Rodrigo Maia faz gesto à turma rejeitada pelo Planalto

Rodrigo Maia faz gesto à turma rejeitada pelo Planalto

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Foto: Luis Macedo/Agência Câmara
O Estado de S. Paulo

Por Coluna do Estadão

 

O gesto de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao conduzir a aprovação do fundo eleitoral na Câmara foi, sobretudo, direcionado aos presidentes dos partidos políticos, turma, até bem pouco tempo, tratada com desdém pelo Planalto. O presidente da Casa não moverá palha daqui em diante, porém. Jair Bolsonaro que se vire para manobrar nessa vaga, espremido entre sua base eleitoral, contrária à integralidade do projeto de reforma partidária, e os dirigentes e parlamentares dessas siglas, sedentos de benesses. Terá de decidir se veta ou não o pacote.

Um amigo de Maia acha que as campanhas dos bolsonaristas contra o presidente da Câmara nas redes sociais são completamente estéreis: não pressionam o deputado e só ampliam a rejeição a ele em grupos que o rejeitam desde sempre.

Esse interlocutor explica: quem viveu por dentro (Rodrigo Maia) a crise das duas denúncias contra o então presidente Michel Temer não vai sucumbir sob ataques de hashtags e de haters.

No balaio de Maia também estão guardadas as críticas de alguns deputados ao fundo. Ele não que as aprova, claro.

Mas sabe, porém, da força que os dirigentes partidários têm sobre suas bancadas, vide, por exemplo, o caso dos rebeldes suspensos pelo PDT.

Publicado em: 22/09/2019