Coluna da quarta-feira

      Economia começa a reagir  

Na fala aos prefeitos, ontem, na instalação da 20ª Marcha dos Municípios a Brasília, o presidente Michel Temer (PMDB) disse que o pior momento do País já passou e voltou a falar em entusiasmo sobre a reação da economia. Depois da reação do PIB, que cresceu 1,1%, outra notícia alvissareira foi bastante comemorada ontem: o Brasil voltou a gerar empregos com carteira assinada em abril, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho.

No mês passado, segundo o levantamento, as contratações superaram as demissões em 59.856 vagas. Foi o primeiro resultado positivo para abril desde 2014. Abril também foi o segundo mês de 2017 em que houve geração de empregos formais - em fevereiro as contratações também superaram as demissões em 35.612 vagas, no que foi o primeiro registro de criação de postos com carteira assinada no país em quase dois anos.

Após o resultado positivo de fevereiro, porém, o País voltou a fechar vagas de trabalho em março. Naquele mês, 63.624 postos foram fechados. "Espero que no mês que vem, quando venhamos a conversar novamente, possamos comemorar essa expectativa da retomada do emprego no Brasil. Isso é uma tendência. Quanto maior o número de pessoas consumindo, toda essa cadeia se fortalece. Esperamos que se concretize e se estabeleça esses números positivos", disse o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Apesar do resultado positivo no mês passado, os dados do Governo mostram que, no acumulado de janeiro a abril, houve o fechamento de 933 vagas com carteira assinada no País. Mesmo negativo esse foi o melhor resultado para este período desde 2014 - quando 458 mil vagas formais foram abertas. Nos quatro primeiros meses de 2015 e de 2016, respectivamente, foram fechados 137 mil e 358 mil empregos com carteira assinada.

Os números de criação de empregos formais do primeiro quadrimestre, e de igual período dos últimos anos, foram ajustados para incorporar as informações enviadas pelas empresas fora do prazo nos meses de janeiro e março. Os dados de abril ainda são considerados sem ajuste. A notícia de que o País voltou a criar empregos em abril ocorre num momento em que dados apontam para um possível início de recuperação da economia brasileira.

Esses números mostram que, no primeiro trimestre deste ano, o nível de atividade voltou a acelerar, embora os efeitos da recessão ainda não tenham acabado. Além disso, a prévia do PIB, divulgada pelo Banco Central nesta semana, indica que o PIB brasileiro cresceu 1,1% no acumulado dos três primeiros meses deste ano, na comparação com o último trimestre de 2016.

MEDIDAS– Para tentar reaquecer a economia, o Governo Michel Temer tem anunciado medidas como a liberação de saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O Banco Central também vem reduzindo a taxa Selic, o que deve se traduzir em queda dos juros dos empréstimos bancários e, consequentemente, em retomada do consumo. Os dados do Caged mostram que quase todos os setores da economia registraram criação de empregos formais em abril. O único setor que demitiu no mês passado foi à construção civil, que fechou 1.760 vagas.

Um arrependido ainda vivoDepois de passar os três primeiros meses da sua gestão sem receber um só centavo do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), por causa de embaraços financeiros e judiciais deixados pelo antecessor, o prefeito de Maraial, Marquinhos Moura (PTB), perdeu o elã. Foi a mais destacada ave borocoxô da 20ª Marcha dos Prefeitos, ontem, em Brasília. “Se arrependimento matasse eu já estaria no além”, brincou, arrancando risadas de um grupo de prefeitos que aguardavam uma audiência com o senador Armando Monteiro Neto (PTB).

Izaías volta a bater– Já o prefeito de Garanhuns, Izaias Régis (PTB), que também participa da Marcha dos Prefeitos, dizia aos colegas municipalistas que estava encomendando uma máscara de Pinóquio para o governador Paulo Câmara (PSB), a quem se recusou a receber no seminário “Pernambuco em ação”, no mês passado, em seu município. “Ele agora deu para falar em milhões e milhões liberados para os municípios nos seminários. É um contumaz mentiroso, este dinheiro não existe, é uma grande perua dele”, afirmou.

Greve em Bom Conselho– A greve dos professores da rede municipal em Bom Conselho, no Agreste Meridional, já completou 41 dias. Os cerca de 400 profissionais da cidade decidiram cruzar os braços para reivindicar melhores condições de trabalho. Na pauta da categoria, estão a efetivação do Plano de Cargos e Carreiras e um reajuste de 7,64%. Desde dezembro do ano passado que o reajuste está aprovado pelo Ministério da Educação e até agora não houve o repasse. "O prefeito não depositou um centavo a mais no nosso contracheque. Também precisamos que o Plano de Cargos e Carreiras seja cumprido. Até fardamento e merenda para os alunos faltam. Precisamos de condições básicas para trabalhar”, disse uma professora. O prefeito Danilo Godoy (PSB) diz desconhecer a informação da falta de repasses e afirmou que todas as verbas devidas aos profissionais estão sendo viabilizadas regularmente.

Danilo quer PSB com MarinaVoto contra a qualquer projeto de iniciativa do Governo na Câmara dos Deputados, o deputado Danilo Cabral (PSB) não enxerga um cenário em 2018 no qual a legenda socialista possa se compor com o PT, novamente, no plano nacional. Dentro da bancada e na executiva nacional, ele disse que vai defender que o PSB apoie a candidatura presidencial da ex-senadora Marisa Silva. A manifestação dele se deu no mesmo dia em que a Rede, de Marina, rompeu com o Governo Paulo Câmara, decisão formalizada em nota dois dias após um encontro no Recife com a ex-senadora Heloisa Helena, de Alagoas.

CURTAS

LIMOEIRO– O prefeito de Limoeiro, João Luis Ferreira, o Joãozinho (PSB), disse, ontem, que, apesar das dificuldades vai manter a tradição dos festejos juninos. “Vamos fazer um grande São João, com atrações que vão agradar a todos os públicos”, disse. Joãozinho também está em Brasília participando da Marcha dos Prefeitos e ao mesmo tempo cumprindo uma agenda nos ministérios para tentar viabilizar recursos federais para o município.

SURUBIM–Quem também está em Brasília é a prefeita de Surubim, Ana Célia (PSB). Depois da abertura da marcha, ela esteve no gabinete do deputado Danilo Cabral, que já conseguiu alocar uma emenda impositiva de R$ 2 milhões para o projeto do anel viário, a maior intervenção que a socialista pretende fazer para melhorar o fluxo de trânsito na cidade.

Perguntar não ofende: Quantos votos Temer contará na bancada de Pernambuco para aprovar a reforma da Previdência? 

Publicado em: 16/05/2017