo voto em sua aliança, vai enfrentar o desgaste da gestão PSB no Recife, rejeitada por quase metade da população, segundo a pesquisa. Isso sem falar que passará a campanha inteira se explicando sobre as seis operações da Polícia Federal na Prefeitura gerida pelo se padrinho, o prefeito Geraldo Júlio, que ganhou o troféu de “Hexa” em operações da Federal.

A pesquisa mostra, também, que João tem adversários competitivos na disputa pela segunda vaga no segundo turno, isso levando em consideração que Marília está na frente e, teoricamente, estaria com vaga assegurada na disputa final. São igualmente fortes, pela ordem da pesquisa, Mendonça Filho, do DEM, e a delegada Patrícia Domingos, do Podemos. Aliás, João, Mendonça e Patrícia têm praticamente os mesmos percentuais e fica impossível, a esta altura, ainda sem campanha o start da campanha, que só será dado no próximo domingo, saber quem vai se distanciar de quem nessa competição.

Por fim, é possível concluir, também, que o apoio de Daniel Coelho e do seu partido, o Cidadania, não agregaram em nada à candidatura da delegada, que aparece, numericamente, abaixo de Mendonça. A eleição no Recife promete muitas emoções, mas neste primeiro retrato do Instituto Opinião é inegável de que os quatro principais postulantes– Marília, João, Mendonça e Patrícia – são japoneses, ou seja, iguais em densidade eleitoral.

Apareceu patrimônio – Desde ontem, já é possível vasculhar a vida econômica dos candidatos a prefeito e vereador. Quem cresceu ou decresceu patrimônio. Em Ipojuca, a galinha dos ovos de ouro em arrecadação própria, a oposição já bateu o olho na declaração da prefeita Célia Sales (PTB). Segundo foi constatado, a trabalhista confirmou ter bens avaliados em R$ 1 milhão, tamanho do crescimento de patrimônio em relação a 2016, quando declarou à justiça eleitoral, no ato de registro da sua candidatura, não dispor de nenhum bem que chegasse a esse valor obtido em três anos e meio no poder.

Voto pelo celular – O Tribunal Superior Eleitoral lançou edital a fim de estabelecer parcerias com empresas que desenvolvam um sistema de votação online que possa ser usado pelo celular e sem sair de casa. A tecnologia será testada na eleição deste ano, mas com candidatos fictícios e em 2020 o voto seguirá na urna eletrônica. A ideia do TSE é que alguns colégios eleitorais de Curitiba (PR), Valparaíso de Goiás (GO) e São Paulo tenham estandes para testar a nova ferramenta no primeiro turno, em 15 de novembro. O objetivo é buscar formas de reduzir o percentual de abstenção e de diminuir o custo para realização das eleições. As parcerias serão gratuitas. As empresas interessadas deverão manifestar interesse ao tribunal entre 28 de setembro e 1º de outubro.

Inelegível – O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro formou maioria para proibir o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) de se candidatar a cargos públicos até 2026, em julgamento de duas ações em que o prefeito é acusado de abuso de poder e prática de conduta vedada. Dos sete integrantes do Tribunal, seis votaram pela punição. Um integrante pediu vistas e deve emitir seu voto na sessão de amanhã. Crivella já anunciou que vai recorrer da decisão, depois que o julgamento for concluído. Ele pode levar a decisão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Crivella respondia às ações devido a dois eventos promovidos pela prefeitura às vésperas da eleição de 2018. As ações foram julgadas em conjunto.

Moro que se cuide – Em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, a ministra Maria Thereza de Assis Moura, corregedora-geral do Conselho Nacional de Justiça, mandou um recado para o ex-ministro Sérgio Moro. Afirmou que a quarentena de juízes que queiram disputar cargos públicos precisa ser discutida. “É muito importante que esse tema seja regulamentado”, disse. A magistrada lembrou que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, defendeu um prazo de oito anos para que um juiz esteja apto a disputar cargo público após deixar a toga. “Eu acho que o amadurecimento dessa matéria pelo Poder Legislativo é muito relevante e merece um tratamento”, destacou.

CURTAS

RECUOU – A ministra Ana Arraes, do Tribunal de Contas da União, revogou uma medida cautelar que suspendeu o contrato da PF (Polícia Federal) com a empresa Planet Labs por imagens de satélite. Na última sexta-feira, a própria ministra havia publicado despacho determinando a suspensão do contrato recém-assinado pela Polícia Federal com a empresa. Na decisão de suspensão do contrato, a ministra havia afirmado que análise preliminar de técnicos do TCU teria mostrado que “a aquisição das imagens contratadas, em tese, não agregaria vantagem alguma que já não fosse oferecida pelo monitoramento desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, ou mesmo gratuitamente por outras entidades, podendo, eventualmente, configurar prejuízo ao erário federal”.

BOA NOTÍCIA – Motoristas em todo o País terão mais tempo até precisar renovar suas licenças para dirigir. O projeto que amplia o prazo máximo de validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de cinco anos para até 10 anos teve sua votação concluída, ontem, pela Câmara dos Deputados. O texto também permite acumular mais pontos antes de o infrator ter o documento suspenso pelas autoridades de trânsito, podendo chegar até a 40, dependendo do tipo de multa que receber - hoje o máximo são 20 pontos. Agora, só falta a sanção do presidente Jair Bolsonaro para se tornar lei.

Perguntar não ofende: Um prefeito com metade da população desaprovando a sua gestão tem condições de eleger o sucessor?

Publicado em: 22/09/2020