Fundaj intensifica contatos e parcerias internacionais

As cidades americanas de Nova Iorque e Washington estiveram na agenda desta semana do presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, para o estreitamento de vínculos internacionais e a formação de novas parcerias. Dentre as instituições visitadas estiveram a faculdade Berkeley College, a Universidade Columbia, o Instituto Smithsoniano, a Biblioteca Oliveira Lima, a Congregação Shearith Israel, a Biblioteca Brasileira de Nova Ioque, José Domício Coutinho, entre outras.

A primeira etapa da viagem, na cidade de Nova Iorque, resultou em uma parceria da Fundaj com o Berkeley College na formação de jovens. Em busca de cooperações, exposições e acessibilidade, Antônio Campos visitou também o Museu de Arte Moderna (MoMa), o Museu Metropolitano de Arte (MET), o Museu do Brooklyn e a exposição Superfícies, do artista plástico Vik Muniz, cuja capacidade de recriar obras das cinzas inspirou a redação de um artigo, publicado nesta quinta-feira no Diario de Pernambuco. O presidente conheceu também o centro de treinamento para professores na mais antiga escola de pós-graduação dos Estados Unidos, o Teacher’s College da Universidade de Columbia.

Também levando o título de mais antiga do país, dessa vez, conversando com a história pernambucana, a Congregação Shearith Israel foi a instituição seguinte no roteiro. A congregação judaica foi criada em 1654 por judeus que desembarcaram na antiga Nova Amsterdã, atual Nova Iorque, vindos do Brasil após a derrota na Batalha dos Guararapes. A chegada dos povos que migraram do Recife foi o que configurou na primeira comunidade judaica norte-americana.

Uma visita ao doutor em Literatura Comparada, Domício Coutinho, e sua Biblioteca Brasileira de Nova York, também fizeram parte da agenda. O paraibano, natural de Caaporã, é responsável pela criação da primeira – e única – biblioteca do tipo nos Estados Unidos, referência para comunidades brasileira e brasilianista em estudos e pesquisa nas artes, história e cultura do Brasil. O escritor já chegou a promover um seminário sobre a personalidade histórica do abolicionista Joaquim Nabuco, primeiro embaixador do Brasil nos Estados Unidos e grande patrono da Fundaj. Domício comunicou também a concessão da medalha Machado de Assis a Antônio Campos, que é outorgada pela Universidade Brasileira de Nova Iorque por trabalhos relevantes no campo cultural. A ocasião será realizada em solenidade com data a ser definida. Outros nomes agraciados com o mérito são Rachel de Queiroz, Sérgio Paulo Rouanet e Nélida Piñon

A etapa seguinte da agenda, realizada em Washington D.C. teve início com a visita à BIblioteca Oliveira Lima, que resultou na assinatura de um protocolo de intenções prevendo um projeto de pesquisa e edição da correspondência entre Oliveira Lima e Joaquim Nabuco, em que a Fundaj entra como porta de acesso digital para o Brasil. O protocolo também analisa a realização um seminário internacional sobre Joaquim Nabuco, Manoel de Oliveira Lima e Gilberto Freyre. O evento terá módulo em Washington D.C. e deverá ser realizado durante o festival Folklife do Smithsonian Institute, que homenageia o Brasil em 2020 dentro das comemorações de 120 anos de Freyre.

Representantes do festival Folklife estiveram na Fundaj na última quinta-feira (14) para firmar possíveis parcerias entre as instituições, com o direcionamento voltado para a cultura e educação. Esta semana, foi a vez da equipe do instituto recepcionar o presidente Antônio Campos em uma visita no Museu Nacional de Arte Africana, cujas exibições e coleções conversam com temáticas abordadas pelo equipamento cultural da Casa, o Museu do Homem do Nordeste (Muhne), além de ter um reconhecido programa de acessibilidade.

Publicado em: 21/11/2019