Baile Municipal de Arcoverde

31/01


2015

Cara de petista: novo visual de Aécio divide tucanos

Depois de mais de um mês de férias, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) apareceu na reunião da nova bancada do partido da Câmara nesta sexta-feira, 30, ostentando uma espessa barba por fazer.

O novo visual chamou atenção dos presentes. Enquanto uns elogiaram, outros disseram que a barba fazia com que o tucano ficasse com cara de petista.

Houve até quem o comparasse com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem na barba a sua marca registrada.

O atual líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy, aprovou o novo visual e chegou a elogiar o correligionário em público. "Tenho certeza que vai continuar agradando muita gente", disse, (Portal Terra)


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Processo Eletrônico

31/01


2015

Fiel da balança

Aliados de Aécio Neves (MG) acreditam que o discurso do senador para a bancada do PSDB na Câmara nesta sexta-feira conteve a debandada de votos pró-Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na disputa pela presidência da Casa. Mas resiste no partido o temor de que Julio Delgado (PSB-MG) tenha votação inexpressiva domingo, o que fragilizaria o senador mineiro. "O PSDB não tem de se pautar pela lógica comezinha do varejo, e sim pela responsabilidade com a sociedade", disse Aécio à coluna.

Aliados de Aécio rastrearam os "eduardistas" da bancada. Rogério Marinho (RN) foi chamado para uma conversa e ouviu que o partido "tomará providências" caso ele descumpra a ordem de votar em Delgado.

Na reunião, Aécio disse que o apoio dos tucanos é essencial para segurar o PSB no campo da oposição e lembrou que a sigla sofre "ataque especulativo" para voltar à órbita do Planalto.(Vera Magalhães - Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se


31/01


2015

Ministra processada por dívida ao BNDES

Da Folha de S.Paulo - Aguirre Talento e João Carlos Magalhães

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, é questionada na Justiça devido ao não pagamento de um financiamento de R$ 1 milhão para a plantação de eucalipto na fazenda de sua família no Tocantins.

O empréstimo foi contratado em 2011, quando ela já era senadora pelo PMDB-TO.

Kátia foi avalista do negócio, feito por seu filho, o deputado federal Irajá Abreu (PSD-TO). A fazenda pertence também à ministra, sócia igualmente de empresas que administram a terra.

O dinheiro público foi obtido por meio do Bradesco, que capta os recursos junto ao BNDES. Seu valor inicial era de R$ 902 mil, já liberados. Com juros, a dívida chegou a R$ 1 milhão em junho de 2014, quando a cobrança foi ajuizada pelo Bradesco.


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Onodera Estética

31/01


2015

Pior janeiro da história

O ano em que a Globo comemora 50 anos não começa tão bem para a emissora nos números do Ibope. Em janeiro, até ontem, segundo medições na Grande São Paulo entre 7h e meia noite, a Globo marcou 13,3 pontos de média. Trata-se do pior janeiro da história da emissora. O mesmo mês em 2014 teve um ponto a mais no Ibope.

A seguir vêm a Record, com 5,4 pontos, e o SBT, com 5,3 pontos. Band e Rede TV! contabilizam, respectivamente, 2,1 pontos e 0,8 ponto.  (Lauro Jardim - Veja Online)


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Naipes Consultoria

31/01


2015

Marta começa a baixar a guarda para o PT

O recado que chegou a dirigentes nacionais do PT é que a ex-ministra Marta Suplicy deu nesta semana um primeiro sinal de que topa, pelo menos, conversar com o partido.

O PT ainda espera segurar a petista nos seus quadros. Como informou o Poder Online, a possibilidade mais concreta neste momento é oferecer à ex-prefeita de São Paulo algum tipo de compromisso relacionado à eleição de 2018.

Além daí, o partido já avisou que não vai ceder.   

O PT tem pressa em resolver o abacaxi Marta Suplicy. O partido está preocupado com o risc0 de ter a petista ao microfone da tribuna do Senado.

A nova legislatura começa nesta semana. E Marta, se seguir o mesmo modelo das últimas semanas, pode pegar pesado nos ataques ao partido e ao governo Dilma.

Ou seja, corre o risco de usar o mandato parlamentar do PT para atacar o próprio PT.


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Stampa Midia

31/01


2015

Aliados pressionam Dilma pela saída de Graça

No círculo próximo à presidente Dilma Rousseff e no PT, é cada vez mais tenso o clima em relação à presidente da Petrobras, Graça Foster.

Anteontem e ontem as conversas sobre o balanço da empresa e, principalmente, a forma como foram tratados os números sobre o suposto impacto financeiro da corrupção na estatal vieram acompanhadas da tese de que Graça já ficou tempo demais onde está.

O que se viu, diz um ministro, foi uma ‘trapalhada’ geral na comunicação da empresa, em um momento decisivo para fazer frente ao desgaste provocado pela Operação Lava Jato. Para um dirigente petista, hoje Dilma é a única a insistir em manter Graça Foster no cargo.  (Blog Poder Online - Clarissa Oliveira)


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Biologicus

31/01


2015

Anais da política

Luiz Fernando Vianna – Folha de S.Paulo

Desde Célio Borja em 1975, um representante do Rio de Janeiro não se elege presidente da Câmara dos Deputados. O tabu de 40 anos pode ser quebrado no domingo com a vitória de Eduardo Cunha. Que legal, não?

Resposta de quem acompanha um pouquinho a política do Rio, dominada há 12 anos pelo partido-empresa de Cunha, o PMDB: não.

O resultado poderá coroar aberrações que passaram a ser aceitas como verdades. Exemplos:

1) ser político é um ofício da iniciativa privada, tão bem-sucedido quanto maior for a ingerência sobre o destino de recursos públicos --que deixam de ter destino público;

2) a função primeira do Legislativo é chantagear o Executivo para conseguir o máximo de cargos e verbas. É um jogo que zera após cada votação importante, o que o torna interminável e de rentabilidade segura. Não se discutem projetos para o país, mas oportunidades de negócio;

3) em sendo uma categoria profissional, os políticos precisam ser representados por associações de classe, que organizam suas reivindicações. Eduardo Cunha é um líder sindical, um Lech Walesa do submundo político brasileiro.

Em fevereiro de 2005, Severino Cavalcanti foi eleito pela maioria fisiológica da Câmara, desafiando o governo Lula. Em maio, anunciou seu preço: indicar um nome para "aquela diretoria que fura poço e acha petróleo" na então forte Petrobras. Caiu em setembro acusado de receber um mensalinho de R$ 10 mil do concessionário do restaurante da Câmara.

Saudades de Severino. Era um amador, praticante do fisiologismo-arte. Cunha joga o fisiologismo-força.

Firme em sua milionária campanha, indica se sentir inalcançável pela Operação Lava Jato. O juiz Sergio Moro vai ficar devendo essa ao Brasil.

Se vencer, Eduardo Cunha entrará nos anais do Rio. E de todos os brasileiros.


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Santana e Plácido

31/01


2015

Coluna do sabadão

      Avulsos só prosperam na traição

Em eleição para composição de mesas diretoras no Legislativo há uma praxe entre os partidos: o cumprimento do acordo na votação nos candidatos oficiais. Com isso, dificilmente quem se aventura em candidaturas avulsas têm chances de virar o jogo, a não ser que os deputados traiam.

Para trair, no caso dos deputados governistas, o preço tende a sair caro. No PSB, partido majoritário na Casa, com 15 representantes, o nome oficial para a Primeira-Secretaria é o do ex-prefeito do Cabo, Lula Cabral, mas Diogo Moraes está correndo por fora, ameaçando registrar sua candidatura avulsa.

Tem alguma chance? O voto é secreto, é verdade, mas se a própria bancada do PSB não seguir a orientação do partido quem ficará mal na fita será a cúpula socialista e por tabela o governador Paulo Câmara. Diz uma peça teatral que para trair basta apenas coçar.

No caso de um governo em início, poucos têm coragem de coçar, porque o risco de ser tratado a pão e água ao longo dos quatros anos é realíssimo. Uma candidatura avulsa saindo de qualquer partido por falta de consenso pode ser até natural, mas da legenda oficial, que está com a caneta na mão, é grave.

Grave porque expõe profundamente o governador, cria um clima de instabilidade e desconfiança, abrindo um precedente grave para derrotas em matérias de interesse do Governo. Diogo tem esta força aparente para desafiar o seu partido e o governo? Evidentemente que não.

NA CORTE– Devido ao congestionamento nos voos para Brasília, praticamente toda a bancada pernambucana já está na capital desde ontem, para a posse do novo Congresso amanhã. Os novatos fizeram os procedimentos de praxe, como a criação de senha e o treinamento da votação no painel eletrônico, como o tucano Daniel Coelho, que, entusiasmado, postou uma imagem nas redes sociais testando a sua senha.

O pepino é estadual– Na audiência com o ministro dos Transportes, quinta-feira passada, em Brasília, o ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento) e o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, não colocaram em pauta a precária situação da BR-232 porque, segundo Humberto, a estrada é da inteira responsabilidade do Estado. E agora, José?

 

 

Derrota à vista – Dilma pode jurar que não, mas é senso comum que seu Governo está empenhado em eleger Arlindo Chinaglia para presidir a Câmara. Se o petista perder, a presidente sofrerá sua primeira derrota. Não é novidade a rejeição do candidato do governo. Em 2001, Aécio Neves derrotou o candidato do governo FH, Inocêncio Oliveira. Em 2005, Severino Cavalcanti venceu o candidato do governo Lula, Luiz Greenhalgh.

Azarão sem chances– Aliado do candidato do PMDB à Presidência da Câmara, o deputado não acredita que o socialista Júlio Delgado (MG) se transforme no azarão da eleição para renovação da mesa diretora no próximo domingo. “Apesar do esforço do PSDB, Júlio Delgado é vítima da migração para o voto útil. Ele já não é aquele candidato que disputou contra Henrique Alves”, observou.

Tratamento VipEm Brasília desde ontem, para tomar posse como mandato federal amanhã no Congresso, o secretário estadual de Turismo, Felipe Carreras, procurou o ministro Juca Ferreira para tratar de assuntos relacionados ao Estado e sentiu que Pernambuco será bem tratado. “Senti que o ministro vai investir bastante no turismo no Nordeste, especialmente em Pernambuco”, afirmou.

C

 

URTAS

LICENÇA– Dos 25 deputados da bancada federal que tomam posse amanhã, quatro se licenciam imediatamente para o secretariado de Paulo Câmara: Sebastião Oliveira (PR), Felipe Carreras (PSB), Danilo Cabral (PSB) e André de Paula (PSD). Mas todos terão direito a votar na eleição da mesa diretora.

RENÚNCIA– O vereador Raul Jungmann, da bancada do PPS no Recife, renuncia ao mandato na próxima segunda-feira para tomar posse como deputado federal. Como suplente, assume o mandato porque Paulo Câmara convocou quatro federais para o secretariado.

Perguntar não ofende: Dilma será derrotada na eleição da mesa diretora da Câmara dos Deputados?


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se

Comentários

Conceição

E se depois de alguns meses, algum Secretário (Sebastião Oliveira, Danilo Cabral, André de Paula ou Felipe Carreras) resolver voltar para a Câmara, como ficará Raul Jungmann?



30/01


2015

Dirceu quer tempo da clandestinidade na aposentadoria

O ex-ministro José Dirceu quer contabilizar os onze anos que viveu na clandestinidade, durante a ditadura militar, na contagem para sua aposentadoria. Ele quer se aposentar. Esse período abrange sua prisão no Congresso da União Nacional do Estudante (UNE), em Ibiúna (SP), em 1968, até a abertura política, em 1979, quando desfez cirurgia plástica que alterou seu rosto, e voltou a viver em definitivo no Brasil.

A pretensão de Dirceu precisa ser apreciada pela Comissão de Anistia, ligada ao Ministério da Justiça, órgão que julga e concede, ou não, contagem para a aposentadoria dos anos de perseguição política, além de indenização financeira. O ex-ministro já foi anistiado por essa comissão, em fevereiro de 2002, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, do PSDB. Seu processo foi aprovado por unanimidade de nove votos e a comissão concedeu a Dirceu o direito de reparação econômica, em prestação única, de R$ 59,4 mil. A portaria confirmando sua condição de anistiado, e o recebimento da indenização, foi assinada pelo então ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, hoje senador pelo PSDB de São Paulo e que foi candidato a vice-presidente da República em 2014 na chapa de Aécio Neves (PSDB). Foi publicada no Diário Oficial da União em 7 de março de 2002.

Naquele ano, então presidente nacional do PT, Dirceu disse ao GLOBO sobre sua anistia:

— Tenho direito a esse reconhecimento. O valor da indenização é secundário. Fui banido e perdi a nacionalidade durante onze anos. Vivi na clandestinidade, tiver que fazer plástica e mudar de identidade.  (Do Portal G1)


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se


30/01


2015

Senado: Renan se lança candidato à reeleição

Com apoio da ampla maioria do PMDB, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) oficializou nesta sexta-feira (30) sua candidatura à presidência do Senado. Dos 19 integrantes da bancada na Casa, 15 declararam voto em Renan.

Se eleito, será a quarta vez que o peemedebista vai presidir o Senado Federal.

Nos bastidores, ele costurou apoios nos últimos meses e procurou senadores de todos os partidos –inclusive da oposição, que aderiram à campanha de seu adversário, o também peemedebista Luiz Henrique da Silveira (SC).

A decisão de Luiz Henrique de lançar candidatura provocou racha no PMDB. Com a decisão da sigla de apoiar Renan, ele sairá como "avulso" na disputa em votação secreta no próximo domingo (1º).

O dissidente é taxado na Casa como "candidato da oposição" por ter reunido apoio do PSDB, DEM e PPS –três siglas que se opõem ao governo Dilma Rousseff.(Da Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


@
Cadastre-se