Compesa sem comando

Com apenas sete meses à frente da Compesa, a presidente Manuela Marinho já está de férias. Emendou o carnaval e só deve aparecer na empresa após a primeira semana de março.

Com processo de abertura de capital em andamento, obras importantes paralisadas e modelo de gestão sem nenhum monitoramento, a estatal sofre duros golpes em sua governança e padece sem sua principal executiva, que mesmo sem completar o período aquisitivo de um ano, já usufrui deste benefício. Se não for ilegal é no mínimo imoral. 

A quem interessa esse desmantelamento de uma das melhores empresas de saneamento do país em ano eleitoral?

Publicado em: 28/02/2020