Coluna da terça-feira

O silêncio de Bolsonaro

O governador Paulo Câmara (PSB) foi o primeiro dos 27 chefes estaduais a pedir audiência ao presidente Jair Bolsonaro. Ele protocolou logo no primeiro dia útil, mas até agora não houve retorno. Sequer, diga-se de passagem, uma justificativa para o silêncio. Ao seu estilo, o presidente ainda não desceu do palanque, tratando adversários a ferro e fogo. Câmara tem uma extensa pauta de assuntos emergenciais que dependem da boa vontade da União.

Em Suape, o esvaziamento do estaleiro Atlântico Sul é uma dura realidade. Já teve um quadro formado por cerca de 11 mil funcionários em 2011, hoje não tem mil, reflexo da falta de encomendas de navios. Já a refinaria Abreu e Lima, que também está no atoleiro, aparece na lista das oito que serão privatizadas. Além disso, tem o imbróglio da BR-232, que continua sob o controle da União, embora o dinheiro investido na duplicação tenha saído da arrecadação da venda da Celpe.

Ele pretende também debater a continuidade de projetos para o desenvolvimento social, econômico e hídrico de Pernambuco, como a conclusão de obras da Transposição do Rio São Francisco e da Transnordestina, e sobre a situação da Chesf. "A eleição passou, acabou. Agora temos que trabalhar muito por Pernambuco. Pernambuco precisa de parcerias, não apenas com o Governo Federal, mas também com a sociedade civil e com a iniciativa privada”, diz o governador.

É possível que o presidente apareça em Pernambuco antes de receber o governador em Brasília. O líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), está coordenando a programação da visita com o próprio Bolsonaro. A passagem pelo Estado está inicialmente marcada para maio, com agenda na Região Metropolitana e no Agreste. O elementar, entretanto, era o presidente chamar antes o governador para uma conversa.

Fernando Bezerra, vale lembrar, já foi aliado do Governo do Estado, mas hoje não tem canal nem interlocução com o governador. Se não bastasse essa dificuldade, o PSB fechou questão contra a reforma da Previdência, sob a anuência de Paulo Câmara. Isso pode azedar ainda mais a relação de Pernambuco com a União.

Efeito militar – As finanças estaduais estão sendo pressionadas pelo aumento de gastos com militares, considerando policiais e bombeiros. Um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) ontem, mostra que a folha de pagamento dessa categoria nos estados é de quase R$ 80 bilhões. Os gastos com militares têm afetado as finanças estaduais basicamente por dois motivos. Primeiro, é uma categoria que tradicionalmente se aposenta mais cedo do que as demais. Segundo, a quantidade de militares inativos é crescente, e os salários são maiores do que o observado entre os trabalhadores ativos.

Fuzilaria arcoverdense – Em Arcoverde, a maior atração das sessões da Câmara não estão relacionadas com as pautas em votação, mas aos ataques contundentes do vereador Luciano Pacheco (PSD) ao estilo da presidente da Casa, Célia Almeida Galindo (PSB). A fuzilaria tem sido tão intensa e periódica que tem muita gente que só bota a cara no plenário para assistir aos discursos de Pacheco. O sonho de Célia é disputar a Prefeitura nas eleições do ano que vem, mas não encontra respaldo no seu partido, a começar pelas restrições ao seu nome por parte da prefeita Madalena Brito (PSB).

Fake News – Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, o secretário estadual da Fazenda, Décio Padilha, negou que o Estado tenha tributado em 120% o ICMS da carne bovina, motivo de uma postagem nas redes sociais pelo vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente da República. “Isso nunca existiu. Trata-se de uma desinformação absurda. O que ocorreu foi uma diferencial na taxação da picanha importada numa variação de até 6%, disse. Sobre a reforma da Previdência, afirmou que o governador Paulo Câmara não é contra, mas que existem imprecisões no texto que afetam os trabalhadores e os que têm menor poder aquisitivo.

Não é de hoje – Na história brasileira, não são raros os conflitos entre o presidente e o vice, como ocorre agora com Bolsonaro e Mourão. O marechal Deodoro da Fonseca, o primeiro presidente da República, desconfiava, com razão, de Floriano Peixoto, que assumiria seu lugar nove meses depois da posse. Café Filho conspirava contra Getúlio Vargas. João Goulart não dava trégua a Jânio Quadros. Na redemocratização, Itamar Franco voltou-se contra Fernando Collor. Dilma Rousseff acreditava que Temer era o vice mais discreto e servil com que um presidente poderia contar. Deu no que deu.

Estado reage – Em resposta ao presidente Jair Bolsonaro, o Governo de Pernambuco divulgou, em sua página oficial no Facebook, uma campanha em repúdio à prática de turismo sexual no Estado. "Pernambuco está à disposição dos turistas. A mulher pernambucana, não!", diz o texto na imagem compartilhada. Durante um café da manhã com jornalistas, na última quinta-feira, Bolsonaro comentava sobre a imagem de conservador que construiu fora do país, quando afirmou que "o Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay". Completando a declaração, o presidente disse: "quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade".

Os milionários da igreja – A revista Forbes criou um ranking da fortuna dos maiores líderes religiosos do Brasil, e ao contrário do que pregou Jesus Cristo, eles acumulam uma vasta fortuna. Estevan Hernandes Filho e a "bispa" Sônia, por exemplo, têm juntos R$ 120 milhões. Outro exemplo, R. R. Soares, aparece com R$ 250 milhões. O líder da Assembleia de Deus, Silas Malafaia, tem fortuna R$ 300 milhões e o "apóstolo" Valdemiro Santiago, ‘dono’ da Igreja Mundial do Poder de Deus chega com R$ 400 milhões. No entanto, na liderança dessa estranha lista está Edir Macedo, fundador e líder da Igreja Universal do Reino de Deus, com patrimônio estimado em R$ 2 bilhões.

CURTAS

EM CARNAÍBA – Pesquisa Múltipla em Carnaíba, no Sertão do Pajeú, aponta o prefeito Anchieta Patriota (PSB) como o preferido para renovar o mandato nas eleições de 2020. Ele aparece com 59,5%, seguido pelo vereador Neudo da Itã (PSB) com 11,4% e Didi da Felicidade (PTB) com 10,9%. Gleybson Martins tem 6,8% (PDT) e Zé Mário Cassiano (PSB), 3,2%. O levantamento foi a campo no último dia 26, sendo aplicados 220 questionários.

EM GARANHUNS – Em Garanhuns, o prefeito Izaias Régis (PTB), em seu segundo mandato, deve indicar o vice-prefeito Haroldo Vicente da Silva (PSC) como candidato do grupo para disputar sua sucessão. Se vier a ser confirmado, Haroldo deve polarizar a disputa contra Sivaldo Albino (PSB), nome apoiado pelo Governo do Estado. Eleito deputado estadual, Sivaldo assumiu a vice-liderança do Governo na Assembleia.

ESTRADA – A coluna do sabadão errou ao informar que a estrada esburacada e abandonada no Sertão do Pajeú seria o trecho de Tabira para Sumé (PB). Na verdade, é o trecho que vai de Tabira para Água Branca (PB). O governador Paulo Câmara já prometeu recuperar, mas até agora não houve nenhuma iniciativa. A população pede urgência, pois está impossível trafegar por lá. Quem tenta, coloca em risco a própria vida e os carros acabam sofrendo danos irreparáveis.

Perguntar não ofende: O trabalhador tem alguma motivação para comemorar amanhã o seu dia?

Publicado em: 29/04/2019