Coluna deste sabadão na Folha

Alunos passam fome sem merenda

Num encontro com jornalistas, ontem, no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) abriu mais uma polêmica desnecessária em sua conturbada era. Disse que não existia fome no Brasil. Arrependido, numa solenidade posterior afirmou que uma pequena parte dos brasileiros passa fome.

Segundo pesquisa de 2013 do IBGE, 3,6% da população do País vive em insegurança alimentar grave, termo politicamente correto. O Nordeste é conhecido como um bolsão de miséria, mas não precisa o presidente percorrer a região para se deparar com a fome. Em São Paulo, Estado mais rico do País, as férias de julho têm levado alunos pobres a deixar de comer as três refeições diárias.

Em Brasília, alunos da vila do Paranoá, território africano da corte, estão almoçando bolacha, quando podem, para matar a fome. Foi ali que, em 2017, um menino de oito anos desmaiou de fome durante as aulas e virou notícia nacional.

Mal na foto – Políticos experientes e talhados em Caruaru, como José Queiroz (PDT) e Tony Gel (MDB), não teriam caído na casca de banana do deputado Erick Lessa (PP), que foi a público denunciar que a prefeita Raquel Lyra (PSDB) estava nos Estados Unidos com a família em turismo. A foto do marido da tucana com os dois filhos numa praia em Fortaleza desmoralizou o ex-delegado.

Taxa mantida – O Governo Bolsonaro se firma também pelo viés do recuo. Sem ter noção para onde se destinava a taxa federal cobrada aos turistas em Fernando Noronha, prometeu acabar e a classificou de roubo. Na ilha, ontem, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, depois de constatar a importância da taxa com gestores estaduais, disse que não seria extinta.

Paralisação – Desapontados com o tratamento dado pelo Ministério da Educação às universidades, que sofreram corte de 30% para manutenção do custeio e pagamento das folhas, professores da Universidade Federal de Pernambuco cruzam os braços a partir do dia 13 de agosto. O Future-se, novo programa de financiamento das universidades, também não agradou.

Guarda – Embora o prefeito de Serra Talhada, segundo o deputado Sebastião Oliveira (PL), não goste de investir na Guarda Municipal, o próprio parlamentar informa que garantiu em emendas seis viaturas para melhorar o serviço dos que atuam no setor. Os recursos só não garantem o custeio.

Ausente – O governador Paulo Câmara foi abrir o festival de inverno de Garanhuns, mas não incluiu na sua agenda também a abertura da festa do estudante em Triunfo, que atrai uma verdadeira multidão. O prefeito João Batista (PL) recebeu, no entanto, o apoio integral da Fundarpe e da Empetur.

NOVA POLÍTICA – Em Paulista, o pré-candidato do DEM a prefeito, Felipe do Veneza, assumiu o discurso da nova política do presidente Bolsonaro e disse, ontem, numa emissora de rádio, que está entrando na empreitada atendendo a uma convocação popular. Em Paulista, já tem 14 pré-candidatos.

Perguntar não ofende: O Brasil que Bolsonaro conhece se limita a Barra da Tijuca?

Publicado em: 19/07/2019