Lá se foi o salvador das minhas broncas

A Covid-19 fez ontem mais uma vítima bem próxima ao meu universo de relação profissional: o competente advogado Djair Pedrosa, 82 anos, que trabalhou grande parte da sua vida para o Grupo EQM, liderado pelo empresário Eduardo Monteiro, proprietário de usinas e da Folha de Pernambuco.

Trabalhei para o mesmo Grupo em três empresas: Diário de Pernambuco, Jornal de Brasília e na própria Folha. Nesta, Djair passou a ser uma figura mais próxima a mim pelos processos que foram se acumulando no meu lombo por políticos que não gostam do jornalismo verdadeiro, só o bajulativo. Cansei de vê-lo entrando na redação, me chamar num cantinho em particular e dizer: "Mais um". Eu já entendia o linguajar.

Mas em seguida, ele dizia: "Isso é bronca safada, a gente resolve". E resolvia mesmo. Djair me salvou até em processos judiciais em Brasília quando atuei no Jornal de Brasília pela segunda vez, sob o comando de Eduardo Monteiro. A primeira se deu quando saí do Correio Braziliense no final dos anos 80, tendo como editor André Gustavo Stump, que mais tarde, por surpresas que a vida proporciona, passou uma temporada no Recife editando o Diário de Pernambuco.

Dei muito trabalho a Djair. Quando meu telefone tocava e ouvia a sua voz já sabia do que se tratava. "Rapaz, você agora entrou numa enrascada grande", disse, certa vez, quando fui processado pelo presidente dos Diários Associados, Paulo Cabral. E tinha razão. Cearense da boa cepa, Cabral já foi um dos mais poderosos da mídia impressa brasileira. Naquela época, além de rádios e TVs do grupo criado por Chateubriand, detinha o controle de quatro jornais poderosos: Correio Braziliense, Estado de Minas, Diário de Pernambuco e o Jornal do Comércio, este do Rio de Janeiro.

Ele me processou por causa de uma série de reportagens que assinei no Jornal de Brasília tendo como enredo a ação judicial movida contra ele por Gilberto Chateubriand, um dos herdeiros de Chatô, que morava no Rio. Filho de Assis Chateaubriand, Gilberto possui a maior coleção de arte brasileira, em torno de sete mil obras.

Cedida em comodato para o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro a partir de 1993, a coleção tornou-se acessível permanentemente ao público e vem sendo mostrada com regularidade também em outras instituições do Brasil e do exterior. Gilberto processou Paulo Cabral por se sentir no direito de fiel e legítimo herdeiro do espólio do pai. Fiquei duas semanas no Rio indo ao fórum diariamente para entender o calhamaço das reclamações judiciais.

Gilberto usou termos agressivos que me levaram à raiz da origem da briga e isso acabou rendendo três páginas seguidas de uma reportagem assinada por mim no Jornal de Brasília que me renderam três processos: injúria, difamação e criminal. Vi o inferno bater à minha frente, porque Cabral era temido por todos, até pelos togados. Muitos me diziam que iria ver o sol nascer quadrado.

Além de Djair, dois advogados do Jornal de Brasília me defenderam até o processo caducar com a morte de Paulo Cabral. Escapei por um triz, como se diz. Mas eu também tinha as provas em mãos, em cima da acusação processual e uma entrevista gravada com o próprio Gilberto, um homem inteligente e destemido, que movia ódio mortal contra o presidente dos Associados por entender que tinha direitos de herança do patrimônio de Chateubriand como herdeiro e que Cabral ignorou a vida inteira.

Djair era tão próximo a Eduardo Monteiro que as vezes se comportava como pai. Nele, Eduardo confiava cegamente. Fumava feito uma caipora, contador de bons causos, abre uma lacuna no universo jurídico e na academia do bom Direito Processual. Dentre os três filhos, deixa como herdeiro Djair Filho, com quem convivi pouco, mas tão dócil, agradável e competente como o pai.

Que Deus abra as portas celestiais em grande estilo para o grande Djair!

Publicado em: 13/07/2020