Geraudo Covid proíbe o Oceano Atlântico

Se você mergulhar no Oceano Atlântico em Boa Viagem, será preso em primeiríssima instância por sua excelência um guarda geraudinho, eis o mote da cantoria do bicho-grilo Adalbertovsky. “Ao mesmo tempo você está liberado para mergulhar nos formigueiros humanos do metrô e dos ônibus. Também poderá consumir os odores, as catingas e os cheiros dos fregueses nas megas lojas tipo Atacadão e Ferreira Costa. Impossível entender a lógica de Geraudo Covid de liberar o mega comércio e proibir o micro comércio de restaurantes e lanchonetes”.

“Navegar na pista dos parques, onde o oxigênio circula livremente sem pedir licença ao prefeito Covid nem ao secretário João Epaminondas Braga, isto nem pensar. Recife, capital do Nordeste, zil-zil! Isto é passado. O novo lema é o seguinte: Recife, capital das lendárias operações da Polícia Federal”.

“O amor nos tempos do cólera”, do genial Gabriel Garcia Marques, o Coronel Buendia lançava tiros de canhão nos ares para exterminar o vibrião colérico. O prefeito Geraudo Covid proíbe o Oceano Atlântico com medo do Coronavirus. Geraudo Covid é o novo Coronel Buendia. Um passarinho me contou que neste tempo de operações da PF e respiradores, Joãozinho da mamadeira e Geraudo Covid estão se estranhando. Joãozinho é genista e Geraudo é mandão.

“A mando de governadores e prefeitos arbitrários, micros ditadores de quarteirão agem de modo deliberado para aterrorizar pequenos e médios empresários e torturar a economia. DNM – ditadura nunca mais, é slogan politicamente correto, a menos que seja a ditadura do AI-Covid19”. O sermão do bicho-grilo Adalbertovsky está postado no Menu Opinião, na moral.   

Publicado em: 13/07/2020