Coluna do sabadão

O grito nordestino

Os governadores do Nordeste tiveram um encontro com Bolsonaro, na última quinta-feira, mais amplo e participativo do que esperavam. Trataram de vários assuntos, começando com a queixa do bloqueio de 30% no orçamento das universidades e dos institutos federais. Pediram a prorrogação e ampliação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)

Eles disseram que apoiam a reforma da Previdência desde que sejam feitas alterações na proposta enviada ao Congresso Nacional, em temas como aposentadoria rural e benefício de prestação continuada (BPC). "Foi importante reiterar estes pontos de divergentes, ao ponto em que colocamos que aceitamos o diálogo", disse o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

"A posição da região Nordeste, firme, é de que também defendemos a necessidade de mudanças para o equilíbrio na Previdência", acrescentou o governador do Piauí, Wellington Dias. Acrescentou que os governadores colocaram como prioridade a prorrogação do Fundeb, mas também mostraram a "posição firme" contrária ao bloqueio no orçamento. "Na educação, nós colocamos como prioridade um cronograma para a renovação do Fundeb", disse.

"A posição firme dos governadores do Nordeste no sentido de pedir que pudesse haver uma revisão em relação ao corte nas universidades", acrescentou. "Fizemos um apelo ao presidente no sentido de rever o corte que foi anunciado junto as universidades federais e aos institutos federais. Fizemos este apelo levando em consideração o papel e a presença fundamental que têm estas universidades e institutos federais em todo o Brasil", afirmou a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra.

"Foi importante reiterar estes pontos de divergentes, ao ponto em que colocamos que aceitamos o diálogo", disse o governador do Maranhão, Flávio Dino. Já o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), disse que as mudanças poderão ampliar os votos favoráveis à reforma. Ele reforçou a posição de que as mudanças previdenciárias alcancem servidores estaduais e municipais.

Corte federal – A bancada federal bancada federal vai discutir com os reitores das universidades e institutos federais do Estado, na próxima segunda-feira, às 15h, na Universidade Federal Rural (UFRPE), o corte de 30% do orçamento decretado pelo Governo. As instituições de ensino vão apresentar o impacto do contingenciamento na continuidade de suas atividades de ensino, pesquisas, extensão e administração, além de articular estratégias para pressionar o governo a recompor o orçamento. No total, foram cortados R$ 140 milhões das universidades e dos institutos federais em Pernambuco. Segundo os reitores, se o corte for considerado de maneira fragmentada, existem bloqueios de recursos que chegam a 43%.

Pisou na bola – O deputado Túlio Gadelha (PDT) cometeu uma mancada contribuindo para a derrota do ministro Sérgio Moro na comissão especial que decidiu pela volta do Coaf ao Ministério da Economia. Voto favorável a permanência do órgão no Ministério da Justiça, Gadelha se ausentou da votação e foi substituído pelo suplente da comissão Subtenente Gonzaga, do PDT mineiro. Já o também pernambucano Daniel Coelho, líder do Cidadania na Câmara, não só votou com Moro como fez coro aos protestos da bancada contrária à mudança.

Debate com prefeitos – O presidente da Amupe, José Patriota (PSB), prefeito de Afogados da Ingazeira, disse, ontem, no Frente a Frente, que 20 deputados federais já confirmaram presença no encontro na sede da instituição na próxima segunda-feira. Eles vão ouvir as queixas dos prefeitos sobre a falência dos municípios, começando pela pauta da Marcha em Brasília, que está emperrada. Entra em discussão também o chamado Pacto Federativo, temática de um movimento no Congresso que vem ganhando corpo sob a coordenação do deputado pernambucano Silvio Costa Filho (PRB).

Moro ameaçado – Contrariado com várias medidas que tem de tomar por imposição do próprio presidente, o ministro Sergio Moro chegou a pensar em desistir, mas mantém-se no cargo por um projeto maior: uma vaga no STF. Quando Jair Bolsonaro chamou Sergio Moro à sua casa no Rio de Janeiro, no final de outubro, para convidá-lo oficialmente para ser o superministro da Justiça e Segurança Pública, o então juiz federal responsável pela Operação Lava Jato deixou claro ao recém-eleito presidente da República que acalentava o sonho de ser ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). “Mas não tenho vaga para o STF e sim para o Ministério da Justiça”, enfatizou o presidente.

Mais transparência – O deputado federal Fernando Rodolfo (PR) lançou, ontem, em Caruaru, o aplicativo Fernando Rodolfo, que permite ao usuário do Sistema Androide acompanhar de perto o trabalho do parlamentar na Câmara dos Deputados e em todo o Estado. O aplicativo, inclusive, possibilita o usuário/eleitor colaborar com o mandato de forma democrática e transparente, respondendo enquetes sobre os projetos de lei e também fazendo críticas e/ou sugestões para o mandato. “Nós temos a grata alegria de anunciar e presentear o nosso eleitor com o aplicativo, através do qual assumi o compromisso de ser transparente em tudo que diz respeito ao meu mandato”, disse.

Divisão socialista – O diretório nacional do PSB fechou questão contra a reforma da Previdência. Num primeiro momento a bancada bateu continência para o presidente Carlos Siqueira, mas a situação mudou. Há uma divisão nítida entre os deputados socialistas. Pelo menos 13 deles já se manifestam serem favoráveis, entre eles Júlio Delgado, de Minas, e o pernambucano Felipe Carreras. Pelo andar da carruagem na comissão especial muita gente ainda vai desobedecer a orientação da executiva. Resta saber se Siqueira terá disposição para fazer a degola partidária.

CURTAS

FECHAMENTO – Com o anúncio de ‘contingenciamento’ de 30% das verbas nas instituições federais de ensino anunciado pelo Ministério da Educação (MEC), o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) diz que as atividades podem ser encerradas em setembro. Em Pernambuco, a instituição tem 16 unidades e oferece 283 cursos técnicos, de graduação e pós-graduação a cerca de 27 mil alunos.

COUNTRY – O presidente do Country Clube, ex-vereador José Neves, garante que, em nenhum momento, agiu com estilo coronolesco ao adotar novas regras para visitantes. “O que fiz foi organizar e disciplinar mediante a apresentação de documentos na entrada”, afirma, adiantando que, ao contrário das restrições apontadas, ampliou de uma para duas vezes a oportunidade do visitante usar as dependências da instituição.

BOLSAS – Estão abertas, até quarta-feira, as inscrições para o Projeto Alavanca, que oferece bolsas de R$ 3 mil para professores da rede municipal de Jaboatão dos Guararapes, durante um semestre. A iniciativa é custeada pela ONG Somos Professores, por meio de financiamento coletivo, e pretende contemplar 15 projetos. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas na internet.

Perguntar não ofende: Quanto Bolsonaro irá liberar para o Estado na sua visita do dia 23?

Publicado em: 10/05/2019