Depois de ontem o mundo serĂ¡ outro

Por Weiller Diniz*

Brasileiro, ambicioso por tatear a divindade, imita as penitências da mitologia grega. Desde sempre está condenado ao malogro, forçado –como Sísifo– a recomeçar. Por alguma força inapelável, de um tribunal irrecorrível, o cidadão brasileiro médio resvala a indigência e frustração diariamente. Não há retrospecto de êxitos que justifiquem a alegria e solidariedade. É uma sentença, aparentemente, imutável contra o mito acocorado.

Açoitado por reincidentes crises econômicas, humilhado pelo eterno desemprego, rebaixado pela pobreza, traído reiteradamente pelos eleitos, o brasileiro é um clandestino amotinado na história. É a alma desnutrida dos navios negreiros, o ranger fantasmagórico das correntes, o grito de dor, o barro ensanguentado das senzalas e dos grilhões. É um pária da humanidade, o elo perdido, o desalinho de Tordesilhas, o aluno da cartilha torpe que embaralhou letras e número. É A, é I, é 5. Não distinguimos sonho de ilusão.

O brasileiro é o herdeiro bastardo das donatarias, da realeza impura e acovardada, a hemorragia dos filhos da tortura e dos facínoras do Estado. É a nódoa do aviltamento, o pato, expropriado ciclicamente. É a mentira das falsas revoluções, a cegueira da censura, a vertigem de revoltas vãs, os milagres invisíveis, a luminosidade das sombras das cavernas, do desterro involuntário, enfim o dispensável. Mastigados pela história, encaramos maior crise global com uma fadiga primitiva, acorrentado à calamidade tão íntima.

Aos brasileiros, diariamente insultados pela inépcia obscurantista dos governantes, não sobrou espaço para alargar a indignação. Apenas o silêncio desamparado do confinamento, a vastidão solitária da quarentena, a elegante sinfonia metálica das panelas e uma intraduzível vergonha, devastadora, extrema, inumana e sepulcral. Os olhos desesperançados, diante de expectativas funestas, são testemunhas incrédulas do negacionismo presidencial por quase um mês, até atingirmos 2 mil infectados.

A pandemia resultará em uma nova ordem mundial em todas as atividades humanas. Da arte à ciência, da religião à economia. O processo imporá a redefinição de estratégias econômicas, rediscussão de valores humanitários, reavaliação das lideranças políticas e um novo ordenamento das prioridades da civilização. Tudo e todos estarão em xeque nos próximos dias.

O coronavírus abalou, indistintamente, as sociedades melhor estruturadas e as economias mais robustas do planeta. O estrago provocado pela epidemia não distinguiu PIB, política, ideologia, renda, credo. Muitas serão as perdas humanas, econômicas e sociais, notadamente entre as economias mais debilitadas e nações com menor índice de desenvolvimento.

O primeiro modelo a ser questionado será o liberalismo econômico e o conceito de estado mínimo. Desde os EUA –síntese do capitalismo– até o partido comunista da China e trafegando pelos sociais democratas do continente europeu, todas as ações reforçam a convicção de que só os Estados podem responder a crises dessa magnitude. A disritmia do capitalismo é inevitável após meses de profunda recessão, ou depressão. Haverá a fatura econômica, mas a civilização avançará.

As tragédias forjam inflexões. Assistiremos o renascimento da civilização com mudanças radicais de paradigmas e comportamentos. Veremos a otimização da vida, valorização dos serviços públicos, notadamente saúde e educação, um novo senso de solidariedade, a prevalência do altruísmo contra o hiperindividualismo, a preponderância da coletividade, a primazia da ciência contra o obscurantismo, o aumento da credibilidade das instituições e sua capacidade saneadora contra velhos e novos problemas.

Governantes inerentemente ruins serão varridos, mas as instituições –taticamente atacadas– sobreviverão mais fortes e sólidas. Será o renascimento do papel do Estado em detrimento doutrina estéril do mercado, da autorregulação e o banimento de barreiras regulatórias desnecessárias. Antes da crise, o que o dogmatismo econômico sustentava ser impossível, tornou-se exequível em minutos.

A qualificação e eficiência vencerá a impostura. A distribuição de renda e a desigualdade terão protagonismo em todos os debates mundiais. Agilidade nas decisões, com a recorrência de legislar remotamente, mantem os eleitos próximos das legítimas pressões da sociedade. Longe dos palácios e dos lobbies poderosos.

O triunfo da verdade contra mentira e a dissimulação, a ressurreição da credibilidade e qualidade da informação dos veículos comunicação contra fakes, trapaças e robôs. Crescem a afeição, a interação pessoal, a celebração da vida em coletividade, em parques, jardins, campos etc.  Entraram em baixa o consumismo, a individualidade, as inúteis polarizações e a mediocridade. Depois de ontem o mundo será outro e mitos irão ruir.

*Jornalista

Publicado em: 31/03/2020