Liberdade de expressão

Por José Nivaldo Junior*

O período da caça às bruxas representa um dos momentos mais terríveis da história. No meu livro Maquiavel, O Poder (sem modéstia, pode chamar de best-seller internacional, conto mais sobre isso qualquer dia desses) dedico um capítulo a esse momento sombrio. Quando milhares de mulheres foram perseguidas, torturadas e assassinadas das formas mais cruéis, frequentemente na fogueira, depois de passarem por tormentos horríveis. Pelo crime imaginário de serem bruxas, de terem parte com o demônio, por aí.

O direito de exprimir opiniões, livremente, foi uma conquista da civilização. Custou milhões de vidas ao longo de séculos. Não é um legado para ser tratado com desdém nem desafiado como se insulta um vizinho numa briga de condomínio. É o bem mais valioso da humanidade. E a imprensa é o seu principal instrumento garantidor.

Quem ameaça ou tenta intimidar a imprensa através de qualquer tipo de pressão, está aderindo às práticas ditatoriais mais hediondas. Você, caro leitor, não dê de ombros, já que você não é jornalista nem está sendo processado ou intimidado por ninguém. O desrespeito à liberdade de imprensa é uma ameaça direta à sua própria liberdade. Conhecem a parábola do pastor no nazismo?

Um dia, a SS levou os judeus, o pastor não era judeu, ficou calado. Depois foram ciganos, homossexuais, comunistas, padres católicos. O pastor nada tinha a ver com isso, ficou calado. Quando começaram a prender os pastores e o levaram nenhuma voz se levantou para defendê-lo.

Vida pública é opção.

Ninguém é obrigado a se tornar figura pública, principalmente a entrar na política. Fala-se muito mal dos políticos porque os maus, os que chamo de laranjas podres, contaminam a imagem dos demais. Política é vida de sacrifício. A começar pela perda da privacidade. A vida pública, como o nome não deixa margem para interpretações, é pública. Está à disposição de todos. Até mesmo em aspectos privados, de intimidade, que, quando se trata de uma pessoa comum, divulgar é invasão de privacidade e baixaria. Para alguém da política, privacidade só no ambiente familiar. Ou entre quatro paredes.

Imprensa vigilante está a serviço da sociedade. É os seus olhos e ouvidos. Questionar os poderosos é missão. É sacerdócio. É juramento sagrado de quem honra a difícil profissão que abraçou.

Magno Martins, como todo ser humano, tem qualidades e defeitos. Muito mais qualidades. Entre elas, a coragem cívica de, como pequeno Quixote sertanejo, enfrentar os moinhos de vento mais poderosos. Ousando transformá-los muitas vezes em casas de papel.

Tenho profundo respeito pela história do PSB e pela figura do prefeito Geraldo Júlio. Temos ocasionais visões divergentes sobre política e administração, mas trata-se de uma pessoa que, sem gozar de intimidade, gosto e respeito. Por isso, só posso atribuir a um mau momento ou um mal conselho essa decisão de processar Magno Martins.

Sempre espero que os erros sejam reconhecidos. O dos outros e os meus. Errar é humano. Permanecer no erro é diabólico, aprendi com os Maristas no Pio XII de Surubim, 50 e muitos anos atrás.

O PSB e o prefeito Geraldo Júlio não merecem se juntar no lixo da história com torturadores, censores, opressores, ditadores, milicianos, tiranos de fancaria, enfim, com toda essa categoria de gente que acha liberdade bonito no discurso ou quando não incomoda o seu próprio jardim.

*Advogado, historiador, estrategista em comunicação política e institucional e membro da Academia Pernambucana de Letras

Publicado em: 04/08/2020