O novo Netinho é um milagre de Deus

Famoso internacionalmente como produto geração raiz da baiana axé music, o cantor Netinho, 54 anos, viu a morte bater à sua porta. Em momentos de aflição decorridos do drama terrível de saúde que enfrentou tentou por duas vezes se matar. Sua vitória sobre a morte se aproxima de uma lenda Fénix, o pássaro da mitologia grega que quando morria entrava em auto-combustão e, passado algum tempo, ressurgia das próprias cinzas.

Na live do blog ontem, Netinho chorou por várias vezes ao relatar o drama que enfrentou. Rompeu um silêncio de dois anos com a mídia nacional, da qual tem profundas mágoas. Contou as razões. Um jornalista, por exemplo, chegou a noticiar com destaque a sua morte quando havia se submetido a uma cirurgia para fechar uma válvula no cérebro, decorrente de três AVCs. 

O cantor também teve complicações no fígado e passou por uma cirurgia agressiva no intestino igual a que o presidente Bolsonaro se submeteu quando recebeu uma facada durante a campanha em Juiz de Fora (MG). O pós cirúrgico provocou depressão em Netinho. Na live, ele contou que tentou se matar.

Netinho é uma celebridade da axé music. Foi pioneiro como artista brasileiro a levar um trio elétrico montado fora do Brasil, em 1990, na Copa do Mundo da Itália. Também o primeiro a desfilar com um trio elétrico no Rio de Janeiro, na avenida Atlântica, em Copacabana, em 1992. Foi também o primeiro cantor baiano a gravar um CD ao vivo, dando início a uma série de lançamentos na mesma linha dentro da axé music.

Isso aconteceu em 1996 e o CD 'Netinho ao vivo' vendeu mais de 2,5 milhões de cópias. Netinho começou a fazer sucesso em 1986, com a Banda Beijo. Em 1993, partiu para carreira solo.Três anos depois, rodou o Brasil cantando seu maior sucesso: “Mila”. Em 2010, numa entrevista polêmica ao Fantástico, revelou que era bissexual. Netinho concluiu a gravação de um novo álbum e voltou a fazer shows pelo Brasil inteiro, mas teve que parar por causa da pandemia.

No campo político, mundo no qual confessou que era alienado no auge da sua carreira, passou a se identificar depois da eleição de Bolsonaro, a quem procurou ao ser informado que havia passado por uma cirurgia semelhante a sua. "Quando li, procurei uma amiga próxima à família do presidente e consegui fazer uma visita em sua casa para dar um depoimento que havia passado por igual procedimento e que ele ia ficar bem como eu. Lá, encontrei um homem simples, transparente, um político diferente", contou.

O cantor criou recentemente uma associação em defesa e propagação do Governo Bolsonaro e quando o presidente esteve em Aracaju gravou um vídeo mobilizando os apoiadores para receberem o presidente no aeroporto para inauguração da Usina Termelétrica Porto de Sergipe. Netinho tem se reunido com políticos bolsonaristas e chegou a se encontrar com o presidente em Brasília, em agosto, ao lado das deputadas federais Major Fabiana (PSL-RJ) e Carla Zambelli (PSL-SP).

Em seu perfil pessoal no Instagram, praticamente só publica assuntos relacionados ao presidente e ao Governo e descreve no seu perfil: “Pai, cantor, ativista político, bolsonarista, conservador, robô do GDO com CPF”

Publicado em: 22/09/2020