Bruno: "Armando investiu muito pouco em Gravatá"



























Acervo do Castanha.

Rompido com o senador e pré-candidato do PTB ao Governo de Pernambuco, Armando Monteiro Neto, o prefeito de Gravatá, Bruno Martiniano (PTB), continua na ofensiva contra a suposta tímida colaboração do correligionário, via emendas, para o município do Agreste. Durante o lançamento oficial da programação do São João de Gravatá, o gestor municipal afirmou que alguns deputados estaduais contribuíram de forma mais expressiva que o postulante a governador.

“Ele [Armando Monteiro] colocou pouco mais de R$ 1 milhão em emendas em Gravatá, enquanto para Agrestina foram destinados R$ 10 milhões. Waldemar Borges (PSB), que é deputado estadual, nos ajudou com R$ 4 milhões. Não tem justificativa”, afirmou Martiniano.

O prefeito anunciou, no último mês de abril, que irá caminhar ao lado do pré-candidato da Frente Popular, o ex-secretário Paulo Câmara (PSB), sob a alegação de que seu ingresso no palanque do principal adversário de Armando na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas teria sido justamente pela falta de apoio financeiro ao município por parte do senador petebista.

Outro lado - As acusações de Bruno Martiniano, no entanto, não passam desapercebidas por Armando. De acordo com o senador, Gravatá recebeu mais de R$ 50 milhões dos cofres do Governo Federal, sendo R$ 10 milhões em repasses diretos e doações de máquinas e equipamentos para atender prioridades, além de recursos orçamentários e mais R$ 35 milhões do PAC 2.

Ainda segundo o senador, Gravatá deixou de receber grande parte dos recursos no ano passado por estar inadimplente e por falhas da administração de Bruno, que teria perdido prazos para envio de projetos e documentação.

Publicado em: 22/05/2014