Triunfo é um canto de amor à vida

Acabei de botar os pés na santa terra abençoada e batizada de Triunfo. Aqui, quem triunfa é a vida. Como canta Zeca Pagodinho, o carioca mais sambista da gema, recorro ao seu refrão: “Deixa a vida me levar, Triunfo".

Cheguei em pleno verão brabo, com o termômetro em 25 graus. Mais tarde, quando a noite encobrir os casarões coloniais da mais suíça sertaneja, as luzes do Natal se estenderão sobre as suas águas límpidas para receber a lua em adoração.

Aqui, nem parece chão seco e batido do sertão. Sua lindeza nos leva a uma viagem imaginária. Pode ser Paris, à nobreza de Londres, o mais longínquo ponto da beleza europeia ou qualquer ponto do planeta

A praça do charmoso Cine Guarany lembra Veneza. Só falta a igreja San Marco.

Triunfo é só lirismo, poesia, rima, verso troncho, bálsamo para aliviar as dores da alma e do espírito.

Amanhã, sua gente boêmia, de alma sedenta de amor, vai verter lágrimas de felicidade cantando em praça pública os maiores sucessos do romantismo de Moacyr Franco.

Tenho impressão que o artista vai ser acolhido com tanto amor e emoção que vai querer ficar por aqui mesmo, misturando seu sangue latino com o sangue contagiante do sertanejo.

Publicado em: 13/12/2019