Agência Comunicação

01/07


2016

Afogados da Ingazeira: amor e saudade

Afogados da Ingazeira, minha terra natal, onde com um berro vi ao mundo, é uma página de saudade. E a saudade serve para me dar a absoluta certeza de que, apesar da distância que nos separa, ficaremos para sempre unidos – pátria e filho. Sou fiel ao ensinamento de Olavo Bilac: ama, com fé e orgulho, a terra em que nascestes. Meu torrão escaldante do sol e da seca que nos maltratam tanto está em festa, hoje, comemorando 107 anos de emancipação política.

Nem poderei estar lá, para beijá-la, abraçá-la e num abraço prolongado, sem desgrudar, renovar o testamento que assinamos de amor eterno e indissolúvel. O que Deus uniu o homem não separe! Amor pela terra natal é assim: por mais que a gente ande, conheça o mundo e outras culturas, nossas origens nunca saem de dentro de nós. Quando a saudade bate e dói, eu beijo os versos que escrevi para ela chorando.

Para mim, terra natal é sol, fonte de vida. Cada passada por suas ruas, esquinas, praças e bares, um caminho aberto, uma nova conquista. Tenho razão de sentir saudade dos caminhares quando a tarde cai e a luz da lua. Quem inventou a distância nunca sofreu a dor de uma saudade. Saudade é um dos sentimentos mais urgentes que existem, como dizia Clarice Lispector.

Metade de mim agora é assim: de um lado a poesia, o verbo, a saudade. Do outro, Afogados pendurada na parede, como retrato drumoniano, de velhas saudades, de beijos de mil fragrâncias. Saudade a gente tem é dos pedaços de nós que ficam pelo caminho. Sinto saudades de coisas que tive e de outras que não tive, mas quis muito ter. Sinto saudades de coisas que nem sei se existiram e que parecem imaginárias, porque são marcas de um passado dourado.

Quando vejo retratos dos meus anos de menino feliz em Afogados da Ingazeira, como a praça e o coreto de tantas retretas, sinto cheiros de jabuticaba, de tanajura assada que a gente catava pelas ruas desertas. Quando escuto uma voz, quando me pego pensando no passado, sinto saudades de amigos que nunca mais vi, de pessoas com quem não mais falei ou cruzei. Sinto saudade dos que se foram e de quem não me despedi direito, daqueles que não tiveram como eu dizer adeus.

Sinto saudade das coisas que vivi e das quais deixei passar. Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que, não sei onde, para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi na infância no meu torrão. Minha terra é como um colírio para os meus olhos, sempre pronto alimentar a minha alma. Tenho orgulho do seu povo humilde e sempre bem disposto, que no fim da tarde se senta nas esplanadas dos bares para beber e rir das suas vidas tão sofridas.

Já disse Rubem Alves que a saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar. Sentimentalmente, não me sinto separado da minha Afogados da Ingazeira, mas a separação forçada e cruel da realidade do dia a dia me faz admitir, porque toda separação é triste. Triste porque guarda memória de tempos felizes, ou de tempos que poderiam ter sido felizes. E na separação mora a saudade.

Um beijo para minha amada! 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sopranor 1

01/07


2016

Coluna da sexta-feira

   Câmara enfrente protesto no Pajeú 

Tão logo tomou posse e esteve no Pajeú, o governador Paulo Câmara (PSB) recebeu um amplo dossiê sobre a devastação da caatinga, o avanço das áreas desertificadas e a exploração acelerada, sem o menor controle, de madeiras nobres da região, elaborado por várias instituições e a Igreja Católica. No documento, havia um alerta: sem uma reação do Governo, o desmatamento poderia levar o Sertão a virar um deserto.

Mas o governador, entretanto, não tomou nenhuma providência. Diante do silêncio do Estado e da omissão do secretário do Meio Ambiente, Sérgio Xavier, as mesmas entidades e os movimentos sociais promovem, hoje, uma manifestação em praça pública durante a passagem do governador pela região. Câmara chega ao município, logo cedo, para participar da Expoagro, uma das maiores de feiras de caprinos e ovinocultura do Estado, e das festividades relacionadas à emancipação política do município. 

“Faremos um ato pacífico, mas contundente”, disse o padre Luizinho, pároco do município de Ingazeira, a 20 km de Afogados da Ingazeira. Segundo ele, o Estado precisa ficar alerta em relação ao problema, que é muito mais grave do que se possa imaginar. Municípios como Tuparetama, conforme levantamento entregue ao governador, já tem 70% de área de caatinga degradada, em processo que pode levar à desertificação.

O dossiê também aponta que saem, por semana, da região do Pajeú, cerca de 170 caminhões empilhados de madeira sob os olhares da fiscalização do Ibama, sem que nenhum tipo de reação ocorra para banir o comércio ilegal. “Muitas vezes esses caminhões fazem duas viagens carregados de lenha”, alertou o religioso, adiantando que, para driblar a Polícia Federal, um verdadeiro cartel destrói a caatinga, geralmente em ações de fins de semana, usando estradas pouco ou quase nada fiscalizadas pela Polícia Rodoviária Federal.

Em artigo recente, o jornalista e advogado Cláudio Soares, de São José do Egito, já havia feito a denúncia da exploração descontrolada de madeira no Sertão pernambucano, tendo, inclusive, flagrado caminhões pela estrada apinhados de lenha com destino a carvoarias e pequenas indústrias da região e até de Estados vizinhos. O mais estranho é que o Governo recebeu várias cobranças, documentos e até vídeos que se propagaram nas redes sociais, sem tomar medidas corajosas de enfrentamento.

Por isso, os sertanejos resolveram fazer uma manifestação, hoje, enquanto durar a visita do governador ao Pajeú. Ao ato, segundo o padre Luizinho, também estarão presentes representantes dos 17 municípios do Pajeú, mobilizados pelas diversas instituições promotoras do ato. “O que está ocorrendo em nosso sertão é um crime ao meio ambiente e esperamos que o governador, diante do nosso grito, agora reaja”, disse o pároco.

RENÚNCIA– O primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), defendeu, ontem, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto, que o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renuncie ao cargo de presidente da Câmara, do qual está atualmente afastado. Além de afastado da presidência, Cunha está com o mandato parlamentar suspenso, por decisão do Supremo Tribunal Federal. Os ministros do STF entenderam que Cunha usou o cargo para prejudicar as investigações da Operação Lava Jato e o andamento do processo de cassação ao qual responde na Câmara. O deputado é réu e alvo de investigações na operação.

Patriota e Ramos com Odacy– O deputado federal Gonzaga Patriota torce o nariz para o pré-candidato do PSB a prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, que terá, hoje, o seu nome confirmado num ato com a presença do governador Paulo Câmara. “Não voto em Coelho nenhum”, afirma. Também dissidente socialista, o deputado estadual Lucas Ramos fez uma dobradinha com Patriota para inviabilizar no nome apresentado pelo senador Fernando Bezerra Coelho. O que se diz em Petrolina é que Patriota e Ramos podem apoiar a candidatura do petista Odacy Amorim, que já foi do PSB.

 

 

 

 

Aval do TCU– Após o aval concedido pelo Tribunal de Contas da União (TCU), o presidente em exercício Michel Temer assinou a MP que libera de forma emergencial para o Rio de Janeiro R$ 2,9 bilhões destinados a ações de segurança pública relacionadas à Olimpíada. Com isso, o dinheiro fica liberado. Os ministros do TCU avaliaram que as características da situação – inclusive de imprevisibilidade e urgência – justificam o repasse da União para o Rio de Janeiro. A negociação para a liberação da verba tinha sido feita entre Temer e o governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles.

Pacto Federativo- O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou, ontem, o nome do senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho (PSB) para presidir a Comissão Especial para o Aprimoramento do Pacto Federativo (CEAPF). Trata-se de um dos mais importantes colegiados do Congresso, responsável pela análise de projetos que impactam diretamente nos Estados e Municípios. FBC continuará integrando outro colegiado estratégico do Senado: a Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional (CEDN), responsável pelas proposições da chamada “Agenda Brasil”.

Prefeita mostra prestígio- Na passagem pelo Sertão do Pajeú, quarta-feira passada, quando promoveu uma festa junina para seus correligionários em Serra Talhada, o secretário estadual de Transportes, Sebastião Oliveira, assinou a ordem de serviço para pavimentação da PE-366, que liga Flores ao distrito de Fátima, de 16 km. Trata-se de uma velha reivindicação da população daquele município e que acabou se concretizando graças ao prestígio da prefeita Soraya Morioka (PR).

 

 

 

CURTAS

AFOGADOS– O governador Paulo Câmara (PSB) prestigia, hoje, a Exposição de Caprinocultura de Afogados da Ingazeira, mas antes de conhecer o potencial da feira concede entrevista aos radialistas e blogueiros da região no hotel Brotas, às margens do rio Pajeú. Deve ser abordado sobre muitos assuntos que estão tirando o sono da população, como o aumento da violência e a inclusa pavimentação da estrada que liga o município até o distrito de Albuquerquené.

ARCOVERDE – A prefeita de Arcoverde, Madalena Brito (PSB), comemorou, ontem, o resultado positivo na economia do município dos 11 dias dos festivos juninos, que movimentaram mais de R$ 30 milhões, gerando mais de 10 mil empregos diretos e indiretos. Arcoverde fez um dos melhores ciclos de São João dos últimos anos, consolidando-se como o segundo polo mais importante do Estado.

Perguntar não ofende: Quais as revelações que Carlinhos Cachoeira, preso ontem, fará com o esquema da Lava Jato? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Dilma abrirá fabrica no Rio Grande. Já está em faze de conclusão a indústria ROUSSF WIND, empresa criada por Dilma Jumenta para a estocágem de vento.

Nehemias Fernandes Jaques

MEU AMADO E MELHOR PRESIDENTE. VOU COM ELE PRA LUTA. CONFIRMADO: ‘Lula será candidato em 2018. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

marcos

Dilma vai voltar,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,pa Porto Alegre. kkk

marcos

Lula sera preso em 2016.

Nehemias Fernandes Jaques

Esposa de Cunha se desespera ao saber de possível prisão e manda recado para Temer. , Cláudia Cruz entrou em desespero e avisou: “Se isso acontecer vou contar tudo que sei”. Golpistas safados, sem-vergonhas, Patifes. Não vai ficar pedra sobre sobre pedra. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


TCE

01/07


2016

Prisão de Cavendish atinge Cunha e Cabral

A prisão do empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, pode trazer implicações para Eduardo Cunha e Sérgio Cabral, caso opte pela delação premiada. A informação é do jornalista Andrei Meireles (aqui). 

"Quem acompanhou os bastidores da CPMI do Carlinhos Cachoeira, em 2012, sabe do empenho de Eduardo Cunha para transformar as apurações em pizza. Como Cachoeira e Cavendish mantinham esquemas suprapartidários, apesar de todo o escândalo, Cunha e outros parceiros não tiveram maiores dificuldades na empreitada. Para salvar Cavendish, Eduardo Cunha fez de um tudo: negociou apoios de parlamentares, procurou jornalistas para repassar munição sobre escândalos paralelos e tirar o foco de Cavendish, e usou esses novos casos para influenciar a comissão de inquérito. Deu certo. Ninguém foi punido", informa Andrei Meireles.

Segundo ele, o emprenho de Cunha fez ele conquistar apoios decisivos como o do então governador Sérgio Cabral e se elegeu líder do PMDB em fevereiro de 2013.  (BR 247)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner - Hapvida

01/07


2016

Temer promete austeridade, mas aumenta gastos

Generosidade do governo já passa dos R$ 127 bilhões.
Empresários do comércio não conseguem refinanciar dívidas

G1 com Jornal Nacional

O presidente em exercício, Michel Temer, assumiu o cargo prometendo austeridade. Mas nos últimos dias o governo federal aumentou gastos e abriu mão de impostos. E a soma dessas ações passa dos R$ 127 bilhões.

Aproveitando a onda de bondades do governo, os empresários do comércio também chegaram ao Planalto de pires na mão. Pediram ao presidente em exercício, Michel Temer, um refinanciamento de suas dívidas. Saíram de mão abanando, apenas convidados a voltar mais vezes. Não tiveram a mesma sorte de governadores, servidores e beneficiários do Bolsa Família.

Generosidade que passa dos R$ 127 bilhões: R$ 67,8 bilhões do reajuste para os servidores da ativa e aposentados até 2018; R$ 50 bilhões da renegociação da dívida dos estados; R$ 4,8 bilhões com reajuste do Bolsa Família até 2017; R$ 2,9 bilhões de ajuda ao Rio de Janeiro, em estado de calamidade; R$ 1,7 bilhão de renúncia fiscal com a ampliação do Supersimples em um ano. O economista, ex-diretor do Banco Central, diz que há incoerência entre o discurso de ajuste e o aumento de gastos. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2016

Candidato ao lugar de Cunha: é hora dele renunciar

Beto Mansur avalia que o afastamento do cargo ajudaria a estancar ‘sangramento’ da Casa

O Globo - Júnia Gama

Primeiro secretário e candidato à presidência da Câmara, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) defendeu nesta quinta-feira que o presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), renuncie ao cargo. Para Mansur, "já passou da hora" de seu antigo aliado deixar a vaga, o que ajudaria, em sua avaliação, a estancar o "sangramento" pelo qual passa a Câmara.

— Eu acho que ele vai renunciar semana que vem. Não falei com ele, mas acho que ele não pode continuar deixando sangrar a Câmara da maneira como está. Vai fazer dois meses que ele foi afastado semana que vem, seria uma boa hora para ele renunciar. Passou do prazo dele renunciar — disse Beto Mansur ao GLOBO.

O deputado afirma que sua colocação não está relacionada ao fato de ser candidato à sucessão na Casa. A pedido de Cunha, o Palácio do Planalto vem trabalhando para viabilizar o nome de Rogério Rosso (PSD-DF) para o cargo.

Continue lendo: Candidato à sucessão de Cunha no comando da Câmara diz que ‘passou da hora’ dele renunciar


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

N. Power

So falta o Heil Hitler


Odonto Personalité

01/07


2016

Temer busca apoio de Aécio para eleger aliado de Cunha

Rogério Rosso seria o candidato; tucanos querem apoio para candidatura em 2017

O Globo - Júnia Gama e Leticia Fernandes

Pressionado pelo presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente interino, Michel Temer, tenta um acordo com a antiga oposição, composta por PSDB, DEM, PPS e PSB, para viabilizar uma sucessão na Câmara com um nome de interesse do peemedebista. Na semana passada, Temer procurou o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), em busca de apoio a um deputado do centrão que assuma o mandato-tampão de presidente da Câmara até o final deste ano.

Na conversa ocorrida no Palácio do Jaburu, Temer explicou a Aécio que desejava ajudar na eleição de um presidente da Câmara que não trabalhe pela cassação do mandato de Cunha. O nome que melhor se encaixa nesse perfil, na análise do Palácio do Planalto, é o do deputado Rogério Rosso (PSD-DF).

Há resistências entre os partidos da antiga oposição, mas elas podem ser superadas — desde que haja um compromisso de apoio, por parte do governo e do PMDB, a um integrante de PSDB, DEM, PPS ou PSB para presidir a Câmara entre 2017 e 2019.

Leia mais: Temer busca apoio de Aécio para eleger aliado de Cunha na Câmara


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

N. Power

que nojo olhar para essas \"figuras\"


Naipes

01/07


2016

Dilma garante: Lula será candidato em 2018

A presidente Dilma Rousseff afirmou com convicção, pela primeira vez, que o ex-presidente Lula será candidato à Presidência da República. "Eu posso dizer a você que ele vai disputar a próxima eleição", declarou em entrevista à revista francesa L´Express, sem especificar se isso ocorreria em 2018 ou antes – até porque as circunstâncias são desconhecidas até mesmo para Dilma.

"Esta é, certamente, a razão principal deste golpe de Estado: impedir Lula de disputar a eleição presidencial. Hoje, nas pesquisas – e apesar de todas as tentativas de destruir a sua imagem – Lula continua a ser a pessoa mais querida. Eu posso dizer a você que ele vai disputar a próxima eleição", disse Dilma à revista, cuja edição com a entrevista foi publicada nesta quarta-feira 29.

Ao falar sobre o processo de impeachment, Dilma apontou uma "profunda injustiça" na maneira como foi afastada do poder e questionou: "do que estou sendo acusada?". Ela cita, então, que seu "crime" foi ter editado decretos para obter recursos adicionais para financiar programas sociais. "Isso não é crime! E eu não sou o primeiro presidente a fazê-lo", protestou, lembrando que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso editou 23 decretos similares.

Dilma também foi questionada sobre não saber de nada a respeito do esquema de corrupção na Petrobras, uma vez que foi ministra de Minas e Energia entre 2003 e 2005 e presidente do conselho de administração da estatal entre 2003 e 2010. A presidente ressaltou, na resposta, que um dos delatores da Lava Jato revelou que o esquema ocorria desde 1972 e que "é muito difícil de controlar" o que se passa em todas as negociações. (BR 247)

Faça aqui o download do arquivo da revista, em francês.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sesi 4.0

01/07


2016

O que Cunha sabe de empresários favoreceria delação

A equipe de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acredita que a resistência do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a uma eventual delação premiada do deputado pode ser contornada pelo acervo que o parlamentar tem sobre as relações entre o setor privado e o Congresso Nacional do país. A avaliação é de Mônica Bergamo,na sua coluna de hoje, na Folha de S.Paulo.

Segundo a colunista, o próprio Cunha acredita que o Ministério Público Federal faria "jogo duro" caso ele, se algum dia for preso, apresentar proposta de delação, hipótese ainda remota mas não descartada pelo deputado. O vasto e profundo conhecimento de como parte do empresariado atua, no entanto, poderia forçar o MP a mudar de postura.

"Em um debate em São Paulo, há alguns meses, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, por exemplo, disse que a ascensão de Cunha no cenário nacional tinha raízes no entusiasmado apoio que ele recebia de parte do empresariado paulista."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Senai 4.0

01/07


2016

Rombo programado tem pacote de benesses até 2018

Leandro Mazzini – Coluna Esplanada

Aliados do Congresso comemoram a grande jogada política do presidente Michel Temer. Aproveitou o momento ruim das contas e a má avaliação da presidente afastada Dilma Rousseff para incluir na sua conta os números amargos que anunciou para os próximos meses.

Agora vê-se que o rombo fiscal de R$ 170 bilhões programado está cheio de benesses que serão liberadas a conta-gotas.

O reajuste do programa Bolsa Família anteontem foi um deles – e um golpe certeiro no discurso dos petistas para as classes C e D de que o sucessor aniquilaria o programa.

Enquanto isso, é fato que a legalização dos jogos vem aí – o Governo inteiro quer, por arrecadação.

Porém o que mais anima contraventores do Bicho é a inclusão no texto do projeto da Câmara de perdão pelos processos judiciais em tramitação.

O relatório deve ir a plenário semana que vem, e depois para o Senado (que também tem o seu projeto). A proposta da Câmara é a que mais agrada ao Planalto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Odonto Personalité

01/07


2016

Custo Brasil requer menos barulho e mais equilíbrio

Ministério Público critica Toffoli em tom político, o que é inapropriado

Blog do Kennedy

Numa democracia, a última palavra é sempre do STF (Supremo Tribunal Federal). A revogação do ex-ministro do Planejamento e das Comunicações Paulo Bernardo, preso na Operação Custo Brasil, foi uma decisão monocrática do ministro Dias Toffoli, como tantas outras concedidas por outros colegas do tribunal. Ainda pode ser revista, portanto.

O Supremo pode ser criticado. É democrático. No entanto, o Ministério Público fez manifestações nos últimos dias com um cunho político inapropriado para o seu próprio trabalho. Ontem, os procuradores da Operação Custo Brasil disseram ver com “perplexidade” a decisão de Dias Toffoli de libertar Paulo Bernardo. É uma reação exagerada.

Cabe ao Ministério Público identificar uma conduta criminosa, reunir provas, apresentar eventual denúncia e sustentar essas acusações num processo, inclusive perante o Supremo para tentar reverter a decisão de Toffoli. No dia da prisão de Bernardo, houve manifestações de procuradores federais num tom político.

O próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que tem tido uma atuação equilibrada, pediu apoio da população para a Lava Jato em particular e o combate à corrupção em geral. Quando envereda por um discurso político, o Ministério Público abre a guarda para sofrer críticas na mesma moeda. O melhor a fazer é investigar bem e reunir provas para sustentar suas acusações.

Nesse episódio, todas as acusações precisam ser esclarecidas. Paulo Bernardo se diz inocente e disposto a responder. Menos barulho e mais equilíbrio fariam bem à Operação Custo Brasil


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/07


2016

Só TRE paulista na rota de Temer para subir a rampa

Leandro Mazzini - Coluna Esplanada

Um amigo próximo do presidente da República Michel Temer garante que, hoje, ele é candidato à reeleição, caso fique no cargo após o processo de impeachment.

Temer nega porque tem a estratégia de esperar ser aclamado candidato pelo partido, e se até 2018 melhorar a situação da economia e a conjuntura política.

Só há um entrave hoje. Se Temer não pagar dentro das próximas semanas uma pequena multa cujo processo está no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, ele fica inelegível.

Trata-se de uma infração pequena referente a prestação de contas da última eleição que disputou como deputado federal.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Arcoverde 4

01/07


2016

Novas eleições, sugestão abandonada

Carlos Chagas

Do ponto de vista politico, Dilma Rousseff já perdeu. Pelo número de  senadores que votaram e votarão contra ela, no final de agosto, não há saída. Mais de 54 apoiarão Michel Temer.

O problema, porém, pode mudar de figura quando se analisa o julgamento de Madame à luz da ciência do Direito. Como enquadrá-la juridicamente? Não cometeu crime algum capaz de levá-la a perder o mandato, por mais que o senador Antônio Anastasia, relator, tenha sido brilhante em sua exposição.

Como o processo de impeachment é tanto jurídico quanto político, tudo indica que hoje a presidente afastada não escaparia.

Mesmo assim… Mesmo assim, certeza não há. Por um voto que seja, no Senado, Dilma deixará de perder definitivamente o mandato, retornando à presidência da República.

Trata-se de uma decisão ainda inconclusa. Michel Temer, presidente interino, reuniu número suficiente permanecer no palácio do Planalto, mas até o dia da votação, as coisas podem mudar. Existem senadores ainda indecisos, bem como outros em silencio. Temer favorece seus partidários, liberando verbas e favores como não faria e não fará depois de vitorioso. Enquanto isso o país transita em frangalhos, com tudo dando errado.

Parece abandonada a proposta da realização de novas eleições presidenciais e até gerais logo depois de concluído o impeachment. O Congresso não concordaria.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

bm4 Marketing (turbinado)

01/07


2016

Lava Jato: Renan quer votar abuso de autoridade

Proposta será analisada em julho por comissão presidida por Romero Jucá

O Globo - Cristiane Jungblut, O Globo

Em tempos de operações da Polícia Federal e do Ministério Público contra a corrupção, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), investigado pela Operação Lava-Jato, anunciou nesta quinta-feira que pretende colocar em votação um projeto que trata de punição para abuso de autoridade. Ele disse que o projeto é um pedido do Supremo Tribunal Federal (STF), em especial do ministro Gilmar Mendes. Renan negou que a tentativa de aprovar o projeto tenha alguma relação com a Lava-Jato. Ele responde a 12 inquéritos no STF, sendo nove decorrentes da Lava-Jato.

Proposto em 2009, o projeto define os crimes de autoridade cometidos por integrantes da administração pública, servidor da União, estados e municípios, dos Poderes Legislativo e Judiciário e do Ministério Público. A punição seria uma ação penal com a possibilidade de indenização de danos e perda do cargo. O texto tinha sido arquivado na Câmara. Um novo texto foi resgatado por Renan.

O projeto quer proibir, por exemplo, “o uso de algemas, ou de qualquer outro objeto que tolha a locomoção”, quando não houver “resistência à prisão”. Além disso, considera crime de abuso de autoridade “constranger alguém, sob ameaça de prisão, a depor sobre fatos que possam incriminá-lo” e “ofender a intimidade, a vida privada, a honra ou a imagem da pessoa indiciada em inquérito policial”.

Leia mais: Investigado na Lava-Jato, Renan quer votar projeto sobre abuso de autoridade


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Márcio Calheiros

01/07


2016

Preso pela PF, Cachoeira chega ao Rio

Mau tempo fez bicheiro e o ex-diretor da Delta esperarem 6 horas em Goiânia

O Globo

O bicheiro Carlinhos Cachoeira e o ex-diretor da Delta Cláudio Abreu chegaram ao Rio de Janeiro na tarde desta quinta-feira, após serem presos pela Polícia Federal em Goiânia, durante a Operação Saqueador. O voo 5053 da companhia Azul, que levou Cachoeira e Abreu, decolou às 13h30, depois de mais de seis horas de espera devido ao mau tempo no Rio, e pousou no Aeroporto Santos Dumont às 14h57, segundo a empresa áerea.

Funcionários da Azul confirmaram aos jornalistas que Cachoeira, Abreu e policiais federais estavam nesta aeronave, o voo 5053. Eles foram presos em casa, em dois condomínios de luxo em Goiânia, às 6 horas desta quinta-feira. Deixaram os condomínios em duas viaturas da Polícia Federal às 6h50 e chegaram ao aeroporto às 7h10.

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) deflagraram na manhã desta quinta-feira "Operação Saqueador" para cumprir cinco mandados de prisão em São Paulo, Rio e Goiás. Entre os alvos, além de Cachoeira e Abreu, estão o ex-presidente da empreiteira Delta Construções Fernando Cavendish e o empresário Adir Assad, que já foi condenado na Operação Lava-Jato.

Continue lendo: Preso pela PF, Carlinhos Cachoeira chega ao Rio


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


30/06


2016

Eike e OI: Justiça inicia recuperação judicial

O juiz Paulo Assed Estefan, da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, encerrou o processo de recuperação judicial da Eneva, ex-MPX, de Eike Batista. Em pouco mais de um ano, a empresa pagou a credores trabalhistas, empresários e a maioria dos credores sem garantia real que tinham até R$ 250 mil para receber. 

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido de recuperação judicial da Oi, apresentado há dez dias. O juiz Fernando Viana reuniu as cinco empresas do grupo de telefonia que integram o pedido de proteção à Justiça no processo de recuperação, incluindo as filiais internacionais, com sede na Holanda. A escolha do administrador judicial será feita a partir de uma lista de cinco companhias especializadas, que deverão ser indicadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) num prazo de cinco dias. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores