30/07


2015

Lyra detona projeto da feira de Queiroz

Em entrevista a uma emissora local nesta quinta-feira, o ex-governador João Lyra Neto fez duras críticas ao projeto de transferência da Feira da Sulanca de Caruaru. Além de afirmar que o projeto foi rejeitado porque não existe transparência, João Lyra disse estranhar o fato do presidente da Câmara, Leonardo Chaves colocar o projeto para segunda votação.

João disse que estudou o assunto e como a rejeição ao projeto aconteceu, a segunda votação não pode acontecer. João adiantou também que, caso a votação seja realizada e o projeto aprovado, uma ação na justiça pode corrigir o erro. Clique aqui e ouça a entrevista.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

TCE

30/07


2015

Levy aguarda ata do Copom para comentar Selic

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse, hoje, que vai aguardar a publicação da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) para comentar o reajuste da taxa básica de juros, a Selic. Levy falou com jornalistas momentos antes de se reunir, no Ministério da Fazenda, com os governadores do Rio, Luiz Fernando Pezão, e de Minas Gerais, Fernando Pimentel.

Levy acrescentou que, depois da publicação da ata, terá elementos para fazer análise mais completa sobre a decisão do Copom. Ontem, após reajustar a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 14,25% ao ano, o Copom – em comunicado – indicou que os juros básicos devem ficar inalterados daqui para a frente. “O comitê entende que a manutenção desse patamar da taxa básica de juros, por período suficientemente prolongado, é necessária para a convergência da inflação para a meta no final de 2016″, destacou o texto.

A medida do Copom foi adotada por unanimidade. Na reunião anterior, no início de junho, a taxa também tinha sido reajustada em 0,5 ponto. Com o reajuste, a Selic retorna ao nível de outubro de 2006, quando também estava em 14,25% ao ano. A taxa é o principal instrumento do BC para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Prefeitura de Petrolina

30/07


2015

Em Brasília, fome reúne-se com falta de comida

Do Blog do Josias

Dilma Rousseff reúne-se com os governadores nesta quinta-feira. Na definição de um dos convidados da presidente, será “o encontro da fome com a falta de comida.”

Como assim? estranhou o repórter. “Com os tesouros estaduais em petição de miséria, os visitantes têm fome de dinheiro —um alimento indisponível na despensa de Dilma. Com a credibilidade em ruínas, a anfitriã tem fome de estabilidade congressual. Mas governador que pedir aos parlamentares apoio à impopularidade arrisca-se a receber uma banana como resposta.”

No convite aos governadores, Dilma informou que deseja discutir dois temas: governabilidade e responsabilidade fiscal. Seus operadores políticos chamam o entendimento desejado de “pacto pela governabilidade”. Dificilmente se inventará um nome mais pomposo para papo furado.

Se quisesse realmente ser tomada a sério, Dilma costuraria um entendimento nos bastidores antes de subir ao palco, sob refletores. Mas ela precisa da foto. Quer passar à opinião pública a impressão de que não é uma moribunda política.

Não é a primeira vez que Dilma procede dessa maneira. Ela repete agora a mesma coreografia de junho de 2013. Depois que os brasileiros foram às ruas para informar que estavam de saco cheio, a presidente convidou a Brasília governadores e prefeitos de capitais. Propôs cinco pactos. Ganha um doce quem se lembrar de um.

Enquanto a popularidade lhe sorriu, Dilma cultivou um tipo sui generis de diálogo, no qual ela obrigava o outro a calar a boca. Hoje, isolada e impopular, a grande ambição de Dilma é a de colher solidariedades que jamais plantou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


30/07


2015

Hospital da Mulher está 85% concluído

As obras do Hospital da Mulher receberam, na manhã de hoje, a visita do prefeito Geraldo Júlio, acompanhado da secretária-executiva do Ministério da Saúde, Ana Paula Menezes, além do senador Humberto Costa, do secretário municipal de Saúde, Jaílson Correia, e do secretário estadual de Saúde, José Iran Costa Júnior. Durante a vistoria, a secretária garantiu a liberação imediata de R$ 700 mil para os serviços, que já alcançaram 85% de conclusão. A previsão de entrega é até o final deste ano, com investimento total de R$ 56,8 milhões.

“Todo o cronograma para a entrega do Hospital da Mulher até dezembro deste ano está mantido. É muito importante esta parceria do Governo Federal com a Prefeitura do Recife para este equipamento, que será muito bem utilizado pelas mulheres do Recife”, explicou o prefeito. “Nós estamos vendo aqui uma estrutura já bastante adiantada, com algumas áreas faltando apenas o piso e o forro”, acrescentou. O prefeito também revelou que outros R$ 4 milhões estão em tramitação para serem liberados nos próximos dias.

A secretária-executiva do Ministério da Saúde também comemorou o estágio em que a obra se encontra e disse que regularmente realizaria visitas como estas. “Acho que este tipo de visita serve também para estimular a equipe que está trabalhando aqui. O Hospital da Mulher é um equipamento muito importante, já que a redução da mortalidade materna é uma meta que nós temos e precisamos cumprir. É uma obra relevante e estamos acompanhando de perto”, disse Ana Paula Menezes.

O Hospital da Mulher do Recife será a primeira unidade de saúde de grande porte construída pela gestão municipal na capital pernambucana. A unidade está orçada em R$ 56,8 milhões, dos quais R$ 48,8 milhões são oriundos de convênio com o Governo Federal, e vai reunir em um único lugar atendimento de urgência e emergência 24 Horas, centro obstétrico, cirúrgico, UTI materna e neonatal, Clínica Ambulatorial, Diagnóstico, Apoio Terapêutico, além de assistência à mulher vítima de violência. “São serviços muito importantes para as mulheres do Recife. Teremos aqui uma maternidade de alto risco para reforçar o atendimento materno-infantil na nossa cidade. Será um serviço amplo de atendimento para a saúde da mulher”, lembrou o secretário Jaílson Correia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Stampa Midia

30/07


2015

Lóssio apresenta educação de Petrolina

A política educacional de Petrolina, no Sertão pernambucano, tem se destacado e recebido atenção de instituições de todo o País. Ontem, foi a vez do Instituto de Qualidade no Ensino (IQE) conhecer um pouco mais sobre os avanços da educação na cidade e as ações, da gestão municipal, voltados para o aprimoramento do ensino e ampliação dos resultados positivos.

O presidente do IQE, Marcos Magalhães, foi recepcionado na sede da Secretaria de Educação de Petrolina, pelo prefeito, Júlio Lóssio (PMDB), e o gestor da pasta, Heitor Leite. O momento foi de apresentação da estrutura e do corpo funcional da Seduc. O gestor municipal pôde demonstrar também o planejamento executado, pelo seu governo, para busca de melhorias dos resultados educacionais na cidade, pautado no Plano Municipal de Educação.

O Instituto de Qualidade no Ensino é uma associação civil, sem fins econômicos, focado no desenvolvimento de projetos educacionais que tem por objetivo a inclusão social, através da melhoria da qualidade do ensino público básico. O Instituto atua em São Paulo, Pernambuco e Piauí.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Naipes

30/07


2015

Dilma veta extensão de ajuste na aposentadoria

A presidente Dilma Rousseff vetou a extensão da política de reajuste do salário mínimo, que consiste na variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos anteriores, mais a inflação, para todos os aposentados do INSS.

O veto foi publicado na edição de hoje do "Diário Oficial" da União. A presidente afirma no texto que decidiu vetar o projeto, parcialmente, por inconstitucionalidade. A medida volta agora à avaliação do Congresso Nacional.

O Senado havia aprovado no início do mês a medida provisória que prorrogava até 2019 o atual modelo de reajuste do salário mínimo e estendia a regra para as aposentadorias. Como foi votada sem mudanças em relação ao texto aprovado pela Câmara, a matéria seguiu para sanção presidencial.

Pela medida provisória, o mecanismo de atualização do salário mínimo continuaria a ser calculado com a correção da inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior, mais a variação do PIB de dois anos anteriores.

A MP foi editada em março pela presidente Dilma Rousseff, mas não incluía a extensão da regra para aposentados, alteração que foi feita na Câmara por meio de emenda.

O governo é contra a mudança porque alega que extensão da norma para aposentados pode comprometer as contas previdenciárias. Segundo o ministro Carlos Gabas (Previdência), a alteração geraria R$ 9,2 bilhões em gastos extras por ano – sendo R$ 4,6 bilhões em 2015.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


30/07


2015

Liberado R$ 1 bi em emendas parlamentares

Às vésperas do fim do recesso parlamentar, o governo autorizou a liberação de cerca de R$ 1 bilhão referente a restos a pagar de emendas parlamentares de 2014 e anos anteriores. A primeira liberação de recursos a parlamentares neste ano é uma tentativa do governo de acalmar deputados e senadores em meio às crises política e econômica, que devem ser acentuadas neste segundo semestre.

Haverá prioridade aos pagamentos de emendas parlamentares para compra de máquinas e equipamentos, mas as verbas para gastos com obras também serão contempladas.

"Não tem nenhum milagre. O que tem, pura e simplesmente, é que o governo está cumprindo a Lei Orçamentária. A nossa esperança é que a base do governo se solidifique mais", disse à reportagem o ministro Eliseu Padilha (Aviação Civil), que atua diretamente na articulação política do governo. "Queremos mostrar que, no embate político, temos que unir forças", afirmou.

Um líder partidário disse ter recebido telefonema do ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD), para comunicar a liberação de emendas.

Durante o recesso parlamentar, deputados demonstraram indignação com a dificuldade em obter as verbas do orçamento. Eles dizem estar sendo pressionados por prefeitos em suas bases eleitorais que, às vésperas das eleições, não têm recursos para executar as obras.

Em outra frente para atender à demanda nos Estados, a presidente Dilma Rousseff reúne hoje, em Brasília, os 27 governadores em busca de ajuda para evitar a aprovação de gastos extras previstos em projetos do Congresso, a chamada "pauta-bomba" de despesas para a União, Estados e municípios.

Dilma também tentará dar um tom menos pessimista sobre o futuro da economia, mesmo em meio à crise aguda. Os ministros da área econômica devem apresentar dados mostrando que a economia pode começar a reagir já no fim deste ano e, apesar das dificuldades, há uma luz no fim do túnel.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


30/07


2015

Prefeito vistoria obra do Hospital da Mulher

O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), visita, na manhã de hoje, a obra do Hospital da Mulher do Recife, acompanhado da secretária executiva do Ministério da Saúde, Ana Paula Menezes. Na ocasião, o gestor vai vistoriar o andamento da obra, que está orçada em R$ 56,8 milhões, dos quais R$ 48,8 milhões são oriundos de convênio com o Governo Federal. 

Para garantir o andamento da construção, a Prefeitura do Recife desembolsou R$ 35 milhões dos cofres municipais. O Hospital da Mulher está sendo construído em uma área de 13 mil metros quadrados, localizado no bairro do Curado, Zona Oeste da cidade. A unidade vai reunir em um único lugar atendimento de Urgência e Emergência 24 Horas, Clínica Ambulatorial, Diagnóstico, Apoio Terapêutico e assistência à mulher vítima de violência. Este é o primeiro hospital de grande porte da cidade do Recife e tem previsão de entrega à população no final de 2015.          


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Onodera Estética

30/07


2015

A charge do dia


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Comentários

BARTOLOMEU BUENO JOSE DE ALBUQUERQUE LINS

Ótimo local para lavagem de dinheiro público.


Vila Fest

30/07


2015

Histórias de repórter (75)

A primeira viagem como aprendiz de repórter nunca se esquece. A minha, em 1980, foi, literalmente, de observação: da definição da pauta, do roteiro, do modo de apuramento, produção de texto até edição. Acompanhei o primeiro chefe, o então editor de Regional do Diário de Pernambuco, Gilson Oliveira, numa maratona de uma semana aos rincões conflagrados da seca.

Nunca sofri tanto, mas também nunca aprendi tanto. Viajamos numa caminhonete sem cabine dupla. Tive que ir atrás, improvisando uma cadeira na carroceria. Levei muita poeira, sol na cara, arrombei a coluna e peguei uma gripe que fiquei 10 dias no estaleiro. Na boleia, só cabia o motorista, o repórter, no caso Gildson, e o fotógrafo Rodger Rodrigues.

Rodamos em torno de oito mil km de estradas entre o Agreste e o Sertão. Potiguar, vindo de Natal, jornalista premiado, com vários Essos, Gildson Oliveira era metódico, paciente e detalhista na apuração. Não usava bloco de anotações, mas uma velha prancheta recheada de papel lauda, que enumerava uma a uma.

Ao invés de começar o levantamento pelas cidades, metia a cara nos sítios, povoados, indo ao encontro de gente esfomeada, que comia fruto de palma na principal alimentação, tomava água da lama de barreiros, famílias com filhos esquálidos de tanta fome. Penetrava num mundo real da seca, que naquela época matava.

E para escapar da fome, que é má-conselheira, como dizia Dom Francisco de Mesquita, que concedeu uma longa entrevista ao longo da nossa estada em Afogados da Ingazeira, naquela época os sertanejos invadiam as feiras livres e os pequenos supermercados, praticando saques.

O Governo vinha a reboque, de última hora, e alistava os trabalhadores esfomeados num programa batizado de “Frente de Emergência contra as Secas”. Outro detalhe importante da viagem: meus custos, como observador, não eram cobertos pelo jornal. Tive que pedir uma mesada especial ao meu velho pai para pagar hospedagens e refeições.

Na década de 80, quando coloquei os pés pela primeira vez numa redação, os jornais não remuneravam estagiários. Quem quisesse praticar o que se ouvia nos bancos da faculdade tinha que ser em nome da pátria, ou seja, de graça. Obstinado pelo aprendizado fiz isso durante dois anos.

Prestem bem atenção, focas de hoje: dois anos! Com um agravante: morando em Recife, cursando Jornalismo na Unicap, para o DP eu, oficialmente, estava cadastrado como correspondente de Afogados da Ingazeira. E como se corresponder não morando na região? Fácil? Não, quase impossível. Eu viajava todo final de semana para o sertão e voltava às segundas-feiras empanturrado de notícias fresquinhas para Gildson Oliveira.

Nas férias de faculdade, ai, sim, ficava na minha base, mas viajando entre o Pajeú e o Alto Sertão. Só não ia ao São Francisco, porque lá havia um correspondente que era o cão chupando manga, como se dizia lá pelas nossas brenhas: Machado Freire. Um dos repórteres mais furões que conheci, Freire era, também, ativista político, chegando a disputar até um mandato de deputado estadual influenciado pelo padre-senador Mansueto de Lavor.

Voltando à viagem, para não sair do script, chamava atenção o talento do fotógrafo Rodger Rodrigues. Chegado a uma birita – e como gostava de molhar o bico naqueles sertões de vida Severina – possuía um olho mágico. Via a notícia em suas lentes onde nunca imaginava. Ganhou vários prêmios de fotografia.

Na redação, no dia-a-dia, Rodger era uma figura extremamente divertida. Em meio ao barulho das máquinas de datilografia, dos telex e teletipos, ele se escondia por trás da mesa de trabalho do companheiro Amin Steplle, e no meio daquela enorme tensão de fechamento da edição do jornal, surgia do nada e gritava: “Viva o socialismo!”

Ao final da nossa epopeia, aconteceu um fato que nunca posso esquecer: fomos almoçar numa dessas biroscas no meio da estrada em São Bento do Una, no Agreste. Cansados, já no meio da tarde, depois de levar poeira na cara em direção aos galpões de frangos, que também sofriam os efeitos da seca, estávamos famintos.

E queríamos comer o que a casa oferecia de melhor: galeto. Quando a bandeja foi colocada sobre à mesa, não percebíamos que estávamos diante de um grande risco: comer o que só prestava, àquela altura, para os urubus.

E só senti o mau cheiro quando dei a primeira garfada no estranho franguinho e de lá saltitaram tapurus. Gildson e Rodger, já bem maduros, não estilaram. Mas eu dei um enorme grito: “Tapuruuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu”.

O dono da choupana, coitado, enlouqueceu, principalmente depois que viu estacionado na frente do seu pequeno negócio o carro de reportagem do Diário. E nos implorou: "Pelo amor de Deus, não bote no jornal!"


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Comentários

ROGÉRIO MOTA E ALBUQUERQUE

Depois de tudo isso, hoje o jornalista Magno Martins é um exemplo de perseverança para todos os jovens que na vida almejam suas conquistas. Parabéns grande Magno!

adalberto ribeiro

O editor Gildson Oliveira, o reporter-fotografico Rodger, o reporter furão Machado Freire, obispo Dom Francisco de Mesquita, o reporter pre-socialista Amin Stepple, seca, fome, invasao e saques de feiras tempos de reportagem no velho Diario é verdade, os magnificos reporteres se fazem pela obstinação, mesmo nos tempo áridois em que nao havia remuneração para estagiarios. Voce é um vitorioso


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Publicidade
Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Programa Frente a Frente
Apoiadores