PSDB perde espaço com divisão entre Serra e Aécio

 O PSDB está dando mostras do quanto pode custar a um partido político a divisão interna entre seus principais quadros. Por mais que o presidente da legenda e senador Aécio Neves procure, em seus constantes giros nacionais, costurar a unidade partidária, uma peça se recusa a se encaixar. É a que está na mão do ex-governador José Serra, que aposta no recall que seu nome desperta no público, em razão de suas duas campanhas presidenciais anteriores, para insistir, persistir e resistir numa posição personalista e exclusivista.

Aécio, é claro, atua a favor de seu próprio nome para candidato a presidente em 2014, mas, registre-se, tem tomado o cuidado de recusar todo e qualquer lançamento de sua própria candidatura até agora.

O problema é que Serra não sabe praticar esse jogo. Conciliação, como se observa no histórico político dele, é uma palavra que não faz parte de seu dicionário. Imposição, sim.Em outras palavras, a falta de sintonia entre Aécio e Serra, provocada muito mais pelo paulista do que pelo mineiro, pode, ainda, rachar de uma vez o partido e espatifar as chances de uma vitória em 2014.

Os reflexos negativos dessa divisão já aparecem nitidamente nas pesquisas. No Datafolha de novembro, divulgado ontem, Serra surgiu à frente de Aécio tanto no cenário que inclui Marina Silva como candidata do PSB como no que foi feito com o governador Eduardo Campos. Com 19% no primeiro caso e 22% no segundo, ele superou Aécio, que marcou 15% na hipótese de Marina concorrer e 19% na simulação com Campos. (Portal BR247)

Publicado em: 01/12/2013