Chávez vai retirar Venezuela do FMI e Banco Mundial

 O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou nesta segunda-feira que retirará formalmente o país do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI). A retirada é, em grande medida, um ato simbólico, já que a Venezuela já cancelou suas dívidas com instituições credoras no passado.

O líder esquerdista, que critica constantemente as instituições, baseadas em Washington, afirmou que "não irá mais a Washington, nem ao FMI ou ao Banco Mundial, e nem a ninguém" para pedir empréstimos.

Chávez afirmou ainda que quer formalizar a saída da Venezuela dos órgãos hoje e que pedirá "que eles devolvam o que devem" ao país.

OEA

O presidente também ameaçou hoje retirar a Venezuela da Organização dos Estados Americanos (OEA) se este órgão condenar o país depois de uma denúncia de agressão.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (órgão da OEA), baseada em Washington, levou uma denúncia de jornalistas da rede de TV RCTV contra o país à Corte Interamericana, na Costa Rica A Corte Interamericana é um órgão judicial autônomo que interpreta e aplica a Convenção Americana de Direitos Humanos.

O jornalistas afirmam que foram agredidos por ativistas pró-governo em uma manifestação em 11 de abril de 2002. O governo venezuelano e a RCTV empreendem atualmente uma disputa pela recusa de Chávez em renovar a licença de funcionamento da rede neste ano.

"Se chegam a nos condenar na OEA ou em qualquer outro órgão internacional por um caso como este, a Venezuela sairá da OEA, porque não fará sentido estar ali", disse Chávez.  (Informações da Folha Online)

Publicado em: 01/05/2007