A réplica do presidente da Ceasa de Pernambuco

A propósito das declarações do ex-presidente da Ceasa, Francisco Papaléo, rebatendo informações do seu sucessor, Romero Pontual, de que havia deixado uma herança maldita de R$ 600 mil, o atual presidente remeteu, há pouco, novas explicações sobre o caso, que seguem na íntegra:

''Caro Jornalista Magno Martins,
 
Em resposta as afirmações do meu antecessor nesta presidência, a respeito da real situaçao da CEASA-PE em janeiro de 2007, ratificamos nossas afirmações, e na ocasião colocamos à disposição do Ilustre Jornalista e de qualquer interessado, os demonstrativos financeiros e contábeis desta Organização, onde mostra que em 31/12/2007, registrava um passivo de exatamente de R$ 492.501,65, relaltivo entre outras obrigações a ressarcimento do pagamento de pessoal cedido (Três meses), INSS, ISS e fornecedores, etc..
 
Somado ao valor supra, deve ser levado ainda em consideração a posição em 12.01.2007, data em que assumimos a gestão, onde tais passivos registravam um endevidamento de aproximadamente R$ 600 mil reais.
 
Aliado a essa situação, registramos que praticamente toda receita recebida pela CEASA até o dia 12 de janeiro, aproximadamente R$ 700 mil, foi utilizada, ficando disponibilizado no caixa da empresa valores insignificantes, inviabilizando, dessa forma, a quitação dos compromissos financeiros desta Organização, fato este comprometeu o equilibrio econômico/financeiro desta CEASA.
 
Assim sendo, e acreditando termos esclarecidos todos os pontos, estamos sempre à disposição para prestar as informações necessárias, e  estamos trabalhando diuturnamente para reverter tal situação, e fortalecer cada vez mais a maior Central de Abastecimento do Norte/Nordeste, e que principalmente venha a contribuir para o engrandecimento de nosso Estado.
 
Um  forte Abraço.
 
Romero Pontual

Publicado em: 25/04/2007