Fabrício Queiroz aparece, mas dúvidas persistem

Adriana Vasconcelos - Blog Oz Divergentes

Finalmente o ex-assessor de Flávio Bolsonaro deu as caras, depois de faltar, conforme ele próprio admitiu em entrevista ao SBT, quatro convites do Ministério Público para explicar as movimentações atípicas registradas pelo Coaf em suas contas bancárias.

Depois de mais de um mês de suspense, Fabrício Queiroz apareceu e rebateu as suspeitas de que o antigo chefe na Alerj e filho do presidente eleito Jair Bolsonaro tenha qualquer envolvimento com suas movimentações bancárias, que somaram R$ 1,2 milhão. Mas suas explicações, um tanto confusas, estão longe de encerrar o caso.

Orientado por advogados, Queiroz evitou dar detalhes sobre sua ação como “um cara de negócios”, que faz dinheiro. Disse que só esclarecerá ao Ministério Público do Rio os motivos que levaram pelo menos sete colegas de gabinete a fazerem depósitos em sua conta bancária. Deixou no ar que poderiam ser fruto de operações de compra e venda de veículos, um dos negócios que admitiu gostar de fazer.

Reclamou bastante da saúde, que serviu de justificativa para seu não comparecimento às duas últimas convocações do MP para depor, resultado de uma bursite no ombro e de um câncer diagnosticado no intestino. Ambos os problemas, segundo ele, o levarão à mesa de cirurgia em breve. Mas não conseguiu lembrar do nome todo do especialista que o atendeu, nem do hospital no qual foi atendido. “Sou ruim de gravar nomes”, justificou.

Publicado em: 28/12/2018