Morte de pastor: reconstituiĆ§Ć£o dura mais de cinco horas

Reconstituição da morte de pastor Anderson do Carmo, marido de Flordelis, dura cinco horas e meia. Nove tiros foram disparados durante a simulação. Polícia vê contradições nos depoimentos e não descarta um segundo atirador.

 Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo

O Globo - Por Felipe Grinberg

 

RIO — Os nove disparos, feito por um policial em direção à um latão de alumínio recheado de areia, às 3h 40 da manhã deste domingo foi o último passo da reconstituição da morte de pastor Anderson do Carmo , marido de Flordelis . Os tiros, por coincidência, foram disparados no mesmo horário do crime. No total, a simulação da noite do crime pela Polícia Civil durou cinco horas e meia e a investigação ainda não descartou que um segundo atirador tenha participado do crime.

Segundo Bárbara Lomba, delegada titular da Divisão de Homicídios de São Gonçalo e Niterói, a reconstituição foi importante para encontrar contradições em depoimentos já prestados pelas testemunhas:

 — Houve algumas contradições que continuam nos indicando o caminho que havíamos conseguido nas investigações. Ajudou porque na hora de reproduzir, as pessoas as vezes não sustentam o que foi falado em outro ambiente — contou a delegada.

A deputada Flordelis também participou da simulação. De acordo com Bárbara Lomba, em alguns pontos ditos por ela em seu depoimento não corresponderam com a declaração dada durante a reconstituição.

— A deputada basicamente falou o que havia falado na delegacia, mas em alguns pontos não se recordou. Houve alguns pontos que as declarações aqui não corresponderam o que havia sido dito na delegacia — comentou.

Segundo o advogado da deputada, ela respondeu a todas as perguntas e somente não soube precisar a quantidade de tiros ou as pessoas que estavam ao lado dela no momento dos disparos. Ele ainda afirmou que Flordelis ainda não teve contato com os filhos acusados de terem matado o pastor Anderson do Carmo:

— Ela estava tranquila, mas abalou muito ela psicologicamente, principalmente a hora dos disparos. Ela ficou bastante abalada — comentou.

Apesar de presentes, Lucas dos Santos e Flávio dos Santos, apontados pela polícia como autores do crime, não participaram da reconstituição. Os dois chegaram à casa de Flordelis em momentos diferentes da reconstituição. Lucas chegou por volta das 22h, e, apesar de ter sinalizado em um primeiro momento que participaria da simulação, voltou atrás e não cooperou com os policiais.

Já Flávio, chegou na madrugada no momento em que Daniel dos Santos de Souza, de 21 anos, um dos filhos do casal, indicava aos policiais como havia encontrado o pai já baleado. Como já havia afirmado que não iria participar da simulação, Flávio só deixou a viatura da polícia por cerca de um minuto, para assinar oficialmente sua recusa de colaborar.

— Nós reproduzimos com base no que eles falaram na delegacia, mas seria o ideal que eles tivessem participado. É direito deles não ter participado. Acredito que seja estratégia da defesa. Viemos preparados para que participassem— afirmou Bárbara Lomba.

Defesa: reconstituição teve "muitas falhas"
Advogados dos dois suspeitos e da deputada Flordelis acompanharam o trabalho da perícia. Mas, segundo Anderson Rollemberg, advogado de Flávio, houve falhas no trabalho dos policiais. Rollemberg afirma que a reprodução dos tiros não foi fidedigna ao que aconteceu na noite do crime.

— Não foi uma reconstituição 100% aproveitavel. Poss dizer que teve muitas falhas. Por exemplo, os disparos feitos no tambpor de areia. Todos aqui perceberam que os baraulhos eram abafados — comenta.

As perguntas que a polícia quer responder na reconstituição da morte do marido de Flordelis

1. Quantas pessoas atiraram na vítima?

Flávio confessou, em depoimento à DH, que atirou seis vezes no pastor, que era seu padrasto. Laudo do Instituto Médico Legal (IML), no entanto, atestou que Anderson tinha mais de 30 perfurações pelo corpo. A polícia quer saber se outras pessoas atiraram na vítima.

2 - Havia outras pessoas na cena do crime?

Em depoimento, Daniel dos Santos de Souza, filho de Flordelis e Anderson, afirmou ter visto o vulto de três pessoas na garagem da casa, local onde o pastor foi morto. A DH ainda tem dúvidas se havia outras pessoas na cena do crime.

3 - Quantas armas foram usadas no assassinato?

A DH já sabe que a pistola apreendida em um armário no quarto de Flávio foi usada no crime. Laudo de confronto balístico confirmou essa informação. Os policiais querem saber se outra arma foi utilizada.

4 - Houve omissão no socorro ao pastor?

Ramon, um dos netos de Flordelis, se negou a prestar os procedimentos de primeiros socorros após o pastor ter sido baleado. Em depoimento, ele disse que Anderson já estava morto. No entanto, o relato de uma das filhas da deputada, Gabriela, contradiz Ramon. Ela diz que logo depois de o pastor ter sido atingido pelos disparos, verificou antes da ligação feita ao Corpo de Bombeiros, que a vítima ainda estava viva

Publicado em: 22/09/2019