Professor: República ainda não cumpriu importantes promessas

Imagem: Arquivo TV Brasil

"República não garantiu fim de mecanismos que reproduzem desigualdades"

Para o professor da Faculdade de Economia da USP, República ainda não cumpriu algumas de suas promessas importantes.

Do Terra - Por Douglas Gavras, do Estado de S. Paulo

 

Para o professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) Renato Colistete, a experiência republicana no Brasil, apesar de bem-sucedida, ainda tem promessas importantes que não foram cumpridas, como igualdade de oportunidades, acesso à terra e educação de qualidade para grande parte da população. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Na virada da monarquia para a República, o manejo da economia era mais conservador?

A tendência, em geral, dos gabinetes imperiais era de um predomínio da opinião de que a política fiscal e monetária teriam de ser administradas de maneira rigorosa. Em alguns momentos, esse rigor foi flexibilizado e acabou causando problemas de oferta de moeda e de desconfiança em relação ao seu valor. Era uma economia baseada na exportação de produtos agrícolas.

Como os políticos de tendência mais liberal contribuíram para a troca de regime?

Ao longo do Império, conservadores e liberais tiveram, muitas vezes, semelhanças. A diferenciação que surge nesse sistema é a presença de políticos republicanos, como um desdobramento da ala mais radical dos liberais. No fim da década de 1870, vão surgir os primeiros clubes republicanos, e se destacam figuras como Américo Brasiliense, Prudente de Morais e Campos Sales. Esses homens estão ligados à produção agrícola exportadora de café. A sociedade brasileira do fim do século 19 ainda é uma grande fazenda, mas que já tem elementos novos, com novas ideias circulando, que vão aparecer no cenário político também.

Confira a íntegra da entrevista clicando aqui: 'República não garantiu fim de mecanismos que reproduzem ...

Publicado em: 17/11/2019