Coluna da quinta-feira

Thiago Lins (Interino)

Tudo às avessas - Mudanças em áreas como saúde, educação e segurança permeiam o discurso dos prefeituráveis. Entretanto, a mudança que já pode ser constatada antes mesmo do resultado do pleito reside no discurso daqueles, ou de seus padrinhos. No programa de Humberto, Lula tem repetido que o PT, apesar de ''governar para todos'', deve priorizar a classe média no Recife.

A era Lula tem avanços sociais reconhecidos. Por outro lado, teve banqueiros ganhando dinheiro ''como nunca'', como disse, certa vez, o próprio Lula. A classe média, por sua vez, figurava ''achatada'', em meio à bonança social e econômica, num Governo de extremos tão caros ao País.

Na outra ponta das pesquisas e da ideologia partidária, o tucano Daniel Coelho mantém o discurso inflamado dos seus tempos de PV, de onde saiu após a adesão do partido à base governista. A insistência na bandeira ambiental tem causado a ira de antigos correligionários. O presidente do PV no Recife, Augusto Carreras, já chegou a dizer que ''tem gente usurpando a bandeira do partido''.

Intrigas à parte, é curioso ver um tucano lançando referências mais associadas à esquerda, como o revolucionário Gandhi - volta e meia Daniel posta algum pensamento do guru, em seu perfil no Facebook. O PSDB das demonizadas - mas não demoníacas - privatizações sempre esteve mais para o liberal Adam Smith.

Enquanto isso, em São Paulo, o partido instala núcleos na periferia da cidade, onde Serra pretende minar redutos petistas. Sem falar na reestruturação do departamento sindical do partido. Algo bem oportuno, considerando os recentes ruídos entre o funcionalismo e o Governo Dilma.

Patamar Obama - Incensado nas redes sociais, o guia eleitoral de Fernando Haddad (PT), que concorre à Prefeitura de São Paulo , tem rendido comparações até com as antológicas inserções de Obama. Embora Haddad não tenha o magnetismo social do presidente americano, o único na história dos EUA a arrecadar mais de pessoas físicas do que jurídicas, seu guia é ousado, futurista e grandiloquente. De tão superlativo, chega a ser alienante: a execrada adesão do PP malufista virou assunto secundário. Detalhe: dos quase oito minutos de programa, um e meio se devem ao apoio do PP.

Paternidade política - Após a primeira carreata do PT recifense nesta campanha, realizada no último domingo (26), João Paulo afirmou que era preciso deixar claro ''quem é o verdadeiro candidato de Lula''. Para alguns, ainda não está claro nem que Humberto é o cabeça de chapa. E, dada a ''convergência'' entre os programas de governo socialista e petista - um exemplo é a implantação do ProUni no Recife -, o quadro nebuloso deve se agravar. O eleitor mediano pode precisar de um exame de DNA político.

Afinidades demais - A ''coincidência retórica'' entre PT e PSB em suas inserções finda por municiar os candidatos da oposição, Daniel Coelho (PSDB) e Mendonça Filho (DEM). Em princípio, a estratégia era colar a imagem de Humberto à do prefeito João da Costa, antes do lançamento da candidatura de Geraldo Julio (PSB). Agora, Daniel e Mendonça tentam colocar Geraldo e Humberto dentro do ''mesmo projeto''. Eles podem não estar dentro do mesmo projeto, mas de fato, têm - no mínimo - programas em comum.

Falcão no Sertão - Enquanto começa a baixar a poeira do PT no Recife, após o ''entendimento político'' em torno da candidatura de Humberto, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, atenta para candidaturas Nordeste afora. Depois de sua passagem pelo Ceará, ontem (28), Falcão esteve hoje em Serra Talhada e Petrolina, no Sertão Pernambucano. Tanto em Serra, onde o partido lançou Luciano Duque, quanto em Petrolina, onde o nome do PT é Odacy Amorim, a campanha já esquentou: não faltam provocações, intrigas e até denúncias. E Falcão, como tem mostrado em iniciativas recentes, é chegado numa briga. O próprio declarou que a aliança do PSB com Jarbas Vasconcelos, no Recife, ''leva, inevitavelmente, ao confronto''.

O pódio da rejeição - Após nota publicada na coluna de ontem (28), sobre a espetacular rejeição do prefeito de Camaragibe (Região Metropolitana do Recife), João Lemos (PCdoB), cujo índice atinge 84%, uma fonte prontamente enviou e-mail ao blog, relatando que o prefeito de Goiana (Zona da Mata Norte de Pernambuco), Henrique Fenelon (PCdoB), teria, também, altos índices negativos. De acordo com a fonte, o candidato do prefeito, Carlinhos (PDT) estaria até arrependido de ter ficado com o apoio do prefeito.

CURTAS

MIRANDIBA - Candidato à reeleição no município do Sertão Central de Pernambuco, o prefeito Bartolomeu Tiburtino (PR) corre o risco de ter seu mandato cassado, ficando inapto para concorrer ao pleito. O TCE emitiu parecer desfavorável, relativo às contas do exercício de 2009. O republicano aguarda o julgamento da Câmara local, onde conta com minoria.

PETROLINA - A oposição de Petrolina tem feito barulho em torno do alto investimento no São João do município sertanejo. Em junho, o prefeito Julio Lóssio (que afirma estar à disposição da Casa) já tinha divulgado um investimento de R$ 8 milhões, suficiente para que o festejo fizesse frente às edições de Caruaru e Campina Grande. A oposição alega carência de documentos oficiais. Afora o ruído, Lossio já reúne uma farta documentação: a repercussão do evento na imprensa nacional.

PERGUNTAR NÃO OFENDE - Quem é o verdadeiro candidato do ProUni Municipal?

Nota do blog: devido a imprevistos, esta coluna teve de ser editada às 18 horas - pouco antes da divulgação da pesquisa Datafolha para o pleito no Recife. Assunto para a próxima coluna, portanto.

Publicado em: 30/08/2012