Prefeita de Ipojuca vistoria orla

A prefeita do Ipojuca, Célia Sales, realizou, no início da tarde desta quinta-feira (17), uma vistoria na orla do Ipojuca acompanhada de diversos secretários que compõem o Comitê Gestor de Crise que monitora o avanço das manchas de óleo no litoral nordestino. A perspectiva, diferente do que ocorreu em setembro, quando Ipojuca não foi atingida na mesma proporção de outros municípios, é de alerta para um volume de óleo muito maior trazido pelas correntes marítimas e que já afetaram mais de 100 praias nos 9 estados do Nordeste. De acordo com a prefeita, apesar de 70% do litoral de Ipojuca ser monitorado 24 horas pela Central de Monitoramento da Secretaria Municipal de Defesa Social, a implantação do Comitê Gestor de Crise se fez necessária para otimizar as informações com os diversos órgãos, prefeituras, governos, ONGs e a Sociedade Civil e, também, para traçar estratégias de contenção mais efetivas. “Estivemos em Suape hoje pela manhã e pedimos, de forma preventiva, que nos ajudassem com as boias e redes de contenção existentes no Complexo Portuário. Liguei para o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e solicitei também ajuda do Governo Federal, caso o óleo nos atinja. Agora à tarde, vim, in loco, nas nossas praias com o nosso Comitê para me certificar que as manchas não chegaram por aqui, mas estamos com uma grande equipe preparada para agir, caso chegue”, explicou Célia Sales. Também acompanham a vistoria, o representante do Trade Turístico, Ulisses Ávila, e o presidente da Associação dos Jangadeiros, Vanderley da Silva, além de biólogos do Museu do Caranguejo Vivo. A prefeita Célia Sales conversou com barraqueiros, ambulantes, jangadeiros e pediu que, caso encontrem alguma mancha no mar ou na areia entrem em contato com a Prefeitura através dos números (81) 99910-5782 ou (81) 3551-1766 para que o Plano de Contingência seja efetivado e as providências, tomadas. Ela explicou que a orientação do Governo Federal para todos os estados é que: assim que perceber óleo nas praias, a Prefeitura seja informada e a limpeza seja feita imediatamente para evitar que se espalhe. No entanto, o contato com a substância deve ser por meio de luvas e botas, protegendo a pele. Ainda nesta quinta-feira, o Comitê Gestor de Crise se reuniu com o Ministério Público Estadual para colocar a promotora Márcia Amorim a par das ações traçadas junto com o Comitê de Crise Estadual e com o Ibama, CPRH, Marinha, Capitania dos Portos e Embratur. E no início da noite se reuniram com a sociedade civil, em um hotel em Porto de Galinhas, para tirar dúvidas sobre estratégia de prevenção que a gestão está realizando. “Apesar da preocupação, saímos da reunião mais confiantes porque recebemos do grupo da sociedade civil total apoio, inclusive se colocaram como voluntários na compra de materiais de EPI (luvas, máscaras e botas) para nos ajudar na limpeza, caso as manchas cheguem nas nossas praias. A equipe da Prefeitura está prontidão monitorando os 33km de orla”, afirmou o secretário de Meio Ambiente, Erivelto Lacerda.

Publicado em: 17/10/2019