Paulinho da Força é alvo de ação contra crimes eleitorais

O deputado federal e presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, disse que suas contas das campanhas das eleições de 2010 e 2012, investigadas em operação da Lava Jato contra crimes eleitorais, foram aprovadas pela Justiça Eleitoral. Ele também afirmou que desconhece os fatos apurados.

“Caso os mandados digam de fato respeito a alegado caixa dois dos anos de 2010 e 2012, a partir da delação da JBS, conforme notícias veiculadas, o Deputado lamenta o ocorrido na data de hoje tendo em vista que já são passados 10 anos desde os fatos apontados, sendo que suas contas das eleições de 2010 e 2012 foram aprovadas regularmente pela Justiça Eleitoral”, diz a nota.

Paulinho é alvo de uma operação deflagrada pela Polícia Federal e Ministério Público Eleitoral na manhã de hoje. Os agentes fazem buscas no gabinete e no apartamento funcional do parlamentar em Brasília e na sede da Força Sindical, à qual ele é ligado, em São Paulo. Ao todo, são sete mandados de busca e apreensão nas duas cidades.

Também foi determinado o bloqueio judicial de contas bancárias e de imóveis dos investigados, em decisão que partiu da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo.

De acordo com as investigações, foi constatada a existência de indícios do recebimento de doações eleitorais não contabilizadas durante as campanhas eleitorais dos anos de 2010 e 2012, no valor total de R$1,7 milhão. Os indícios foram identificados, por exemplo, por meio da quebra de sigilos bancários, do intercâmbio de informações com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e de testemunhos de pessoas relacionadas aos fatos.

Segundo o Ministério Público Eleitoral, os pagamentos teriam ocorrido através da simulação da prestação de serviços advocatícios e também com o pagamento de valores em espécie através de doleiros contratados. O escritório de advocacia supostamente envolvido na simulação da prestação de serviços tinha como um dos seus sócios o genro de Paulinho da Força.

A assessoria de imprensa do parlamentar informou em nota que Paulinho da Força "desconhece os fatos apurados" e que "suas contas das eleições de 2010 e 2012 foram aprovadas regularmente pela Justiça Eleitoral".

Publicado em: 14/07/2020