Por Recife, PSB abandona os soldados no interior

Blog do Carlos Britto

“Por que não?” Foi essa a resposta do governador Paulo Câmara em sua última visita a Petrolina. Mesmo saindo pela porta, sem querer continuar a conversa, foi assim que o governador respondeu à pergunta da imprensa em uma coletiva atropelada, quando questionado se o PSB teria candidatura própria na cidade.

Isso não era a reposta esperada do líder do maior partido em Pernambuco, que elegeu o governador duas vezes em primeiro turno, elegeu 70 prefeitos em 2016, e que tem o forte senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) como líder da oposição.

“Por que não atacar a principal base de FBC, Petrolina? Por que não retornar o comando da cidade mais importante do sertão? Por que não fortalecer uma candidatura para dar sustentação à sucessão do governador em 2022?” disse um observador político.

Paulo Câmara nunca disse que o PSB não teria candidato em Petrolina, mas também nunca disse que sim. Nem ele, nem Sileno Guedes, presidente estadual da legenda.

Esse silencio cumplice da dupla pode ser o motivador do grito que deu, nesta quinta-feira, o deputado estadual Lucas Ramos que leva o passivo de ser um dos poucos defensores do governador e tinha como único ativo ser o elo do PSB com a principal cidade do sertão.

Se o governador e o PSB só enxergam os interesses do Recife até se pode entender, mas abandonar um soldado leal a própria sorte parece uma covardia monumental. Se na política vale tudo à palavra honra não deveria nem ser pronunciada nesse meio.

Publicado em: 28/02/2020