Coluna da sexta-feira

O time-base do governador

Por Arthur Cunha – especial para o blog

No mundo do futebol, time-base é aquele plantel de jogadores que têm a plena confiança do treinador. São os primeiros a serem escalados, e de quem mais se espera. Ainda que não tenha iniciado as conversas com os partidos da base aliada, o governador Paulo Câmara tem um grupo de auxiliares que, certamente, o acompanharão no segundo mandato. Eles podem ser chamados de “tecnolíticos”. A classificação não é nova. Serve para designar técnicos com sensibilidade política – alguns até disputam mandatos –, experiência testada em gestão e crédito com o chefe.

Esses nomes já são dados como certos no secretariado do governador. Mesmo não sabendo em qual pasta, teremos ao lado de Paulo quadros como Márcio Stefanni, Zé Neto, Ruy Bezerra, Nilton Mota, Fred Amâncio, Marcelo Barros, André Campos e Roberto Tavares. Essa será a espinha dorsal do governo. São nomes certos. Todos ocupam ou já ocuparam mais de uma secretaria na atual administração e na do ex-governador Eduardo Campos. É com eles que Paulo vai enfrentar os desafios de governar em tempos de crise.

Outros nomes de dentro do PSB vão se juntar à essa lista, que ainda terá as composições políticas. Egresso do Tribunal de Contas do Estado, o governador tem dado sinais de que pode convocar novos servidores do órgão ou mesmo da Secretaria da Fazenda, ambiente que Paulo conhece bem porque já foi secretário. O restante da equipe será de indicações partidárias, mas respeitando o critério técnico. Esta coluna já antecipou que Câmara montará um secretariado à sua semelhança. Ele não abrirá mão dessa prerrogativa.

Especula-se, também, que a reforma do secretariado de Paulo seja casada com a do prefeito do Recife, Geraldo Julio, que entra na reta final da sua gestão. Por enquanto, nada de concreto ainda sobre o processo. Só que ele deve ser acelerado a partir dos próximos dias.

Calor e desorganização – Uma sensação bateu forte em todos os presentes na diplomação dos eleitos, ontem, independentemente do lado político. Era o calor que estava de matar! E olhe que a eleição já acabou faz um tempinho. O Classic Hall, escolhido pelo TRE para o ato, estava um forno. Não teve ar condicionado que desse conta. No geral, as pessoas saíram dizendo que o evento foi desorganizado, com engarrafamento na entrada e na saída, além do palco distante do público.

No linho – Tradicionalmente, como em todas as suas diplomações, o presidente da Alepe, Eriberto Medeiros, estava usando terno branco de linho. Já João Campos, federal mais votado da história, levou uma foto do pai, Eduardo Campos, sorrindo, e ergueu junto com seu primeiro diploma. Também em seu primeiro mandato, Túlio Gadelha entrou mancando – está se recuperando de uma trombose. Ao final, disse à coluna que já está melhor. Guilherme Uchoa Júnior chorou ao lembrar do pai, eterno presidente da Assembleia.

Falta – Levaram falta na diplomação os deputados federais reeleitos Felipe Carreras e Ricardo Teobaldo, além da estadual eleita Fabíola Cabral. Os três pediram ao TRE para pegarem seus diplomas em outro dia – alegaram compromissos previamente marcados. Jarbas Vasconcelos, eleito senador, Augusto Coutinho e Daniel Coelho, que renovaram seus mandatos para a Câmara, já haviam sido diplomados na última segunda.

Vaia – Alguns políticos receberam uma sonora vaia quando tiveram seus nomes chamados pelo cerimonial do TRE. Foi o caso do deputado federal eleito Luciano Bivar, presidente nacional do PSL de Jair Bolsonaro; e do Pastor Cleiton Collins, estadual reeleito. As rivalidades municipais também falaram alto no quesito vaia. Quando o político rival no município era chamado, a claque do outro grupo mandava ver. Coisas da velha política.

CURTAS

PARABÉNS – A informação que circulou ontem nos meios políticos, de que o controlador geral do Estado, Ruy Bezerra, assumiria a Secretaria de Saúde, gerou uma brincadeira nos grupos de WhatsApp. Estava todo mundo “parabenizando” Ruy pela “nova função”. Em um dos grupos, inclusive, até o atual titular da Saúde, Iran Costa, fez questão de dar parabéns ao colega. Independente do posto, Ruy é muito querido no governo. Uma figura do bem, que trata a todos com respeito!

“DILMOU” – Prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira “dilmou” do verbo “dilmar”. É que um grupo de advogados do município ingressou com uma representação no Ministério Público o acusando do mesmo crime que derrubou a ex-presidente: pedaladas fiscais. O documento aponta que o prefeito vem desobedecendo, nos últimos três quadrimestres, o limite de gastos de pessoal em 13% acima do limite máximo exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O gestor negou as acusações.

INSS DIGITAL – Sindicatos rurais do Sertão do Pajeú agora têm acesso ao INSS Digital, projeto do INSS que visa facilitar o acesso aos requerimentos. Isso significa que os agricultores não vão mais precisar dar entrada nos pedidos de benefícios pelas agências. Tudo será feito nas sedes dos sindicatos. O treinamento foi feito com 13 entidades na sede do Centro de Inclusão Digital em Afogados da Ingazeira. Para o superintendente regional, Marcos de Brito, essa ação amplia o acesso e facilita a vida dos agricultores.

Perguntar não ofende: A cerimônia de diplomação não poderia ser mais rápida?

Publicado em: 07/12/2018