Carta a um pai com 98 anos de amor

Papai, 

Neste dia universal da celebração dos pais, de joelhos faço uma oração em agradecimento a Deus pela longevidade do senhor. São 98 anos de uma vida retilínea, de muitas lições, de sacrifícios, de momentos muito mais felizes do que roubados pela tristeza, que infelizmente se fazem presentes no caminhar do dia a dia.

Eu sei que o tempo tingiu seus cabelos de branco, enrugou a sua face, fez seu caminhar lento, sua memória fraca e até seu falar no tom, ritmo e compasso. Mas não nos roubou a convivência, a sua presença sempre a iluminar a vida dos seus nove filhos como um farol, o vaga-lume que clareia a escuridão das noites sertanejas.

Que pena que hoje, vindo eu de tão longe, a debilidade natural de uma vida quase centenária como a sua não permita que leia ou ouça tudo que tenho para lhe dizer. Às vezes, o senhor já nem me reconhece, logo o senhor, que tanto se emocionou a cada texto feito e lido em voz alta por mim, seja num cântico ao Sertão ou mesmo de agradecimento à vida que o senhor me deu, na qual procuro perpetuar o seu legado.

Só resta então abraçar teu corpo magro e beijar a tua face sempre perfumada. Isso vale mais do que mil palavras brotando do coração. Mas se as letras sempre nos serviram de alento para amenizar a saudade de um pai que fincou seus pés na terra seca do Sertão e dela nunca saiu, nem no último pau de arara, e um filho que ganhou o mundo, gostaria de dizer que o senhor é um homem como nenhum outro. 

Me deu a vida, me alimentou, me ensinou, me vestiu, lutou por mim, me segurou, gritou comigo, me beijou, me ama incondicionalmente. Um pai presente como o senhor sempre foi é a luz que guia o peregrino durante sua longa jornada, ajuda a escolher o melhor caminho, oferece o conforto e calor, dá abrigo e segurança nos momentos mais difíceis da vida.

Reconhecer essa luz é a recompensa maior que o senhor pode receber de um filho em mais um Dia dos Pais. Obrigado, pai, por ser a luz presente em minha vida e por me fazer compreender a importância de eu ser a luz na vida de meus filhos.

O senhor não é apenas meu pai, mas também meu melhor amigo, meu mestre e o grande amor da minha. Gosto muito de uma música de Roberto Carlos que o senhor também enchia os olhos de lágrimas de saudade do seu pai, meu querido avô Augusto Cerquinha, um sapateiro que usou a sua arte como meio de vida na criação sacrificada de 15 filhos. "Eu já lhe falei de tudo, mas tudo isso é pouco diante do que sinto. Olhando seus cabelos, tão bonitos, beijo suas mãos e digo: meu querido, meu velho, meu amigo".

Eu queria, por fim, te dizer, meu pai, que continuo no meu ofício de jornalista e cronista a escrever tua história, que tem emocionado muito meus leitores, mas eu poderia escrever milhões de páginas e continuaria sendo incapaz de dizer o quanto eu o amo! Amor de pai exala cheiro de pétalas vermelhas. Descobri o que é amor de verdade depois que fui pai. Amor de pai só sabe quem sente o calor dele ao seu lado, amor esse que não apaga nem mesmo quando às vezes esquecemos dele.

Publicado em: 09/08/2020