A natureza é inocente de pai e mãe

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Enchentes, inundações, lixões, tragédias ambientais nas cidades, Previdência Social antissocial, ditaduras do sistema financeiro e dos planos de saúde... O Brazil não tem vulcões, nem terremotos, nem tsunamis, graças a Zeus.

Existem, sim, vulcões e tsunamis de incompetência e corrupção. A natureza é inocente de pai e mãe.  

O prefeito do Rio de Janeiro diz que os morros e os túneis são culpados pelas inundações. Cidade acima do nível do mar, São Paulo atrai os raios da cilibrina. Recife possui galerias lendárias abaixo do nível do pré-sol, aliás, abaixo do nível do pré cloreto de sódio. Por isso, o IPTU dessas cidades é planejado no nível das montanhas.

Os governantes dizem que desastres ambientais são culpa da natureza. Vírgula. Equivale a dizer que as nuvens e as tempestades são imprudentes e os gestores públicos são inocentes. Estouro de barragens, inundações, desastres ambientais não são fenômenos da natureza, resultam da falta de planejamento urbano, incompetência e corrupção. A descarga tributária monstruosa e imoral do Brazil não é desculpa para a falta de investimentos.

A natureza esqueceu de avisar aos canais e galerias  de São Paulo, Recife e Rio de Janeiro que haveria dilúvios nos céus e na terra.      Os programas de televisão dão aulas sobre surubas e cirurgias de mudança de sexo, mas não falam sobre a bomba atômica dos lixões, não orientam a rafaméia sobre a questão ambiental nem cobram a responsabilidade dos governantes.  

Os tubarões passeavam tranquilos nos estuários do litoral sul de Pernambuco. Namoravam, dançavam, degustavam frutos do mar.

Um belo dia, um senhor bradou na crista das ondas de Suape: alô-alô tubarões, aqui fala o dono das correntezas e dos mangues. Vocês estão proibidos de navegar e mergulhar nessas marés. A gente vamos aterrar os manguezais e construir um porto belíssimo. Adeus, bichos!

Os tubarões ficaram irados e responderam: Vamos invadir suas praias de Boa Viagem, Piedade e Candeias.

Ao dar um rolé numa piscina, um tubarão avistou a perna de um banhista. Mordeu para testar a degustação. Poderia ser uma moqueca de camarão. Uma tilápia do molho de tomate. Uma lagosta ao termidor. Uma cioba, uma albacora. Ou arroz de polvo.   

Reunidos em assembleia, os tubarões decretaram: estes aquários são nossos. Fora, banhistas! As praias da zona sul de Pernambuco agora são apenas paisagem.

Ainda hoje os donos dos manguezais se orgulham de ter expulsado os tubarões para construir um porto antiecológico. Dizem que a culpa é dos inocentes tubarões.

Publicado em: 15/04/2019