MPPE recebe denĂșncia de irregularidades no Creed

EXCLUSIVO

Houldine Nascimento, da equipe do blog

A Associação Nacional da Advocacia Criminal em Pernambuco (Anacrim-PE) solicitou ao Ministério Público do Estado (MPPE) que investigue possíveis irregularidades no Centro de Reeducação da Polícia Militar de Pernambuco (Creed), localizado em Abreu e Lima, no Grande Recife. Antes notabilizada pela qualidade de suas instalações, a unidade voltada a PMs infratores hoje é alvo de denúncias em razão da precariedade da infraestrutura e por ações atribuídas ao seu diretor, o tenente-coronel José Quintino Guimarães Neto.

O Blog recebeu com exclusividade o ofício enviado ao MPPE, assinado pelo presidente da Anacrim-PE, Eduardo Araújo; pelo titular da Comissão de Assuntos Penitenciários da Associação, Raimundo Albuquerque; e pela presidente da Comissão de Direito Penal e Administrativo Militar da Anacrim local, Raquel de Melo.

Sobre o atual diretor do Creed, José Quintino Neto, pairam suspeitas de coação e assédio contra as policiais militares que atuam na unidade prisional. “O efetivo feminino lotado no Creed é vítima constante de assédio moral e coação. Segundo relatos, muitos policiais foram e estão sendo afastados do serviço militar para acompanhamento psiquiátrico”, traz o ofício.

Outra denúncia diz respeito ao descumprimento de medidas de proteção contra o novo coronavírus ao promover palestras e expor o efetivo à contaminação, indo de encontro ao decreto do próprio Governo do Estado. “O citado agente público [em referência ao diretor José Quintino Neto] vem determinando que o efetivo continue a proferir palestras que fogem das atividades fins do serviço de polícia com mais de 07 (sete) pessoas em ambientes propício para a proliferação do corona vírus (sic)”, detalha.

A Anacrim-PE também pede para que o MPPE apure a cobrança de uma cota financeira a quem trabalha no Creed para reformas pontuais nas instalações. A Secretaria Defesa Social de Pernambuco – responsável pelo Centro de Reeducação da Polícia Militar – recebeu diversas denúncias entre os meses de março e abril, como atestam documentos enviados ao Ministério Público estadual.

Além disso, a ouvidoria da SDS-PE foi contatada sobre o uso particular de viaturas por parte do chefe da Divisão Administrativa, major Cleiton Rodrigues da Silva.

INSTALAÇÕES PRECÁRIAS – Imagens anexadas ao ofício apontam diversas falhas estruturais, em ambientes como refeitório, cozinha e alojamentos. As fotos também revelam a precariedade da rede elétrica, que está “por um fio de uma pane geral”, como descreve o documento, e alertam para a séria possibilidade de incêndio e o consequente risco de morte dos presos.

O ambiente insalubre, por sua vez, assusta, tanto na cozinha quanto na área externa, com acúmulo de água suja e até galinhas percorrendo o exterior da unidade. Também não há pronto atendimento para os internos, segundo a denúncia, o que fere a Constituição Federal.

Publicado em: 08/07/2020