Campanha Inauguração Polo Automotivo

06/05


2015

CPT: a vez dos políticos?

Lauro Jardim - O Globo

A CPI da Petrobras está diante de um dilema: convocar ou não os deputados e senadores acusados de recorrer à estatal para obter doações eleitorais. Os nomes de todos são conhecidos. A CPI chove no molhado, ou no espetáculo, ao só ouvir os delatores. Nenhum dos acusados pode se defender. A cobrança da mudança de rumo da comissão foi feita, ontem, pelo deputado Ivan Valente (PSOL).

No PT, a bancada  deu um puxão de orelhas no seu líder, Sibá Machado. Os petistas não só rejeitaram fechar questão na votação da MP 665 como impediram que o líder tomasse uma decisão a portas fechadas. A reunião petista foi paralisada após duas horas. Nesse momento, Sibá propôs que a posição partidária fosse concluída numa segunda reunião “restrita”, da qual participariam os vice-líderes. Os ex-presidentes da Câmara Marco Maia e Arlindo Chinaglia lideraram um levante contra esse método. Por isso, toda a bancada participou da segunda reunião. Chamou a atenção as queixas contra o ministro Aloizio Mercadante. Resmungavam: “Ele não recebe”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Prefeitura de Petrolina

06/05


2015

Câmara retoma votação de ajuste

A Câmara dos Deputados deverá retomar nesta quarta-feira (6), em sessão marcada para começar às 12h, a análise das Medida Provisórias propostas pelo governo federal que tornam mais rigoroso o acesso à concessão de benefícios previdenciários. Uma das MPs, a 665, que altera regras para o seguro-desemprego, começou a ser discutida no plenário da Câmara nesta terça-feira (5), mas a análise do texto foi interrompida após o presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciar mudança na pauta e colocar em discussão a chamada "PEC da Bengala". A proposta, que foi aprovada pelos deputados, amplia de 70 para 75 a idade da aposentadoria compulsória de ministros dos tribunais superiores e do Tribunal de Contas da União.

Com o prolongamento da votação da PEC, Cunha decidiu deixar para quarta a análise da medida provisória. Antes do adiamento, o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ) anunciou a retirada do apoio às medidas de ajuste fiscal.

 Segundo Picciani, a decisão foi motivada pelo pronunciamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em cadeia nacional de rádio e TV, em que o petista criticou a aprovação pelos deputados do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. De acordo com o líder do PMDB, governo e PT “posam” de defensores do trabalhador, enquanto pedem que a base aliada aprovem propostas que restringem direitos previdenciários.
 
O líder peemedebista chegou a dizer que o partido não concorda em votar a medida nesta quarta. "Nós não votaremos a MP 665 amanhã. Não mais. Até que o PT nos explique o que quer e, se for o caso, feche questão na votação dos ajustes fiscais. Se não for assim, se há dúvida de que  o país precisa do remédio amargo, não vamos empurrar essa conta ao trabalhador”, afirmou.
 
Mais cedo, momentos antes de o PT anunciar que apoiava as medidas provisórias de ajuste fiscal, Picciani afirmou ter "convicção que é necessário um ajuste fiscal para o país" e que esperava a mesma convicção do PT. A outra MP, a 664, que restringe o acesso ao benefício da pensão por morte, foi aprovada no início da tarde por uma comissão especial e também segue agora para a pauta do plenário da Câmara e deve ser analisada após a 665.

Economia de R$ 18 bilhões

Além de tornar mais rigoroso o acesso ao seguro-desemprego, a MP 665 modifica a concessão de benefícios previdenciários como seguro-defeso e abono salarial. Segundo estimativas do governo, junto com a MP 664, essa medida contribuirá para um economia de R$ 18 bilhões aos cofres da União ao longo de um ano.

 Ao longo das últimas semanas, ministros do governo Dilma se reuniram com parlamentares da base aliada para convencer os parlamentares a votar a favor das medidas de ajuste fiscal. Nesta terça, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que é importante que a votação ocorra "o mais rápido possível". Para tentar assegurar a aprovação dos dois textos, Levy entrou em campo para ajudar na articulação política.
 
Na avaliação do ministro, a aprovação do ajuste fiscal pelo Legislativo representará o "primeiro passo" para o Brasil voltar a registrar crescimento econômico e aumento nas taxas de emprego. “Temos de continuar a trabalhar [pela aprovação do ajuste] e por isso temos de votar as medidas que estão no Congresso o mais rápido possível, porque criam um novo ambiente, é um primeiro passo que precisamos dar para voltar à rota do crescimento e aumento do emprego”, declarou nesta terça.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


06/05


2015

Prefeito recebe prêmio

O prefeito de Inajá, Leonardo Martins (PSDB), recebe, no próximo dia 15, durante o 15º congresso, no Recife,  “Os melhores prefeitos do Brasil por um Brasil melhor”, o Troféu Gestor Nota 10 e o Certificado de qualidade total Brasil-Suíça. Foram pesquisados 3,8 mil municípios e destes selecionados os 50 mais bem avaliados pela União Brasileira de Divulgação (UBD).

Para selecionar os prefeitos, a UBD fez um levantamento criterioso junto aos ministérios, sites governamentais,  levando em consideração outros fatores como transparência, responsabilidade fiscal e comprometimento com a população.

Leonardo Martins, que também preside a CODEAM ( Comissão de desenvolvimento do agreste meridional), diz que o prêmio é fruto da realização de uma gestão com responsabilidade.

 

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


06/05


2015

A versão de João Lyra

Caro Magno Martins,

Ao contrário do que informou sua coluna, hoje, não assinei, durante meu mandato de governador, nenhuma licitação sobre transporte coletivo. A Lei 15.200, que autorizou a licitação referida, é de 17 de dezembro de 2013. Foi assinada pelo governador Eduardo Campos.

João Lyra Neto


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


06/05


2015

Produção industrial continua caindo

Do G-1

Após uma leve recuperação em janeiro, a indústria brasileira teve em março seu segundo mês seguido de queda, afetada pelo baixo nível de confiança de empresários e consumidores e pela desaceleração da demanda doméstica. A produção caiu 0,8% em março na comparação com o mês anterior, depois de ter sofrido redução de 1,3% (dado revisado) em fevereiro, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A queda registrada na comparação mensal é a mais intensa para o mês de março desde 2006, quando o recuo foi de 1,3%.
"Mais do que a queda em dois meses seguidos, de setembro para cá, há uma frequência maior de uma trajetória descendente muito marcada. Há uma perda acumulada muito grande. É um movimento que não está restrito a início de 2015, a gente já observa há algum tempo”, disse André Luiz Macedo, gerente de indústria do IBGE.

Na comparação com março do ano passado, a baixa foi de 3,5%, a 13ª queda consecutiva da produção industrial. No ano, o setor acumula queda de 5,9% e, em 12 meses, de 4,7%. “A indústria, de setembro para cá, tem uma perda acumulada de 5,1%. Ela está distante 11,2% do patamar mais alto, que foi registrado em junho de 2013”, afirmou Macedo.

O setor que mais contribuiu para o resultado negativo da indústria foi o de veículos automotores, com queda de 4,2% até março e de quase 20% nos últimos seis meses. Também influenciaram os desempenhos de máquinas e equipamentos (-3,8%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-8,1%) e de bebidas (-4,9%), entre outros.

“O que a gente observa para esse ano é que a indústria recua calcada nesse setor de veículos automotores, justificada não só pela queda de um produto específico, os automóveis, mas tem conjunto de atividades que mostram comportamento predominantemente negativo. E quando se olha o setor de metalurgia, borracha e plástico, vamos que também acompanham esse ritmo menor da produção industrial. Traz uma série [o resultado da indústria] de outras atividades também com peso importante”, afirma.
Entre os ramos que aumentaram a produção está o de produtos alimentícios, que voltou a crescer, atingindo alta de 2,1%. Entre as categorias econômicas, recuaram a de bens de capital (-4,4%), bens de consumo duráveis (-3,1%), bens de consumo semi e não-duráveis (-0,3%) e de bens intermediários (-0,2%).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Naipes Consultoria

06/05


2015

Coluna da quarta-feira

 Panelaço contra o PT

Enquanto debatem o melhor momento de entrar com um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, deputados do PSDB estimularam, ontem, pelas redes sociais, o panelaço ocorrido durante o programa de TV do PT, que foi ao ar às 20h30 em cadeia nacional.

O movimento do panelaço começou com posts nas páginas de grupos anti-Dilma como Vem pra Rua, Revoltados Online e Movimento Brasil Livre. Responsáveis pela mobilização das manifestações de março e abril em todo País, os movimentos decidiram mudar de estratégia e não planejam promover novos eventos de rua nos próximos meses. A ideia agora é focar a ação no Congresso Nacional e em atos pontuais.

No PT, a decisão da presidente de não gravar foi considerada um equívoco. Nas palavras de um parlamentar petista, é o segundo erro da presidente em apenas cinco dias, referindo-se à decisão do Dia do Trabalho. Internamente, a avaliação é que Dilma não deveria se acovardar, deixando de falar para milhões de brasileiros.

Eles criticaram especificamente o fato de ela dizer que não teme manifestações mas, na prática, deixar de se comunicar porque ouvirá “batidas de panelas”. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, garante que o filiado que cometer malfeitos e ilegalidades não continuará no partido.

“Por isso também, o PT não aceita que alguns setores da mídia queiram criminalizar todo partido por causa de erros graves de alguns filiados”, afirmou o dirigente. A fala foi complementada por um ator contratado pelo partido: “Você ouviu. Qualquer petista que ao final do processo for julgado culpado será expulso”.

No caso de José Dirceu e José Genoíno, o PT não expulsou os dois políticos do partido por não considerar a decisão do STF - a maior corte de justiça do País. O PT classificou as prisões como “punição política”. Ou seja, uma espécie de “perseguição” do Poder Judiciário aos membros do partido. Não se sabe, ainda, quais serão os critérios adotados pelo partido nestas “expulsões” que poderão acontecer.

O programa de ontem, sem a presença de Dilma Rousseff, foi criado por João Santana. O marqueteiro atualmente é investigado pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro para beneficiar o PT. Ou seja, o PT disse na TV que vai expulsar de suas fileiras qualquer petista que, ao final de um processo judicial, for julgado culpado. Faltará dizer em seguida: como por exemplo o marqueteiro que escreveu cinicamente essa frase.

SEM DISTRITAL– O relator da reforma política na Câmara, Marcelo Castro (PMDB-PI), sepultou o voto distrital alemão. O principal argumento usado para o abandono é o da "simplificação". Na negociação entre PSDB e PT, uma das conclusões foi a de que a população não aceitaria um sistema em que o número máximo de deputados seria flexível, a cada eleição havendo um número indeterminado de eleitos, a partir de 513, tamanho da atual bancada da Câmara.

Resultado de imagem para joao lira netoFeitiço contra o feiticeiro- Dono da Caruaruense, o ex-governador João Lyra (PSB) fechou o seu mandato-tampão assinando um edital em que sua empresa de ônibus, que passou a responder por outra razão social, a Logos, se associaria a Progresso, detentora de um grande monopólio, para explorar as linhas do Agreste e Sertão. Não contava que mais à frente a justiça suspendesse o edital por estar eivado de vícios que contrariam a lei de licitações.

 

Na pressão– No tudo ou nada pelo ajuste fiscal, o vice-presidente Michel Temer passou grande parte de seu dia de ontem telefonando para os ministros. No esforço concentrado, pediu a cada um deles que mobilizem, se reúnam e telefonem para os deputados de suas bancadas, regionais e partidárias, pedindo votos para aprovar, na Câmara, as MPs do ajuste fiscal, a 664 e a 665. O Governo adotou o chamado rolo compressor.

Aumenta vazão de Xingó – Uma mancha observada em Xingó, no rio São Francisco, provocada provavelmente pelo longo período de estiagem, levou a Chesf a ampliar a vazão naquele reservatório de 1.100 metros cúbicos por segundo para 1.500 metros cúbicos por segundo. O aumento começou no último dia 1º e vai até a próxima sexta-feira, sendo monitorado pelo Comitê de Bacias do Rio São Francisco.

Fusão sofre resistências – Líder do PSB na Câmara, o deputado Fernando Bezerra Filho diz que a fusão do PPS à legenda socialista ainda não é um fato consumado porque existem resistências em alguns Estados, como Paraná, Pará e Tocantins. Mas acredita que até a decisão final, que sai no congresso nacional do PSB, em julho, tudo provavelmente será superado.

 

CURTAS

PROJETOS– Criado pela Seplan, o Escritório de Projetos que dará suporte aos prefeitos no FEM, o fundo estadual dos municípios, atenderá entre os dias 12 e 20 deste mês os gestores municipais do Agreste, Sertão, Região Metropolitana e Zona da Mata. O Escritório tem orçamento da ordem de R$ 10 milhões e foi criado pelo governador Paulo Câmara.

ASSALTO– O Governo tem que reforçar o policiamento nas estradas sertanejas. Ontem, por volta das três da manhã, mais um ônibus da Progresso foi assaltado, desta feita na Serra do Mimoso, próximo a Arcoverde. Os ladrões levaram todos os pertences dos passageiros.

Perguntar não ofende: O que, afinal será aprovado na reforma política em discussão na Câmara dos Deputados?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Comentários

sonia

O \"PANELAÇO FOI UM SUCESSO\" Os petista estão tão sujos que perderam a noção da realidade, da etica, da moral, que, trapaceiam, mente, dissimulam com a maior cara-de-pau sem o menor constrangimento.



06/05


2015

PSB quer PPS incorporado. Há divergências

Do Diario de Pernambuco – Rosália Rangel

Alguns socialistas apostam na possibilidade de incorporação do PPS ao PSB e vão na contramão do debate que está ocorrendo no partido sobre união das siglas. Na realidade, a discussão agora é para decidir a fusão ou não com os pós-comunistas. Ontem, em Brasília, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, reuniu a bancada federal do partido para tratar do assunto. Segundo informações de bastidores, ele deixou claro que a executiva nacional aprovou, na semana passada, a discussão do processo de fusão e não de incorporação com o PPS.

Em alguns estados, Pernambuco está entre eles, o temor pela fusão é no sentido de o PSB perder sua identidade política diante da possibilidade de compartilhar com o PPS as funções de partido. Por conta disso, socialistas acreditam que haverá resistência e que a fusão não deverá ser aprovada. Eles defendem a incorporação dos “companheiros” do PPS, mas respeitando o estatuto e os compromissos programáticos do PSB. 

O governador Paulo Câmara (PSB) participou da reunião com a bancada. Ele confirmou que o debate autorizado pela executiva nacional é o da fusão e que a incorporação só poderá retornar à pauta se for alvo de outra reunião da executiva.

“O diálogo é em torno da fusão. E vamos discutir todas as questões porque temos que chegar no congresso com uma decisão de consenso”, ponderou. O Congresso Nacional Extraordinário do PSB para aprovar ou não a fusão com o PPS será realizado no dia 20 de junho.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se


06/05


2015

STF autoriza busca no gabinete de Cunha

A pedido da Procuradoria-Geral da República, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, autorizou uma operação de busca e apreensão no gabinete do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele é suspeito de se beneficiar do esquema de corrupção da Petrobras e está entre os 50 investigados com inquéritos no Supremo. Cunha aparece nos registros da Câmara como "autor" de requerimento que teria sido usado para chantagear empresa. Segundo depoimento do doleiro Alberto Youssef, em delação premiada, ele apresentou pedido para investigar uma fornecedora da estatal que teria interrompido o pagamento de propinas, a Mitsui.

Durante a semana, Cunha acusou Rodrigo Janot de ter “opinião formada” sobre seu caso. Ontem, o presidente da Câmara voltou a rechaçar a decisão do procurador-geral da República de pedir ao STF que dê continuidade ao inquérito sobre sua participação no esquema investigado pela Operação Lava Jato.

"Ele escolheu a mim e está insistindo na querela pessoal porque eu o contestei. Virou um problema pessoal dele comigo", afirmou. Segundo Cunha, no documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), ele provou que as contribuições citadas foram feitas diretamente. "[Janot] insiste e me escolheu para investigar. Ele coloca as situações que não fazem parte do objeto inicial do Ministério Público baseado em matérias jornalísticas para criar qualquer tipo de constrangimento. Não vai me constranger. Estou absolutamente tranquilo", garantiu. (Portal BR 247)

Leia aqui reportagem do Estadão  


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Comentários

Lucidio de Figueiredo Galvão Júnior

VAMOS COMPRANDO ALGEMAS, PORQUE SE A JUSTIÇA PREVALECER VÃO USAR DE TONELADAS !!!!!

Lucidio de Figueiredo Galvão Júnior

QUANDO FALAMOS QUE SE MURAR O CONGRESSO VIRA PRESÍDIO AINDA TEM QUEM ACHE RUIM !!!!

Crisóstomo Menezes Lima

VAMOS VER SE ESSE BANDIDO BAIXA A BOLA


Biologicus

06/05


2015

Impeachment: PSDB recua a tropa

Diante da divisão interna, o PSDB recuou e deve propor ação penal contra Dilma Rousseff pelas pedaladas fiscais antes de enviar ao Congresso o pedido de impeachment. O partido quer representar à Procuradoria-Geral da República na semana que vem.

Amparados por parecer do jurista Miguel Reale Jr., os tucanos entendem que a eventual condenação da presidente por crime de responsabilidade abre caminho para impeachment, mesmo por atos praticados no primeiro mandato.

Como o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já se manifestou pela impossibilidade de processar Dilma por fatos anteriores ao mandato atual, a nova estratégia tucana tem pouca chance de êxito. (Vera Magalhães – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Santana e Plácido

06/05


2015

Para ficar bonzinho Cunha quer portos

O PMDB do Rio de Janeiro enviou mais uma fatura ao Palácio do Planalto para que Eduardo Cunha continue bonzinho. O partido quer indicar os nomes da Companhia de Docas de São Paulo e da Companhia de Docas do Rio de Janeiro.

Nada mais natural para um partido que há tempos tem excelente relação com empresas do setor portuário – e que, agora, também controla o ministério do setor, com Edinho Araújo.

A propósito, nas eleições 2014, dois herdeiros do Grupo Libra, os irmãos Celina Borges Torrealba Carpi e Gonçalo Borges Torrealba, ambos com assentos no Conselho de Administração da empresa, doaram, juntos, 500 000 reais para o PMDB do Rio de Janeiro. Ambos doaram como pessoas físicas.

A Libra Terminais, braço do grupo para o setor portuário, tem terminais no Porto de Santos e no Porto do Rio.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se

Coluna do Blog
TV do Blog do Magno
Publicidade
Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Programa Frente a Frente
Apoiadores