Salvador também estimula ocupação do Centro Antigo

Na minha passagem por Salvador, um projeto muito interessante me chamou atenção: a revitalização das ruas do centro com uma proposta de humanização. O laboratório de tudo foi a  Rua Miguel Calmon, uma das mais conhecidas e movimentadas da capital baiana. A requalificação durou 10 meses, alinhada ao foco principal do programa #vemprocentro, que tem como objetivo promover a ocupação nessa área da cidade.

"A Rua Miguel Calmon  faz parte desse legado de intervenções urbanísticas que estamos fazendo, diz o prefeito ACM Neto (DEM). Com ares de vida nova e atrativa, a via fica ao lado da sede da Associação Comercial da Bahia (ACB), um dos prédios mais antigos e opulentos da cidade, com a mesma idade da sua descoberta.

Na prática, o programa  é um convite para que os soteropolitanos passem a frequentar mais o Centro da cidade. De certa forma, traz mais cor, mais vida, mais energia, com música, esporte e entretenimento para todas as idades.

Reúne no mesmo lugar atrativos da culinária baiana e uma programação diversificada. O programa inclui melhorias na pavimentação, serviços de macro e microdrenagem nas ruas revitalizadas, com ciclovias. 

No caso da Rua Miguel Calmon, a ciclovia tem 1,1 km e vai das proximidades do Mercado Modelo até o Plano Pilar, com piso intertravado na Praça Riachuelo. Além disso, o um novo mobiliário urbano foi instalado e 91 novas árvores foram plantadas no percurso. 

As árvores incluem espécies de médio porte e devem garantir o sombreamento na rua, especialmente nos pontos de descanso que ganharam bancos. 

Nas calçadas, foi implementado o concreto lavado com detalhes em pedras portuguesas, itens de acessibilidade como rampas, piso tátil e passagem de pedestres. A iluminação agora é com lâmpadas em LED.

As mudanças na Rua Miguel Calmon, na verdade, fazem parte de um projeto maior: o Ruas Completas, que é uma iniciativa conduzida nacionalmente pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e pelo World Resources Institute (WRI), em parceria com o Instituto Clima e Sociedade. 

Segundo o WRI, Ruas Completas são aquelas que são desenhadas para dar segurança e conforto a todas as pessoas, independente da idade e do modo de transporte utilizado. A primeira rua atende o padrão de acessibilidade, mobilidade e sustentabilidade.

Só na Miguel Calmon, que virou um novo cartão postal da cidade, foram investidos R$ 4,8 milhões, com recursos de financiamento contratado junto à Caixa Econômica Federal.

"O conceito é construir uma cidade para as pessoas, possibilitar espaços para as pessoas, atesta o vice-prefeito e secretário municipal de Obras, Bruno Reis, já escolhido como candidato a prefeito e anunciado por ACM Neto. Bruno é pernambucano de Petrolina e foi morar em Salvador ainda garoto.

Em todo o Centro Histórico, os recursos previstos para o programa chegam a R$ 300 milhões, valor que engloba obras já concluídas, como a requalificação da Praça da Inglaterra e o Hub Salvador, além de outras que ainda estão em andamento, como a reforma da Praça Marechal Deodoro e do Elevador do Taboão. 

Para incentivar mais a ocupação da área, até o final deste ano, 80% dos órgãos municipais serão transferidos para o Comércio. O #vemprocentro prevê, ainda, o estímulo a moradias no Comércio.

ACM Neto já autorizou e assinou também a ordem de serviço para a restauração da Casa dos Azulejos, que vai abrigar o futuro Museu da Música. Com isso, a ideia é  desencadear novos bares, restaurantes, agências bancárias, salões de beleza e tantas outras coisas que completam uma ampla cadeia de ativação econômica. 

Para o presidente da Asssociação Comercial da Bahia, Mário Dantas, a requalificação da Rua Miguel Calmon ajuda a valorizar o bairro. O prédio da entidade é um dos mais tradicionais da via. “Dinamiza a economia da cidade para gerar mais emprego", avalia.

Entre os trabalhadores da região, a inauguração teve um saldo positivo. Para a vendedora de lanches Ana Vitória Nascimento, 19 anos, que trabalha no Comércio há quatro anos, as intervenções ajudaram a organizar o trânsito. 

“Agora, para a população, vai valer mais a pena vir para cá, porque tem a beleza, tem policiamento, tem a Transalvador”, disse.

Já o comerciante Marcos Antonio Melo, 55, destacou a organização. “Do jeito que está, ficou bem melhor, principalmente a ciclovia”, disse. 

Segundo o presidente da União das Associações Culturais, Esportivas, de Moradores e de Turismo (Unicemtro), Cláudio Amorim, a reforma atende solicitações das entidades. A Unicemtro reúne 43 associações – dessas, 90% têm sede no Centro Histórico e no Comércio.

 “Está tendo impacto para todo mundo. Um de nossos pedidos era que aqui tivesse iluminação em LED e vimos que o projeto tem", afirmou.

Publicado em: 19/01/2020