Alegrai-vos, corações auriverdes!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Imaginem uma cena: a bordo de um Smarthphone 4G, celular inteligente, uma criatura cata comida num lixão. Ou cata sonhos de infância no meio dos urubus.

Somos medievais na era digital. Navegamos nas nuvens de silício a bordo de caravelas.   

Os lixões e os urubus são brasileiros da gema. Os celulares e os telefone com residência fixa são estrangeiros.

O Brazil vivencia traços de pobreza medieval, sem as luzes culturais do Renascimento. Ao contrário, existem sombras de obscurantismo cultural. 

Amigos da natureza, os urubus são mais brasileiros que muitos pavões que desfilam em nossas passarelas.

Meninos malvados jogam pedras nos inocentes urubus. Deviam jogar pedras nos prefeitos malvados donos de lixões na mundiça que joga lixo nos canais e nas galerias. Os urubus são amigos da natureza. Viva os urubus!

Os vampiros, zumbis, lacraias, escorpiões, carcarás, lombrigas, comunistas e outros insetos estão armados até o tutano contra o Capitão Marvel.

A palavra de ordem é “resistência”. Resistência contra o que, pela mãe do guarda? Contra o Capitão Marvel, contra os ministros, contra o Planalto, contra o hino, contra as reformas, contra a mãe de pantanha. 

Todíssimas as coisas que o Capitão Marvel fizer, deixar de fazer, falar ou deixar de falar serão desmerecidas e desqualificadas. A imagem dele será apresentada como de poucas luzes intelectuais, um bronco, um pateta. O antagonista vermelho, sim, simboliza uma fonte luminosa de sapiência, uma inteligência proverbial, cujos esplendores de sabedoria ilumina a mente dos sábios das universidades e dos analfabetos de nascença. Atualmente iluminam as paredes da carceragem em Curitiba.

Governadores armam barricadas no Nordeste. Mas quando desfilam em Brasília eles falam mansinho. Ao desembarcar nas aeronaves, ocorre a despressurização das línguas de fogo.  

O MST está sendo desarmado, desmamado e desamado. “Ninguém me ama, ninguém me quer”, cantam a lamúria.           

Carniceiros que espalham fedor nos lixões do Brazil, saibam que os urubus vão trabalhar para fazer a limpeza ética do nosso País.

Tanto quanto ou mais que a reforma da Previdência Social, a reforma do sistema tributário é dever de patriotismo, dever de defesa da cidadania. A lei da inércia favorece a reprodução dos privilégios, das desigualdades e das injustiças sociais.

Ainda estamos na travessia do Oceano Vermelho. Alegrai-vos, corações auriverdes!

Publicado em: 18/03/2019