Michelle, encolhi o PG

Por Marcelo Tognozzi*

Um amigo poeta, nas horas vagas advogado dos bons, costuma parodiar o verso do seu colega maranhense Antônio Gonçalves Dias: a vida dá, nega e tira. Não sei se Paulo Guedes leu Gonçalves Dias. Provavelmente sim, porque estudou no Colégio Militar, onde se ensinava que Canção do Exílio inspirou Joaquim Osório Duque Estrada, letrista do Hino Nacional: “Nossos bosques têm mais vida, nossa vida mais amores”.`

O presidente deu a ele um superministério. O Congresso deu a reforma da Previdência. Passado pouco mais de um ano, os líderes do Congresso se negaram continuar negociando com Guedes. Semana passada Bolsonaro e os políticos do Centrão tiraram dele um naco gordo do poder de formular políticas públicas.

O agora ex-superministro foi reduzido a um burocrata de luxo, depois de perder as principais estrelas da sua equipe, sendo a mais brilhante delas o economista Mansueto Almeida.

Profissionais com anos de janela e couro duro como o líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR) e o senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator do Orçamento, estão tratando de viabilizar aquilo que Paulo Guedes não conseguiu colocar de pé por falta de criatividade ou de talento para lidar com os políticos: a continuidade da política social do governo.

Ministros guardiões das chaves do cofre não costumam ser bons políticos. Falam muito mais nãos do que sins. São zagueiros por instinto. Poucos conseguiram fazer política sentados naquela cadeira, como Getúlio Vargas e o ex-presidente Fernando Henrique com seu Plano Real. Guedes não é exceção; é regra.

O governo não tinha política social até começar a pandemia. Quem deu a ele esta política foi o Congresso ao aprovar o auxílio emergencial de R$ 600. Paulo Guedes queria pagar R$ 200, deputados e senadores pleitearam R$ 500 e Bolsonaro acabou batendo o martelo em R$ 600.

Quando os primeiros pagamentos começaram a pingar, mais da metade dos brasileiros desaprovava o governo. Hoje, a aprovação é de 49%. Já esteve em 52%, mas deu uma leve derretida quando Paulo Guedes anunciou que não tinha como manter o benefício sem tirar dos mais pobres para dar aos paupérrimos e pronunciou a palavra mágica: aposentados.

Bolsonaro nunca esteve tão irritado com Paulo Guedes e sua turma como nos últimos 15 dias. Há quem jure ter ouvido o presidente reclamar, com aquele jeitão Carlo Bronco Dinossauro, da incompetência e da falta de visão política do ex-superministro. Cada vez que Paulo Guedes abre a boca para falar de social, o eleitor belisca Bolsonaro nas pesquisas. Não está longe o dia em que o presidente vai chegar no Alvorada e falar para a primeira-dama: “Michelle, encolhi o PG!”.

A chapa vai esquentar ainda mais depois que a última pesquisa do PoderData mostrou que Lula e Sergio Moro empatam com Bolsonaro nas simulações de 2º turno. Na simulação do 1º turno, Bolsonaro tem 35%, mais que a soma de Lula (21%) e Moro (11%). Num cenário sem Lula, ele mantém os 35% (eram 38% em agosto) e Moro tem 13% (eram 10% em agosto).

A falta de sensibilidade política do ministro da Economia fica ainda mais evidente, quando praticamente todas as pesquisas internas de partidos, consultorias e agências de risco mostram os brasileiros mais preocupados com emprego e retomada da economia do que com saúde. E até agora não há um plano nacional de geração de postos de trabalho em curto e médio prazos.

Ele pouco pronuncia a palavra emprego, num país onde, até a pandemia chegar, havia 20 milhões almas de invisíveis; 10% da população. Um dé-ci-mo! Hoje, 67 milhões de brasileiros recebem auxílio emergencial e usam a maior parte do dinheiro para comprar comida, pressionando a demanda e jogando os preços para o alto, exatamente como escrevi no meu artigo publicado neste espaço dia 28 de março ao mencionar Keynes.

Paulo Guedes entende muito de economia e pouco de gente. A teimosia em impor sua agenda, seu mau humor e a incapacidade de fazer política o transformaram em elemento tóxico num governo inebriado pelo ópio da popularidade. O auxílio emergencial e o Centrão estão dando a Bolsonaro aquilo que Guedes tira dele quando fala em cortes e impostos.

O presidente e seu governo têm mais aprovação no Nordeste do senador Ciro Nogueira, dos deputados Artur Lira, Agnaldo Ribeiro e do ministro Rogério Marinho, do que no Sudeste. Não é por acaso que o Planalto entendeu ser a política social assunto para políticos e, por isso, a Paulo Guedes deve ser negado o direito a pitacos e palpites. O mercado com seus workaholics viciados em projeções e simulações já precificou a saída dele. O próprio reconheceu isso veladamente quando deixou escapar um comentário sobre a debandada no seu ministério.

Pelo ritmo e o rumo que as coisas tomaram, Guedes corre o risco de encerrar a carreira de ministro sozinho e isolado, igualzinho a Gonçalves Dias na sua agonia. No dia 3 de novembro de 1864, o poeta viajava a bordo do navio Ville de Boulogne, voltando da Europa onde por 2 anos tentou a cura, ou ao menos um alívio, para a sífilis que o consumia. Estava fraco, precisava de ajuda para caminhar, pouco comia. O navio naufragou de madrugada na costa do Maranhão. E o poeta, isolado num camarote abaixo da linha d’água, debilitado pela doença, foi esquecido ali. Passageiros, tripulantes e o capitão debandaram. Todos se salvaram, menos ele.

*Jornalista. Artigo publicado originalmente no Poder360.

Publicado em: 19/09/2020